Planejamento para o início do mestrado

55
8817

Você deve ter percebido que eu dei alguns espaçamentos entre os últimos posts do blog. Estou na reta final da escrita do meu terceiro livro (sobre organização no trabalho; sairá no segundo semestre), e percebi que, quando produzo muito conteúdo em outros formatos (de escrita), eu acabo não tendo muita energia para escrever meu livro propriamente dito. Então praticamente todos os meus blogs estão com um certo hiato atualmente, não por “falta de organização” ou “falta de priorização”, mas por uma questão de estado da arte mesmo. Peço que me compreenda. Entregarei o manuscrito dia 2 e, depois, o fluxo de texto voltará interaimente para os blogs.

PLUS, semana que vem começam as aulas do meu mestrado. Na semana passada, antes do Carnaval, eu tive a minha primeira reunião com o meu orientador. Cheguei cheia de perguntas, listinha de “assuntos a tratar” e um mapa mental com temas e ideias. Aparentemente, ele gostou (eu gostaria de ter uma aluna assim!). Consegui tirar todas as minhas dúvidas e saí pensativa com uma questão que vou abordar na próxima reunião, que será na semana que vem.

“É leviôsa e não leviossá”

Ter conversado com ele foi EXCELENTE para me dar cada vez mais foco para o que eu realmente quero para a minha vida acadêmica como um todo e como posso aproveitar esses dois anos de curso da melhor maneira possível.

Indo direto ao ponto, o que tenho feito atualmente:

  • LEITURAS: Lido. Lido bastante. Como já comentei em um vídeo do canal (sobre como foi a minha entrada no mestrado), eu vou misturar dois temas em minha pesquisa, que são: midiatização (minha formação) e sociologia do trabalho. Porém, preciso de uma base de ciências sociais, com foco no trabalho, que não tive formalmente, então esse tem sido o meu foco no momento. Meu professor orientador recomendou um livro certeiro, que já peguei no mesmo dia na biblioteca, e estou lendo. Estou lendo coisa pra caramba, mas tem sido ótimo. Porém, já que vi que vou ter que dar uma abandonada em algumas leituras não relacionadas ao mestrado, porque esse é o momento de ter foco nele.
  • CRONOGRAMA: Meu professor orientador disse que não tem uma ordem ou recomendação certa ou padrão, do tipo “use o primeiro ano para ler”. Eu já tenho o recorte pronto da minha pesquisa, que é algo que muitos mestrando acabam levando mais alguns meses para fechar. Tenho já um cronogramazinho de curto prazo, que envolve leituras e pesquisa de campo. Tentei fechar o público que vou pesquisar na última reunião, mas a escolha me deixou desconfortável e eu vou discutí-la na próxima. Meu professor orientador disse que seria legal eu ter isso definido até março, para iniciar o planejamento da pesquisa de campo. Ele disse que seria totalmente excelente realizar a pesquisa em maio para poder apresentar já algum trabalho em um congresso regional que acontecerá em junho. Se eu conseguir seguir esse cronograma, me sentirei bem, pois a pesquisa feita já poderá guiar meus trabalhos nas disciplinas e também me permitirá ir escrevendo a dissertação, junto com as leituras e fichamentos que estou fazendo. Qualificarei a pesquisa até 15/12/19 e entregarei a dissertação até 15/02/20. São os meus prazos. Montei um cronograma simples no Google Drive para ir acompanhando.

  • FICHAMENTOS: Eu fiquei tão tranquila que o professor é dos meus! Eu perguntei se ele tinha boas práticas para recomendar ou se a faculdade pediria algo mais formal, e ele disse que não, que fica muito a critério de cada pesquisador. Aí é que está: eu sou uma pessoa que, desde cedo, desde antes de fazer faculdade, gosta de fazer fichamentos no próprio livro, grifando, fazendo anotações, inserindo post-its e só montando um índice no final. E me sentia super culpada por isso! Ele disse que faz do mesmo jeito rsrs. No entanto, estou alternando as técnicas. Livro da biblioteca não tenho como grifar, então estou fazendo o fichamento no meu commonplace book. Livros lidos (meus), tenho deixado juntos, em uma prateleira da minha estante, como referência para a pesquisa. Mas bem, nem comecei o mestrado, né? Vamos ver como será o andamento das coisas ainda.
  • DISCIPLINAS: Optei por cursar a disciplina de Metodologia logo de cara para “aprender certo” desde o início. Minha outra disciplina será “Mídia e Sociedade Contemporânea”, que é uma disciplina geral. Eu optei por pegar apenas duas disciplinas nesse primeiro semestre para sentir o ritmo do mestrado como um todo. Se tudo fluir bem, espero fazer três disciplinas no terceiro semestre, pelo menos (o semestre que vem ainda estará meio conturbado por conta das certificações do GTD).
  • EVENTOS: Quero participar de pelo menos um evento por semestre. Já me inscrevi em um que acontecerá em abril, no sul (como ouvinte), e meu orientador me pediu para participar de outro que acontecerá em junho, já com submissão de trabalho. Gostaria muito, mas pegará um dia em que tenho um curso agendado em São Paulo (que eu vou ministrar). Verificarei a viabilidade para saber se poderei participar ou não.
  • ARTIGOS: Perguntei sobre a publicação de artigos, e ele me disse que, enquanto eu não for formada, não posso publicar sozinha, mas sim com professores. Também me disse que cada disciplina pedirá um artigo como conclusão, e que é bastante comum os professores convidarem os alunos para publicarem em conjunto, se o texto for bom. Tenho isso em vista então para quando terminar o mestrado, mas quero muito escrever artigos de qualidade para tentar publicar antes.
  • IMAGEM: Tem um ponto importante que acho legal citar. Minha imagem na Internet hoje inteira é constituída pelo meu trabalho com organização e produtividade. Se eu quero ser reconhecida na comunidade acadêmica, preciso iniciar um trabalho de construção da “Thais professora e pesquisadora” na web, de modo que eu apareça com relevância quando efetivamente for a público palestrar, participar de eventos e até mesmo iniciar a docência em faculdades. Isso é um dos motivos de eu ter separado os meus canais, especialmente o canal que eu chamo de “pessoal”, que é o “Thais Godinho”. Também vou organizar o meu currículo Lattes, essas coisas.
  • IDIOMAS: Quero retomar um pouco o que comentei em um post anterior sobre o estudo de diversos idiomas. Tenho notado que muita bibliografia do tema que quero estudar está em francês, então decidi que essa será a minha terceira língua para o doutorado, lá na frente. Então, de maneira bem básica, iniciarei meus estudos de francês este ano. A ideia é ter um nível de proficiência adequado quando iniciar o processo de seleção do doutorado, daqui a 4 ou 5 anos. Inglês, sigo nos ajustes gramaticais para aperfeiçoamento de fluência.

Gostaria de agradecer todas as dicas que tenho recebido através dos comentários. Obrigada mesmo! A maioria tem me ajudado bastante.

Sei que estou apenas começando e muita coisa ainda vai mudar, mas quis escrever este post para contar como está o meu planejamento (e execução) atual.

Caso você tenha alguma dica que acredite que possa me ajudar nessa fase, ou ainda queira sugerir um tema para eu ir abordando ao longo dos próximos dois anos (sobre o mestrado), por favor, deixe um comentário.

55 comentários

  1. Que energia! Que motivação! Uma grande fonte de inspiração com um coração enorme:) beijinhos do outro lado do Atlântico, Portugal

    Ana Luísa

  2. Thais, nao precisa publicar, mas acho que vc quis dizer “A ideia é ter um nível de proficiência adequado quando iniciar o processo de seleção do DOUTORADO, daqui a 4 ou 5 anos”, e nao mestrado, como tá escrito…
    Receba aqui minhas energias positivas para essa nova etapa de sua vida, pq brilho próprio vc já tem! um bjo!

  3. Thais, amei essa Hermione ali no meio! Rsrs

    Parabéns e muito sucesso nessa nova etapa! Obrigado por compartilhar conosco

  4. Olá Thais,
    Sobre organização eu acho que não tenho muitas dicas (rs). Você já está mais que preparada para essa parte 🙂
    De qualquer forma, após um mestrado e doutorado, acho que posso dar algumas outras dicas. Acho que o caminho de produzir artigos e enviar para congressos logo no começo do mestrado é bastante acertado. Não se preocupe se o artigo irá ser aceito ou não. Faça o melhor artigo no prazo disponível e envie! Muitas das revisões são extremamente úteis para melhorar o trabalho e caso o trabalho não seja aceito, vc poderá utilizar as críticas para melhorar o artigo e mandar para outro evento. Como vc pretende fazer o doutorado, não perca de vista as publicações no âmbito acadêmico. Na minha área já exigem que vc tenha publicações na entrevista para o doutorado e também faz parte das exigências que tenha pelo menos um artigo aceito em revistas com maiores notas durante o curso de doutorado. Para variar, mandei o artigo último ano do doutorado para uma revista bastante relevante na minha área e demoraram muito para responder. Tive que pedir prorrogação do prazo para atender esse requisito e foi bastante estressante porque nem havia certeza que eles aceitariam meu artigo. Deu tudo certo e o artigo foi publicado numa das principais revistas da minha área. Portanto, é importante ficar de olho nos prazos do curso e minha dica seria envie um artigo no primeiro ano do doutorado para ficar mais tranquila. Outras faculdades só matriculam @ estudante no curso de doutorado quando um trabalho é aceito em periódico relevante para a área. Tenho algumas críticas em relação ao padrão de quantidade e não qualidades das publicações no meio acadêmico, mas essa é a regra atual e dentro do possível temos que atender esses requisitos para fazer parte da área de pesquisa.
    Essa mensagem é só um apoio para dizer que certamente vc está no caminho certo!
    Obrigada pelo conteúdo que nos proporciona nos seus canais e muito sucesso!

    • Thais, vim aqui endossar o comentário da colega. Não é o caso aqui de eu criticar esse produtivismo, mas é preciso ter em mente que as revistas estão demorando em média UM ANO para responder. Veja bem: não é um ano em processo de editoração/publicação, é um ano pra dizer sim ou não. Se deparar com isso quando você tem os prazos e metas já correndo é muito desmotivador.

      Continue lendo, fichando, faça as disciplinas que no final vc terá que fazer um artigo. com o feedback do prof, vc pode procurar uma revista que seja exclusiva de pós-graduandos e submete seu trabalho. Isso é um conselho que eu gostaria de ter recebido. Muita sorte nessa jornada!

  5. Acompanho seu blog há alguns anos e posso dizer que vc me ajudou muito na minha jornada em busca da organização. Quero lhe dar os parabéns pelo início do mestrado. Tenho vontade de fazer um mas nem sei por onde começar. Pode me dar umas dicas de por onde começar? Sou médica e quero fazer mestrado na área de mídias sociais com ênfase na saúde.
    Grata por sua atenção

  6. Thais,
    Fiz meu mestrado na UFRJ e nunca tive essa restrição de só poder publicar em co-autoria com um professor enquanto “não fosse formada”. Tem professor que fala isso porque essas co-autorias ajudam a rechear o currículo dele, então fique atenta. Leia as chamadas de periódicos relevantes para você e, se não tiver essa restrição lá, pode submeter seu trabalho sim.
    Abraços

      • Oi 🙂 Talvez aqui em Portugal seja diferente, mas uma vez que um orientador orienta o trabalho e o encaminha num sentido que se enquadra na área de trabalho dele, não se poderia publicar sem ele estar em co-autoria. Ele terá a última palavra. Geralmente a ordem dos autores também indicam quem efectivamente fez o trabalho (1º autor) e quem o orientou (último autor). Claro que depois há muitos 1os autores que também contribuem e muito com a sua própria orientação 😉 E com o tempo, o orientador tem que deixar o orientando crescer e com os anos é natural que o deixe crescer e voar. Mas penso que cada caso é um caso.
        Muito sucesso! Beijinhos

    • Oi Mariana, tudo bem? Hoje conversei com o meu professor de metodologia e ele me explicou. O que acontece é que as revistas acadêmicas que pontuam no Lattes não aceitam trabalhos de mestrandos. Se quiser publicar nelas, tem que ser com doutorandos ou doutores. Mas pode publicar em outras revistas menores sem problemas. 😉

  7. Thais, vc me inspira e a cada dia sigo mais confiante para realizar as mudanças que desejo na minha vida ! Muito obrigada ! … lembra da influência das 05 pessoas mais próximas… vc é com certeza, para mim, umas três delas. … do total de cinco… bjkas… parabéns…

  8. Obrigada por compartilhar o seu processo, está me ajudando bastante… Tenho desejo de fazer mestrado em 2019 e o seu depoimento já me possibilitou pensar sobre várias coisas que não tinha pensado antes. Gratidão! 🙂

  9. Thaís; Eu estou tão motivada com o seu mestrado e com os posts que essa formação tem gerado nos blogs e no YouTube. Seus posts e os comentários dos seus seguidores têm proporcionado-me tantos ensinamentos. E sabe o que percebi… Acompanho seu blog a uns 3 ou 4 anos, com a intenção mesmo de organizar-me melhor, mas não tinha noção de que muitos dos seus seguidores têm uma trajetória acadêmica ou ao menos tem interesse por essa área. Ah, no último post eu compartilhei com você alguns dos meus aprendizados no Mestrado, lembrei outro com essa publicação de hoje: faça fichamentos e escreva todos os dias algo sobre o seu tema de pesquisa. Falo isso, porque li muito durante o mestrado, mas evitava “inconscientemente” escrever o que levou-me a uma sobrecarga ao final para entrega da dissertação escrita. Uma amiga na época me passou um modelo de fichamento/registro de leituras, gostei muito, se quiser posso compartilhar com você.

    • Legal, né? Também não imaginava que tinha tanta gente assim na área acadêmica. Esse blog me surpreende diariamente. <3

      Adoraria ver o modelo de fichamento. Eu já tenho um modo de fazer, mas adoro descobrir novos formatos.

    • Fran, que modelo é esse? Adorava saber. Thais, como estás a fazer? (a primeira vez que li fichamento aqui não entendi 😃).
      O que mais me sobrecarrega, às vezes, é perder a noção/controlo de todas as leituras de papers. E já passei o doutoramento (doutorado aí-mais uma palavra diferente). Estou sempre à procura de novas formas de melhorar. Agora faço um pouco o common book place que a Thais nos ensinou, para os artigos e notas que não quero perder.
      Este link também tem uma sugestão interessante: https://marialuisaaliotta.files.wordpress.com/2012/06/paper-annotation-tool-sheet1.pdf

      ‘As we accumulate more knowledge, more knowledge must be known before new contributors can contribute.’
      It’s called ‘the burden of knowledge‘.

  10. Olá, xará! Conheci o seu site hoje, e foi um grande achado! =) Assim como você, estou começando o mestrado esse ano e precisando super de dicas de organização. Nos últimos dois anos, dei uma relaxada nesse aspecto, em vários âmbitos da vida, e agora estou me cobrando muito a volta ao eixo (até porque a pós vai exigir demais). Espero muito encontrar um equilíbrio pra manter uma boa saúde mental, já que eu sou muito exigente comigo e, às vezes, deixo de fazer coisas, quando não é possível fazê-las do jeito que eu gostaria. Vamo ver como me viro nessa! Estou escrevendo mais pra registrar mesmo que já li vários dos seus textos aqui e adorei!! Sorte pra nós nesse novo desafio e muita organização. Espero trocar mais figurinhas com você. Abraços!

  11. Estou nesse processo de iniciar um mestrado e tô adorando essa série de posts, muito úteis. Uma coisa que estou querendo explorar é a organização dos fichamentos e da bibliografia. Tem vários softwares que se propõem a isso (alcester, mendeley), acho que facilita a gente já ir deixandos as citações organizadas pra não ter dor de cabeça depois!

    • Então, Lais, fico super dividida com isso! Gosto do jeito que faço, mas acho legal explorar outros formatos, especialmente para ajudar outros leitores do blog. Vou dar uma explorada nos que você indicou. Obrigada.

  12. Thais, parabéns pela iniciativa do mestrado! Desejo muito sucesso pra você!
    Agora, só uma pergunta, não está nos seus planos parar o Vida Organizada não né?!
    Fiquei um pouco dependente do seu conteúdo por aqui! 😬

    Brincadeiras a parte, tudo de bom!!

  13. Amei ler seu relato. Esse semestre concluo a graduação e já estou com o pensamento no Mestrado. Mais uma vez o quão importante é o curso de idiomas. Muito sucesso pra você. Abraços.

  14. Tu vai gostar do Zotero ou de software parecido. Serve pra te ajudar a organizar as leituras, especialmente as digitais, tipo artigos de periódicos, e ajuda a categorizar por tags, por autores, arrumar em pastas, facilita da hora de referenciar, etc.

  15. Thais, estou amando os posts do mestrado! Sou psicóloga organizacional e do trabalho, com MBA em gestão de pessoas e começo meu mestrado no dia 1 de março, com a temática de governança…vou colar nas suas dicas! Sucesso para nós! bj

  16. Olá Thais, tudo bem? Estou na reta final do mestrado e o que posso dizer que é uma fase bem estressante e que exige uma dedicação máxima. Uma coisa que reparei no seu cronograma é que a qualificação irá acontecer muito perto da defesa… a minha dica é para que antecipe a qualificação, se puder, pois a banca pode te dar interessantes encaminhamentos e, neste caso, talvez você não tenha tempo hábil para por em prática. 😉

  17. Olá, Thais!
    Parabéns pela aprovação no mestrado e pela excelente qualidade dos seus conteúdos, como sempre!
    Sugiro que aposte firme nos fichamentos e resenhas ou resumos de livro e da bibliografia que vai utilizar na sua fundamentação teórica, pois, ajudam bastante, inclusive a escolher citações que vão para o texto da dissertação, definir os conceitos-chave e os teóricos que vai manter, até montar o sumário da dissertação…Sobre publicação de artigos no mestrado, escrever e submeter textos em conjunto com o nome do orientador é sempre um bom caminho, tanto para eventos, como para periódicos.

    Sucesso na sua trajetória acadêmica!
    Patrícia

  18. Olá Thais,

    Não leva a mal não, pq é uma observação bem construtiva mesmo… vc é tão simpática nos vídeos e passa dicas de uma transformação de vida incrivel! acompanho seus posts e canais diariamente e cá de longe (moro em Maceió) fico com aquele sentimento de admiração de quem gostaria muito de ser sua amiguinha no recreio da escola.

    Porém noto que quando interage com o seu público, é bastante monossilaba e as vezes até “seca” ou “fria” , como no exemplo acima. não sei se é por questão de tempo, de preguiça (as vezes estamos em dias ruins) ou de perfil seu msm (as vezes as pessoas são mais operacionais e lidam melhor com as máquinas ou em trabalhos solitários do que com interação com outras pessoas, ainda que seja uma figura pública da internet).

    enfim, só uma pequena observação mesmo, pois mesmo sabendo que seus fiéis seguidores estão por aqui pelo conteúdo ultra-relevante, custa nada tratar bem e ser mais simpática nas suas respostas… papo de quem sempre leva a fama de “emburrada” por ser meio “séria” mas quando me deram esse toque, tento me policiar desde então.

    sobre mestrado, também sou mestranda – em arquitetura e urbanismo – estudo a influência das redes sociais na percepção, apropriação e ocupação do espaço público tendo como recorte as manifestações de Junho de 2013 pra cá. Gostaria que fizesse um post sobre estudos e organização semanal para otimização de fichamentos, leituras e processo de escrita para a dissertação. As vezes me perco no tempo com as outras atividades que exerço e fica para ultima hora as coisas do mestrado (não sou bolsista!), já estou apavorada com o tamanho da pesquisa empirica que terei e tb do volume de leitura. Espero dar conta! Se puder, explica como pretende gerir seu tempo para a escrita da dua dissertação.

    Abraços fraternos de mais uma fã sua! Obrigada.

    • Obrigada pelo retorno. É difícil responder todos os comentários. Recebo uma média de 600 mensagens por dia. Preciso responder objetivamente senão não consigo responder nenhum. Espero que entenda.

    • Só para complementar: você sabe que muitas pessoas estão pedindo posts sobre fichamentos? Já vi que é um assunto que dá muito pano pra manga, então pretendo explorar mais sim! Recebi várias dicas de formatos e softwares, e vou dar uma olhada nos próximos meses. Obrigada pela sugestão!

      • Opa! Estou atrasada com as leituras do blog, mas assim que comecei a ler sobre meu Mestrado foi o primeiro tema que me veio a cabeça!! No meu Mestrado sofri com isso e agora estou no Doutorado querendo fazer da forma mais organizada e produtiva possível. Aguardarei ansiosamente este post de fichamento!
        Sucesso e saúde pra ti Taís!

  19. Thais,

    Amei o post! Por favor conta um pouquinho mais sobre esse cronograma que fez no google drive, esquema de cores, como estimou a duração de cada etapa etc 😁

    Obrigada por compartilhar conosco ❤️

  20. Oi, Thais. Fique atenta a essa questão da publicação em co-autoria para não te limitar. As revistas de renome são independentes de instituições e, por conseguinte, de regras de autoria (no máximo limitam a quantidade de autores). As revistas são abertas a qualquer pesquisador. Já vi um grupo de alunos publicar o resultado de um trabalho de campo em uma revista renomada, sem ser preciso a participação de um professor no artigo. Também já publiquei trabalhos com parceiros de uma instituição sem a participação de nossos orientadores. É claro que para nós como pesquisadores é muito bom ter o nome do orientador (é uma via de mão-dupla: ele como já conhecido atrai olhares de quem já acompanha as pesquisas dele; nós, como pesquisadores novos, damos um fôlego nas publicações do orientador). Como ele vai estar lhe orientando, nada mais justo que as publicações em co-autoria, mas por exemplo, fichamentos, revisões metodológicas e outras produções sozinhas (que com sua bagagem você deve ter uma facilidade para fazer) (ou até já tenha feito rsrs) podem ser publicadas com sua autoria apenas. A não ser que seja uma revista interna da instituição que tenha essa regra da participação de um professor interno.

    Sucesso e felicidade na nova jornada. Você é incrível.

    • Oi Wal, obrigada. Eu não vi como uma limitação. Na verdade, estou ainda meio perdidinha (haha), então, para mim, qualquer ajuda será muito bem-vinda. Prefiro publicar com um professor até pegar o jeito para depois publicar sozinha. Gosto da ideia! Um beijo. <3

  21. Thais, não sei se você já leu ou se já te recomendaram, então aqui vai. Um livro que acredito que possa ser útil no seu mestrado, mais pelo viés prático da coisa mesmo, é o “Como Se Faz Uma Tese”, do Umberto Eco. É isso. 🙂

  22. Oi, Thais. Uma coisa que pra mim é super ~misteriosa~ é o famigerado fichamento. Nunca entendi direito como fazer, não sei se faço certo, ou qual o melhor método. Como você faz?

  23. Thais, estamos muito conectadas… lembro de seguir suas dicas ainda sobre maternidade lá em meados de 2010… tô errada? Depois, com a cria nascida veio a fúria por organização ebvc novamente me ajudou… este ano estou focada no processo do mestrado e mais uma vez ligada nas suas dicas. ..
    Tb como vc, não tenho uma carreira acadêmica até agora, mas isso nunca deixou de ser uma prioridade pra mim. Hora de recalcular minha rota para meus objetivos! !!
    Obrigada mais uma vez!!!!
    Sucesso! !

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui