Dose Mínima Eficaz

20
8888

Uma das principais coisas que a organização me ensinou, nesse processo que é construído diariamente para eu me tornar uma pessoa organizada, é que eu posso construir um estilo de vida em que eu tenha ESPAÇO para fazer as coisas que eu realmente me importo – abundância de relacionamentos, amor, dinheiro, tempo. E que nosso tempo é limitado aqui nesta vida (posso ter muitas vidas, mas ESTA AQUI viverei só uma vez). Justamente por isso, precisamos saber “que brigas comprar”. E muitas vezes essas são as brigas que compramos com nós mesmos, ao escolher fazer algo e escolher NÃO fazer outra coisa.

Já comentei em outro post que li, em dezembro, um livro que gostei muito chamado O ponto de equilíbrio, da Christine Carter. E ela traz nele um conceito que eu quis trazer para a minha vida, e hoje compartilho com você, que é o da Dose Mínima Eficaz.

A ideia é a seguinte: nossas listas nunca terão fim. Sempre teremos coisas a fazer. Porém, o que é o mínimo que eu tenho que fazer diariamente para a casa não cair? Vejam, esse já é um conceito velho conhecido aqui no Vida Organizada. Você já pode ter lido em outros posts. Mas gostei muito do nome que ela deu para ele, que é esse de Dose Mínima Eficaz. Significa a gente pegar as diversas áreas da nossa vida, ou aquelas que mais importam, e fazermos uma reflexão sobre qual seria o mínimo aceitável de dedicação a cada uma das atividades relacionadas a elas. “Ai Thais, mas o mínimo aceitável não é o suficiente”. Bom, e por isso não vou fazer nada – essa é a ideia? Se eu não for limpar minha casa perfeitamente, não vou limpá-la? Entra aqui novamente a ideia do feito é melhor que o perfeito não feito.

É para a gente parar de se cobrar tanto uma perfeição e conseguir dedicar mais tempo a outras atividades igualmente importantes que muitas vezes deixamos de lado porque estamos dedicando um tempão apenas a algumas delas.

Claro que queremos o ideal, sempre. Mas não dá pra conseguir o ideal o tempo todo. Muitas vezes, não conseguimos o mínimo, e nos cobramos muito por isso. A ideia é identificar esse mínimo e mirar nele até ele se tornar um hábito. Uma vez que se torne um hábito, podemos aumentar nossa dedicação (ou não, percebendo que o mínimo é o suficiente).

Um exemplo pessoal. Eu acho que, para mim, o ideal seria ir todos os dias na academia. Quando consigo, eu vou. Porém, meu mínimo viável é ir três vezes por semana. Eu sei que eu consigo esse mínimo, de acordo com os meus compromissos. Pode ser que, para você, ir duas vezes, ou mesmo uma, seja o mínimo eficaz. Depende muito de cada um. Nesse meu exemplo, meu mínimo é ir três vezes por semana. Se eu conseguir ir mais vezes, excelente, mas vou me esforçar para conseguir o mínimo. Isso já me deixará satisfeita.

O mesmo vale para os cuidados com o meu filho, comigo mesma, a manutenção da casa, a preparação de comida diariamente, meus estudos, e todo o resto.

Uma coisa que a Christine fala em seu livro, e que vale a pena citar também, é que a nossa vida é feita de ciclos. Tem fases em que precisamos nos dedicar mais ao trabalho, assim como tem fases que precisamos nos dedicar mais a outras coisas. Isso é normal. Eu falei sobre isso recentemente em um vídeo sobre o desequilíbrio temporário. A gente precisa aprender a se conhecer e a respeitar esses ciclos. Parar de se cobrar tanto, POR FAVOR. Porque ninguém é super homem ou mulher maravilha para dar conta dessa sobrecarga de atividades que está vivendo hoje.

A ideia é ter o sentimento de que, de maneira geral, a vida está muito boa. As coisas estão nos lugares certos. Há falhas, há desequilíbrios ocasionais e temporários, mas nos sentimos conscientes da vida como um todo, do nosso ritmo. É isso o que a gente busca quando se fala em uma vida organizada.

Ela diz, no livro, que começar o dia meditando e fazendo exercícios era uma coisa impensável para ela, e eu posso reforçar o coro por aqui. E tudo isso a gente consegue buscando realmente a Dose Mínima Eficaz para todas as nossas atividades do dia a dia.

Por isso, com este post, eu estimulo você a refletir sobre qual seria sua Dose Mínima Eficaz para as seguintes atividades:

  • Verificar e-mails
  • Dormir
  • Ficar com os seus filhos
  • Fazer exercícios
  • Limpar a casa
  • Participar de reuniões
  • Ler um livro
  • Assistir TV
  • Meditar
  • Cuidar de você mesma(o)
  • Estudar
  • Se dedicar a algum hobby
  • Cuidar das finanças
  • Participar de atividades religiosas

Será que você não está se cobrando demais?  <3

20 comentários

  1. Esse texto veio na hora certa, estou constantemente me cobrando para ter a casa perfeitamente em ordem, ao mesmo tempo que o trabalho tem consumido muito, há 3meses não consegui botar o pé na academia, e numa fase de vida que estou me adaptando… a de recém casada. Tudo isso tem me deixado diariamente frustada. Não tem sido fácil.

  2. Esse texto foi ótimo pra mim. Acabei de reinstalar O GTD com base nos seus vídeos e tenho percebido que um dos meus maiores erros é dedicar tempo demais para casa e outras coisas que não deveriam demandar tanto tempo. Estou de férias da faculdade e me pego trabalhando até 23:00 quase todos os dias, os seja, quando as aulas voltarem já vou começar sobrecarregada, porque estou usando o tempo que seria das aulas para atividades que na maior parte das vezes não me dão nenhuma felicidade. Fora que estou entrando no meu TCC agora e gasto boa parte do meu tempo me cobrando demais por outros motivos. Obrigada Thais, por este texto e por todos os outros que já li. Não tenho o hábito de comentar aqui, mas te acompanho desde 2010. Agora vou passar a tesoura nos meus checklist e deixar tudo na dose mínima eficaz.

  3. Oi, Thais! Primeiramente, obrigada pela indicação do ‘O ponto de equilíbrio’. Pretendo lê-lo em breve!
    Eu me vejo como uma pessoa que me cobra demais por perfeição em diversas áreas e, caso não consiga a perfeição, tendo a nem tentar. É uma tendência que me limita e venho tentando mudar para conseguir ir em frente. Seu texto é um ótimo lembrete de que é preciso manter os pés no chão para avançar e que a sensação do dever cumprido é melhor do que a ideia de perfeição. Muito obrigada!

  4. Mais um excelente post e que me parece extremamente importante para aqueles que, como eu, estão se inciando no GTD e ficam sufocados com a lista de tarefas de coisas a fazer imaginando que têm que fazer tudo o que ali está escrito.Um alívio!

  5. Dose mínima eficaz: boa filosofia de vida! Para ler um livro talvez o mínimo eficaz para mim talvez seria ler umas 10 páginas por dia (porque minha meta são 50 páginas, mas muitas vezes não consigo alcança.la); fazer exercícios (queria fazer todos os dias, mas três vez por semana já seria bom); dormir (mínimo 8 horas por noite, caso contrário fico muito cansada)… Bom exercício! Abraços, Thaís! Fran

  6. Esse texto me ajudou a tomar uma decisão sobre uma rotina que eu estava tentando EMPURRAR pra minha vida.
    Obrigada, Thais!

  7. Me lembra a ideia do livro “A Única Coisa”, ficamos tão focados em fazer tudo do “jeito certinho” que acabamos não fazendo nem metade do que realmente tinha que ser feito. Priorizar, sempre rs

  8. Como esse seu blog só melhora, impressionante. Com o tempo, você conseguiu aumentar o volume e a qualidade dos posts. Adorei! Beijos

  9. Querida! Realmente o blog está um sucesso! Adorando a nova pegada! Conte-nos, a título de incentivo, como está sua relação com a comida, a saúde, etc…

  10. Estou lendo esse texto pela segunda vez para absorver tudo o que ele traz. Tinha visto o vídeo onde vc indicou esse livro, e já me interessei ali. Essa ideia da dose mínima eficaz era tudo que eu precisava no momento.. Obrigada Thais! Adorei a separação temática do blog; sempre aqui acompanhando. Beijo!

  11. Não me lembro se foi aqui a primeira vez que li a frase: feito é melhor que o perfeito não feito, mas desde que vi, levo como meu lema de vida!
    Por muitos anos deixei de fazer grandes coisas por esperar o momento perfeito, a ocasiao certa, ter tempo para me dedicar ao maximo à alguma atividade.. perdi de realizar muitas coisas achando que só conseguria se pudesse sair perfeito e hoje tenho plena consciência de que a vida é uma caixinha de surpresas e a gente vive de adaptações. Nao dá pra deixar de realizar nossos objetivos e metas, esperando estar tudo em perfeita ordem.

  12. muito bom! já faço isso com finanças. minha meta é guardar um valor x, mas quando tenho emergencias q envolvem dinheiro e nao consigo aplicar todo o valor, minha “dose minima eficaz” é 25% desse valor x.

  13. Thais, muito obrigada por compartilhar conosco esse ensinamento. Acho que esse post deve ser lido sempre para não esquecermos não não somos super heróis (até somos em algumas situações da vida) e não conseguimos abraçar o mundo. Mas devemos fazer um pouco cada dia para trazer a tão esperada realização pessoal. O mínimo eficaz acaba por ser uma dose de felicidade diária, pois quando conseguimos realizar o que nos propomos no dia ou na semana conseguimos nos sentir mais “leves” para abraçar a felicidade.
    Muito Obrigada! Abraços!

  14. Olá,
    Conheci o seu trabalho através da Patrícia Lages, e amei a “Dose Mínima Eficaz”.
    Sera de fato eficaz na minha vida, porque até então eu era do tipo de me cobrar muuuiiito e só fazer as coisas quando ficassem perfeitas ou então não fazia.
    E com essa atitude as coisas acumulavam.
    Obrigada, bjs.

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui