Categoria(s) do post: Tecnologia

Um tema recorrente, que todo mundo adora, é sobre ferramentas para se organizar. Como parte do meu trabalho, vivo fazendo testes, conhecendo ferramentas novas, migrando, usando, enfim, até para poder compartilhar esse conteúdo com vocês.

A organização NUNCA se resume às ferramentas. Elas apenas dão suporte aos nossos comportamentos. Logo, o foco deve estar sempre no comportamento, depois você escolhe a ferramenta. Se você começa seu processo de organização escolhendo a ferramenta, fica preso no que ela te propõe e isso pode ser confuso e até bagunçar a sua vida. Você fica restrito aos recursos da ferramenta e não existe uma ferramenta que sirva para absolutamente TUDO. Por isso entender o processo é tão importante.

Quis então fazer este post, que pode entrar no blog de maneira recorrente, se vocês curtirem, sobre algumas ferramentas que estou explorando no momento.

Vários alunos meus me pediram para explorar essa ferramenta gerenciadora de listas pois, segundo eles, eu gostaria muito e ela é bem boa. Chama-se Amazing Marvin. Estou em fase inicial de testes, mas gosto da carinha dela. Parece ser bastante customizável e apropriada para métodos como o GTD, por exemplo. Pelo que vi, é fácil importar ações de outras ferramentas, ela apresenta templates e vários recursos bacanas. Como disse, estou testando. Pode ser que você queira experimentar por aí também.

Habitica é uma ferramenta para gerenciar hábitos que tem uma pegada de gamificação, em estilo RPG. Já temos um artigo aqui no blog escrito pelo Victor Menna em 2016 (!) e, na semana passada, fizemos uma live juntos onde o Victor fez algumas demonstrações na ferramenta. Eu estou explorando porque quero fazer alguns testes em família aqui, principalmente com o filhote, pois dá para “jogar” em grupo.

Nos últimos dois anos, como parte da minha pesquisa do mestrado, eu fiquei alguns períodos sem o What’sApp, justamente para testar a reação das pessoas, como eu me comunicaria, sentimentos e outras questões que levei para a dissertação em si. Agora na pandemia, as pessoas (me desculpem o termo) enlouqueceram completamente com o uso do aplicativo. Eu tentei aumentar o meu tempo de dedicação a ele diariamente mas estava ficando ridículo – ou eu acompanhava as mensagens, ou fazia qualquer outra atividade. Por isso, resolvi sair novamente. Mantenho a conta apenas para conversar com a minha mãe, que mora em outra cidade, e meu médico, e só. Para facilitar esse processo, eu instalei a versão Business do app, que permite deixar respostas automáticas e outros recursos. Assim, se uma pessoa me enviar uma mensagem, ela recebe a resposta automática dizendo que não estou mais usando o app e para que me contate por e-mail.

Eu realmente entendo toda a comoção atual pelo Notion, pois ele é realmente um aplicativo com múltiplas possibilidades. Eu cheguei a comentar que estava testando a migração do meu calendário editorial de produção de conteúdo para lá, mas não rolou. Gosto muito de fazer isso no Trello ainda. Cheguei a montar minha lista de projetos lá, para testar, e parece uma boa, mas ainda não migrei nada oficialmente. Eu ainda estou um pouco cismada. Fiz testes importando conteúdos e não foram todos os conteúdos, inteiros, sabem? Então ainda preciso testar mais para me sentir segura para migrar. Ainda acho que ele é um app complexo para quem não tem um método ainda muito definido para se organizar e que tende a nos levar a um microgerenciamento. Isso não significa que você não possa usar, não microgerencie etc.

Entendendo que existe essa demanda para aprender mais sobre os recursos de tantas ferramentas existentes, a partir de setembro, no meu curso de organização, os alunos terão workshops de ferramentas, ao vivo, para tirarem dúvidas e aprenderem sobre elas. as inscrições estão abertas apenas até sexta agora, caso você tenha interesse. Obrigada!