Categoria(s) do post: Plenitude & Felicidade, Equilíbrio emocional

Praticamente todos os dias eu recebo essa pergunta em todas as minhas redes sociais.

Não está nada fácil, e eu mesma tive momentos de ansiedade ao longo desses mais de quatro meses de quarentena. É uma luta diária, pois todos os dias surgem novos desafios. Minha mãe, que estava em quarentena, precisou sair de casa. Meu sogro teve que ir ao hospital. A dúvida sobre a volta às aulas nas escolas. Enfim, o dia a dia, por mais que a gente tenha um certo “controle” sobre as emoções e nossos pensamentos, é bastante desafiador.

Na terapia, minha psicóloga disse algo muito verdadeiro e que reconheço em mim: eu já sou budista. Já tenho uma mente compassiva de modo geral. Nesse momento do mundo, com tantas pessoas sofrendo e morrendo, não tem como eu ou qualquer outro ser humano ficar indiferente. Isso bate, e bate forte. Impacta na gente se a gente ter muita noção ainda, eu acho. Mas impacta, faz diferença, interfere em como a gente se sente, se relaciona, vive o dia. Por isso precisa atentar para não entrar em um estado depressivo maior.

Eu vou contar então quais as coisas que eu tenho feito e que me ajudam. Espero que sejam dicas úteis para você, mas é importante lembrar que cada um é de um jeito e a melhor maneira de saber o que fazer é se conhecer e trazer soluções personalizadas para a sua vida diariamente.

  • Evitar notícias. Sinceramente, não me acrescentam em nada. Quando é algo importante, meu marido me fala, alguém me fala – chega até mim. Às vezes tenho vontade de ler o jornal, mas é pontual, e não uma rotina diária. Meu estado mental melhorou 400% depois que passei a fazer isso.
  • Evitar a timeline das redes sociais. Twitter, Facebook, Instagram e até Twitter. Entro, posto (porque uso a trabalho) e saio. Entro, respondo comentários, e saio. Entro, vejo algo pontual, e saio. Essa coisa de ficar “scrollando” a tela é um péssimo hábito e não me agrega em absolutamente nada, então parei. Era muita negatividade.
  • Dormir cedo, acordar cedo. Me alimentar corretamente. Reduzir a cafeína (só tomo de manhã). Não deixar nunca minhas atividades me levarem a um estado de exaustão. Fazer menos coisas. Oleação corporal antes do banho. Yoga. Autocuidado. Brincar com o cachorro. Trabalhar 1h, descansar, trabalhar mais um pouco. E assim vai o dia.
  • Meditação. Todos os dias, várias vezes ao dia. O app Insight Timer tem sido meu companheiro atual, quando quero fazer meditações guiadas.
  • Muita água. Uns 3 litros de água por dia, todos os dias. Chá. Sopinhas. Alimentos reconfortantes. Ficar quentinha. Usar touca, meia fofa, pequenas bobagens que fazem toda a diferença. Meu corpo sofre pacas no tempo frio, e ressecamentos de modo geral são uma tendência.
  • Observar o nascer do sol e o crepúsculo pra sentir “menos” a mudança de luminosidade e diminuir a ansiedade (é uma recomendação ayurvédica).
  • Ler. Sair da Internet. Mergulhar em alguma leitura.
  • Fazer terapia.
  • Pintar e desenhar. Resgatei aqueles livros de colorir e isso tem me ajudado a distrair e viver o momento.
  • Trazer meu filho ainda mais para as atividades do meu dia a dia. Ele trabalha comigo no escritório, conversamos, cozinhamos juntos, lemos, damos risada, tudo junto, o dia todo.
  • Manter minhas rotinas organizadas: caixas de entrada zeradas, processar papelada, fazer minha Revisão Semanal etc.
  • Alimentar minha mente pela manhã com afirmações positivas e leituras de desenvolvimento pessoal.
  • Acima de qualquer coisa: me respeitar. Se eu estiver triste, me reconhecer triste, fazer algo para ficar bem, que seja dormir. Se eu estiver cansada, descansar, dormir mais cedo. Coisas simples, mas que fazem toda a diferença.

Cada dia é um dia. Mas estabelecer uma rotina, saber que estou me cuidando, que estou respeitando o meu ritmo, que tem dias que trabalho mais, outros menos, tudo isso me ajuda a manter a cabeça no lugar e a tentar ficar pelo menos um pouco melhor diante de tudo o que está acontecendo. Espero de verdade que o post ajude de alguma maneira.