Como trabalhar o foco quando se está passando por um período de depressão?

40
8941

Essa pergunta me foi feita algumas vezes e eu achei que seria interessante trazê-la em formato de post.

A primeira coisa que quero dizer, claro, é que a depressão é uma doença que precisa ser tratada, e eu não tenho formação em psicologia. O que vou relatar aqui são as minhas percepções pessoais de quem convive bem com a depressão, já passou por crises, e trabalha com organização. Logo, posso trazer recomendações que tenham a ver com a minha experiência pessal e pelo que já ouvi desse trabalho com alunos e leitores.

Do meu ponto de vista, a organização ajuda quem tem depressão enormemente.

Apenas o fato de você olhar para uma agenda com coisas que você tem que fazer hoje pode ser desanimador. Mas, se você souber que o que está ali é o que realmente precisa ser feito, minha recomendação é você escolher uma coisa, fazê-la, depois outra, fazê-la, e assim por diante. Uma de cada vez, nem que leve o dia inteiro. Já passei por dias assim, em que ver o montante me desanimava, mas fazer uma coisa de cada vez deu certo. Claro que isso só vale se o que estiver na sua agenda seja realmente aquilo que você precise fazer em um dia ou em um horário específico.

Muito importante: conheça-se e não agende compromissos que vão te engatilhar mil aspectos sinistros, especialmente de ansiedade, a não ser que esses compromissos sejam realmente necessários. Nesse caso, converse com seu terapeuta para discutir as melhores estratégias para não ficar muito mal.

Ter uma vida organizada significa cuidar da base da pirâmide de Maslow. Saca?

Respirar bem = medite.

Comida = coloque um lembrete na sua agenda para ir ao mercado. A organização te ajuda a ter sempre comida de verdade para comer. Nem que você tenha que colocar alarmes no celular para se lembrar de comer na hora certa (ajuda).

Água = deixe uma garrafa de água cheia com você pela manhã. Encha de novo de tarde, Encha de novo de noite. Dê um gole agora, outro depois. Ande com uma garrafinha sempre com você. É isso. Com o cérebro e o corpo hidratados, você se sentirá menos pior e vai conseguir se concentrar em algumas atividades quando for necessário.

Sexo = bom, faça o melhor que puder para você mesma/o.

Sono = priorize. Não sei para você, mas a madrugada sempre me deixava pior quando eu estava em uma crise de depressão. Não sei se é circadiano ou simplesmente sinistro de modo geral estar sozinha quando todos estão dormindo. De modo geral, minha recomendação é que você durma mais. Durma pelo menos horas suficientes. Em vez de ir dormir quatro horas da manhã, durma às onze. E aí você dorme mais. Ficar “escrolando” o celular não é mais importante que dormir. Apenas durma. Cansaço só potencializa a depressão.

Homeostase = equilíbrio químico do corpo. Tome seus remédios direitinho.

Excreção = alimentar-se corretamente pode ajudar.

Suas listas de contextos, para suas próximas ações, podem ser personalizadas para “dias bons” e “dias ruins”, em que você lista coisas que precisa fazer, mas precisa estar em um nível de energia legal. Mesmo em épocas de crise, eu lembro que tinha dias melhores do que outros. Aproveite para resolver coisas pendentes, ir ao banco, aquele tipo de coisa.

Checklists também funcionam bem para quem tem depressão. Quando você estiver em uma boa fase, crie checklists para quando estiver mal. Vai ser bom ler. Checklists de coisas a fazer quando você estiver desnaimada/o, por exemplo, ou o mínimo a se fazer em casa para manter a casa em ordem. Checklists assim ajudam e muito.

Já é extenuante simplesmente viver quando se tem depressão. Se você estiver passando por um período difícil, minha recomendação é que você foque na sua recuperação. Não fique tentando começar coisas novas agora, pois o processo pode ser exaustivo. Claro que depende de pessoa para pessoa.

Ler o livro “O demônio do meio-dia” me ajudou a ver como a depressão é algo comum, que eu não sou uma pessoa especial por ter passado por isso, mas também me trouxe um aspecto importante, que no fundo eu já sabia: ninguém se cura da depressão. A gente aprende a conviver com ela. Ela está sob controle, ou não. E, quanto mais a gente vive, melhor vai ficando em identificar o que desencadeia crises e o que fazer quando uma acontecer.

Eu conversei já muitas vezes com o Daniel (da Call Daniel), e troquei uma ideia com ele antes de escrever este post, para ver se a gente conseguiria gravar um bate-papo ou algo assim. Ambas agendas estão complicadas este mês, mas o faremos futuramente. Para ajudar, ele pediu autorização na editora dele para poder oferecer a vocês, de graça, o livro dele sobre depressão para download. Achei que foi uma graça de presente. Caso queiram agradecer a ele, o e-mail é daniel.burd@calldaniel.com.br Ele foi um querido mesmo. Clique na imagem abaixo ou aqui para fazer download do PDF:

Você também pode comprar a versão impressa na Amazon e eu também já vi em várias lojas da Livraria Cultura.

Pelo que eu acredito que seja a organização, não dá para organizar tralha. Então o primeiro passo é tirar da sua vida tudo o que não faz mais sentido. Não mantenha objetos ou atividades que te perturbem, relacionamentos que te façam mal. Claro que todos nós temos nossos limites. Não dá pra pedir demissão sempre, por exemplo. Mas, para tudo aquilo que você puder, tente rever a necessidade de manter. Aqui também acredito que valha a pena conversar com o terapeuta antes de se desfazer das coisas. Eu me desfiz de muita coisa quando tive um período pesado de depressão, e isso gerou um vazio enorme. Falei sobre isso em um vídeo que gravei para o canal.

Não tem nada pior que ter que fazer algo obrigatoriamente quando se tem depressão. Se for algo que dê para tirar, apenas tire. Mas eu não posso deixar de citar um toque: às vezes a gente se isola pra caramba fazendo isso. Tente identificar se é algo que precisa tirar mesmo ou algo que você deveria manter e está tirando apenas porque é mais fácil. Mais uma vez, e sempre: terapia ajuda horrores a identificar a diferença entre um e outro.

Para finalizar, penso que o foco, quando se tem depressão, deve ser sempre em ficar bem e manter o mínimo viável em andamento. Essa é a minha recomendação. De resto, só de você querer ficar bem já é meio caminho andado. Força.

40 comentários

  1. Eu sigo o Vida Organizada há anos, e cada vez mais tenho motivos para continuar a seguir 🙂 O conteúdo é de qualidade excepcional. Gostaria de comentar hoje sobre um assunto em especial: saúde mental. Sou psicóloga clínica e percebo que, cada vez que você fala sobre este assunto, o faz com muita responsabilidade, consciência e respeito ao ser humano. Sua contribuição é inestimável, Thais. Muito obrigada! 🙂

  2. Oi, Thais! Obrigada pelas dicas! Estar com depressão e ter que lidar até com as coisas mais simples do dia a dia não é fácil. Também li “O demônio do meio-dia”e me ajudou muito a compreender e a aceitar tudo o que eu estava passando, leitura recomendadíssima mesmo. O Daniel foi um fofo disponibilizando o livro <3

  3. Sempre ajudando com seus posts, acho que esse vale também para quem não tem depressão, mas tem dificuldade de lidar e aceitar os dias de “bad”, também vi as dicas como boas aliadas na hora de lidar com a ansiedade, que é meu grande problema. Obrigada por compartilhar essas idéias.

  4. vc abordou o assunto com simplicidade, transparencia e cuidado, esse post deveria ser viralizado. Assim como o livro do Daniel, que é bem didático. Parabéns pelo trabalho.

  5. Olá…
    Nossa que post lindo, além de útil. Amei o conteúdo e o presente do Daniel.
    Realmente existe esse isolamento social, e muita gente próxima (familiares e amigos) não entende. Infelizmente as patologias mentais ainda são muito negligenciadas por não serem vistas como um “braço engessado”, por exemplo. Que em um futuro muito próximo haja um grande avanço nessa questão.

  6. Bom dia, Thais. Eu sou Luiz Carlos e causei um certo reboliço ao comentar suas indicações de podcast em inglês, no mesmo, solicitei artigos para pessoas que passassem por problemas mentais. Você que é um Anjo, nos brindou como uma série de posts sobre essas doenças, que afligem mutos de nós. Eu sou portador de síndrome de ansiedade generalizada, depressão,etc Minha vida que era muito produtiva, foi para estaca zero. Bem, o meu tratamento por indicação da minha psicóloga , consiste em três pilares: acompanhamento medicamentoso por uma psiquiatra, terapia e o que ela chama de hospital de 12 horas: exercícios físicos, com um profissional que vai na minha casa, aulas de violão , professor também em casa (pois eu tocava e abandonei o instrumento), podem ser acrescidos outras atividades redação, culinária, leitura para cegos, etc. Tudo isso vai depender de diversos fatores, principalmente econômicos. Mas, nada é mais difícil que a depressão, e a possibilidade não remota de desespero, que podem levar a retirada da própria vida. Muito obrigado e espero ter ajudado com meu comentário

  7. Thais obrigada pelo post, exatamente o que eu precisava hoje! Não consegui fazer o download, deu página não encontrada…

  8. Obrigada pelo texto, Thaís! Nos períodos em que estou bem, consigo realizar coisas que eu nem imaginava que seria capaz.. mas quando entro em um período ruim largo tudo, deixo de ir fazer as provas da faculdade, de atender minhas clientes, de ver meus amigos e até de comer. Suas dicas sempre me ajudam nesses períodos, principalmente a das listas do mínimo necessário.. obrigada por fazer um trabalho tão importante com tanto amor <3 você é incrível!

  9. Gostei muito desse post Thais!

    Eu tive depressão e demorei um pouco para entender o que estava acontecendo comigo, sempre amei cozinhar e fazer mil receitinhas diferentes e eu não tinha mais a menor vontade de cozinhar nada! Claro que aconteceram mais coisas no meu comportamento…
    Acabei me dando alta dos remédios (com cuidado), continuo fazendo terapia, me esforço muito para continuar a atividade física (mas vivo mudando), presto atenção na alimentação também e tento fazer coisinhas que me deixam feliz (DIY, cuidados com a pele/cabelo/unhas, ler, ver séries, ir em shows…). Mas eu sempre fico atenta para perceber meu humor e como reajo com alguns acontecimentos próximos a mim.
    Obrigada Daniel por compartilhar seu livro, uma leitura breve e deliciosa! s2

  10. Muito obrigada por este post, Thaís! Convivo com ansiedade generalizada e depressão há 4 anos. Concordo demais com tudo que tu falou, especialmente sobre o quanto organização nos ajuda. Organização, pra mim, virou forma de terapia. Sempre que vejo que estou com ansiedade elevada ou humor depressivo, eu paro e analiso a situação. Depois confiro como está meu planejamento, como estão meus hábitos (bullet journal é meu atual melhor amigo) e replanejo o que for preciso. Na maioria das vezes, os problemas são muito maiores na minha cabeça que na realidade e os métodos de captura, de colocar esses pensamentos em palavras, torna tudo mais claro e bem menor. Enfim, obrigada ❤️

  11. Sim Luiz Carlos! A Thais é um anjo!! E espero que vc tenha muito sucesso em controlar esses sintomas, sei bem como é…

  12. Oi Thaís, não consegui identificar o link para o livro sobre depressão do Daniel. Onde está disponível? Parabéns pelo post excelente!

  13. Excelente post. Realmente o cuidado tem que ser diário pra evitar o acumulo e propiciar crises. As vezes sinto que as coisas estão piorando sem explicação aparente, ai é parar e ver o que tem que mudar.

  14. Abençoada! Obrigada por este texto tão importante, útil e acolhedor.
    Sinto que essas dicas podem ser válidas mesmo para quem não sofre de depressão, para aqueles dias ruins, em que nosso humor e energia estão em baixa.
    Beijos!

  15. Minha primeira crise depressiva foi há mais de 20 anos e tive que aprender a lidar com a doença, assim como com as medicações. Em dias ruins que tenho resultados a entregar, faço um check list bem básico, no papel mesmo, com higiene pessoal, roupa legal, maquiagem, tomar café, tirar uma selfie pra me autoadmirar… São coisas bem simples mesmo, que fazem parte da rotina, porém o ato de “ticar” libera dopamina e com esse neurotransmissor no sangue, a vontade de continuar “ticando” só aumenta! E então fica mais fácil executar a tarefa mais importante do dia! Essa estratégia tem funcionado pra mim e espero ajudar com essa dica… Bjos, ótimo texto! Já baixei meu livro! Obrigada Daniel!

  16. Meus Deus você é muito maravilhosa!!!!
    Muito obrigada por todos esses anos escrevendo nesse blog que amo tanto. ❤️

  17. Excelente texto Thaís. Convivo com a depressao desde a adolescência. Estou saindo de uma das piores fases que tive agora, depois de dois anos. Ajuda de profissionais da área de saúde, familiares e amigos tem sido essenciais. É importante pedir ajuda e desabafar sempre que puder. Acho que uma coisa importante para quem tem depressao e precisa fazer as coisa é sempre lembrar o propósito ou objetivo daquilo que vc tem q fazer. Nessa última crise estava na metade do doutorado e em boa parte dos dias era um sacrifício levantar da cama, ler, escrever….comecei a colocar lembretes em vários lugares da casa falando pq terminar era importante. Também ajuda muito eu colocar mini tarefas: por exemplo se tinha que ler uma artigo no dia, e não estava bem, diminuía para duas páginas e assim para tarefas corriqueiras com a casa, família, etc

  18. Sempre leio coisas sobre depressão para tentar entender e ajudar minha filha, ela luta diariamente contra essa doença maldita. Obrigada pelas dicas.

  19. Oi Thaís, que texto pé no chão, adorei. A situação é muito difícil, mas devemos focar em um pequeno passo de cada vez, sempre com o objetivo de ficarmos bem, e diminuir as cobranças. Super importante encontrar nosso ritmo e não ceder à pressão de “alta performance” , “sucesso”, etc. Obrigada a você e ao Daniel!

  20. Querida Thais,

    também tenho depressão e, assim como você sugere, me concentro e priorizo em não deixar a peteca cair com relação ao meu autocuidado: não esqueço nunca do remédio, me alimento com disciplina, tomo meu sol, faço o exercício físico, priorizo o sono ao máximo.

    Todo o restante, vou fazendo conforme a disposição permite, e depois do seu post sobre a listinha de coisas, também me propus a colocar em prática a minha lista de coisas que me fazem sentir melhor. Nunca nem precisei consultar, só de lembrar dela, já escolho alguma atividade e vou tentando me encontrar.

    Mas definitivamente, o meu grande foco é ficar melhor. E a cada dia, isso pode significar uma coisa diferente…

    Abraços e obrigada, como sempre.

  21. Nossa Thaís! Que tema intenso e tão atual. Me incluo nisso também. Me emocionei com o post porque vivo isso também, aproveitei e enviei email para o Daniel agradecendo a imensa gentileza de compartilhar. Gratidão !

  22. Oi, Thaís. Esse post está incrível mesmo ! <3 Já te disse pessoalmente, no happy hour do GTD, mas quando eu estava com uma crise forte de depressão e ansiedade no ano passado, com todo conteúdo tóxico que eu tava consumindo na internet, o Vida Organizada e te acompanhar me fez muito bem pra conseguir me realinhar. Na minha experiência pessoal, a organização ajuda muito mesmo. Obrigada por mais um texto de qualidade.

  23. Thais, excelente texto! Obrigada por se abrir conosco e, com esta atitude, ajudar a tantas pessoas. Eu luto contra a depressão há anos e no fundo sempre desconfiei que não havia cura, que eu tinha que ficar atenta aos gatilhos que poderiam despertar uma crise. Vou procurar por este livro.
    Obrigada novamente!

    • Já li sim, há muitos anos. 🙂 Como trabalho com isso, geralmente todo livro que sai eu já compro e leio.

      Gosto da abordagem de ter uma rotina de auto-conhecimento para quando acordo, mas não sou a favor de acordar mais cedo, porque isso depende de uma série de variáveis (incluindo seu biotipo).

      Para mim, milagre da manhã é acordar a hora que eu quiser. 🙂

      bjo

  24. Dificil nao desenvolver uma depressao atualmente, com esse perverso que esta como presidente. As perspectivas sao pessimas, pois ou ele sai antes do tempo, com esse temperamento.briguento e provocador, ou ele continua criando caso ate o fim do mandato. As duas opcoes sao pessimas. E o espanto de ver familiares que votaram nele e ainda o defendem? Nem tenho mais vontade de passar o natal conm eles, e tambem nao tenho onde ir. Infelizmente, vejo um futuro muito negro para o Brasil, e sofro pensando que futuro meu filho tera… E uma luta diaria para nao cair no.buraco. A gente abre os jornais e todos os dias tem um disparate. A organizacao tem me ajudado, minuto a minuto, a me concentrar no que eu posso fazer….

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui