Carta da Editora: Colocando a rotina em ordem

28
5900

Demorei para chegar à conclusão sobre o assunto que gostaria de focar durante o mês de abril aqui no blog. Inicialmente, pensei em falar sobre saúde – especialmente saúde mental. A chegada do outono aqui no Brasil me deixou reflexiva com relação a esse tema. O outono nada mais é do que a natureza ficando introspectiva, e o amarelo das folhas representa a sua perda de vitalidade. E o que seria qualquer problema de saúde que não o amarelamento do corpo?

Refletindo sobre isso, eu percebi que o que eu queria realmente abordar é a forma como estruturamos a nossa rotina – o que inclui, obviamente, uma série de elementos que influenciam na nossa saúde. Abril o mês 4, é o mês do enquadramento, da ordem, de colocar as coisas dentro das suas caixinhas. E eu estou em uma fase de reestruturação da minha rotina. Sinto que, desde que voltei de férias, e o Paul voltou às aulas, que eu ainda não me adaptei. Tenho trabalhado muito mais em casa, o que me deixa em uma zona de conforto que não está me agradando muito. Quero usar mais o escritório. Estamos reformando a sala, fazendo algumas mudanças, mas quero estar lá, até para ter a rotina de sair de casa todos os dias para trabalhar.

Estamos também montando uma estrutura para pré-produção, produção e edição/revisão de conteúdo. Sempre fiz tudo sozinha e agora tenho equipe. Está sendo um desafio bem gostoso conseguir estruturar, delegar mais e discutir esses assuntos com outras pessoas.

Outra rotina que quero implementar é a de voltar à academia. Saí da academia em outubro do ano passado, porque não gosto de musculação (que geralmente é o foco das academias). Passei a caminhar e a correr na rua mesmo, o que estava sendo satisfatório do ponto de vista físico mas bastante frustrante do ponto de vista motivacional. Eu sou uma pessoa que precisa variar as atividades, senão me entedio. Mas, para fazer várias atividades, ou você resolve gastar uma boa grana com mensalidades de atividades diversas, ou centraliza em uma única mensalidade de uma academia que promova essa variedade. Foi o que eu resolvi fazer, e a partir de abril minha ideia é alternar pilates, yoga, alongamento, spinning e corrida no dia a dia, na academia. A mudança na rotina também vem do fato de eu querer fazer a atividade física pela manhã, e não mais ao final da tarde, como eu vinha fazendo. Essas mudanças impactam bastante tanto no corpo quanto na rotina em termos de tempo e organização das atividades.

São duas grandes mudanças na rotina então: a atividade física de manhã e trabalhar mais no escritório, fora de casa. Para mim já está bom de mudanças. Vamos com calma.

O fato é que eu sou uma pessoa que funciona com rotinas. Eu fico um pouco “degringolada” quando não tenho uma rotina. Até meu corpo sente. Por isso, abril será um mês de ajustar as rotinas. Se você tiver alguma sugestão de tema relacionado a isso, por favor, deixe um comentário.

Tenha um excelente novo mês! <3

28 comentários

  1. Thais, você sente alguma influência do momento político/social delicado que estamos vivendo no seu dia a dia?
    Pergunto pq desde setembro do ano passado, com as eleições, tenho sentindo uma energia muito diferente em mim e nas pessoas ao meu redor. Uma coisa meio de transição, estranha, nunca senti antes… nunca passei por uma crise econômica (nasci em 89), então isso também é novo para mim.
    Tive muitas perdas familiares em 2018 e esse ano começou com minha mãe doente, então, sei que isso se soma.
    Não sei até que ponto minha dificuldade de “aterrar” é do cenário político ou pessoal, mas como tenho sentido ser algo meio geral (dentro das minhas relações) vim te perguntar como é para você.
    Beijos

      • Penso que não é só essa intolerância e violência, é também um esgotamento, uma falta de energia, que com tantas pessoas relatando não pode ser atribuído apenas ao pessoal. Há algo nesse contexto nos drenando energia mesmo. Mas como toda questão social, é complexo, não pode ser atribuída apenas a um fator. Acredito que estamos vivendo a consequência mesmo dessa vida online, desse bombardeio de informação 24 horas por dia, a cada hora uma notícia ruim, a cada momento a gente precisando de posicionar. Isso cansa, é sofrido. Não sei ainda qual a melhor solução para isso, mas acredito que o caminho que a Thais vem propondo de reflexão sobre nossa vida virtual é importante – muito embora fique um tanto insegura sobre o quanto nos é permitido ficar afastada desses processos, qual seria o limite entre a preservação para o autocuidado e a alienação do processo. Enfim, sigamos refletindo.

  2. Thais, sinto que estou passando pelo mesmo momento.
    Minha rotina de casa mudou um pouco e os horários do meu filho tbm (mudou o da terapia e algumas aulas a tarde na escola), estou revendo essa nova configuração e pensando em algumas estratégias.
    É incrível como tenho percebido uma diferença interna com a mudança da estação….

  3. Também sou uma pessoa totalmente Pró rotina. Aliás, nunca entendi, na verdade, quem abomine, rejeite e viva bradando: “Nossa… Detesto rotina, acaba comigo, destrói relacionamento afetivo…”. Enfim, cada um com suas perspectivas e a minha sempre foi a da positividade frente a uma vida pautada por hábitos rotineiros. Eu só funciono bem quando meu dia é redondo e isso envolve ritmo e atividades específicas diárias, semanais, mensais etc. Ajuda a trazer um conforto, uma segurança que eu aprecio muito. Ainda bem que em casa, marido e filha também gostam. Sobre atividades físicas de manhã, também prefiro. Meu dia começa cheio de disposição. Fim de tarde eu guardo para relaxar.

  4. Eu sou quase que dependente de rotina. Muita coisa na minha vida começou a acontecer quando minha filha entrou na escolinha e eu pude organizar minhas tarefas diárias. Me faz bem saber que acordo na hora tal, faço coisas em casa, preparo meu café com leite, começo pelos prazos necessários, paro para ler seu blog, tenho tempo de responder um e-mail com calma, essas coisas.. antes dela ir pra escolinha eu fazia pq não tinha jeito mas me sentia meio confusa… confesso q qnd fico alguns dias de folga eu sinto falta de sentar na minha mesa, abrir meu bullet e fazer minhas coisinhas… rs

    Bjs

  5. Thais, o Jordan Peterson, professor de Psicologia da Universidade de Toronto, costuma dizer que não se pode ser mentalmente saudável sem uma rotina. Ao contrário de você, eu não gosto de rotina! Prefiro o caos e a imprevisibilidade, mas vejo que a rotina proporciona até mesmo uma maior estabilidade emocional. Aliás, leia o livro do Dr. Peterson: 12 regras para a vida. É muito bom! Seu post me animou a estruturar uma rotina.

  6. Oi, Thais!
    Tenho um sentimento contraditório com a rotina: eu preciso de rotina, mas com variedade hehehee e sobressai do seu texto que você, a despeito da rotina, valoriza alguma espécie de variação, dentro da rotina (exemplo dos exercícios), o que é muito legal, eu penso.
    Daí minha sugestão de conteúdo seria planejamento para quem precisa de variedade para se sentir motivado, mas não quer perder o controle da situação.
    Um feliz abril pra todo o mundo 🙂

  7. Adorei o tema, Thais.
    Principalmente porque estou organizando minha rotina agora, depois que as aulas do mestrado começaram. E eu estou pensando na possibilidade de dividir minha semana em duas cidades. Meu apartamento é em Salvador e a faculdade é em Alagoinhas. Uma das suas dicas que já apliquei na nova rotina foi o setup para trabalhar em qualquer lugar.
    Agora estou naquele processo de inserir atividade física nessa rotina dividida rs
    Bjão

    • Acredite: é possível se dividir em duas cidades sim… estou assim há muitos anos, entre interior e capital. Cheguei a ficar 1 ano e meio dividida em 3 cidades… Basta se organizar! Abraços

  8. Muito legal seu plano para ajustar sua rotina. Eu também só consigo funcionar direito assim. Para que isso aconteça de uma forma mais efetiva eu uso o Habit Tracker mensal. Me ajuda bastante a me manter motivada e focada nos hábitos e rotinas que preciso implementar. Um beijo.

  9. Que legal Taís! Eu tb sou meio assim, de precisar da rotina, inclusive para as atividades físicas. E, como vc relatou, tb enjoo delas. E tenho zero motivação para fazer algo sozinha (sem estar pagando por ela). Ano passado tentei a bicicleta ao ar livre. Eu adoro, mas ainda não consegui fazer virar hábito. Então, uma dica de tema seria falar um pouco sobre esse processo de “criação de novos hábitos”. Tb estou passando por muitas mudanças de rotina por aqui e com a chegada do outono, adivinha: a asma chegou junto 😩 Para não ficar me entupindo de remédios, recorro a homeopatia, terapias alternativas como acupuntura, microfisioterapia, dentre outras! Mas n sempre consigo fugir totalmente dos alopáticos. E tudo bem, eles estão aí para isso tb. Mas, prefiro usar com moderação. Vc poderia pensar em tratar sobre esses temas tb…beijos!

  10. Preciso mudar muitas coisas na minha rotina, mas já dei grandes passos!!! Principalmente em relação à rotina da minha filha. Ano passado mudamos de casa e demorei demais pra colocar tudo em ordem e isso me deixou muito estressada (a ponto de passar mal!!!). Fui aos poucos implementando uma rotina, oq me deixou menos ansiosa, pois agora minha bebê tem os horários certinhos (mas sem neuroses… rsrsrs), pra se alimentar e dormir. O fato de eu saber que ela dorme depois do almoço e do jantar me deixou mais sossegada. Antes ela não tinha hora pra dormir à noite e isso acabava comigo, ficava irritada e impaciente. Agora eu já sei oq esperar e isso traz tranquilidade pra mim.
    Oq falta agora é a rotina de limpeza da casa (limpo oq é prioridade mas quero mudar essa parte).
    Roupas eu decidi que lavarei todo dia, pois onde moro as roupas mofam com muita facilidade e acabo gastando mais tempo pra tirar as manchas.
    Uso sempre suas dicas de deixar um cômodo melhor do que quando entrei e, na hora do “caos”, paro e faço aquela pergunta “o que de mais importante preciso fazer agora?”
    E aos poucos vou ajeitando aqui e ali… mudando oq precisa… 😊

  11. Minha filha passou a estudar de manhã este ano e ainda estou tentando me adaptar. Tá difícil, mas vamos chegar lá!

  12. Boa Tarde,
    Eu sou uma pessoa que gosta muito de organização e rotina, porém meu lugar de trabalho a muita desorganização e como estou diretamente ligada a gestão muitas vezes sou interrompida e isso é muito ruim porque lido diretamente com pessoas e as vezes até em atendimento sou interrompida. Além disso, há pouco espaço e por vezes precisamos sair de algo administrativo para outro usar. Mas apesar disso, gosto muito do que faço. É possível fazer um post com digas, orientações e ou indicações de leitura para lidar com isso

  13. Thais, sobre os exercícios, recomendo também o Canal e Instagram da SaSoncella, ela monta treinos que podem ser realizados em casa. E de fato, sinto resultados. Pode ser bom, para variar, quando não conseguir ir à academia.
    Adorei o post!

  14. Thais, estou me sentindo em sintonia com você porque tenho passado por dificuldades com minha rotina também, e decidida a focar nelas essa mês para voltar com tudo aos trilhos. Bora 💪🏼

  15. Thais, sou como você, preciso de rotina para que meu corpo funcione melhor! Sugestão de tema: como sua ideia é trabalhar mais fora de casa, poderia dar dicas do que adiantar no final de semana (além das roupas, como você bem nos ensinou a programar para a semana inteira, faço e suuuper me ajuda!) para que a semana seja menos corrida? Beijos, ótimo post!

  16. Thais, amo seu blog, leio seu blog todos os dias.
    fala mais sobre como você organizou sua vida depois do falecimento da sua avó. sei que é um assunto delicado, mas estou passando por um momento semelhante e as coisas ainda estão um caos.

  17. Só penso em pedalar. Cada vez mais. Moro ao lado de um ciclovia. E atualmente só consigo pedalar aos fins de semana e feriados. Por mim iria todos os dias. Mas com filhos pequenos não dá. Yoga em casa. Pedal na rua. Não quero nem passar perto de uma academia, barulho demais. Principalmente pra quem malha a noite.

  18. Oi Thaís, fiquei muito grata por essa postagem, por um motivo talvez inusitado, mas fiquei um pouco aliviada em saber que até quem entende tanto de organização, às vezes precisa de um tempo para “voltar aos trilhos”. E é pensando nisso que eu gostaria de pedir para escrever algo sobre saúde mental e organização. Há alguns anos eu sofri muito tentando me organizar, estabelecendo prioridades e metas, e me frustrando ao não conseguir cumprir com o que eu estabeleci. Minha solução, ironicamente, foi parar de planejar para que eu pudesse para de me cobrar tanto. Agora, em outro momento da minha vida estou tentando criar um sistema de organização minimamente eficaz, testando o que dá certo, o que dá errado e que me faça bem – estou relendo atualmente seu último livro para ter uma direção . Enfim, espero que no futuro você possa discutir sobre saúde mental e as tendencias de produtivismo atrelado a isso e como a organização pode ajudar nesse processo – ou me indicar se já existe algo assim escrito por aqui. Obrigada e um grande abraço.

    • Oi Laís, tudo bem?

      Só uma breve correção de curso: quem entende de organização é basicamente A PESSOA que sabe como voltar aos trilhos porque ser organizado é exatamente isso. Não se trata de ser 100% do tempo perfeita, com a vida perfeita e em ordem. As coisas acontecem na vida. Temos problemas. O que caracteriza uma pessoa organizada é justamente a habilidade de se reequilibrar o tempo inteiro, mesmo com tantos desafios. 😉

      Já tem sim bastante post sobre isso por aqui. Dá uma navegada no menu que você pode curtir. 🙂 Mas, de qualquer maneira, esse tema é uma constante, e pretendo escrever mais sobre isso ao longo do tempo.

      Acredito que o GTD poderá te ajudar muito nessa fase em que você se encontra de montar um sistema.

      Obrigada por comentar!

  19. Oi Thaís,

    Parabéns pelo Vida Organizada.
    Sempre consultei seu conteúdo para diversas coisas. “Quando eu crescer quero ser como você!” rs
    Eu estou com 35 anos e sempre trabalhei fora de casa (desde os 19). E agora estou decidida em ficar em casa pra cuidar do meu filho (2 anos).
    Gostaria de saber se você tem algum post específico para nortear pessoas nesta situação que estou (de mudança de rotina – do ficar em casa 3hs por dia para o ficar em casa 24hs/dia).
    Desde já agradeço sua atenção!

    • Oi Flávia, tudo bem?
      A rcomendação geral é que você tenha um método que te ensine a lidar com essas transições. Não se trata de organizar um momento específico da vida, mas de ter um método que você use no dia a dia e que, quando passar por mudanças assim, seu uso contínuo te dê estabilidade.
      No caso, minha recomendação é o GTD. 😉

Deixe uma resposta para Arthur Olinto Cancelar resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui