Categoria(s) do post: Social, Espiritualidade, Equilíbrio emocional

Já comentei com você em posts anteriores como gostei do livro “O ponto de equilíbrio”, da Christine Carter. Incentivo fortemente que você leia o livro inteiro, mas neste post trago os meus principais aprendizados ou fortalecimento de crenças que tive lendo o livro durante as minhas férias em dezembro.

  • Tranquilidade significa coisas diferentes para pessoas diferentes.
  • Para encontrar o seu ponto de equilíbrio, use a fórmula: faça intervalos + ligue o piloto automático para algumas coisas + livre-se das amarras + cultive bons relacionamentos + saia um pouco da sua zona de conforto. (O livro se baseia inteiramente nessa fórmula)
  • Aprenda a descobrir seu estado de fluxo e como entrar nele.
  • Encontre sua Dose Mínima Eficaz.
  • Sua vida deve ser composta de coisas boas no dia a dia, não de listas de coisas “para fazer antes de morrer”.
  • Certas curas demandam uma transformação total de mentalidade. Não tem atalhos.
  • Quando estamos felizes, ficamos muito mais felizes com o nosso contexto.
  • Emoções positivas nos movem adiante – emoções negativas nos mantêm em equilíbrio.
  • Alegria não é desperdício de tempo nem luxo.
  • Encontre os gatilhos que funcionam para você. A chave é descobrir onde a rotina começa. Ex: ir para a academia de manhã começa quando você deixa a roupa pronta na noite anterior.
  • Uso o piloto automático de manhã e evite tomar decisões.
  • Preste atenção quando as pessoas estão te prestando algum serviço.
  • Às vezes, é melhor ter uma rotina “melhor do que nada” do que não ter nenhuma rotina.
  • “Antes de questionar sua vida inteira e as decisões que tomou, verifique: hormônios, privação de sono, bagunça da casa, teimosia das crianças, colegas de trabalho intoleráveis. Apenas se nenhum desses fatores for responsável pela sua infelicidade você pode ter problemas maiores.” – Kristin van Ogtrop
  • Pessoas criativas dizem NÃO.
  • Escolha as suas 5 prioridades e diga não para todo o resto.
  • Escreva uma declaração de missão para o seu ano e leia o tempo todo para tomar decisões.
  • Comece a se ver como uma artista. Incorpore hábitos de rotina que melhorem a sua vida.
  • Cada um de nós tem suas próprias fontes de estresse. Conheça as suas e tente diminuir a incidência delas na sua vida.
  • Planejar não significa engessar a vida e ser inflexível. Significa apenas identificar o que é previsível, especialmente aquilo que pode gerar estresse, e faz com que a gente se sinta mais tranquilo para reagir às diferentes situações.
  • Verificar o celular quando acorda é O FIM. Apenas pare com esse hábito. É assim que você quer começar todos os seus dias pela manhã?
  • Precisamos esculpir tempos e espaços que nos afastem de comportamentos de verificação.
  • Indivíduos felizes costumam simplificar.
  • Não é necessário criar expectativas baixas – crie expectativas específicas.
  • Defina “uniformes” para as diversas situações do seu dia a dia. Não é para matar a criatividade – apenas para aperfeiçoá-la tomando menos decisões.
  • Procure tirar da sua vida tudo aquilo que te deixa ansiosa, tensa ou que não contribua para o seu crescimento a longo prazo.
  • Delete as coisas ANTES de elas irem para o seu calendário.
  • A vida é curta demais para a gente tentar mudar ou melhorar pessoas tóxicas. Tem pessoas que é melhor a gente simplesmente se afastar.
  • Devemos saber nos afastar quando o custo de atingir uma meta supera os benefícios.
  • Observe seus sentimentos, pensamentos e emoções e tente dar nome a eles, em vez de ficar ruminando coisas ruins na mente. Veja como são temporários.
  • Todas as nossas interações têm potencial para ser positivas.
  • Tente trocar autoestima por autoafirmação.
  • A diferença entre o perfeccionismo e a maestria é a capacidade de arriscar e até mesmo aceitar pequenas derrotas.
  • Qualquer método serve – o importante é agir.
  • “Coragem não é a ausência de medo, mas sim a decisão de que há algo mais importante que o medo.” – Meg Cabot
  • Nada tem graça quando o seu talento especial está em risco.
  • Trabalhe em seu epitáfio, não no seu currículo.

Como eu já disse, é um bom livro, para ler e reler.

Qual foi seu aprendizado preferido? Deixe um comentário!