Saúde, Rotinas, Ayurveda

Alimentação e estilo de vida ayurvédico no outono

No final do ano passado eu me apaixonei e trouxe para casa um livro chamado “Culinária Ayurvédica para o seu dia a dia”, da Kate O’Donnell, e desde então ele tem sido o meu guia diário para preparar refeições e me alimentar de acordo com essa linha da medicina oriental. (leia mais sobre ayurveda aqui)

Nesse livro, a autora explica sobre a culinária do ponto de vista da ayurveda (medicina indiana) e traz receitas alinhadas com o ritmo de cada uma das estações. Eu já adoro essa questão das estações porque acredito que nós, como seres humanos, ficamos melhores quando nos conectamos com a natureza. O livro é incrível e recomendo fortemente para quem tem esse mesmo tipo de raciocínio. Ele é totalmente prático e traz receitas e boas práticas em termos de estilo de vida para cada estação.

Muita coisa mudou desde o último post relacionado que eu fiz, sobre a alimentação de verão. Li diversos outros livros sobre o assunto, pesquisei e estudei muito, e hoje considero que já sei um pouco mais do que sabia quando escrevi o texto anterior.

Também estamos em um momento de pandemia do COVID19 no mundo e, por mais que algumas regiões no Brasil não tenham uma temperatura menor, de modo geral muitas pessoas começam a ficar expostas a maiores problemas, especialmente respiratórios, nessa época que está chegando, além da preocupação adicional com o vírus. O que quero dizer é que é hora de cuidarmos da nossa alimentação e da nossa imunidade, e todo o propósito desse trabalho com o ayurveda é justamente esse. Não se trata de uma “brincadeira” de comidas e ingredientes, mas de entender o que faz sentido em cada estação, associado ao que cada corpo humano precisa, e fazer a melhor e mais saudável possível alimentação para todos nós.

O que eu aprendi desde o último post que escrevi sobre o assunto é que cada pessoa deve entender como “funciona” o clima da sua região e se alimentar com os ingredientes produzidos na terra, naturais de onde mora. Você até pode comer alimentos de fora, mas não precisa. Sabe? O Brasil é riquíssimo em ingredientes e produção natural de alimentos – precisamos encorajar isso.

Uma outra pergunta muito comum que surgiu no outro post (e eu nem sabia como responder direito ainda) é se a alimentação deve ser “alinhada com o dosha dominante de cada um”. E uma coisa que aprendi de lá pra cá é que a alimentação ayurvédica deve estar alinhada com as estações, com seu dosha dominante sim, e composta pelos seis sabores principais, que são: salgado, doce, azedo, adstringente, picante e amargo. Quando algum dosha estiver em desquilíbrio, você deve ajustar a sua alimentação para pacificar esse dosha. (se não estiver entendendo nada sobre esse papo de doshas, leia outro post em que falei sobre o assunto)

Logo, autoconhecimento é tudo, e fórmulas prontas não servem de nada, a não ser inspiração para modelos de raciocínio. Se você pegar um modelo e aplicá-lo sem personalizar para a sua realidade, não pode criticar o raciocínio por trás do modelo, pois na verdade você não o aplicou. Isso vale para outras coisas além da alimentação também.

Observando o que acontece na sua região e entendendo como seu corpo reage, você pode tomar decisões com relação ao menu na sua casa, que envolva você e toda a sua família.

Eu sou uma pessoa de constituição vata-pitta, assim como o filhote, e meu marido é pitta-kapha. No clima, vemos algumas mudanças, como por exemplo: ainda chove em março, mas o vento começa a ficar mais fresco. Em breve as chuvas param também. O friozinho tende a aumentar o apetite e naturalmente vamos querendo coisas mais quentinhas, doces e suculentas. O ayurveda está alinhado com isso.

As qualidades que devemos introduzir de modo geral (e que se reflete nos alimentos) são:

  • quente
  • reconfortantes
  • suculentos / úmidos
  • rotinas <3

Devemos reduzir: coisas frias, sobrecarga, secura e vida desregulada de modo geral.

O interessante é que tudo isso conversa com a particularidade do isolamento social que estamos vivendo.

De modo geral, existem alguns desequilíbrios associados a essa época, como gases, inchaços, prisão de ventre, secura na pele e no couro cabeludo e ansiedade. Logo, precisamos ajustar a nossa rotina de modo que esses desequilíbrios não aconteçam e sejam reduzidos. Tenta pensar o que você pode mudar na sua rotina para que esses desequilíbrios não aconteçam.

Alimentos quentinhos, úmidos e ligeiramente oleosos são favoráveis nessa época. Claro, se fizerem sentido para a região onde você mora. Comento o que faz sentido para onde eu moro, que é São Paulo. 😉

Tabela da CEAGESP com os alimentos mais fortes mês a mês. 😉

  • Raízes são bons alimentos para essa época porque trazem os elementos favoráveis. Cenoura, batata-doce, nabo, beterraba, abóbora. São vegetais que ficam deliciosos fazendo assados com algumas especiarias, ou em formato de purê e sopa.
  • Verduras cozidas. Uma coisa que aprendi com o ayurveda é a importância dos alimentos quentes para uma boa digestão. Reduzi muito os alimentos gelados, deixando apenas para dias muito quentes. Comer verduras cozidas, em vez de cruas, me agrada (mas vai do gosto de cada um). Como eu AMO sopas e faço bastante, adoro colocar verduras como acelga, couve e algas. É uma maneira de “comer salada sem comer salada”.
  • Especiarias que esquentem, tais como: canela, gengibre, cominho, erva-doce. Uma dica sobre o gengibre: a versão é pó é seca e picante. A versão da raiz mesmo é mais úmida, então talvez seja uma preferência melhor para essa época. De modo geral, acredito que usar as versões em ervas seja melhor nesse momento que as versões em pó, embora eu entenda que não sejam tão práticas e acessíveis para todo mundo (eu mesma uso muito em pó essas especiarias).
  • Leite morno. Eu não tomo leite de vaca, porque sou intolerante e me tornei vegana, mas preparo leite de castanha de caju, que é o mais parecido de todos (acho) com o leite de vaca. Mas se você toma, a ideia é tomar morno, entende? Pode temperar com especiarias, se quiser. Atualmente estou testando uma receita do chamado “golden milk”, que é um leite com especiarias que aumenta a imunidade.
  • Nozes e sementes cruas ou torradas na hora.
  • Óleos prensados a frio e gordurosos, como o óleo de coco, o óleo de gergelim, ghee e abacate. Apesar de eu ser vegana e considerar a referência óbvia, sempre preciso dizer que, quando falo em leite, me refiro a leite vegetal e, ghee, ghee vegetal, pois senão sempre vem alguém me dizer que “leite não é vegano”. rs
  • Grãos úmidos. Trigo, arroz integral, aveia. Mingaus são uma boa. Fazer um mingauzinho de aveia pela manhã, uma canjinha só com arroz e especiarias (pretendo postar essa receita em breve aqui no blog). Tudo isso é a cara do outono.
  • Frutas doces e mais pesadas como: banana, manga, maçã, pera, cranberries (se tiver na sua região). Eu não tenho um amplo conhecimento das frutas de todo o país, mas certamente tanto no sul quanto no norte há frutas típicas fantásticas que possuem essas mesmas características e podem ser usadas no seu menu semanal. Para mim, só a banana é toda uma abundância de possibilidades. Banana assada com canela é a sobremesa mais perfeitinha para o meu dia a dia, quando tenho vontade de comer doce.
  • Proteínas – vegetais de leguminosas menores como lentilha vermelha, feijão mungo, feijão azuki, ervilha seca, tofu – e, para quem consome alimentos de origem animal, ovos e carnes.

Receitas que certamente farão parte da nossa rotina no outono, no menu semanal:

  • Café-da-manhã
    • Mingau de aveia com frutas cozidas
    • Overnight com aveia e frutas
    • Bolinhos e muffins
    • Frutas em compotas
    • Frutas assadas
  • Almoço
    • Legumes assados com especiarias
    • Muito arroz e feijão como acompanhamento
    • Pastas e purês (exemplo de pasta oleosa apropriada para a estação: guacamole)
  • Jantar
    • Lamen
    • Caldos
    • Sopas
    • Cremes
    • Massas
  • Lanchinhos
    • Pastas e purês para comer como aperitivos, tipo palitinhos de legumes
    • Bolinhos e muffins
    • Sementes tostadas
    • Frutas assadas
    • Cookies
  • Bebidas
    • Chás (sempre)
    • Leites mornos e quentes com especiarias

O que o ayurveda recomenda reduzir (de alimentos) nessa época:

  • Alimentos secos de modo geral, tipo biscoitos, chips, essas coisas.
  • Café e cafeína de modo geral.
  • Bebidas gasosas, inclusive água.
  • Feijões de grãos grandes, como o feijão branco, pois causam mais flatulência.
  • Alimentos crus.

Algumas orientações para o seu estilo de vida e rotina diária:

  • Em todas as estações, mas especialmente nesse momento que estamos vivendo, para fortalecer a imunidade: dormir bem. Regular o sono, dormir horas suficientes. É natural dormir mais no frio, e tá tudo bem, viu? Os dias ficam mais curtos mesmo.
  • Oleação corporal diária, antes do banho. É uma prática de auto-cuidado tão gostosa, fora que aquece o corpo antes do banho. O tipo de óleo depende do seu dosha. Eu tenho a pele bem mais ressecada, então para mim o que funciona é o de amêndoas ou de gergelim. Além de passar óleo no corpo antes de tomar banho, gosto de fazer auto-massagem nos pés antes de dormir e também no pescoço e ombros, no rosto etc. Você pode pingar algumas gotinhas de essências, se curtir aromaterapia, tipo de lavanda, para relaxar. Existem algumas essências que ajudam no combate à ansiedade. Quero aprender mais sobre aromaterapia para trazer esse conhecimento para o blog, pois tem me ajudado bastante no último ano também.
  • Consumir alimentos e bebidas quentes ou, no máximo, em temperatura ambiente. Isso faz toda a diferença para a digestão e a digestão é o que faz diferença na sua saúde como um todo. O que deixa você sem sede é a hidratação, e isso você consegue bebendo mais água ou bebidas mais hidratantes, como água de coco, por exemplo. A temperatura da água apenas dá um “choque” na temperatura quentinha do seu organismo, que faz um exercício extra para se recompôr. Quando está muito calor, eu bebo água ou água de coco em temperatura ambiente e fico muito bem. Ou faço um chá e deixo esfriar.
  • Estabeleça horários regulares para as refeições. Isso fará com que seu organismo se acostume e tenha um ritmo para evacuação, sentir fome, relaxar para o sono e todas as suas outras atividades. A refeição mais substanciosa na hora do almoço. Refeições leves à noite – sopas, caldos, cremes, purês e pastas.
  • Proteja-se do frio. À noite, a temperatura do corpo cai naturalmente quando dormimos, então coloque uma roupa que te deixe quentinho/a. Use touca, meias e luvas, se apropriado, pois o calor sai do corpo pelas extremidades. Evite ar condicionado seco. Mantenha-se hidratado/a em situações de secura total e frio.
  • Se você sofre de alergias ou tem algo como sinusite (eu tinha e reduzi bastante depois de parar de tomar leite), aprenda a fazer exercícios no rosto para tirar o catarro. Faça oleação nasal. Eu comecei a fazer este ano e mudou completamente a minha relação com a sinusite. Funciona assim: na minha limpeza corporal matinal, pego um pouco de óleo no dedo anelar e limpo as narinas por dentro. Elas “abrem”. Como tenho adenóides, me ajuda até a respirar melhor. Recomendo fortemente.

Espero que esse tipo de post seja tão útil para vocês quanto é para mim estudar e fazer essa compilação. 🙂 Tenho buscado trazer essas recomendações tanto de estilo de vida quanto de alimentação aqui para o blog, com receitas e tutoriais, porque acredito que ajudem.

13 Comments

  1. FABIANA FERREIRA says:

    Obrigada pelo texto, morando na zona rural as transições das estações ficam mais evidentes na rotina porque elas sem impõem nos horários..rs.. Curioso como quando começamos a nos alinhar com autoconhecimento e natureza nossa intuição se expande! Preparei um chá pra leitura matinal online e…Ele está bem alinhado com a estação e as necessidades do meu corpo- chá preto (momento de amenizar a cafeína-ansiedade), gengibre ralado e cravo; quando coloquei na xícara o impulso de pitadas de açúcar mascavo e canela caíram lá…kkk

  2. MARIA TEREZA DUARTE MENDONCA says:

    Oi Thaís!
    Acompanho seu blog desde de 2013, tenho aprendido muito com seus posts e sou grata por isso.
    Há alguns anos me aproximei do Ayurveda e achei maravilhoso, só que não fui persistente, achava difícil de praticar.
    Persistência na real não é o meu forte e hoje depois de ler seus posts e de ler o livro Mude seus horários mude sua vida ( sugestão sua) descobri que tem haver com meu dosha que é vata-pitta. O legal é que com as suas orientações tenho conseguido colocar em prática. Comecei pelo sono, depois agreguei exercício e alimentação. Com tranquilidade fazendo uma coisa de cada vez estou progredindo e o melhor me sentindo ótima. Obrigada por ser tão generosa em compartilhar seu conhecimento. Você é didática e objetiva é muito fácil compreendê-la.
    Um grande abraço
    Maria Tereza

  3. Vanessa Reis says:

    Thais, você fala da ayurveda de uma maneira tão leve e didática, que desmistifica o assunto e faz a gente se interessar por ele de uma maneira mágica (parecia tão complicado pra mim). Gratidão!

    Uma dúvida: na oleação nasal é possível usar óleo de semente de uva?

    1. A questão dos óleos está bastante relacionada aos doshas.

      Eu costumo usar de amendoas ou gergelim.

      Acho que tudo bem o de semente de uva.

      1. Cristina says:

        Olá Tais, você tem informação sobre os óleos indicados para o dosha Kappa?

        1. Pelo que já estudei, kapha nem é legal usar óleo porque já tem muito líquido, sendo mais recomendados os pós ou massagem seca mesmo.

          1. Cristina says:

            Obrigada. Talvez por isso não conseguia concluir nada em concreto. Está é uma mensagem só para si. Não precisa publicar. Todos os dias estou ansiosa por mais um post sobre Ayurveda. Aqui em Portugal não temos muita informação. Agora espero que passe toda esta fase para receber um livro que encomendei dai, do Brasil. Vamos ver se consigo, para que o meu verão seja mais suportável. Há muitos anos que sigo seu blog. Muito antes de você deixar a publicidade. Obrigada. Felicidades. Bem haja para si e para os seus.

  4. SABRINA J P SILVA says:

    Olá Thaís!
    Venho acompanhando seu trabalho faz alguns meses. E acho admirável! Cada dia aprendo uma coisa nova e aos poucos estou introduzindo em minha vida.
    Obrigada pelo posto, pelo ensino e pelas dicas. Espero conseguir realizá-las para melhor meu estilo de vida, meu profissional e social.
    Abraços

  5. Aproveitando… Tem alguma receita de chai? 😘

  6. Muito bom esse post! Eu quero me aprofundar nesse em alimentação focada nas estações do ano e também em óleos essenciais. Meu dinacharya ainda está incompleto. Fico com o pé atrás em procurar sites na internet sobre o assunto, mas eu confio muito no seu trabalho! Leio e aplico na minha vida!! Eu quero muito entender mais sobre óleos essenciais, mas não faço ideia de por onde começar e onde comprar! Não sei se aqueles que vendem em casas de produtos naturais podem ser usados ou aqueles são apenas para difusores…tenho muitas dúvidas ainda, como também, quanto tempo eu devo raspar a língua, a forma correta…ai, ai, mas aos poucos vou aprendendo e incorporando à minha vida! Se puder trazer mais sobre esses óleos, seria maravilhoso! <3

  7. Amando esses conteúdos, obrigada Thais!

  8. Elisangela says:

    Adorei o post, muito completo e me ajudou muito a trazer compreensão para o dia a dia. Gostei das dicas de livro, alimentos, rotina, limpezas, enfim, tudo o que precisamos para ficarmos saudáveis no outono com reconhecimento do ayurveda. Bjs

  9. […] a leitura desse post incrível da Thais sobre alimentação Ayurvédica no […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar...

Posts mais acessados