Categoria(s) do post: Áreas da Vida

Neste post de hoje eu vou contar um pouquinho como foi o meu mês de fevereiro, tanto pessoal quanto profissionalmente.

Profissional

A primeira coisa que eu gostaria de dizer é, na verdade, AGRADECER por ter alcançado 25.000 inscritos no canal do Vida Organizada no YouTube! <3 Eu tenho a meta (ambiciosa) de chegar a 100.000 ao final do ano (e 50.000 até o final de junho), e minha meta intermdiária era alcançar 25.000 no primeiro trimestre, e deu certo! Agradeço muito muito o engajamento de vocês! Se você ainda não se inscreveu, por favor, inscreva-se agora mesmo porque tem vários conteúdos complementares ao blog por lá, e se você não se inscrever, não tem como saber sobre os vídeos novos. Obrigada!

Esta semana eu também finalizei o manuscrito do meu terceiro livro 🙏🏻 que será publicado no segundo semestre (ainda sem data definida, mas entre julho e agosto). Esse foi um livro que eu adorei escrever porque tem tudo a ver com o meu momento de trabalho, então eu espero mesmo que seja útil e que todos gostem dele. <3

Outra conquista bem legal de fevereiro foi ter me certificado como Master Trainer do GTD Nível 2: Projetos & Prioridades – um título que poucas pessoas no mundo têm, e me sinto com uma sensação enorme de dever sendo cumprido aos poucos. Gostaria de agradecer todas as pessoas que se envolveram direta e indiretamente nesse processo.

Pessoal

Foi um mês de muitos desafios em âmbito pessoal.

Estou completando 10 meses de cirurgia bariátrica e, apesar de não ter tido nenhum dos efeitos colaterais mais comuns, estou enfrentando uma anemia já há alguns meses, que vai e volta. Agora já estou aprendendo melhor como meu “novo corpo” funciona e entendendo meus novos limites, mas ainda assim preciso priorizar (ainda mais) o meu descanso e gerenciar o meu nível de energia. Sou uma pessoa que preza muito pela qualidade de vida, então esse é um assunto que me impacta intensamente.

O Paul também teve um problema de saúde este mês, como comentei em outro post. Ele voltou para a escola esta semana e, apesar de não estar 100%, está se recuperando bem, estamos fazendo exames e acompanhamento médico.

Ele também começou na escola nova no início do mês e, obviamente, apesar de o pai dele e eu estarmos ansiosos sobre a sua adaptação, ele mesmo se adaptou rapidamente e está adorando novo cenário, a nova professora e os novos amigos, o que me deixa muito feliz!

Eu não poderia deixar de comentar sobre um fato tão importante, que foi o início do meu mestrado este mês, mas eu já falei mais a respeito neste e neste post, para quem tiver curiosidade!

No vídeo abaixo eu comento esses acontecimentos e falo também sobre os livros que li este mês. (se não estiver visualizando o vídeo abaixo, clique aqui para acessar no YouTube)

Obrigada pela sua presença por aqui e eu espero que seu mês de fevereiro tenha sido muito legal! Por favor, deixe um comentário comentando o que você fez. Vou adorar saber!

Categoria(s) do post: Planejamentos

Eu gravei um vídeo mostrando como tenho feito o meu planejamento mensal ultimamente, que na verdade é apenas um recorte de um planejamento de vida maior que costumo fazer. No vídeo abaixo (se não estiver visualizando, clique aqui) eu conto um pouco sobre esse processo e espero de verdade que minha experiência possa trazer alguns insights para você aplicar na sua própria organização.

Como você costuma planejar o seu mês? Deixe um comentário.

Categoria(s) do post: Equilíbrio emocional

Uma das habilidades mais importantes que eu aprendi a desenvolver na minha vida é a habilidade da Atitude Mental Positiva. Trata-se de uma habilidade que te permite focar no fato de que as coisas darão certo, pois isso te traz confiança e certeza para efetivamente fazer esse resultado acontecer.

Não se trata de um conceito de auto-ajuda no sentido de “pensar positivo”, simplesmente. É um pouco mais profundo do que isso. Portanto, desenvolver uma atitude mental positiva é algo que a gente só consegue fazer se estiver bem. Equivocadamente, muitas pessoas ficam “recomendando” atitude mental positiva para quem está com depressão ou outro transtorno psicológico relacionado, e isso não funciona. A depressão é uma doença que deve ser tratada, e recomendar “atitude mental positiva” para a pessoa é apenas um desserviço para ela mesma e uma demonstração de ignorância e antipatia da parte de quem recomenda.

Napoleon Hill tem um livro publicado com esse título, escrito por seu parceiro profisisonal Clement Stone que, para mim, é o livro que eu recomendo para quem estiver começando a conhecer o trabalho do Napoleon. É um livro que recomendo uma primeira leitura inicial e, depois, uma releitura pelo menos a cada seis meses (dos pontos principais).

Os livros do Napoleon Hill costumam dizer as mesmas coisas de formas diferentes e podem parecer repetitivos para quem está lendo. Essa repetição é intencional, para que a gente consiga absorver “na marra” o que ele ensina.

Alguns pontos importantes sobre a atitude mental positiva:

  • Você é a pessoa mais importante do mundo, no sentido de que só você pode mudar a sua vida, a maneira como você pensa e o que faz.
  • Problemas e derrotas acontecem, mas todos eles têm em si a semente de um benefício equivalente ou maior. Isso não significa ter uma “visão poliana” das coisas, mas sim tentar aprender com os próprios erros, com o que aquela situação nos ensina, e melhorar da próxima vez.
  • Você só pode controlar a sua mente. E a atitude mental positiva é como se fosse um talismã que você leva com você. Para tudo, na vida, você pode usar a atitude mental positiva ou a negativa. Lembre-se de sempre virar esse talismã quando se deparar com situações no dia a dia em que poderia usar uma ou outra.
  • Mantenha sua mente naquilo que você quer e longe daquilo que você não quer. É mais simples e, ao mesmo tempo, mais complexo do que parece.
  • Pare de culpar o mundo. “O mundo” acontece e continuará acontecendo. Controle a sua mente. Foque em você ficar bem, que tudo isso se transparecerá nas coisas que você faz e na relação com o seu mundo de maneira geral.
  • Quando você tem metas definidas e as visualiza com sucesso, isso direciona o modo como você faz tudo no seu dia a dia.
  • Fé não é sobre religião, mas sobre confiança. Desenvolver uma fé inabalável em que as coisas acontecerão da maneira como você quer que aconteçam te dá confiança para fazer as coisas “certas” que, veja só, farão com que o resultado positiva apareça. É um todo.
  • Cada vez que você passa por uma situação problemática, ou encontra solução para um problemão, isso te fortalece e te dá experiência para passar por situações semelhantes no futuro de maneira mais fácil e mais rápida, sem tanto impacto negativo.

Foi aprender sobre a atitude mental positiva que me fez mudar completamente a minha relação com o mundo e com o meu trabalho, mesmo em tempos de crise no país. Depois que “implementei essa habilidade” (claramente ainda em desenvolvimento, como todas as habilidades), tudo mudou de verdade na minha vida. Sou uma pessoa mais prática, mais feliz, mais focada, mais motivada. Por isso, recomendo a leitura do livro do Napoleon Hill (linkado acima) e a releitura de tempos em tempos.

Você tem experiência com esse assunto? Deixe um comentário!

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Estudos

Em primeiro lugar, quero agradecer todas as mensagens de carinho que vocês enviaram sobre o Paul. Ele teve alta na terça-feira e já está em casa. Não está 100%, mas está em casa, e é isso o que importa. Vamos passar na pneumologista esta semana ainda para verificar os próximos passos em termos de medicação contínua, tratamento etc. O diagnóstico final foi que ele desenvolveu um quadro asmático e precisa de cuidados mais constantes daqui para a frente.

Hoje eu gostaria de contar um pouquinho sobre como foi o meu primeiro dia de aula no mestrado e por que a minha cabeça já está borbulhando em termos de organização. Lembro que, quando eu falei sobre as minhas 5 prioridades para 2018, e citei que mestrado estaria dentro da prioridade “me aprimorar como professora”, uma leitora comentou: “hmmm Thais, não sei não, mas acho que o mestrado vai ocupar mais tempo!”. E pensei muito nela hoje! hahaha Porque definitivamente, se eu tivesse 100% do meu tempo dedicado ao mestrado, ele me tomaria 100% desse tempo com toda a certeza.

Mas bem, vamos falar sobre as minhas primeiras impressões.

Minha primeira aula foi esta semana, mas antes dessa primeira aula eu já fui introduzida a dois pontos importantes do mestrado como um todo:

REUNIÃO COM O MEU ORIENTADOR: Na primeira reunião com o meu orientador, como comentei em um post anterior, cheguei cheia de perguntas e foi excelente já sair com um direcionamento para a pesquisa como um todo (pelo menos até então!). Já tive uma segunda reunião e minhas metas atuais são 1) finalizar duas leituras importantes e 2) encontrar o recorte empírico (público que vou pesquisar dentro do meu recorte), com justificativa dos critérios, para daqui a duas semanas. Não tenho problemas em terminar as duas leituras, mas como esse prazo está batendo com a deadline do manuscrito do livro, tenho que ter foco total nos próximos dias. Isso tudo, é claro, conciliando com todo o resto (me-time, Paul, casa, vídeos, posts, cursos, aulas, viagens, finanças etc). XD

GRUPO DE PESQUISA: Cada professor coordena um grupo de pesquisa que traz mestrandos, mestres, doutorandos, doutores, alunos em iniciação científica e outros relacionados. A primeira reunião foi sábado passado (fui direto do hospital, sem dormir, socorro!) e ainda bem que eu fui. Como eu não tinha dormido, porque o Paul estava no hospital (meu marido ficou lá para eu poder ir), considerei ficar em casa e descansar. Mas reuní todas as minhas forças (e, principalmente, a força de vontade) e fui para a reunião. E tudo o que eu conseguia pensar enquanto estava lá foi: “ainda bem que eu vim!”. Porque foi a apresentação da proposta do grupo para o ano e, como eu nunca participei de nada assim antes, achei importantíssimo conhecer tanto as pessoas quanto o grupo como um todo, as atividades, a que se propõe etc.

Observação: Para quem não é do meio acadêmico e não sabe do que eu estou falando, esse tipo de grupo de pesquisa se organiza para publicar artigos, estudar textos, participar de eventos e congressos e fazer networking acadêmico mesmo. O grupo tem um foco específico (o meu é em teorias da comunicação).

Sobre a aula:

AULA: Minha primeira aula foi da disciplina de “Metodologia da Pesquisa em Comunicação”. Por eu ser uma pessoa organizada, sempre adorei as aulas de metodologia que tive na faculdade, pós-graduação etc, então já esperava que gostaria de novo. Mas, como vocês podem imaginar, no mestrado é muito diferente, no sentido de volume de leituras mesmo. Eu adorei a primeira aula, o professor é super competente e organizadérrimo (já enviou todos os textos organizados por aula no Google Drive), e não vejo a hora de ter a segunda disciplina para ver como será.

Eu dificilmente me arrependo de coisas que fiz ou não fiz, mas esta semana estou sentindo o peso de não ter começado a me dedicar à vida acadêmica antes, lá com os meus 18, 19 anos, quando entrei na faculdade. Eu já poderia ter muitos artigos publicados, poderia ter participado de eventos e ter construído, em paralelo com o “mercado’, uma carreira acadêmica ao menos estável e sólida. Mas não fiz isso. Sei lá, sei que tenho uns 30 ou 40 anos de pesquisa ainda pela frente (se tudo correr bem em termos de saúde), mas eu poderia estar em outro nível. Por outro lado, sei que não teria pesquisado esse objeto de estudo que eu tenho hoje, então todas as experiências que eu tive foram importantes. Vida que segue.

Como falei, ainda não tive aulas da segunda disciplina, que eu acho que terá uma carga de leitura muito maior do que tudo o que tive até aqui (pela natureza da disciplina em si). Mas, por hora, o que eu tenho hoje são essas demandas:

  • A pesquisa como um todo, que no momento está na fase de recorte, mas chegará ao ponto de ter a pesquisa de campo, a escrita em si, e todas as partes que a compõem.
  • As leituras para a pesquisa, que incluem livros, mas também outras teses, dissertações e artigos relacionados – cada uma dessas coisas é um mundo à parte.
  • As leituras para a disciplina de “Metodologia”, que são em uma média de 3 a 5 por semana (se contar a leitura complementar). Imagino que a segunda disciplina terá uma demanda semelhante, senão maior.
  • Os trabalhos de conclusão de cada disciplina, geralmente no final de cada semestre, claro, mas já com demandas que impactam agora.
  • As leituras do grupo de pesquisa. Incluem preparar apresentações.
  • Planejar a publicação de artigos.
  • Planejar a submissão de trabalhos para os diversos eventos do setor.

É bom que, ao escrever este post, já organizo meus próprios pensamentos (rs). “Isto é projeto”, “isto não é projeto” (#GTDfeelings).

Cada vez mais eu sinto a importância de já ter chegado com um recorte “quase pronto” para o mestrado em si, ter tirado quase um ano antes para estudar exatamente o que eu queria. Não consigo me imaginar desperdiçando um ou dois semestres sem gerar esse conteúdo todo e participar dos eventos simplesmente porque não tinha um recorte definido (a bem da verdade, nem sei se com o recorte definido será tão mais tranquilo assim kkk).

Eu tinha pensado inicialmente em dedicar meio período da semana para estudos mais aprofundados, que incluíam os estudos do mestrado, e também imaginei que, de noite, diariamente, eu me dedicaria às leituras. Já estou repensando isso. Vou ter que remanejar muitas atividades da vida como um todo para me dedicar ao mestrado da forma como eu quero, depois dessas impressões iniciais, e já tendo em vista também que precisa ser algo sustentável a longo prazo, porque quero me desenvolver como pesquisadora daqui em diante – conciliando com o meu trabalho como um todo, isso falando em “no resto da vida”.

Muitas pessoas manifestaram suas preocupações sobre eu abandonar o blog depois que eu começar o mestrado. Agradeço a preocupação e o carinho de vocês. Não vou abandonar o blog. O Vida Organizada já esteve presente em épocas muito mais atribuladas na minha vida – quando eu trabalhava em Campinas e ia e voltava todos os dias de São Paulo, por exemplo, mesmo fazendo pós-graduação aos sábados, entre outros.

Nesse momento que vivo atualmente eu tenho muito mais flexibilidade de horários (e, com grandes poderes, grandes responsabilidades, porque meu sustento depende de mim, então tenho que ser cuidadosa no remanejo das coisas). Mesmo que um dia eu resolva me dedicar mais à vida acadêmica, no sentido de virar professora em tempo integral, muitas coisas podem cair por terra, mas o Vida Organizada e o GTD não cairão, porque são partes importantes de mim. O que vai acontecer (e já prevejo isso em algum momento) é diminuir algumas atividades em uma ou outra frente, mas nunca deixar de lado.

Vejo a minha carreira como um grande todo. Tenho um propósito profissional que conversa com todas as frentes que tenho de trabalho, que envolve o que as pessoas fazem da vida e como elas podem fazê-lo sem tanto estresse. Eu também tenho um propósito maior, relacionado ao sistema econômico vigente no planeta. Não almejo acabar com ele, mas pelo menos reduzir seu impacto opressor sobre as pessoas que buscam significado em seus trabalhos. Então o Vida Organizada, o GTD, o Casa Organizada, a minha pesquisa, o meu próximo livro, tudo conversa com isso. E a ideia é buscar essa coerência sempre, ano após ano, década após década, e ir apenas ajustando as diversas atividades e a minha dedicação a elas no decorrer da vida.

Não sei bem se é uma formulazinha mágica, mas sei que ela vai mudando à medida que eu vou mudando, e se tem algo certo é essa minha vontade de compartilhar esses aprendizados sempre por aqui. ❤

Categoria(s) do post: Diário da Thais

Todo mês eu tenho gravado um vídeo contando um pouco quais são as minhas leituras em andamento. Em fevereiro, estou lendo alguns livros de trabalho e outros voltados para o mestrado. Creio que em março a configuração mude um pouco justamente pelo início do mestrado agora na segunda quinzena de fevereiro.

Você pode ver abaixo o meu vídeo de leituras em andamento ou clicar aqui se não estiver visualizando:

Se você ainda não se inscreveu no canal no YouTube, aproveite para se inscrever! Muito conteúdo do blog está sendo gravado em outro formato e com dicas adicionais para o canal, e são diversos vídeos novos ao longo da semana. Se você quiser, peça para seus amigos ou familiares se inscreverem também, pois assim você ajuda o Vida Organizada a crescer. 🙂

Livros citados no vídeo:

Lembrando que, no último dia do mês, eu posto também no canal (e aqui) um vídeo e um post fazendo um resumo do meu mês, onde eu conto também sobre os livros que eu li. Obrigada!

Categoria(s) do post: Estudos, Universidade Pessoal

O blog Vida Organizada existe há bastante tempo e, na última década, já publiquei diversos posts sobre organização de estudos. Ultimamente, também gravei alguns vídeos com dicas atualizadas e úteis. Neste post, vou fazer um compilado de todos esses conteúdos para poder te ajudar a organizar os estudos, não importa em que fase da vida você esteja.

Escolar

Vestibular

Faculdade

EAD

Pós-graduação

Mestrado

Idiomas

Concursos

Estudo autodidata

Conciliação dos estudos com o restante da vida

Espero que as dicas sejam úteis!

Saiba mais: Curso Online Organize seus estudos

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Saúde, Social

Na noite em que escrevi o último post, sobre o planejamento do mestrado, o Paul (nosso filho) estava com um leve resfriado. Na manhã seguinte, acordou abatido e com um cansaço fora do normal, então o levamos ao pronto-socorro. Chegando lá, ele foi internado imediatamente porque estava com a saturação muito baixa e precisava de suporte. Desde então, está na UTI e nossas vidas tinham tudo para virar de cabeça para baixo, mas graças a uma organização efetiva e descomplicada, estamos passando por essa fase da maneira menos traumática possível.

Ontem, enquanto o acompanhava dormindo no quarto, comecei a pensar em como estavam sendo os nossos dias e anotei alguns esboços para compartilhar aqui no blog. Penso que esses exemplos da vida real ajudam bastante a mostrar como a organização pode ser útil na nossa vida.

O propósito de tudo

A primeira coisa é se engajar apropriadamente. Saber que o propósito de tudo, naquele momento, era garantir que o Paul ficasse bem. 100% da minha atenção estava naquilo. Portanto, as prioridades estavam muito claras – tudo o que não tivesse relação com ele ficar bem teria que ser renegociado.

Compromissos inadiáveis

Tanto meu marido quanto eu tínhamos alguns compromissos inadiáveis nos próximos dias, e a solução foi nos alternarmos em um esquema de rodízio para ficarmos no hospital. Tudo o que poderia ser remanejado foi de fato remanejado. Precisei cancelar reuniões e outros compromissos, e ele também.

Nós dois ficarmos bem

Para conseguirmos entreter o Paul, para ajudarmos na recuperação dele, nós dois precisamos ficar bem. Então nos organizamos para que ambos conseguissem dormir direito e fazer outras coisas para estarmos mentalmente bem o tempo todo em que estivéssemos com ele no hospital.

Entretenimento

É muito difícil ficar em uma cama de hospital, sem poder levantar nem para ir ao banheiro. Para que o entretenimento dele não dependesse apenas da programação da tv, listei uma série de coisas que poderíamos fazer para ele passar o tempo, que incluiu:

  • gibis novos
  • vídeo-game portátil
  • ler livros com ele (Harry Potter)
  • brincadeiras de adivinhação
  • música
  • piadas

Estreitar o relacionamento com conversas significativas

Demonstrar nosso carinho por ele de uma maneira mais acentuada é muito importante nessas horas. Estou aproveitando para ter conversas muito legais com ele. Apesar de ele ser criança (7 anos), já tem uma cabeça que surpreende, como toda criança!

Tive uma conversa sobre coisas que ele gostaria que a mamãe fizesse mais em casa e coisas que eu não faço e que ele gostaria que eu fizesse, e as respostas foram bem legais! Ele disse que gosta quando eu me preocupo com ele, quando eu faço comida e quando dormimos juntos. Das coisas que ele gostaria que eu fizesse mais, ele disse “ficar comigo quando eu estiver na casa da minha avó” e “fazer passeios interessantes”. Achei tão bonitinho.

Organização da vida por fora

Extra-Paul, existiam providências que eu precisava tomar, que aí sim entra a parte da organização prática como um todo.

O primeiro princípio que estabeleci foi: não deixar as caixas de entrada se acumularem. Por isso, todos os dias me preocupo em cuidar das mensagens que recebo e das ideias que capturo no meu caderninho e no meu Evernote. Isso tem me ajudado a não ficar com aquela sensação de sobrecarga ou de que tem alguma coisa urgente esperando por mim.

Outra coisa foi manter a casa em ordem. Toda vez que eu venho para casa, faço o mínimo, que é lavar a louça, trocar as lixeiras e cuidar da roupa. Todo o resto pode esperar, mas pelo menos a casa se mantém funcional.

Consegui cumprir compromissos minimamente. Por exemplo, nesse último final de semana, eu precisava postar os vídeos da quinta aula do curso online Organize-se em 2018. Como já estavam gravadas com antecedência, eu aproveitei cada intervalo em que viesse para casa para subir as aulas aos poucos (demora bastante cada vídeo, mesmo com a internet boa, porque os arquivos são pesados). Eu também consegui garantir que os vídeos que eu já tinha gravado e agendado para o YouTube entrassem adequadamente. Ou seja, ter feito tudo com antecedência me ajudou com esse imprevisto.

Avisei todas as pessoas que têm contato mais próximo comigo sobre a minha indisponibilidade. Como eu falei, e-mails e mensagens consigo lidar diariamente, mas sempre que preciso entregar algo, eu aviso que não conseguirei no momento, e a pessoa pode ou esperar ou delegar para outra.

Mindset

Como vocês sabem, a mente é tudo. Por isso, a primeira coisa que fiz, enquanto estava arrumando a nossa mala para o dia da internação, foi baixar no Kindle o e-book do “Atitude Mental Positiva”, do Napoleon Hill. Eu só levaria o Kindle para o hospital (o quarto da UTI é pequeno) e decidi que, naquela noite, eu releria os principais trechos do livro. Eu passei a noite com o Paul e foi decisivo para mim reler esse livro naquela noite, porque me permitiu continuar engajada na sua recuperação e manter a mente alegre e positiva.

O diagnóstico final ainda não saiu, mas tudo leva a crer que ele desenvolveu um quadro de asma e terá que fazer acompanhamento médico posteriormente. Ainda não temos previsão de saída, então por isso aproveito para dizer que não estou conseguindo responder todos os comentários como sei que merecem, mas tenho lido tudo e, em breve, estarei de volta 100%. Obrigada.

Categoria(s) do post: Estudos

Você deve ter percebido que eu dei alguns espaçamentos entre os últimos posts do blog. Estou na reta final da escrita do meu terceiro livro (sobre organização no trabalho; sairá no segundo semestre), e percebi que, quando produzo muito conteúdo em outros formatos (de escrita), eu acabo não tendo muita energia para escrever meu livro propriamente dito. Então praticamente todos os meus blogs estão com um certo hiato atualmente, não por “falta de organização” ou “falta de priorização”, mas por uma questão de estado da arte mesmo. Peço que me compreenda. Entregarei o manuscrito dia 2 e, depois, o fluxo de texto voltará interaimente para os blogs.

PLUS, semana que vem começam as aulas do meu mestrado. Na semana passada, antes do Carnaval, eu tive a minha primeira reunião com o meu orientador. Cheguei cheia de perguntas, listinha de “assuntos a tratar” e um mapa mental com temas e ideias. Aparentemente, ele gostou (eu gostaria de ter uma aluna assim!). Consegui tirar todas as minhas dúvidas e saí pensativa com uma questão que vou abordar na próxima reunião, que será na semana que vem.

“É leviôsa e não leviossá”

Ter conversado com ele foi EXCELENTE para me dar cada vez mais foco para o que eu realmente quero para a minha vida acadêmica como um todo e como posso aproveitar esses dois anos de curso da melhor maneira possível.

Indo direto ao ponto, o que tenho feito atualmente:

  • LEITURAS: Lido. Lido bastante. Como já comentei em um vídeo do canal (sobre como foi a minha entrada no mestrado), eu vou misturar dois temas em minha pesquisa, que são: midiatização (minha formação) e sociologia do trabalho. Porém, preciso de uma base de ciências sociais, com foco no trabalho, que não tive formalmente, então esse tem sido o meu foco no momento. Meu professor orientador recomendou um livro certeiro, que já peguei no mesmo dia na biblioteca, e estou lendo. Estou lendo coisa pra caramba, mas tem sido ótimo. Porém, já que vi que vou ter que dar uma abandonada em algumas leituras não relacionadas ao mestrado, porque esse é o momento de ter foco nele.
  • CRONOGRAMA: Meu professor orientador disse que não tem uma ordem ou recomendação certa ou padrão, do tipo “use o primeiro ano para ler”. Eu já tenho o recorte pronto da minha pesquisa, que é algo que muitos mestrando acabam levando mais alguns meses para fechar. Tenho já um cronogramazinho de curto prazo, que envolve leituras e pesquisa de campo. Tentei fechar o público que vou pesquisar na última reunião, mas a escolha me deixou desconfortável e eu vou discutí-la na próxima. Meu professor orientador disse que seria legal eu ter isso definido até março, para iniciar o planejamento da pesquisa de campo. Ele disse que seria totalmente excelente realizar a pesquisa em maio para poder apresentar já algum trabalho em um congresso regional que acontecerá em junho. Se eu conseguir seguir esse cronograma, me sentirei bem, pois a pesquisa feita já poderá guiar meus trabalhos nas disciplinas e também me permitirá ir escrevendo a dissertação, junto com as leituras e fichamentos que estou fazendo. Qualificarei a pesquisa até 15/12/19 e entregarei a dissertação até 15/02/20. São os meus prazos. Montei um cronograma simples no Google Drive para ir acompanhando.

  • FICHAMENTOS: Eu fiquei tão tranquila que o professor é dos meus! Eu perguntei se ele tinha boas práticas para recomendar ou se a faculdade pediria algo mais formal, e ele disse que não, que fica muito a critério de cada pesquisador. Aí é que está: eu sou uma pessoa que, desde cedo, desde antes de fazer faculdade, gosta de fazer fichamentos no próprio livro, grifando, fazendo anotações, inserindo post-its e só montando um índice no final. E me sentia super culpada por isso! Ele disse que faz do mesmo jeito rsrs. No entanto, estou alternando as técnicas. Livro da biblioteca não tenho como grifar, então estou fazendo o fichamento no meu commonplace book. Livros lidos (meus), tenho deixado juntos, em uma prateleira da minha estante, como referência para a pesquisa. Mas bem, nem comecei o mestrado, né? Vamos ver como será o andamento das coisas ainda.
  • DISCIPLINAS: Optei por cursar a disciplina de Metodologia logo de cara para “aprender certo” desde o início. Minha outra disciplina será “Mídia e Sociedade Contemporânea”, que é uma disciplina geral. Eu optei por pegar apenas duas disciplinas nesse primeiro semestre para sentir o ritmo do mestrado como um todo. Se tudo fluir bem, espero fazer três disciplinas no terceiro semestre, pelo menos (o semestre que vem ainda estará meio conturbado por conta das certificações do GTD).
  • EVENTOS: Quero participar de pelo menos um evento por semestre. Já me inscrevi em um que acontecerá em abril, no sul (como ouvinte), e meu orientador me pediu para participar de outro que acontecerá em junho, já com submissão de trabalho. Gostaria muito, mas pegará um dia em que tenho um curso agendado em São Paulo (que eu vou ministrar). Verificarei a viabilidade para saber se poderei participar ou não.
  • ARTIGOS: Perguntei sobre a publicação de artigos, e ele me disse que, enquanto eu não for formada, não posso publicar sozinha, mas sim com professores. Também me disse que cada disciplina pedirá um artigo como conclusão, e que é bastante comum os professores convidarem os alunos para publicarem em conjunto, se o texto for bom. Tenho isso em vista então para quando terminar o mestrado, mas quero muito escrever artigos de qualidade para tentar publicar antes.
  • IMAGEM: Tem um ponto importante que acho legal citar. Minha imagem na Internet hoje inteira é constituída pelo meu trabalho com organização e produtividade. Se eu quero ser reconhecida na comunidade acadêmica, preciso iniciar um trabalho de construção da “Thais professora e pesquisadora” na web, de modo que eu apareça com relevância quando efetivamente for a público palestrar, participar de eventos e até mesmo iniciar a docência em faculdades. Isso é um dos motivos de eu ter separado os meus canais, especialmente o canal que eu chamo de “pessoal”, que é o “Thais Godinho”. Também vou organizar o meu currículo Lattes, essas coisas.
  • IDIOMAS: Quero retomar um pouco o que comentei em um post anterior sobre o estudo de diversos idiomas. Tenho notado que muita bibliografia do tema que quero estudar está em francês, então decidi que essa será a minha terceira língua para o doutorado, lá na frente. Então, de maneira bem básica, iniciarei meus estudos de francês este ano. A ideia é ter um nível de proficiência adequado quando iniciar o processo de seleção do doutorado, daqui a 4 ou 5 anos. Inglês, sigo nos ajustes gramaticais para aperfeiçoamento de fluência.

Gostaria de agradecer todas as dicas que tenho recebido através dos comentários. Obrigada mesmo! A maioria tem me ajudado bastante.

Sei que estou apenas começando e muita coisa ainda vai mudar, mas quis escrever este post para contar como está o meu planejamento (e execução) atual.

Caso você tenha alguma dica que acredite que possa me ajudar nessa fase, ou ainda queira sugerir um tema para eu ir abordando ao longo dos próximos dois anos (sobre o mestrado), por favor, deixe um comentário.

Categoria(s) do post: Social, Espiritualidade, Equilíbrio emocional

Já comentei com você em posts anteriores como gostei do livro “O ponto de equilíbrio”, da Christine Carter. Incentivo fortemente que você leia o livro inteiro, mas neste post trago os meus principais aprendizados ou fortalecimento de crenças que tive lendo o livro durante as minhas férias em dezembro.

  • Tranquilidade significa coisas diferentes para pessoas diferentes.
  • Para encontrar o seu ponto de equilíbrio, use a fórmula: faça intervalos + ligue o piloto automático para algumas coisas + livre-se das amarras + cultive bons relacionamentos + saia um pouco da sua zona de conforto. (O livro se baseia inteiramente nessa fórmula)
  • Aprenda a descobrir seu estado de fluxo e como entrar nele.
  • Encontre sua Dose Mínima Eficaz.
  • Sua vida deve ser composta de coisas boas no dia a dia, não de listas de coisas “para fazer antes de morrer”.
  • Certas curas demandam uma transformação total de mentalidade. Não tem atalhos.
  • Quando estamos felizes, ficamos muito mais felizes com o nosso contexto.
  • Emoções positivas nos movem adiante – emoções negativas nos mantêm em equilíbrio.
  • Alegria não é desperdício de tempo nem luxo.
  • Encontre os gatilhos que funcionam para você. A chave é descobrir onde a rotina começa. Ex: ir para a academia de manhã começa quando você deixa a roupa pronta na noite anterior.
  • Uso o piloto automático de manhã e evite tomar decisões.
  • Preste atenção quando as pessoas estão te prestando algum serviço.
  • Às vezes, é melhor ter uma rotina “melhor do que nada” do que não ter nenhuma rotina.
  • “Antes de questionar sua vida inteira e as decisões que tomou, verifique: hormônios, privação de sono, bagunça da casa, teimosia das crianças, colegas de trabalho intoleráveis. Apenas se nenhum desses fatores for responsável pela sua infelicidade você pode ter problemas maiores.” – Kristin van Ogtrop
  • Pessoas criativas dizem NÃO.
  • Escolha as suas 5 prioridades e diga não para todo o resto.
  • Escreva uma declaração de missão para o seu ano e leia o tempo todo para tomar decisões.
  • Comece a se ver como uma artista. Incorpore hábitos de rotina que melhorem a sua vida.
  • Cada um de nós tem suas próprias fontes de estresse. Conheça as suas e tente diminuir a incidência delas na sua vida.
  • Planejar não significa engessar a vida e ser inflexível. Significa apenas identificar o que é previsível, especialmente aquilo que pode gerar estresse, e faz com que a gente se sinta mais tranquilo para reagir às diferentes situações.
  • Verificar o celular quando acorda é O FIM. Apenas pare com esse hábito. É assim que você quer começar todos os seus dias pela manhã?
  • Precisamos esculpir tempos e espaços que nos afastem de comportamentos de verificação.
  • Indivíduos felizes costumam simplificar.
  • Não é necessário criar expectativas baixas – crie expectativas específicas.
  • Defina “uniformes” para as diversas situações do seu dia a dia. Não é para matar a criatividade – apenas para aperfeiçoá-la tomando menos decisões.
  • Procure tirar da sua vida tudo aquilo que te deixa ansiosa, tensa ou que não contribua para o seu crescimento a longo prazo.
  • Delete as coisas ANTES de elas irem para o seu calendário.
  • A vida é curta demais para a gente tentar mudar ou melhorar pessoas tóxicas. Tem pessoas que é melhor a gente simplesmente se afastar.
  • Devemos saber nos afastar quando o custo de atingir uma meta supera os benefícios.
  • Observe seus sentimentos, pensamentos e emoções e tente dar nome a eles, em vez de ficar ruminando coisas ruins na mente. Veja como são temporários.
  • Todas as nossas interações têm potencial para ser positivas.
  • Tente trocar autoestima por autoafirmação.
  • A diferença entre o perfeccionismo e a maestria é a capacidade de arriscar e até mesmo aceitar pequenas derrotas.
  • Qualquer método serve – o importante é agir.
  • “Coragem não é a ausência de medo, mas sim a decisão de que há algo mais importante que o medo.” – Meg Cabot
  • Nada tem graça quando o seu talento especial está em risco.
  • Trabalhe em seu epitáfio, não no seu currículo.

Como eu já disse, é um bom livro, para ler e reler.

Qual foi seu aprendizado preferido? Deixe um comentário!

Categoria(s) do post: Estudos

A técnica Pomodoro foi inventada por Francisco Cirillo no final dos anos 80. A ideia é marcar 25 minutos em um timer de cozinha (ou no cronômetro do seu celular) e trabalhar focada(o) em alguma atividade (geralmente que você vinha procrastinando) para tentar terminá-la em até 25 minutos. Ao acabar o tempo, pare 5 minutos e depois faça outro pomodoro. Ao término de 4 pomodoros, faça uma pausa maior, de meia hora.

É uma técnica bacana para lidar com a procrastinação e que também pode funcionar para os estudos, se você testar e funcionar bem para você.

Não quero estimular ninguém a “estudar rápido” ou “de qualquer jeito”. Não é a ideia. A ideia é que você se proponha alguns desafios de estudo que a técnica em si pode ajudar, como por exemplo:

  • Resolver exercícios difíceis
  • Fazer questões, testes e simulados
  • Resumir conceitos difíceis em voz alta
  • Desenhar mapas mentais
  • Leituras com grifos
  • Revisões de materiais já estudados

Na verdade, uma coisa bem legal é você alternar os tipos de atividades relacionados ao seu estudo para conseguir ter um melhor aproveitamento, explorando todas as facetas aí do seu cérebro. Acredito que a técnica pomodoro possa ajudar bastante nisso.

Você utiliza a técnica pomodoro para estudar?
Deixe um comentário contando como você faz!

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Estudos

Neste post eu gostaria de contar um pouco como foi a minha preparação para passar no mestrado. Também gravei um vídeo, bem grandinho (20 minutos), onde conto meu relato de forma mais pessoal, se você quiser ver ou ouvir (clique aqui para acessar o vídeo no YouTube).

Dedicar tempo de vida à vida acadêmica não foi algo que eu decidi fazer desde nova. Quando me formei em Publicidade, eu já trabalhava na área e me via muito mais voltada para o mercado mesmo. Com o tempo, comecei a me interessar pelo ensino. Cheguei a tentar fazer novas graduações em licenciatura, mas desisti porque não era exatamente aquilo que eu queria.

Fui convidada para ministrar uma disciplina em uma pós-graduação há alguns anos, e ali eu tive a certeza de que gostaria de ser professora em ambiente universitário. O caminho seria o mestrado (eu já tinha uma especialização). Porém, naquele momento eu estava desenhando uma transição de carreira para sair da Publicidade e trabalhar com Organização e Produtividade – o que faço hoje. Fiz a transição, já sabendo, desta vez, que dali a uns 4 ou 5 anos ou gostaria de ingressar no mestrado.

Foi muito bom me dar esse tempo porque eu precisava amadurecer a ideia do que eu gostaria de pesquisar. Há cerca de um ano e meio atrás, eu tive um acontecimento profissional que me marcou bastante e me fez ver que eu estava adiando algo que já sabia que queria, que era o mestrado. Porém, eu tinha o impeditivo financeiro, e gostaria de concluir o ciclo das minhas certificações do GTD antes de começar (são 7 no total – estou na quinta).

Naquele momento eu tomei a decisão mais objetiva de todas, que foi aproveitar esse meio tempo que viria a seguir, antes de concluir as certificações, para ler, estudar muito, pesquisar como eram os processos seletivos para mestrado, para entender como seria futuramente e também para descobrir qual seria o meu tema de pesquisa.

Cheguei a participar de um workshop de apresentação do mestrado na instituição onde vou estudar, que foi determinante para me mostrar como eu realmente queria aquilo e também para me deixar mais preparada. Conheci os professores, soube como era o processo, aprendi qual seria a bibliografia requerida. Naquele momento, criei um projeto que era realmente esclarecer qual seria o meu tema de estudo, e aproveitaria aquele ano para estudar a bibliografia (que me ajudaria a definir o tema).

Apesar de cogitar outras instituições, muito rapidamente me decidi pela Cásper Líbero, pois a linha de pesquisa era mais adequada ao que eu buscava e também à minha experiência acadêmica (minhas formações) e profissional.

Ao longo de 2017, em meio a tantos estudos, descobri o meu tema, o que me deixou radiante. No final do ano, quis prestar o processo seletivo como “treineira”, apenas para saber como era e me preparar para o ano seguinte, mas acabei passando. Ao passar, minha felicidade me mostrou como era o que eu realmente deveria fazer agora. E me matriculei.

O mestrado inicia agora este mês e eu estou muito motivada e focada. A linha de pesquisa da instituição trata de processos midiáticos e o meu tema é midiatização do fluxo de trabalho. Resumidamente, vou falar sobre como as mídias digitais impactam nas relações de trabalho (mensagens, e-mails, aplicativos de produtividade e outros).

Foi um objetivo de médio a longo prazo que começou lá atrás e foi sendo trazido para cada vez mais perto da minha realidade graças à preparação, planejamento e organização dessa jornada. Esse tempo que me dei, no último ano, para estudar e pesquisar o tema certeiro que gostaria de me especializar no mestrado foi fundamental.

Ainda pretendo falar muito sobre esse tema aqui no blog! Você tem alguma dica para me dar? Gostaria de perguntar alguma coisa sobre o processo? Deixe um comentário abaixo. Obrigada!

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Planejamentos

Já comentei aqui no blog outras vezes que gosto muito da ideia de deixar um dia da semana para um foco diferente. Aos poucos fui trabalhando isso para ficar mais adequado ao GTD, que é a metodologia de produtividade que eu uso. O que eu fiz, então, foi definir que cada dia da semana terá um contexto diferente para mim e, dentro desse contexto, eu vou inserir as ações que quero priorizar no dia em questão.

Basicamente, eu estabeleci uma “vibe”, um foco, um nível de energia, um contexto mesmo para cada dia, a saber:

  • Domingo: renovação do espírito
  • Segunda: relacionamentos
  • Terça: ensino
  • Quarta: deep work
  • Quinta: administrativo
  • Sexta: conteúdo
  • Sábado: vida doméstica

“Ah Thais, significa que você só vai fazer esse tipo de atividades no dia?”. Não necessariamente. Mas os contextos servem sim como guia para que eu faça determinados agendamentos de acordo com o “tema” do dia, sempre que possível.

Como todo contexto trabalhado no GTD, significa o seguinte: nos intervalos do calendário, quando eu posso escolher o que fazer, eu vou visualizar a lista de contexto daquele dia em específico. Não se trata do dia, mas do foco que quero dar naquele dia, entendem?

De maneira geral, todos são contextos de trabalho (GTDisticamente falando). Mas, para cada dia, eu quis atribuir uma área de foco mental que me ajuda a trabalhar em atividades contextualizadas.

Eu já tinha publicado um post algum tempo atrás (agosto de 2017) em que falo publicamente sobre isso pela primeira vez. Desta vez, quis reformular esses contextos de acordo com a configuração do meu novo semestre, especialmente de acordo com o início das aulas do mestrado.

Além do que, essa atualização trás também a adequação às minhas 5 prioridades para 2018.

No vídeo abaixo você pode conferir a minha explicação para essa adequação e também a personalização pos contextos atualmente:

(se não estiver vendo o vídeo acima, clique aqui para assistir diretamente no youtube. aproveite para se inscrever no canal!)

Essa organização funciona muito bem para mim e me ajuda a me manter focada e produtiva.

Lembrando que isso não atrapalha prazos. Ou seja: se eu tiver algo relacionado à educação que tenha que ser feito na segunda, será feito na segunda e não na terça, quando “estabeleci” que o foco do dia seria esse. Mas, quando eu posso escolher trabalhar em algo, porque já finalizei tudo o que tinha prazo para o dia, eu foco nas atividades relacionadas, e isso tem me dado realmente um foco incrível e consigo ter ideias legais. Ou seja, eu crio os contextos que, dentro da minha análise de áreas de foco, são importantes que eu tenha no meu trabalho.

A grande graça de trabalhar com contextos no GTD é justamente se auto-conhecer e personalizar esses contextos para a sua vida. Eu estou maravilhada com esse modo que tenho trabalhado hoje e quis compartilhar com vocês.

Essa configuração também pode me ajudar (essa é uma ideia) a definir prazos para atividades específicas e quando fazer reuniões com pessoas, dependendo do assunto. Sempre que eu puder opinar ou decidir a respeito, uso essa configuração.

Quis escrever este post justamente para fazer uma atualização de um modelo que já venho trabalhando há algum tempo e que tem funcionado muito bem para mim. Caso tenha alguma dúvida, por favor, escreva um comentário. Obrigada!