Deletei meu What’s App: saiba por quê

59
6732

Se você assina a newsletter do blog, ontem você soube em primeira mão que eu desativei a minha conta no What’s App. (Aliás, compartilhei outras reflexões bacanas que tive nas últimas semanas. Inscreva-se, se ainda não estiver inscrita/o).

Depois, compartilhei com o meu marido (que quase chorou, rs), meus amigos, minha equipe de trabalho e outras pessoas com as quais eu convivo, em especial profissionalmente. Aos poucos vou comunicando o restante. Fiz um anúncio no Facebook. Postei no Twitter. Divulguei nos stories do Instagram. Ou seja, está feito: anunciei para o mundo a minha decisão, e é claro que eu recebi uma enxurrada de mensagens perguntando os motivos. Este post então é para esclarecê-los. 😉

Em resumo, para os que não têm paciência para ler o texto inteiro, eis os motivos (e, na sequência, para os reflexivos que adoram um bom texto, eu explico cada um deles):

  1. Fins acadêmicos, de pesquisa;
  2. Quero focar meu tempo de responder mensagens em outras atividades mais importantes;
  3. Educar as pessoas.

Agora vou explicar cada um deles.

Fins acadêmicos, de pesquisa

Minha pesquisa do mestrado tem a ver com o imenso fluxo de informações que recebemos através de aplicativos de comunicação, com foco em produtividade, e de que maneira isso precariza nossas vidas e nosso trabalho de maneira geral.

Após realizar a pesquisa de campo, e ouvir de 100% das pessoas entrevistadas que o What’s App usado (tanto para o trabalho quanto para relações pessoais) causava ansiedade, eu comecei a prestar atenção nos meus próprios comportamentos de verificação do aplicativo.

E veja: é óbvio que o problema não está nos aplicativos em si, mas no uso que fazemos deles. Por isso, quis fazer um teste pessoal: viver sem o What’s App para analisar como eu me sinto e que tipo de mudanças positivas e negativas isso trará na minha vida, além de testar outras formas de comunicação que podem ser mais efetivas. Pode ou não ser temporário. Por hora, considero permanente. Não pretendo voltar, e nos próximos tópicos explicarei por quê.

Focar em outras atividades

Tenho estudado e realizado alterações na minha rotina que envolvem muitas mudanças de hábitos. Muitas mesmo. Sim, eu pretendo falar sobre todas elas daqui em diante no blog. Assim como deletar minha conta no What’s App, estou mudando outras coisas – o What’s App é apenas uma delas.

Eu não sou uma daquelas pessoas com papo pedante sobre “não temos wifi, conversem entre si” (zzz), que acham que a solução para todos os problemas da vida é a desconexão. Penso que devemos ressignificar nossa relação com a tecnologia e com a nossa vida como um todo, na verdade. E o que eu percebi é que, no meu caso, o What’s App não estava favorecendo o meu tempo. Por mais organizada que eu fosse, eu me pegava muitas vezes irritada tendo que responder tantas mensagens tantas vezes ao dia. Enquanto eu respondia (e resolvia, mesmo que temporariamente) uma mensagem, já chegavam respostas a outras que tinha acabado de responder. O ciclo era infinito, e eu percebi algumas coisas, que falarei no próximo tópico.

O fato é que eu passava muito tempo verificando e respondendo mensagens, mesmo estabelecendo momentos do dia apropriados para isso, e percebi que estava dedicando muito tempo a tais respostas. Esse tempo poderia ser usado para outras atividades que, do meu ponto de vista, aproveitariam melhor as minhas habilidades, por assim dizer. Então foi uma questão de fazer um investimento melhor do tempo que eu tenho. Simples assim.

Educar as pessoas

Eu trabalho com organização e produtividade em um mercado que é, além do conteúdo digital, puramente educacional. Logo, se eu estudo tanto, e trabalho lecionando, como professora de organização e produtividade, preciso trazer o resultado desses estudos para a prática, de modo que a gente consiga melhorar as práticas do mercado.

Existem dois comportamentos, hoje, que considero nocivos, das pessoas usando o What’s App:

O primeiro, e mais chato, é o de colocar urgência em coisa que não é urgente. Em vez de refletir, pensar se é necessário, ou pensar melhor, a pessoa te envia uma mensagem ou uma demanda de bate e pronto pelo What’s App, e às vezes o negócio ainda não está claro o suficiente, e seguem-se mensagens e mensagens sendo trocadas até você finalmente resolver aquilo. Por ser um meio de comunicação instantâneo, tudo vira urgência – e sabe, nem tudo é urgente. Eu considero bastante cansativo ter que lidar com demandas que não sejam urgentes pelo What’s App, porque a cobrança das pessoas é como se fosse urgente, quando não é (na maioria dos casos).

Eu vejo que essa é a principal causa de ansiedade nas pessoas nas entrevistas que eu fiz, na minha pesquisa. O que é o What’s App, sinceramente? É um canal direto de acesso a você. E as pessoas abusam disso, muitas vezes sem nem perceber que estão sofrendo do mesmo problema também – apenas escrevem e cobram, cobram, cobram.

O segundo, que não considero tão problemático, mas existe e incomoda, é a necessidade de bater papo pelo aplicativo. A pessoa envia um “oi, tudo bem?” e fica esperando a sua resposta em vez de ser objetiva. Ou então quer conversar, trocar ideias. Isso é saudável, claro. Mas não creio que o What’s App seja o melhor lugar. Se você quer conversar comigo, bater papo, vou adorar fazer isso. Mas que tal marcarmos um almoço, um café ou até mesmo uma reunião, se for o caso? Você pode querer, mas EU não quero ficar horas do meu dia olhando para a tela do celular, digitando, rindo de uma mensagem engraçada ou gravando / ouvindo áudios. Nada contra, mas acredito que a vida possa ser melhor do que isso.

***

Vale dizer que essa decisão não foi impulsiva. Ele saiu lá da minha lista de “algum dia / talvez” e eu venho estruturando já há algum tempo, levando em conta que eu tenho equipe para realizar atendimento aos clientes e outras formas de me comunicar com as pessoas, de modo geral. Durante muitos anos, “sair do What’s App” não era uma realidade para mim, porque eu que cuidava desses contatos (e talvez seja para você também), mas fico feliz por tê-lo feito. Quando paro para pensar que ainda fazemos coisas apenas porque os outros fazem, vejo que temos um longo caminho pela frente quando se trata de organização pessoal – e todos passam por estabelecer limites. Quem estabelece esses limites? Dica: nunca são os outros, mas sim a gente.

E isso significa ter perdas e ganhos, analisar sempre o custo x benefício de tais escolhas, comprar algumas brigas e repensar, caso não funcione. Nada é definitivo, e está tudo bem testar. Tudo em nome da pesquisa? Talvez mas, acima de tudo, em nome de uma vida mais legal. É isso o que a gente está buscando aqui.

59 comentários

  1. Recebi a newsletter ontem e confesso que vc fazer algo do tipo não me surpreende.

    Eu adoraria poder fazer o mesmo, mas não posso. Meu chefe é a louca dos grupos e tem grupo no WhatsApp e no Skype pra tudo que vc possa imaginar.

    Minha estratégia pra minimizar a toxicidade de usar esse tipo de coisa já que eu não posso desativar:
    -nada meu tem notificação ligada;
    -eu não respondo imediatamente;
    -uso o WhatsApp business pra falar com clientes e não passo meu número pessoal pra praticamente ninguém (os conhecidos nem tem meu telefone).
    -saio sem a menor cerimônia de grupos que eu entendo que não me agregam nada.

    Usando esse tipo de postura eu já consigo me afastar um pouco do uso nocivo do WhatsApp mas confesso que eu preferia não ter (por muito tempo não tive rs). Apoio super sua decisão e espero que vc não precise mais baixar de novo!

    • Eu te entendo!
      Eu trabalhei em um lugar que tinha trocentos grupos. Só que eu nunca tive whatsapp e meu celular é velho e nem conecta mais à internet hehe. Aí diziam “nossa mas tu precisa ter o aplicativo” e eu dava o meu telefone e dizia “baixa pra mim que eu não consigo”. A pessoa óbvio não conseguia e deixava por isso mesmo. A alternativa eles sabiam, me dar um telefone novo, então eu fiquei lá em paz no meu canto 🙂
      Hoje eu trabalho como frelancer, pra vários clientes , sempre usando email, skype e SMS. Funciona que é uma beleza 🙂 Sem falar que eu já consigo filtrar cliente chato só pela maneira como aborda esse tópico 🙂
      Espero que consiga usar da maneira que te faça menos mal 🙂

    • Bia, acho que vale a pena também estimular a reflexão onde você trabalha. O celular é corporativo? Você recebe hora extra por responder as mensagens fora do horário de trabalho? Todas essas são questões importantes que precisam ser levantadas pelo RH para que a empresa não sofra ações trabalhistas. Todo mundo ainda está aprendendo como lidar com essas novas condições, mas a problematização é necessária para não haver abusos.

  2. Super texto, discussões que PRECISA ser feita!!! A vontade é grande pra mandar pro pessoal do trabalho ler, que acha que WhatsApp é memorando… meu sonho é chegar nesse nível de tapa na cara da sociedade. Parabéns, Thais!

  3. Muito importante sua reflexão. Também já considerei desativar meu WhatsApp, mas por questões de comunicação em trabalho e como trabalho em outra cidade e tenho filho, nem sempre dá para dar um telefonema. Mas as pessoas que se comunicam comigo já sabem como eu “funciono”: desabilitei desde que comecei a usar a função ” visto por último”, justamente por conta da cobrança de que “vi e não respondi”. Quando começavam a me cobrar respondia que tinha outras coisas mais importantes do que ficar escrava da hora que as pessoas queriam conversar. É urgente? Me liga. Se eu puder atender e resolver, ok. Se não, fica pra outra hora.
    Só tenho nos meus contatos quem conheço e tenho alguma relação. Se é pra ficar mandando “bom dia” pra nada, ou uma mensagem só pra “saber das novidades” não respondo até que a pessoa perde a graça.
    Grupos? Todos com notificação silenciada porque quando começam aquelas discussões desnecessárias, não me envolvo. Enfim criei algumas regras de uso e quem quiser respeitá-las, bem, nos comunicamos. Do contrário…

  4. Há algum tempo venho percebendo em mim momentos de ansiedade em virtude do what´s App, e penso em deleta-lo sim. E o que mais me motiva a deletar é por precisar abrir espaços na minha mente, ter mais clareza, paz. Já me peguei ansiosa por receber uma sequência de áudios num momento que não poderia ouvi-los. E isso é um absurdo, pelo menos pra mim. Obrigada pelas reflexões, Thais.

  5. Thais, adorei o post,
    realmente o Whats “suga” a nossa vida se deixar, mas sinto que sem ele me afasto de algumas pessoas pois nunca ninguém tem tempo de marcar algo pessoalmente e o Whats acaba sendo a forma de saber como a outra pessoa está, mas na maioria do tempo não é algo saudável.
    Queria sugerir um post sobre o Facebook, acredito que ele seja uma enorme fonte de informações que mesmo filtrada em quem é adicionado ou páginas curtidas acabam jorrando informações e mais informações, isso particularmente me deixa ansiosa e irritada muitas vezes porque em 5 minutos subindo a linha do tempo é conteúdo demais e acredito que absorvermos aquilo de forma artificial na maioria das vezes, mas mesmo assim acaba sobrecarregando;
    Faço graduação, inglês e tenho um insta literário de estudos e sei que poderia estar me dedicando mais a essas coisas mas o face “não deixa rs” estou pensando seriamente em excluir.

    Beijos

    • Por enquanto mensagens mais imediatas com a minha mãe, meu marido e amigas eu tenho feito pelo Messenger. Ainda não decidi meu futuro para o Facebook, então por enquanto tem funcionado.

      • Thais, tirei do ar meu Facebook há 5 anos quando meu filho mais velho nasceu. Na verdade, ele foi a causa da minha decisão. Queria mais privacidade pois foi um momento de recolhimento e de preservação da intimidade da nossa família. Com o tempo, percebi que não sentia falta alguma! Hoje não mantenho nenhuma rede social. E continuo sem sentir a menor falta! Whatsup só para uso pessoal e com algumas regras (muitas já citadas acima). Mas tenho uma regra não citada ainda, um dos principais motivos do meu uso são os meus filhos, então se estou com eles, deixo o celular de lado. Faço isso em outros momentos também.
        Afinal, se eu quero proximidade com aquelas pessoas, pq vou ficar olhando para telas de celular ou tablet?

  6. Ótima reflexão! Outra coisa que me incomoda muito no aplicativo é o fato das pessoas conseguirem ver quem está online, é tão invasivo. Não é pra ser como um programa de bate-papo onde entrava-se com essa finalidade. Elas ficam vigiando umas às outras e isso causa muita ansiedade e stress. Imagino que numa relação de trabalho deve ser pior ainda.
    Eu passei pela fase de participar de grupos e me entreter com zoeiras, mas percebi o quanto me senti mais leve quando gradativamente fui saindo dos grupos e parei com conversas que só drenavam minha energia e não me agregavam nada de bom. Agora só tenho o WhatsApp para manter contato com a família e amigos que estão longe e faço um uso saudável dele.

  7. Tem algumas coisas bem chatas no whats que são as benditas correntes e aquelas mensagens de “Bom dia”, “Boa noite”, que só enchem a memória do aparelho.
    Concordo com vc em relação a ansiedade. Uma coisa que me irrita bastante é a cobrança: “Nossa!!! Você leu minha msg e não respondeu”…. Resolvi tirando o “Visto por último” e as notificações de leitura. Foi bom pra mim tb pq não fico checando se as pessoas leram minha msg. Entendi que elas respondem qnd podem.
    O lado bom do app pra mim é que eu não gosto de falar ao telefone. Prefiro mil vezes escrever e responder quando posso. Até pq muitas vezes ao telefone fica difícil cortar aquela conversa de papo furado que eu não tenho muita paciência… rsrsrsrs
    E tb como eu moro em uma cidade afastada, fica praticamente impossível marcar encontros… A conversa tem que ser mesmo pelo app…
    Como tudo, acho que dá pra ser usado com moderação… rsrsrsrs

  8. Tbm está na minha lista de Incubados deletar meu WhatsApp. Mas por enquanto ele não me incomoda, pq não o trato como caixa de entrada, e sim como distração, algo que eu abro qdo estou ociosa. Tenho poucos contatos, e os 4 mais importantes eu vejo através de pop-up e respondo ali mesmo, sem nem precisar abrir o app (todas as outras notificações estão desativadas). Isso possibilita tratar possíveis urgências sem me distrair com conversas paralelas.
    Parabéns pelo seu “grito de liberdade”. Depois, se puder, conta mais sobre sua pesquisa. Interessantíssima.

  9. Quando li o “10 argumentos para você deletar suas redes sociais” ou coisa semelhante, fiz influenciada por você, Thais!

    E ao final da leitura, me propus a deletar os aplicativos que me causavam piores sentimentos, o facebook (nunca mais instalei) e o instagram (que logo acabei voltando).

    Percebi e concordei que toda aquela interação estava me empobrecendo emocionalmente, me tornando refém de conteúdos que não eram o que eu realmente queria acessar, e fui gradativamente “limpando” perfis e outros acessos a mim que me aborreciam.

    Com o whatsapp, sempre tive uma relação menos conflituosa, mas lembro de já ter passado por situações como a que você descreve. Já cheguei a brigar com um amigo (!), que me bloqueou no whatsapp dele (!), porque após uns 15 dias sucessivamente me dando bom dia e perguntando o que eu estava fazendo, eu falei que ele estava exagerando na interação e tentando artificializar uma relação cotidiana comigo. Ele nem sequer falou nada, apenas me excluiu, e eu achei o fim dos tempos!
    Vou acompanhar de perto essa jornada, porque acho que a gente precisa demais ressignificar nossas relações com o mundo virtual, especialmente com os aplicativos tão à mão, no celular.

    Beijos

  10. Excelente post e reflexões…também penso o mesmo e tentando seguir este caminho de libertação. Também tenho minhas técnicas para evitar os abusos e cobranças do outro. Parabéns!!

  11. Thais, que inspiração. Eu ando bem cansada de whatsapp mas realmente o problema não é o aplicativo; é a urgência das pessoas. Eu não tenho nenhum problema com quem demora a me responder justamente porque sei que cada um tem sua vida e seu tempo mas sempre me cobro a resposta rápida pq acho que é isso que esperam de mim 🙁 eu tirei o meu “visto por último” qnd ainda estava de licença-maternidade depois de receber cobranças de parentes e clientes (que sabiam que eu estava de licença e que eu havia deixado orientações para o período) por ter “visualizado e não respondido”. Infelizmente ainda não posso deletar o app por estar longe da família e amigos e ser um bom meio de comunicação mas hoje deixo o celular em outro cômodo qnd preciso concentrar…

    Quanto às questões de trabalho, há uma cobrança por respostas rápidas, do tipo “se vc não responde logo, seu concorrente irá responder” e aí ganha “quem responde primeiro”, sendo que muitas vezes a pessoa nem fecha o contrato, só pede informação por curiosidade mesmo mas a gente precisa ser “ágil” para “mostrar serviço e bom atendimento”. E é justamente o que você fala, como podemos trabalhar ensinando às pessoas que organizem suas vidas, colocando limites, se nós estamos ali sem limite algum?

    Obrigada por levantar essas questões!

    • Obrigada por compartilhar, Dalva. Eu acho que as pessoas estão muito mal acostumadas profissionalmente com o uso do What’sApp. Vejo meu ato como uma forma de protesto, além de tudo.

  12. Pra mim o WhatsUp ainda é necessário pra grupos da faculdade, resolver trabalhos, etc. Mas também mitiguei muito o uso! O que eu definitivamente parei de usar foi o Instagram. Essa necessidade de saber da vida dos outros (que >eu< tinha) e o tempo que eu perdia tentando tirar "fotos pro insta" era demais. Ás vezes sinto falta mas me fez muito bem me desligar disso!

  13. Faz tempo que desativei a função de baixar automaticamente fotos, vídeos e áudios encaminhados. Só isso já poupa um tempo enorme! As pessoas mandam muita coisa dispensável (para mim, ao menos). Também desativo o Wi-fi quando quero me concentrar em outras coisas sem ser interrompida.

  14. Whatsapp foi a coisa mais invasiva que já inventaram. Quando a gente vê, é domingo à tarde, 10h da noite e você ali, respondendo mensagens e trabalhando. Pra mim tem infinitamente mais ‘contras’ do que ‘prós’. São vários os motivos: o fato de tudo parecer urgente (como você falou) e o que mais me irrita é o ‘bom dia’ sem ir direto ao ponto. Tenho várias mensagens de ‘bom dia, tudo bem?’ esperando por mim até hoje. Outra coisa que irrita também é o fato de que parece que ninguém tem mais palavra. Você marca uma reunião para amanhã às 9 e confirma. Mas não basta! A pessoa tem que ficar perguntando outras tantas vezes até a hora da reunião se ela vai realmente acontecer! Não me enlouquece mais porque já desabilitei todas as notificações faz muito tempo, mas a vontade de deletar de vez é grande, afinal, quem me cobra urgência não vai pagar pelo psiquiatra a hora que eu precisar de um. Parabéns pela atitude!

  15. Thais, acho que sou sortuda, porque não não tenho whatsapp como algo tóxico na minha vida. acho que porque:

    1) trabalho com tecnologia e pega bem mal usar whatsapp pra trabalho no nosso meio. a gente usa slack, o que é BEM diferente, em especial, pq você estabelece um horário específico para ficar no mudo. a pessoa só te notifica se for reeealmente urgente (tipo, “fulano deu snooze nas notificações no momento. quer enviar ainda assim?” e a pessoa só diz que sim quando for algo realmente urgente). existem várias outras funcionalidades que o slack é melhor pra trabalho, tipo pedir que no grupo x você só receba notíficação se for citado com @ e outras coisas mais. o whatsapp é usado só quando a casa tá caindo MESMO e ainda assim é uma mensagem pontual privada, pra pessoa olhar o slack na hora. ai de quem crie um grupo de trabalho no whatsapp.

    2) não faço parte de grandes grupos no whatsapp. tenho grupos de 3 ou 4 pessoas, grupos de amigos mesmo. e tenho um grupo da família (meus pais e eu) e um um pouco maior (tias e primas), que quando tá meio demais eu silencio por 8 horas, mas é bem raro.

    3) eu moro numa cidade diferente da minha família há 7 anos e desde o ano passado mudei de país. então, essa troca eterna de áudios EU AMO. hehe é uma forma de eu passar um tempão conversando com um grande amigo, rindo ou se ajudando. e eu gosto de ser em áudio e não ligação, porque eu posso fazer isso enquanto arrumo a casa, janto etc. não existe uma pressa de responder. ele me manda um áudio às 15h, eu respondo até de noite. como dizemos em tecnologia, é uma comunicação assíncrona.

    bom, acho que é isso. recomendo o slack PROFUNDAMENTE pra todo mundo que tiver grupos de trabalho no whatsapp!

    • Sim!!! Existem meios mais profissionais para lidar com conversas de trabalho. As pessoas se habituaram com o What’s App e nem sempre é o melhor meio. Obrigada por compartilhar.

  16. Thais, quando li a Newsletter de ontem, levei um susto. Mas você fez o que todos gostaríamos de fazer. Além dos problemas relatados nos comentários até aqui, ainda lido com a ronda do meu esposo, de vez em quando revira meu whatsapp em busca nem sei do que. Parece que não sou confiável! Parece que escolhi usar meu celular pessoal no trabalho, e não escolhi! Inclusive o whatsapp virou uma ferramenta muito simples de pedir as coisas. Há pessoas que somem, e que quando fazem contato… já sabemos que logo virá um pedido. Este app causa mais incômodos do que nos beneficia e em breve farei o mesmo. Você me inspira!!!!!!!!!!!!! Você é corajosa, destemida, racional! Por isso estou sempre com você. Bjs e sucesso!!!

  17. Ei, Thaís; É curioso que no tempo que vivemos, muitas vezes quando alguém diz que não tem Whatsapp ou qualquer rede social, as pessoas ao redor se surpreendem. Parece até que há uma regra silenciosa, mas válida para todos. Para pensar… Abraços e depois de um tempo sem Whatsapp, compartilhe conosco como está sendo a experiência.

  18. Meu sonho é que um dia o WA funcione como o finado MSN onde mesmo conectados à internet pudéssemos desliga-lo.

    • Lilly Anne… se não me engano, tem uma opção onde as mensagens só aparecem quando você entra no app. Dá uma fuçada e vê se acha. É bem incômodo mesmo quando estamos fazendo qualquer coisa na internet e toda hora alguém manda msg!!!

  19. Já cogitei excluir o App, mas o meu trabalho suga a gente demais com as demandas que chegam pelo app. E como sou funcionário público, não tem essa de telefone funcional ou hora extra. A gente é enfiado nesse barco à força! Confesso que ando muito cansando e estressado por conta disso. Seu post foi maravilhoso quando pontuou que devemos parar para pensar no que todo mundo anda fazendo…

  20. Thaís, muito nobre sua decisão, e sendo o WhatsApp uma rede social desativada, a ” comunicação não será migra para outro meio como e-mail ou até sms?

  21. Olá, Thais! Soube ontem mesmo da decisão e hoje cheguei correndo aqui para ler o teu texto. Sou professora de português de adolescentes e engraçado o quanto essa discussão tem sido pertinente: quase todas as unidades do livro que eu trabalho, por exemplo, trás essa temática, seja através de uma crônica, artigo de opinião, cartum, etc, discutindo o uso produtivo das tecnologias. Muito do que você falou sobre as entrevistas tenho escutado dos meus alunos. Por isso, fiquei curiosa para conhecer mais a tua pesquisa. Desejo sucesso e que esse viés educacional seja o foco. Eu, pessoalmente, já tive muito o desejo de deixar as “redes socias”, inclusive pelos mesmos motivos. Mas, ainda acesso muita coisa boa por elas, inclusive o teu material, além do contato com a família e amigos que mora longe. Então, tenho procurado equilibrar e filtrar os acessos. Não é fácil, mas o fato de eu mediar essas questões nas minhas aulas já impulsiona a mudar. Gratidão pela reflexão. O teu texto estará nas mãos dos meus alunos: 9° anos de uma escola Integral em Fortaleza-Ce. Abraço!!

  22. Printei a parte que mais me incomoda no WhatsApp que é bate papo no lugar de vamos nos encontrar pessoalmente
    Parabéns Thaís

  23. Super compreensível Thaís. Estou contigo. Vc nem imagina como vc me ajudou a organizar a minha vida e continua a ajudar. Falta muito mas, que dependo só de mais foco! Penso que qdo também amadurecemos tecnologicamente, significa dependermos somente do essencial, irônica e inversamente, muito menos das máquinas. Não viemos por máquinas não é? Mas, é de cada um, então … Te gosto demais, bjs.

  24. No meu caso o Whatsapp é indispensável porque é o único app que minha mãezinha sabe usar. Ela mora no Brasil, eu na Bulgária.
    A vantagem é que só pessoas selecionadas têm meu número: minha mãe, irmão e duas melhores amigas. E usamos para aquelas chamadas de domingo, comunicar coisas importantes ou matar a saudade mesmo.

    • Claro, aí é outra configuração. 😉

      O ponto principal da discussão não é o What’s App em si, mas a ressignificação da nossa relação com os diferentes aplicativos.

      Obrigada por comentar.

  25. Thais,
    Eu me libertei do What’s App há 2 anos e é incrível como vivo melhor “sem ele” do que “com ele”. As pessoas nem acreditam quando falo que não o uso mais rsrs.
    Com a internet e as tantas redes sociais que existem hoje, é complicado lidar com o “excesso de informação” que consumimos no dia a dia.
    Nos conte mais sobre sua pesquisa e as consequências do “excesso de informação”.

    • Vou contar sim, Paulo. Obrigada por comentar. Foi engraçado você comentar sobre a reação das pessoas, porque isso é o que tenho achado mais engraçado também. rs Para mim tem sido uma experiência incrível ficar sem o What’s App, mas os outros estranham demais.

  26. Bom dia Thais, meu celular quebrou a uma semana, e estou sem whatssap. Nos primeiros dias senti muito, parecia crise de abstinência. E Pude perceber que a grande maioria das conversas que eu tinha por whatssap não eram nada urgentes, que se perde muito tempo, tanto ali como em outros aplicativos. Esta sendo bom pra mim, esta pausa forçada. E ao ler o seu post pude ter ainda mais clareza sobre tudo isso.

  27. Nossa, Thaís eu pensei que fosse a única que tivesse esse problema de ansiedade relacionado ao whatsApp ou outras redes sociais, mas o whatsApp para mim é mesmo tóxico, infelizmente ainda não cheguei ao nível de deletar, mas acho que mais dia menos dia chego lá.
    No entanto como forma de limitar o dano eu optei por usar no whatsApp um número diferente do meu número usual, então pouquíssimas pessoas têm esse número, só tem meu quem eu quero mesmo.
    Em tempos tentei entrar em num grupo de família, foi terrível, em três dias acabei saindo, e olha que meu telemóvel está sempre no silencio e com notificações desactivadas, mas vi que as pessoas não conseguiam filtrar o que deve ou não ir para a rede, aí quando eu lá ia espreitar tinha 200 mensagens, não deu.
    Hoje eu estou me desafiando a ver o whatsApp duas vezes por dias e tento limitar o meu tempo ao telemóvel para 1 hora por dia no máximo, há tanta vida para além do telemóvel.

  28. Nossa, cada vez mais pessoas tem externado esse sentimento e eu me sinto um pouco mais acolhida! Eu não tenho nem 1/3 da demanda que você tem e whatsapp já me irrita. Desde que comecei a usar desabilitei o “visto por último” e no meu status está escrito que se for urgente, é pra me ligar. Influenciada por você, eu também resolvi a “me abrir pro mundo” só depois do almoço (ler notícias e o vida organizada de manhã, por enquanto, pode… são os 5 min de descanso do pomodoro rs).
    Enfim, as pessoas andam invasivas de mais e transformam tudo em urgência.

    E tem a Letícia, uma cantora que eu amoooooo que escreveu sobre isso há alguns dias
    https://www.instagram.com/p/BuZ_I-9FgrL/

    A gente tá de saco cheio e não é por menos

  29. Thais, recebi a newsletter ontem e foi incrível, e o posto só complementou!
    Eu percebo o quanto as redes em geral prejudicam a minha mente, atenção e produtividade.
    Ja tive uma orientadora que mandava mensagens de madrugada e queria respostas imediatas em qualquer horário. Se eu precisasse de algo ela apenas lia e ignorava. Eu era refém. Em muitos momentos eu percebo tbm que o Wpp nos acomoda e evitamos ter que abrir um horário em nossa rotina para encontrar alguém pessoalmente.
    O que você falou sobre o fluxo de informações é absurdamente verdade, e nesse ponto eu incluo o Twitter tbm. Minha mente parece ficar muito cheia e eu esqueço coisas em milésimos de segundos toda vez que acesso às redes.
    Eu to dando um tempo em TODAS as redes ja faz tres dias, e é como respirar ar limpo!
    O WhatsApp infelizmente continua pois todas as informações dos meus dois trabalhos são sempre passadas alí. Mas apesar disso, me encoraja muito tomar esse passo.
    Obrigada por nos dar essa força toda! Você é incrível!

  30. Olá Thais! Não me surpreendi com sua decisão. Super apoio! Eu quero me organizar para um dia chegar nessa condição. Atualmente, já a algum tempo, não tenho notificações e o app é configurado para não mostrar leitura de mensagens. As pessoas que me conhecem já sabem que não respondo mensagens imediatamente, aliás, dependendo da mensagem, demora muitos dias, então se alguém quer algo urgente precisa desde me ligar a enviar um email, meios pelos quais respondo mais rápido . Minha orientadora um dia me disse para alterar a configuração do app para que ela visse se as mensagens dela eram lidas. Eu me desculpei e disse que quando fossem lidas e eu pudesse, as responderia. Confesso que esse foi um dia que tive vontade de desinstalar o app. Segue em Algum dia, talvez, infelizmente.. abraço!!

  31. Thais,
    Eu também fiz isso, mas veio uma sobrecarga tipo: como faço para me comunicar com você? Você é bicho do mato, está se distanciando de nós. Hoje eu não uso para trabalho, deletei grupos de família, tem uns produtos que sempre estão me oferecendo…se eu não respondo de imediato, logo há criticas, como se eu vivesse olhando para a tela.
    Agora, esse monte de Bom dia, fofoca via zap, um milhão de áudio substituindo uma conversa…nossa isso me deixa confusa.
    Tem um contato que ainda guarda as mensagens para confirmar o que eu escrevi, tipo me cobrando se eu disse foi mentira ou não, ou seja, nem se pode mudar de opinião ao longo do tempo.
    Já recebi xingamento, bate boca e até fofocas com meu nome…eu preciso mesmo desse lixo pra viver?
    A parte de educar as pessoas é um passo fundamental. meus muros estão fechados, falar comigo e via e-mail e telefone.

  32. No meu caso achei uma forma equilibrada que reduziu em cerca de 90% as notificações: segregar os grupos em outro número, colocando o 2 app na Pasta Segura. No meu numero convencional so atendo demandas importantes do trabalho, clientes e familiares. Os grupos olho quando quero e muito pouco. É uma boa ferramenta, excluir é radical demais.

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui