Categoria(s) do post: Lazer, Saúde, Curtindo a casa

Bem, hoje gostaria de compartilhar uma prática que venho fazendo diariamente e que faz parte da minha rotina de autocuidado, Ayurveda, postura etc.

Já faz algum tempo que eu estou prestando mais atenção à minha coluna e, por isso, iniciei um intensivão de coisas que me ajudam a melhorar a minha postura. Comprei uma cadeira mais confortável para trabalhar, entre outras coisas (ainda vou escrever um post só sobre isso). Uma dessas coisas foi entender a importância da massagem. Uns dois anos atrás, eu estava super numa rotina de viagens a trabalho e muitos cursos presenciais. Toda vez que passava uma semana pesada, dando aulas, eu me dava uma massagem (shiatsu) de presente. Então, naquele primeiro momento, foi para relaxar e destravar um pouco a tensão daquele período que eu estava vivendo. Foi ótimo e necessário.

No entanto, com o passar do tempo, fui juntando essa prática com outras que favorecessem minha saúde de maneira geral. A visão de saúde integrada veio de conhecer mais sobre o Ayurveda (medicina milenar indiana), porque foi o que comecei a aplicar e me deixou bem, em paralelo com os outros tratamentos tradicionais da medicina ocidental.

E uma das práticas do Ayurveda dentro do Dinacharya (rotina diária – ainda vou escrever sobre ela!) é a auto-massagem, que no Ayurveda é parte do que eles chamam de “abyangha”.

O problema da massagem é que nem todo mundo pode pagar por um massoterapeuta para fazer disso uma rotina. Por isso que a auto-massagem é tão legal. Não custa absolutamente nada – basta dedicar 5 minutos do seu dia, basicamente.

A massagem ayurvédica, conhecida como abyangha, é feita com óleos vegetais. Eles chamam esse tratamento de oleação. Você também pode buscar a massagem ayurvédica em locais externos, e existem muitas técnicas e abordagens que devem ser incríveis (nunca fiz), mas a auto-massagem é algo seu, parte do seu dia a dia. Vou contar como eu estou fazendo.

Pela manhã, tenho buscado acordar bem cedo, e uma das coisas que faço, depois de toda a prática de yoga e outras coisas, é tomar um banho de purificação. Chamo assim para conferir mais significado a esse momento. Significa que estou louvando o meu dia e me preparando para brindá-lo. Mindfulness. Antes do banho, me dou 5 minutos de auto-massagem, que faço no banheiro mesmo. Pego um oleozinho que estiver usando na ocasião (atualmente uso um de amêndoas mesmo, mas no Ayurveda o pessoal faz com óleo de gergelim e outros – pelo que eu entendi, na real tanto faz, a não ser que você esteja fazendo algum tratamento específico e precise de um óleo medicado).

Eu começo a massagem pelos pés e vou subindo pelo corpo. Os movimentos não são nem tão suaves nem tão fortes – a ideia é dar uma massageada nos músculos mesmo e melhorar a circulação. Dois pontos de atenção no corpo que eu entendi como importantes nesse processo pelo Ayurveda: estômago (movimentos em sentido horário) e cabeça. Como estou toda nessa jornada “em busca de uma cervical melhor”, adoro massagear o pescoço, a nuca e a cabeça, pois isso confere bastante bem-estar. É bem bom porque se eu tiver um ponto que eu sinto que preciso “trabalhar melhor”, aproveito esse momento para dar uma massageada a mais. Isso tem melhorado bastante a dor que eu sentia no pescoço, juntando com todas as outras coisas que venho fazendo, é claro. Acho que é um mix mesmo.

A massagem dura realmente 5 minutos. Acabou, entro no banho. E isso tem sido muito bom para mim porque, depois que fiz a cirurgia bariátrica, minha pele tem a tendência a ficar mais ressecada. Fazer essa oleação tem ajudado muuuito a manter minha pele mais hidratada. Eu saio do banho me sentindo muito bem e pronta para o novo dia!

De noite, antes de dormir, eu gosto de ficar offline, então procuro atividades que me preparem para uma boa noite de sono. Uma delas é tomar uma ducha morna, só para relaxar o corpo mesmo – coisa de 2 minutos. Não lavo o cabelo. Muitas vezes, antes desse banho, faço uma nova oleação, só para hidratar, especialmente nesses dias mais frios que estão acontecendo em São Paulo. Mas mesmo no calor é gostoso.

Quando estou na cama, antes de dormir, tenho incorporado as massagens também. Faço massagens no Paul, no meu marido – eu realmente gosto! E acho que é legal estimular o bem-estar daqueles que eu amo também. É um momento nosso e relaxante antes de dormir.

Mas eu gosto de fazer também uma auto-massagem antes de dormir. Sempre preparo um chá antes de ir para a cama, aí enquanto vou bebericando a minha xícara, eu pego um pouco de óleo e massageio meus pés. Eu adoro. Depois, massageio o estômago (na região do abdome) e, por fim, fecho os olhos e massageio a cabeça, as orelhas e o rosto. Sério, não tem como ter uma noite ruim de sono depois disso! Tem vezes que eu já dou umas “pescadas” enquanto massageio a cabeça. rs

Massagem é uma arte muito subestimada, eu acho. Faz muita diferença, especialmente em tempos tão estressantes e de ansiedade como o que estamos vivendo. Também proporciona o toque na gente mesmo e nos outros que a gente ama. Recomendo fortemente. Depois que passei a incorporar à minha rotina, minhas dores nas costas e no pescoço foram diminuindo (em conjunto com outras práticas, claro, como o Yoga), e toda vez que me dou esse presente da auto-massagem eu me sinto feliz por estar fazendo isso por mim, sabem? Vale a pena. Fora o carinho que é você fazer massagem em quem você ama.

Aqui neste texto vocês encontram mais informações sobre a prática. Recomendo a leitura.