Método para organizar suas finanças

41
7947

Neste post eu vou compartilhar um pouco sobre o método que tenho usado para organizar tanto as minhas finanças pessoais quanto as finanças da empresa.

Organizar as finanças é muito importante porque trata-se de uma área que influencia todas as outras de maneira muito relevante. Se eu tiver problemas financeiros, minha família sentirá, minha saúde sentirá, meu lazer sentirá, minha casa sentirá, meu trabalho sentirá etc.

Outro dia eu publiquei um post compartilhando como foi a minha experiência em um curso de finanças que fiz com o Ben Zruel, autor do livro “Eu vou te ensinar a ser rico”. O post de hoje será baseado no meu entendimento do método dele. Relembrando quais são as quatro etapas do método, descritas no outro post:

      1. Educar-se
      2. Ajustar o padrão de vida
      3. Pagar dívidas
      4. Investir

Eu pretendo usar essas quatro etapas como passos mesmo, de modo que eu consiga aplicar o método e compartilhar ao longo deste mês com vocês aqui no blog.

Vou dar uma pincelada geral nas quatro etapas então, para depois detalharmos em posts futuros específicos.

“Educar-se” vai além de ter conhecimento. É um processo longo, para toda a vida. Não se trata de apenas obter conhecimento, mas ser transformado por ele. Aplicar o que aprendeu. Quando você aplica o que aprendeu, você fica possibilitado de fazer melhores escolhas. Um bom exemplo é o valor de juros das diversas dívidas que você possa ter (financiamentos, cartões, cheque especial, empréstimos). Tendo conhecimento sobre eles, você poderá escolher que dívida deve quitar primeiro, qual pode valer a pena negociar e muito mais. Para mim, este primeiro passo deve ser o inicial, mas também contínuo – vamos continuar aprendendo sobre finanças a vida toda. Não pode parar de estudar sobre isso nunca.

“Ajustar o padrão de vida”, para mim, é a etapa mais importante, pois ela que vai proporcionar todas as outras (pagamento de dívidas e fazer investimentos). Como eu comentei no outro post, não é sobre privação total – a não ser, é claro, que você esteja passando por um momento complicadíssimo, sem emprego, por exemplo. Trata-se de fazer escolhas. A cada momento, uma escolha que afeta sua vida financeira (frase pra vida). É ir a pé ou ônibus gastando 4 reais em vez de gastar 8 no Uber. É pedir uma pizza de 40 em vez de pedir uma de 60 ou 80. É levar a família para jantar e gastar 200 reais em vez de 400. (Estou tentando dar exemplos que se enquadrem em diferentes realidades). O problema não é ter um padrão de vida elevado. O problema é ter um padrão de vida elevado e não ter dinheiro guardado para o futuro. Gastar como se não houvesse amanhã. Se o seu padrão de vida depende do seu salário, você precisa fazer reajustes.

Ajustando seu padrão de vida e tendo conhecimento, você saberá lidar melhor com as dívidas que tem. Cartões de crédito, financiamento da casa e do carro – tudo isso são dívidas. Existem algumas recomendações que eu aprendi no curso, e falarei sobre elas no post correspondente. Mas viver sem dívidas é uma liberdade total, pois o sistema atual do capitalismo financeiro é feito justamente para que você se endivide para sempre. Não seja escravo/a do sistema.

Portanto, educando-se, ajustando seu padrão de vida e pagando dívidas, aí sim você ficará mais tranquilo para pensar em investimentos. Quando comentei sobre isso, uma leitora comentou que não concorda em deixar investimentos por último, pois pode-se começar a investir desde antes. Concordo, mas talvez você já tenha passado pelas duas primeiras etapas tranquilamente e esteja em outro nível que a maioria dos brasileiros não está. Muita gente não tem dinheiro sobrando para investir e, o que tiver, deve usar para pagar as dívidas, senão elas só crescem. De modo geral, obviamente cada um deve adequar sua gestão financeira à sua realidade. O que faço aqui é compartilhar um método com o qual me identifiquei, mas existem dezenas de maneiras de fazer. O ponto do Ben foi que ele já viu muitas pessoas que começam a investir sem conhecimento e acabam perdendo dinheiro. Ou que não pagam suas dívidas, que acabam crescendo. É apenas uma sugestão, não uma regra, e claro que cada um deve adaptar à sua própria vida.

Eu gostei dessas quatro etapas simplesmente porque, para mim, elas fizeram sentido. Farei então uma sequência de posts compartilhando como tenho lidado com cada uma delas, e então podemos trocar algumas figurinhas. Quem topa aplicar o método comigo ao longo deste mês? Deixe um comentário. Obrigada.

41 comentários

  1. Super topo Thais. Vou observar tudo isso e procurar todo dia ler algo sobre finanças. É sempre bom aprender.

  2. Vamos refletir:
    ” Nada estabelece limites tão rígidos a liberdade de uma pessoa, quanto a falta de saúde e dinheiro.

  3. Vamos refletir:
    ” Nada estabelece limites tão rígidos a liberdade de uma pessoa, quanto a falta de saúde e dinheiro”

  4. Gostei muito do método, mas eu me identifiquei também com o que Natalia Arcuri falou no canal Me Poupe, em que a gente precisa pensar no nosso “eu futuro”. No meu caso, por exemplo, não sei se conseguirei me aposentar e não dá para depender do INSS, então estou planejando depositar um valor todo mês para a minha aposentadoria do futuro, no tesouro direto, e não tocar nele nos próximos 15 anos. Mas pensando bem, de fato, tenho minhas dívidas controladas, que estou pagando mensalmente.

    • Não entendi porque o “eu futuro” da Nat é diferente do que estamos falando aqui. Toda a organização da vida financeira tem esse foco. Comi bola no comentário, me explica kkk

  5. Estou dentro! Que série maravilhosa! Acompanhei seus insights durante este evento e amei! “A cada momento, uma escolha que afeta sua vida financeira” virou um mantra! Minha grande dificuldade é separar conta PJ e PF. Keep going , Girl!

  6. Na hora… Topo!! Há tempos venho tentando organizar minhas finanças sem sucesso. Vou me esforçar mais dessa vez!

  7. Obaaaa!!! Já passei por um hiato financeiro e é muito difícil ir adiante!!! Estou por aqui acompanhando tudo.

  8. Oi,

    Acompanho o seu blog, acho muito bom
    Brigada, por esse tipo de post.

    QUERO ME ORGANIZAR FINANCEIRAMENTE. FICO SEGUINDO DIVERSOS MÉTODOS, MAS ME ORGANIZEI UM POUCO, PELO MENOS NÃO TENHO MAIS CARTÃO DE CRÉDITO, NEM CHEQUE ESPECIAL!MAS AINDA ESTOU ENROLADA.

    Vou te acompanhar, nesse segmento de posts de organização financeira.

    Bjs,

  9. Duas coisas essenciais que aprendi lendo seu blog: Quando sair de um cômodo, deixar ele melhor do que você encontrou. e agora esta frase que vou colocar não só no contexto financeiro mas também no alimentar. Porque realmente as escolhas que fazemos sem refletir pode ser um atraso de vida. Obrigada por compartilhar.

  10. Olá thais, depois que li seu texto anterior falando sobre o livro, comecei a lê-lo, e achei muito incrível, e uma leitura muito gostosa, tanto que li em dois dias. Até me surpreendi. E já tinha começado esse processo de organizar as finanças e esse livro e seus textos clarearam demais minhas ideias. Amei muito!! Estou nesse processo de transformação e estou muito esperançosa que vai dar tudo certo. Obrigada pelos seus ensinamentos.

  11. Eu já estou aplicando o mantra “A cada momento, uma escolha que afeta sua vida financeira”. Defini um orçamento razoável pra cada área da minha vida e estou fazendo um esforço grande pra me manter dentro dele. Está sendo difícil, pois o habito de gastar está impregnado na minha alma. rsrsrs
    Mas a cada dia, vencemos uma batalha. Há um mês não compro canetas e cadernos novos.

  12. Estou super animada, também concordo em pagar dívidas primeiro e só depois investir, até porque é muito difícil encontrar um investimento que supere os juros de um dívida.

  13. Thaís aborda também esse tema correlacionando com a crise em que vivemos. Explico: até 2018 eu ganhava bem, mais de 3 salários mínimos e sou solteira, moro com meus pais… quase não havia gastos fixos. Por falta de educação financeira, não guardei muito e fiquei desempregada. Muitos meses sem renda, até que consegui outro emprego, ganhando menos da metade. Me ajustar a esse novo orçamento não está sendo fácil, além das dívidas que acumulei. Seus posts serão extremamente importantes para mim, grata por compartilhar conosco seus conhecimentos.

  14. Eu já aplico.

    Herdei, nos últimos anos, após quitar dívidas e começar a investir, o título de mão de vaca. Meu avô tem o apelido de Vaquinha, justamente por ter tido um pensamento análogo ao longo da vida.

    Porém, hoje, ao contrário de me chatear, me sinto orgulhosa de estar construindo aos poucos minha reserva de emergência. Longe ainda de pensar em grandes investimentos, mas melhor que antes, endividada. Hoje “sobra” pra ter momentos bons em família, passear, comprar roupas pra mim (coisa rara antigamente!), etc. Sobra porque planejo milimetricamente haha o meu salário.

    Vamos juntas, Thais! Adorando o tema desse mês.

  15. tamo junto!!! ja li o livro dele, mas tive dificuldade na aplicação. agora voce mostrou um jeito facil de entender. obrigada

  16. Bom dia!
    é a primeira vez que comento aqui, justamente por ser um tema que AMO de paixão. Posso dizer que demorei uns 02 anos para conseguir entrar no eixo, e regularizar minhas vida financeira, somente após colocar tudo em uma planilha e ver o quanto gastava com roupas e sapatos é que vi o rombo que isso me causava no orçamento. Sempre via os outros viajando e eu não. Esse ano farei minha primeira viagem.
    O que adianta ter um armário cheio de roupas e lindos sapatos se não tinha dinheiro para sair?…

  17. Thaís,
    Estou amando tema deste, e tenho certeza que sairemos deste mês muito mais esclarecidos para colocar em prática!!
    Suas ideias são são sempre maravilhosas

  18. Oi Thais,

    ja estou seguindo. Optei por poupar um pouco, mesmo ainda com dividas, pois sinto que ter algum guardado da-me uma leveza e um pouco menos de preocupacao. Estou com muitas dificuldades de ajustar a parte da educaco, que e o que daria uma grande melhorada na minha vida financeira.

    Bjs

  19. Minha vida financeira é uma bagunça, sei quanto eu ganho mas não sei onde gasto, estou aqui somando e o cartão de crédito é o campeão, lanches, pizza, uber e etc…
    Gasto por fora também no débito e não anoto, todos os meses fico no limite, não sobra 1 real e se sobra, gastamos com lazer, li os posts e olha como vc disse, foi um Créu um choque de realidade 😭

Deixe uma resposta para Evelyn Cancelar resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui