Categoria(s) do post: Diário da Thais

Eu estou me sentindo completamente em outro planeta.

Estou vivendo um ritmo meu, natural, que não é o ritmo de responder e-mails e mensagens a cada dez minutos, não viver em uma pressa doentia cobrando as pessoas ou correndo de maneira geral.

Desligo meu telefone quando aparece uma chamada desconhecida às 20:30. Não me obrigo a ler uma mensagem e responder de imediato no WhatsApp. Não acho que tenho obrigação de responder os 400 a 600 e-mails que recebo diariamente. Porque minha vida e meu trabalho são compostos disso, mas também de outras coisas. E não dá pra fazer tudo. A gente tem que ir com calma e priorizar, e ficar numa boa com isso mas, acima de tudo, respeitar o tempo de cada um também. Eu respeito, mas dificilmente alguém respeita o meu. E isso é cansativo. É uma luta diária que só travo porque quero mudar as coisas. Porque acredito em outra realidade.

Eu não vou perder a minha vida respondendo e-mails. Não peço desculpas por isso. Pessoas podem ficar (e geralmente ficam) magoadas. Posso perder clientes. A curto prazo, posso ser prejudicada. Mas, a longo prazo, o que estou fazendo é construindo um estilo de vida que quero ensinar para as pessoas. Pessoas que precisam. Não quero soar prepotente, mas o trabalho que estou desenvolvendo é um trabalho que faço a fim de deixar um legado. E, se está indo na contramão, fico satisfeita, porque nunca discordei tanto do ritmo de uma sociedade como do ritmo da sociedade que vivemos hoje.

Ninguém tem tempo para mais nada. Todo mundo está vivendo seus próprios dramas particulares, que excluem automaticamente a possibilidade de contato com todos aqueles que não estejam envolvidos nas mesmas rodas de problemas.

A grande dissonância nessa história é que o meu ritmo é certo para mim. Depois de quase 12 anos estudando sobre o assunto, eu me sinto com uma certa autoridade para dizer o que considero certo e o que considero errado quando se trata de organização e sua relação com as pessoas.

Eu imagino, por exemplo, que se uma pessoa entra em contato comigo pedindo ajuda em algum comentário, ou querendo fazer um curso, ou ter qualquer tipo de contato comigo, seja porque ela 1) busca melhorias em suas práticas pessoais e 2) confia no meu trabalho, no que eu ensino e escrevo.

Mas, na prática, vejo que a maioria das pessoas quer mudanças, mas não quer mudar. Não quer nem se esforçar para mudar. Quer apenas continuar sendo como é e fazendo como sempre fez, porém tendo resultados milagrosamente diferentes. Não percebe sequer que a forma como se comunica vai na contramão do que quer aprender. Só segue fazendo.

Estar em uma terça-feira na praia, escrevendo este texto enquanto meu filho está brincando na areia com a avó, não foi algo que eu consegui fazendo sempre as mesmas coisas. Reclamando do chefe, respondendo e-mails o dia inteiro, agendando reunião (mais uma), mandando mensagem cobrando resposta de uma pessoa para a qual já enviei um e-mail, procrastinando atividades e desistindo diariamente dos meus sonhos. Não. Foi com muito empenho, muita insistência, muito trabalho, muito “não” para coisas que todos dizem “sim”, muito propósito, muita autoconfiança, muita disciplina, muito entusiasmo, muita vontade de ajudar. Muito trabalho sem remuneração, pensando no valor maior. Muito e-mail deixado de lado durante mais horas que o considerado normal. E ninguém nunca morreu por conta disso, mas eu consegui realizar muito mais coisas importantes. E isso é simplesmente rotina para mim.

E eu escrevo isso porque estou cansada. Cansada de ir na contramão da sociedade apenas porque ninguém quer ser subversivo com ela também. Quando escrevo sobre a minha vida, recebo muitas mensagens e comentários de pessoas que querem viver algo parecido. Mas, quando conto ou ensino como eu faço, dificilmente alguém quer investir – tempo, esforço, coração.

Nada vem de graça. Nada é construído de um dia para o outro.

Não adianta querer tudo isso mas cobrar de mim uma coisa que sou totalmente contra e, por sinal, talvez você esteja querendo aprender a fazer e ser também. Por favor, por você, pela sua vida, pelos seus filhos: pare, respire e repense!

Se você quiser alguém que responde seu e-mail ou sua mensagem em tempo recorde, eu sou simplesmente a pessoa errada. Mas todo mundo faz isso, então você não terá dificuldade de encontrar pessoas assim em qualquer ramo de atividade, inclusive no de organização e produtividade. Se você quiser mudança de verdade, aprender a respirar no meio dessa insanidade que todos estão vivendo, e construir uma vida que tenha qualidade e significado para você, então venha comigo. Mas, se vier, venha de verdade. Entendendo que é simplesmente outra realidade. Sem modéstia, porque também não é nada de extraordinário. Só é outro ritmo.