A saúde mental em tempos de quarentena

9
3333

Estou escrevendo este texto no meu décimo dia de quarentena (22/03). Eu costumo deixar textos já prontos e agendados para o blog mas, se tenho vontade de escrever algo e publicar de maneira mais espontânea, eu troco os posts de dia. 😉

Como compartilhei no meu Twitter pessoal, estou bem. Percebo que a maior dificuldade é para o filhote e o marido, que costumam sair mais de casa. Eu geralmente tenho tanta coisa pra me distrair que fico numa boa, mas o desafio tem sido ajudá-los a fazer o mesmo.

E também depende do dia. Ontem (sábado) eu acordei com vontade de fazer e pensar em nada. Fiquei na cama lendo, fiz minha yoga, me alimentei corretamente, instalei The Sims no computador (!), assisti filme com eles de noite. Não consegui e nem quis trabalhar. A grande verdade é que ninguém sabe como lidar com o que está acontecendo e estamos todos aprendendo juntos.

O que comentei no meu Instagram, e trago para cá, é o seguinte: minha preocupação real por aqui, em todo esse trabalho que eu faço com o Vida Organizada, é te ajudar a manter a mente tranquila nas situações boas e nas situações difíceis. Tamo junto. ❤️ Vamos superar.

Eu não sei mais do que ninguém. Este é apenas um canal onde compartilho estratégias que funcionam comigo e que acredito que possam funcionar para outras pessoas. E aqui estão algumas delas que têm funcionado para mim em tempos de quarentena.

Respeitar o ritmo de cada um

Inclui o meu e o das pessoas em casa comigo. Tem dias que acordo melhor, mais alegre, e tem dias em que acordo mais introspectiva. Tem dias que quero ver todas as notícias, tem dias que quero me alienar um pouco. Tem dias que quero fazer tudo, e tem dias que não quero fazer nada. Tá tudo bem. Não “precisamos” fazer nada. É olhar para si mesma/o, se entender, e fazer aquilo que sente que é o mais certo naquele dia. Uma conversa em casa sobre isso pode ajudar, pois é uma empatia legal de todos desenvolverem. Por exemplo, em um dia que eu estiver bem, meu marido pode estar impaciente. É entender que cada um tem seu ritmo, e não cobrar do outro que ele esteja no mesmo estado que você.

Tomar cuidado com o excesso de informações

É importante se manter informado porque, pelo menos no meu caso, não saber o que está acontecendo me causa mais ansiedade. Mas acho também que há um limite. Leu as notícias do dia, já soube das principais novidades? Evite ficar vendo mais e mais coisas a respeito. O Twitter está MUITO difícil. Você entra lá e é muita contestação e protesto – o que acho importante – mas a gente precisa colocar um limite para o bem da nossa saúde mental. Em vez de ficar “navegando”, faça outra coisa.

Dar uma geral

Na casa, nos projetos do trabalho, nos livros, organizar fotos, arrumar o guarda-roupa, limpar um canto da casa, dar uma destralhada em algum lugar específico. Nem todo dia eu tenho vontade de fazer isso mas, quando dá, e faço, sempre é bom. Dá a sensação de que estou andando com algo mesmo que esteja parada, em casa. Sinto que pelo menos alguns aspectos da coisa toda a gente tem sob controle.

Ressignificar a rotina da casa

A vida mudou. A rotina acompanha as mudanças da vida. Com todo mundo em casa, tudo muda. Consumimos mais alimentos, usamos mais os cômodos, usamos mais tudo em casa – demanda mais limpeza e arrumação, por exemplo. Estou reorganizando a nossa rotina e isso tem sido muito bom porque está me dando a oportunidade de repensar como fazíamos as coisas. Meu marido gosta de limpar a casa, aquela coisa de pegar cândida, esfregar chão etc. Já eu gosto mais de trabalhar nos detalhes, de arrumar, de encontrar soluções de organização, de cuidar da manutenção do dia a dia. Temos feito muita coisa em conjunto e eu vejo que é bom para todos nós, porque “se distrair” com uma ação física faz a gente dar férias para a cabeça.

Ressignificar as relações

Não podemos mais encontrar nossos pais e amigos, mas isso não significa que não possamos estreitar os nossos relacionamentos. Converso o dia todo com a minha mãe pelo What’sApp para garantir que ela se sinta bem e amada. Converso com as minhas amigas que nunca trabalharam em casa e estão estranhando. Digo todos os dias ao marido e ao filhote o quanto nos amamos e o quão sortudos somos por podermos estar em casa. Esse é um aspecto que eu vejo como mudou para melhor em todos os sentidos. Estamos mais unidos.

Ressignificar o trabalho, o consumo, o mundo

Acho que todo mundo ainda está meio atordoado tentando entender o que significa essa nova configuração de trabalho. Alguns empresários estão em choque, sem saber exatamente o que fazer. Demissões acontecendo. Profissionais em casa ainda sem saber como vão ficar as coisas. Tenho uma amiga que trabalha com vendas e depende das comissões, e em home-office ela não consegue vender porque depende de visitas e demonstração física dos produtos. Outra que é secretária e que basicamente gerencia a agenda de viagens e reuniões de vários executivos, e tem dois filhos pequenos em casa. Outra é recepcionista de escola de idiomas e está completamente sem saber o que vai acontecer com o futuro do trabalho dela. Acho que cada um de nós tem exemplos assim em nosso círculo também. O fato é que estamos todos nos redescobrindo. Eu penso que isso é uma coisa boa e ainda tenho bastante desenrolar desse assunto para falar nos próximos meses.

Cuidar da saúde

Quanto menos mudanças na rotina, melhor para manter a imunidade. Dormir bem tem sido a minha prioridade. Tive que mudar um pouco o horário porque meus meninos vão dormir mais tarde e eu acho que é prioridade estar com eles, especialmente o filhote. Tá tudo bem, eu posso mudar meu horário, sem problemas. Manter a alimentação no mais saudável possível também é importante para mim. Fazer atividade física ao longo do dia – intensificar a yoga, treinar mais as permanências nas asanas. Cuidar da oleação para hidratar o meu corpo. Meditar mais vezes ao longo do dia. Tudo isso tem me ajudado a manter a saúde bem.

Pensar positivo

Positividade não é sinônimo de imbecilidade. Não é para ignorar a situação e achar que tudo vai ficar, que pode sair na rua e tá tudo certo. Não. Positividade é fazer o certo, fazer o que precisa ser feito, e ter a atitude positiva de pensar exatamente isso: que estou fazendo a minha parte. Logo, não há por que pensar negativo. Tem me ajudado demais ter essa perspectiva, para não pirar.

Claro, eu poderia dizer aqui que estou lendo pra caramba, que estou estudando, aproveitando para pensar e focar em alguns projetos, mas acho que isso é algo muito mais particular meu que uma dica geral para ter boa saúde mental. Quis trazer neste post minhas estratégias pontuais para ficar com a saúde mental bem. Espero de verdade que ajude. <3

9 comentários

    • Mal consigo imaginar o tanto de pressão que você sente nesse momento. Mas o que posso dizer é: gratidão pela sua família poder cuidar do mundo nesse momento! Sinta meu abraço virtual 🙂

  1. Thais,

    Faz um vídeo jogando The Sims, por favor! Dá de pegar seus posts sobre casa e tals e construir uma no jogo que siga esses princípios!

  2. Obrigada por atender ao meu pedido e ter publicado esse post.
    Ajudou muito.
    Vivo em Portugal e por aqui a situação está a ficar bem complicada: indefinição no emprego, crianças em casa com o marido, pânico colectivo na sociedade…
    Enfim, as suas dicas são preciosas.
    Bj

  3. Obrigada pelos posts dos ultimos dias Thais… <3 mta coisa acontecendo e as vezes a vontade eh ficar um pouco "fora do assunto" nem q seja por umas horas….obrigada e boa sorte pra todos nós

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui