Em 2018, eu agradeço por…

18
9122

Exercitar a gratidão é uma prática que faz parte do meu dia – falo com sinceridade.

Mas, na semana passada, assisti a LIVE da Wanice Bon’Ávigo no YouTube sobre como se despedir de 2018 e agraciar 2019. E ela sugere um exercício muito rico de ser feito (assista o vídeo para conhecer o exercício e também se inscrever no canal dar uma força para o trabalho da Wan, que é incrível).

Um dos momentos do exercício envolve listar tudo aquilo que aconteceu em 2018 e pelo qual você é grata(o).

Eu tive um ano com muitas perdas. Não foi apenas a perda maior, com a morte da minha avó, mas diversas outras perdas, internas e externas, que aconteceram este ano. Fazer esse exercício, portanto, me fez ver que, mesmo em um ano com tantas perdas, eu tinha muita coisa para agradecer. E isso me fez ver 2018 com mais carinho, porque ele foi um ano fundamental para o meu crescimento pessoal e para tudo o que farei daqui em diante na minha vida.

Quis compartilhar esses agradecimentos com vocês, então este post terá um tom essencialmente pessoal.

Essas são as coisas pelas quais eu agradeço pelo ano de 2018:

Entrada no mestrado

Fazer mestrado era algo que estava na minha lista de “algum dia / talvez” há muitos anos. O plano era começar no ano que vem (2019), mas ter passado pelo processo antes, de alguma maneira, me disse que eu deveria fazê-lo agora. Eu confesso que eu teria realmente deixado para 2019 se soubesse o que aconteceria ao longo do ano. Mas ter entrado no mestrado e ter um foco diferente do dia a dia, do trabalho e de problemas diversos me salvou em vários momentos.

Lembro de um momento muito específico, no meio do ano, em que eu questionei se deveria continuar. Não estava aproveitando como gostaria, porque minha cabeça não estava legal. Conversei com amigos e colegas mais próximas que fizeram mestrado, e conversei com a minha terapeuta, sobre isso, e todos me disseram: com tudo o que está acontecendo, você vai tirar da sua vida uma coisa que você está fazendo exclusivamente por você e que te faz tão bem? Isso foi muito acertado e me fez continuar.

Não foi fácil. Meu segundo semestre foi intenso, cheio de atividades profissionais e viagens a trabalho. Tive desafios com clientes, voltei a ter anemia no final de novembro e começo de dezembro (ainda em recuperação). Eu fiz a cirurgia bariátrica no ano passado e é comum ter quadros de anemia de vez em quando. É a segunda vez que eu tenho. Então esses e outros desafios tornaram o percurso do mestrado mais difícil do que eu já achava que seria, mas de alguma maneira eu consegui passar por isso e fico feliz por ter passado. Porque a vida passa, o tempo passa e, se a gente não se desafia a fazer as coisas, mesmo com dificuldades, pode acabar desistindo e não fazendo o que é importante para nós.

O mestrado me ajudou a entender melhor a vida acadêmica e a ver o que esperar como pesquisadora e professora em universidades. Abriu todo um novo leque profissional a ser construído e explorado a longo prazo.

Eu tenho certeza de que não aproveitei o mestrado da forma como gostaria, mas tenho como princípio que o feito é melhor que o perfeito não feito. Fico feliz por ter entrado no mestrado e ele ter me ajudado a segurar a onda em um ano tão desafiador em tantos sentidos, para mim. Faltam poucos meses para o fim.

Paul ter ficado bem

Um pouco antes do início do mestrado, o Paul teve um problema respiratório relativamente grave e foi internado às pressas com a oxigenação baixa. Precisou ficar na UTI. Foi horrível. Só quem é pai ou mãe sabe como a gente se sente impotente ao ver o filho passando por uma dificuldade que você não pode controlar. Naquela semana, meu marido tinha compromissos profissionais em outra cidade e precisou viajar a trabalho. Eu fiquei no hospital e minha missão era estar bem pelo Paul. Isso foi decisivo na forma como eu lidei com a coisa toda. Agradeço mais uma vez ao Napoleon Hill porque meu livro de cabeceira em todos esses dias foi o “Atitude Mental Positiva”, e passar o dia cantando, contando histórias e fazendo o Paul dar risada foi o que fez toda a diferença para ele e para mim.

Quando alguém fala que livro de auto-ajuda ou que esse pessoal que faz “empreendedorismo de palco” é charlatão, eu entendo a crítica mais acho desnecessária. Tanta coisa importante pra gente se preocupar de verdade, pra que criticar pessoas que fazem bem a outras? Em diversas situações da minha vida, como essa, acima, o que me salvou foi ter me apegado a alguém que tenha me ensinado como ficar bem. Isso fez toda a diferença em minha vida em diversos momentos, e por isso sempre serei grata e encorajarei outras pessoas a investirem nisso também.

Paul ficou bem depois disso e não teve qualquer outro quadro complicado pelo resto do ano.

Meus professores

Quando eu entrei no mestrado, eu pedi por um professor que fosse meu orientador (ele aceitou). É uma pessoa que admiro muito profissionalmente, e me senti honrada e desafiada por ele me orientar.

No entanto, no decorrer do mestrado, eu honestamente me apaixonei por outros professores também. Conviver com professores é uma das coisas mais legais do estudo formal. Você acompanha um pouco do fluxo de pensamentos deles, vê os projetos tomando forma, conhece suas aspirações e interesses, e isso (pelo menos para mim) inspira muito.

Eu conheci um dos melhores professores este ano no mestrado e infelizmente ele foi desligado agora em dezembro. Fiquei extremamente chateada mas enviando energias positivas para que ele encontre algo muito melhor, pois merece demais. Pessoa super competente e interessada em ajudar, em crescer, em ir além nas pesquisas.

Quando eu voltei para o mestrado, no segundo semestre, recebi um carinho indescritível de todos os professores. Eu tinha anunciado que ia parar um semestre com o mestrado, para dar um tempo, mas então voltei atrás e resolvi continuar. A maneira como eles me receberam, com carinho, por tudo o que tinha acontecido comigo, sem julgar ou achar “frescura”, exagero, foi muito tocante para mim.

A entrada da Silvia

Em maio, em um dos períodos mais críticos da internação da minha avó, a Silvia começou a trabalhar comigo. Quando a minha avó morreu, se não fosse por ela cuidando do backstage, cuidando das inscrições, respondendo e-mails das pessoas, contatos diversos, eu não teria dado conta do trabalho. Teria cancelado cursos e outras iniciativas que, no final das contas, me distraíram de todo o resto.

Além disso, não apenas pelo bem que ela me fez individualmente, mas pela saúde do negócio como um todo. Eu precisava delegar algumas atividades para conseguir focar em outras com mais qualidade. Quando a Silvia entrou, isso me possibilitou cuidar com mais carinho dos cursos, dos alunos, das pessoas, ter ideias, desenvolver produtos, enfim, me dedicar àquilo que só eu mesma posso fazer. Claro que pegou um período de transição, difícil, em que demorei para ficar com a cabeça no lugar, mas agora eu vejo a diferença que faz para uma empresa você ter pessoas tão boas e competentes trabalhando com você. E a Silvia é uma pessoa incrível, além de todo o lado profissional.

Escritório

Ter uma sala comercial para o Vida Organizada era um sonho antigo.

Hoje, eu já não acho que “ter uma sala” seja tão essencial assim. Eu vejo que foi mais uma conquista mesmo que algo tão necessário. Atualmente tenho trabalhado muito em casa, e o escritório funciona como QG para a Silvia trabalhar, para a gente receber pessoas e para eu gravar aulas e vídeos ocasionalmente. Mas todo esse processo de alugar uma sala, decorá-la, comprar as coisas, ter uma rotina para trabalhar fora de casa, dizer que você tem um escritório… isso é muito legal e faz diferença na forma como você toca o negócio, porque te dá mais responsabilidade.

Eu já fiz um post aqui contando de maneira mais emocionada o que o escritório representa. Foi realmente uma conquista pela qual eu sou grata.

Curso do Fórmula

Quando a minha avó morreu, eu percebi que precisava dar um tempo, ok, mas também precisava mergulhar em alguma coisa para me distrair. Nada me distrai mais do que estudar. Por isso, resolvi fazer um curso. Fiz o investimento no curso do Érico Rocha, o Fórmula de Lançamento. Foi um dos melhores investimentos que eu fiz este ano. Mergulhei no estudo do método e ainda me sinto envolvida pra caramba nele.

Eu trabalho com marketing digital e sentia falta de um método para fazer as coisas. O Fórmula é exatamente esse método. Me ajudou a colocar as ideias no lugar, a focar melhor as minhas diversas iniciativas profissionais, a refinar o que eu já faço. Me deu foco em um momento que eu precisava muito de foco. Me ajudou a virar a chavinha na mente, a ver meu negócio como muito mais profissional do que eu tratava. Foram muitos benefícios para listar aqui, além desses. Cresci enormemente profissionalmente este ano, e tenho certeza que o curso do Érico foi parte fundamental desse processo.

“Não pense que a cabeça aguenta se você parar”. Verdade, Raul. #tocaraul

Meu terceiro livro

Há cerca de dois anos venho escrevendo o meu terceiro livro, “Trabalho Organizado”, e em janeiro, após uma epifania pessoal, reescrevi o livro inteiro. Ele foi lançado em julho. Foi o livro que mais gostei de escrever e o meu preferido dos três (também tenho ouvido isso de vocês, o que é muito legal). Ele representa um processo de amadurecimento profissional que eu gostaria de compartilhar com as pessoas.

O lançamento do livro culminou com uma série de escolhas profissionais que fiz desde então. Sinto-me grata pelo lançamento e pela oportunidade de ter o contrato com uma das maiores editoras do país. Sinto-me abençoada e privilegiada por isso, mesmo com tantos desafios que o mercado editorial tem enfrentado.

Eu precisei cancelar alguns dos eventos de lançamento do livro porque eles foram demais para mim. Fiz vários eventos, mas ainda não estava 100% para viajar, lidar com tanta gente. Eu precisava me reservar mais. Foi uma decisão difícil, porém da qual não me arrependo. Eu precisava me preservar.

GTD Nível 3

Desde a primeira certificação que eu tirei, do GTD, em 2015, eu espero pelo momento em que estaria pronto o curso de Nível 3 e a viagem que eu faria para a realização do curso.

Viajei para Amsterdam em um momento particularmente desafiador. Cabeça não muito legal, levemente apertada financeiramente (segurei as finanças depois da morte da minha avó porque não estava me dedicando tanto ao trabalho quanto poderia), preocupada com o Paul por aqui, com prazos para o mestrado. Foi a viagem internacional mais curta que já fiz (menos de uma semana entre sair de SP e voltar), completamente focada em participar do curso, apenas. Mas foi uma viagem que valeu a pena tanto, em tantos sentidos.

Em primeiro lugar, pela oportunidade que o Daniel (da Call Daniel) me proporcionou em participar desse processo mais uma vez. Não tenho palavras para agradecer tamanha generosidade. Em segundo lugar, por saber que seria a última certificação. Isso me deixou nostálgica em vários momentos, porque representa o “fim de uma era”. Em terceiro lugar, por estar entre o David Allen, sua esposa Kathryn, a Ana Maria (super senior mater trainer) e toda a galera de outras franquias do mundo, que acabaram virando colegas mais próximos, o que era inimaginável para mim em anos anteriores. Em quarto lugar, mas não menos importante, por participar do fatídico “curso nível 3”, que representa o GTD faixa preta da maneira mais simbólica possível.

Mas foram três os fatos que tornaram essa viagem e esse curso tão especiais. 1) O estreitamento da relação profissional com o Daniel. Conversas bacanas sobre o futuro da empresa e do GTD no Brasil, a minha noção de liderança como master trainer, e a possibilidade de direcionamento do meu trabalho da maneira como eu simplesmente quiser; 2) Entender que eu faço parte de uma galera bem VIP dentro do GTD, no sentido de que não é todo mundo não que tem o mesmo envolvimento e conhecimento que eu tenho, e que o próprio autor do método sabe e valoriza isso. Pra mim é impagável de diversas maneiras; 3) Entender até onde o GTD vai. Ter vários insights dentro do curso, mas sair dele com a sensação de que eu já sabia como ele seria, pois eu poderia até tê-lo ajudado a ser desenhado. Eu mergulhei tão fundo no GTD nos últimos anos, que eu me sinto masterizando em alto nível a metodologia (modéstia à parte), além de perceber o quanto ainda tenho a aprender. Essa é uma sensação maravilhosa e que apresenta oportunidades infinitas de trabalho e entendimento.

“Ev’rybody’s talking ‘bout Bagism, Shagism, Dragism, Madism, Ragism, Tagism This-ism, that-ism, is-m, is-m, is-m All we are saying is give peace a chance!”

Estreitamento de algumas amizades

Imagino que para alguns de vocês isso também tenha sido realidade, mas o período das eleições foi bastante intenso para mim, socialmente falando. Me decepcionei com tantas pessoas ao meu redor – familiares e amigos. Ao mesmo tempo, descobri outras que nem eram tão próximas e que se tornaram justamente por termos valores parecidos. Essas relações se fortaleceram muito. Desabafamos, sonhamos juntos, demos apoio mútuo.

Eu era uma pessoa que achava que já tinha vivido de tudo em termos de amizades, então fiquei feliz por ter novos amigos ou fortalecer amizades que eu já tinha. E trazer para a minha vida pessoas tão interessantes, tão queridas, que tenham os mesmos valores que eu – isso foi incrivelmente importante e rico. Descobri como ser feliz novamente com novos amigos.

Nossa casa, a reforma e a mudança

Não tenho palavras para expressar como é vivermos finalmente em uma casa que seja nossa, sem pagar aluguel, ter feito uma reforma e morar em um lugar que nos acolha, que nos abrigue e nos permita viver momentos tão felizes em família e com amigos. A reforma durou longos meses, e meu marido a tocou praticamente sozinha, enquanto eu estava em frangalhos após a morte da minha avó. O fato de ele ter tocado isso por nós, nossa família, me deixou muito sensibilizada. Mudou nossa vida em tantos aspectos. Ainda estamos finalizando um montão de pendências (o que é normal), mas o dia a dia tem sido delicioso. Agora eu consigo sentir o verão como deve realmente ser – abundância, vida, alegria, calor.

Pró-vida

Eu também tomei a decisão, depois de uma série de acontecimentos que me levaram a isso, a fazer o curso básico da Pró-Vida. Foi um marco para mim. Deveria ter feito antes, na adolescência, mas as coisas acontecem quando tem que acontecer.

Como eu falei, quando a minha avó morreu, eu senti a necessidade de fazer algumas coisas para me distrair. Cursos ajudam muito nisso, para mim. Eu acabei fazendo o curso básico da Pró-Vida mais para o final do ano, mas ele foi importante. Reforçou algumas crenças que eu tinha, me ajudou a refinar a prática de meditação e a valorizar as energias de uma maneira geral. Me colocou em um novo caminho de evolução espiritual que eu estava precisando.

Nosso casamento

Meu marido e eu passamos por desafios diversos nos últimos anos. Este ano, nos fortalecemos enormemente. Não vou entrar em detalhes aqui, por ser um assunto muito íntimo, como vocês podem imaginar, mas nunca estivemos tão bem. Eu creio que essa foi uma das melhores coisas de 2018. Amadurecemos nosso relacionamento incrivelmente, e sabemos que estamos apenas no começo, mesmo depois de quase 20 anos juntos (completaremos em 2019).

Pessoas

2018 foi um ano universal 2, que pauta relacionamentos. Essa foi inclusive a linha editorial do Vida Organizada o conteúdo deste ano. E agora, no final do ano, eu posso dizer que foi um ano de relacionamentos, efetivamente. Foi o ano que eu vi a importância dos relacionamentos e como eles impactam na minha vida, além de mudar a maneira de me relacionar com as pessoas. Amigos, marido, filho, colegas de trabalho, equipe, leitores, alunos, todos. Foi definitivamente o norte do meu ano e o que mais subiu de nível. Só tenho a agradecer.

Como eu falei, 2018 foi um ano triste, desafiador e difícil para mim. Mas fazer esse exercício de listar as coisas pelas quais eu sou grata me fez ver que, mesmo com tudo o que aconteceu, foi um ano maravilhoso também. Agradeço e me sinto abençoada por 2018, e me despeço dele com alegria e um quentinho no coração, pois tudo o que acontece na vida serve para construir todas as coisas boas que faremos depois.

18 comentários

  1. Thais, acho uma delícia ler esses textos pois vemos o seu lado humano e o quanto a organização ajuda no direcionamento da nossa vida. Acho que já falei isso outras vezes mas textos como esse quebram aquele mito de que ser organizado é levar uma vida engessada e chata; ao contrário, a organização nos traz flexibilidade para levar a nossa vida do jeito que ela deve ser: de forma flexível e plena.

    2018 foi um ano em que pensei em me matar várias vezes, acredite… Me sentia uma bosta de ser humano, achava que eu não tinha nada de bom a oferecer para minha filha… Passei meses muito desesperadores no início do ano, até que decidi voltar para a terapia. Com o autoconhecimento, decidi fazer o curso de Personal Organizer e me encontrei. Foi um ano muito apertado de grana, em que acabei precisando voltar a fazer alguns trabalhos como advogada mas estou equilibrando os pratinhos para começar a construir o caminho que quero para mim. Você é uma inspiração pois sempre lembro dos seus relatos de quando trabalhava em Campinas e tocava o blog em paralelo. Foi em 2018 que eu voltei a amar minha própria vida, foi quando me reergui. Foi um bom ano, afinal. Eu também só tenho a agradecer! Que venha 2019!

    Obrigada por se doar tanto para a gente! Ler seus textos é parte da minha rotina diária. Obrigada por fazer a diferença nesse universo de conteúdos rasos. Você é incrível!

    Bjs
    Dalva

    • Mais legal que ler esse post maravilhoso da Thais, é ver que tem muita gente que acompanha o blog, na mesma trilha que você. Esse ano também foi muito difícil pra mim, conquistei muitas coisas, porém perdi muitas. Mas eu sabia que no final, os ganhos seriam muito maiores que as perdas. E os postas da Thais me ajudaram incontáveis vezes.
      Você é uma guerreira, Dalva!

      E Thais, obrigada por existir e usar sua existência para o bem!

      2019 será ainda mais próspero.

      Abraços
      Feliz Natal e Ano Novo <3

  2. Thais,

    Eu quero agradecer pelos posts que vc fez em 2018 e que fizeram muito bem para mim!
    Sou muita grata pelo seu propósito de vida de ajudar outras pessoas!
    Felicidades e saúde para vc e sua família!

    Bjos,

  3. Thais, que post maravilhoso! <3
    2018 foi um ano de momentos muito bons e muitos bem ruins para mim, e tendo a focar mais nas partes negativas. Mas sua perspectiva me ajudou a avaliar com mais carinho as emoções desses últimos meses.

  4. 🙂 Grande abraço do outro lado do oceano!
    Fico feliz pelas suas conquistas 🙂
    Agradeço a partilha das suas aprendizagens, fazem muita diferença na minha vida também. 🙂
    Sugestão de pauta para 2019: como administrar tanta informação!
    Tenho um “pézinho” na melancolia e o corpo inteiro na ansiedade.
    Já deixei de ver tv há anos por isso mesmo, e agora noto que as redes sociais têm o mesmo efeito; eu tento limitar o uso, mas bata entrar no facebook para falar com as minhas irmãs, que vivem muito longe e não consigo estar com elas pessoalmente, e umas coisinhas básicas, já chovem “notícias do mundo”. Aliás, basta andar na rua; eu sou o tipo de pessoa que não consigo “partir de mim” para olhar o mundo, sinto que faço o inverso; então, andar na rua, ver imensa publicidade, lixo no chão, poluição automóvel e correria, já me aflige… As eleições do Brasil, mesmo não tendo que ver comigo, já super me abalaram. Eu vou comprar uma peça de roupa necessária e vejo o país de fabrico… e já me agonizo. Sei que você já fala disso, de alguma forma, mas se for possível dar alguma dica prática de administração de informação em excesso, agradeço! Sinto que se quisesse enlouquecer, era só deixar a coisa andar…. é um super esforço “manter-me à tona”.
    Desejo toda a paz e saúde para si e sua família em 2019 🙂 Você não precisa de mais nada! 🙂
    Beijos
    Sandra Sousa

  5. Acabei de entrar de férias, após um ano de trabalho muito corrido, desafiador, de superação, de alegrias e tristezas. Gosto de vir aqui e ler seus textos que sempre me proporcionam momentos de reflexão. Sempre que tenho um tempo para mim, para fazer o que gosto dou uma passada por aqui e faço outras coisas que me fazem bem. Acompanhei a sua trajetória e pude relembrar momentos que você passou e sinto que a forma como você escreve passa uma sensação tão realista, parabéns por tanta perseverança e por se permitir ser humana e não dar a sensação de viver de aparências! Obrigada pelas dicas! 2018 foi um ano em que senti que sobrevivi a batalhas e olha que vi tanta gente passar por situações severamente desafiadoras, mas meus desafios por menores que foram, em comparação, tenho consciência de como foi difícil passar por tudo e de quantas vezes achei que não suportaria. Seu texto me fez parar para pensar nas coisas boas que vivi, nos obstáculos que superei, que preciso ser mais flexível comigo e tantas outras reflexões. Obrigada pela sua dedicação!

  6. Que post mais tocante, Thais! Um post “raiz” (entendedores entenderão…rs). E é muito bom olhar para trás e ver o quanto recebemos, inventariar as bênçãos. E fazermos realmente a despedida do ano, honrando,consagrando e agradecendo a vivência que o ano nos trouxe. Bjs e gratidão por fazer parte do meu ano, da minha história. 🙏😘

  7. Thais,
    Parabéns pelo seu casamento de quase vinte anos! Em um mundo de relacionamentos descartáveis é muito bonito ver um casal jovem que está junto há tantos anos. Mais um motivo para eu te admirar!
    Um grande beijo,
    Suyang

  8. Ler este post me deu dois quentinhos no coração… primeiro, por saborear as suas gratidões; depois, por ter feito este exercício também e descobri que tenho muito mais coisas para agradecer do que imaginava.
    Obrigada, Thais!!

  9. Só para agradecer e dizer que é um privilégio poder trabalhar contigo e ser parte da equipe do Vida Organizada. Obrigada por tanto!

  10. Fantástico esse texto, que tive acesso só agora. Eu queria que você detalhasse o curso que você fez, o Fórmula de Lançamento, pois eu também conheço esse curso, mas você é a primeira pessoa que eu sigo e que o fez. Fale um pouco mais sobre a sua experiência com o Fórmula. Será enriquecedor saber.

    • Oi Joanna, tudo bem? Você tem alguma dúvida específica sobre o Fórmula?

      Eu achei fantástico. Sou uma pessoa de métodos, e o Fórmula é um método de marketing para quem produz conteúdo. Acho que é o único curso que você precisa fazer se quiser trabalhar com produtos digitais.

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui