Categoria(s) do post: Finanças

Vale dizer que eu ainda tenho isso em andamento, porque não considero concluído. Para mim, ter um mindset de prosperidade significa o seguinte: sabe quando uma pessoa rica, muito rica, perde todo o seu dinheiro e, em pouco tempo, reconstrói tudo e fica mais rica ainda? Isso acontece porque ela tem um mindset, ou um modo de pensar, que sempre está voltado para a prosperidade. Ela sabe como fazer e como reconstruir. E é algo que eu quero para mim.

O que tenho feito para construir isso é seguir algumas recomendações de pessoas que tenham esse mindset. Como eu sei quais são? Lendo livros, biografias, entrevistas de pessoas que admiro ou que sejam influentes (ex: Paulo Lemann, Flávio Augusto da Silva, Conrado Adolpho). Saber como essas pessoas pensam me dá um direcionamento.

Eu comecei com essa ideia quando li o livro do Napoleon Hill, “Atitude mental positiva”. (Não quero aqui entrar na problematização do fetichismo da mente positiva que leva muitas pessoas a terem depressão nessa época em que vivemos. Para mais informações, recomendo a leitura do livro “A sociedade do cansaço”, de Byung-Chul Han). Esse livro (do N. Hill) foi decisivo para mim. Já comentei em outros posts que passei por um ano difícil entre 2016 e 2017. No segundo semestre de 2016, sofri um tremendo baque profissional, que tinha tudo para me desestabilizar completamente. Mas foi o fato de ter percebido que eu precisava controlar a minha mente e ter uma atitude mental positiva que realmente me salvou daquilo. E eu não apenas consegui superar, como prosperar em um ano de recessão no nosso país.

Vale dizer que, quando falo em prosperidade, não me refiro apenas a dinheiro, mas em mover a vida adiante de maneira geral. Sentir que as coisas estão andando, que estou alcançando o que quero nas diversas áreas da minha vida – incluindo dinheiro.

Eu também via outras pessoas indo bem em seus negócios e prosperando, enquanto outras não conseguiam. Essas pessoas que não conseguiam prosperar estavam sempre com a mente negativa, chateadas, sempre focando em “pequenezas”, buscando culpados ou focando nos problemas em vez de focar nas soluções. Eu cheguei à conclusão de que tudo estava na mente, nesse “clique” da prosperidade e que eu precisava desenvolver para sempre pensar para frente, empreendedora mesmo.

Às vezes, tenho a impressão de que isso pode parecer ser uma visão meio “poliana” da vida. O Brasil em crise, tudo o que está acontecendo, e eu aqui pensando positivo e buscando iniciativas que me levem adiante. Mas isso não está me prejudicando – pelo contrário. Foi o que me manteve viva. Então por que não confiar nessa filosofia de vida?

Meu primeiro projeto foi ler todos os livros do Napoleon Hill. Ainda está em andamento, porque ele tem vários livros. “O poder do triunfo”, que é o mais famoso, é o que está com a leitura mais lenta, porque sinto que preciso absorver mais cada um dos trechos. Quando eu terminar de ler todos, pretendo fazer um vídeo para o YouTube falando mais sobre eles de maneira geral. Mas o “Atitude mental positiva” e o “Como aumentar seu próprio salário” foram os meus preferidos até então (até mais que o “Quem pensa enriquece”, outro best-seller dele). Costumo recomendar para várias pessoas que eu gosto muito, porque para mim foram livros que “mudaram a chavinha” no meu cérebro e, quando quero o bem de alguém, costumo recomendar livros.

Existe uma crença meio cruel por aí, que diz que você é a média das cinco pessoas com as quais você mais convive. Eu digo que é cruel porque, nesse processo, você pode perceber que pessoas íntimas ou queridas suas não têm esse mesmo mindset, e talvez você se sinta deslocado com o passar do tempo. É o famoso “minha família não me apoia” ou “meu marido não acredita em mim”. Longe de mim querer recomendar qualquer coisa aqui (cada um sabe a vida que tem), mas eu posso dizer que isso influencia para caramba mesmo. Porque, quando você se cerca de pessoas que estejam na mesma “vibe” que você, tudo parece correr mais rápido e de maneira mais suave e natural, ao mesmo tempo. Vou deixar então a seguinte recomendação: procure pessoas que estejam nessa mesma vibração. Busque grupos de empreendedores (se for o seu caso), almoce com colegas bem-sucedidos, pague um café para alguém, frequente eventos, palestras, faça amigos pela Internet, siga pessoas que admira, assista seus vídeos, leia suas entrevistas. Isso trará essas pessoas para o seu cotidiano. Faz TODA a diferença.

Como falei, não me considero uma pessoa que tenha desenvolvido totalmente esse mindset de prosperidade como descrevi no primeiro parágrafo deste post. Então acredito que, mais adiante, eu possa recomendar mais coisas. Por hora, isso é o que tenho feito e que tem me ajudado bastante nessa construção.

O livro “Atitude mental positiva” me ensinou que a atitude positiva é como um talismã que precisamos levar sempre com a gente e usar quando a gente mais precisa. É acreditar que sempre vai dar certo, do jeito que a gente quer – a gente pode não saber o “como” ainda, mas o “como” virá justamente dessa crença inabalável de que as coisas darão certo. É acreditar e fazer acontecer. Se isso está certo ou errado, eu não sei, mas tem funcionado comigo. Isso é tudo o que eu posso dizer.