Coisas que você faz quando se fortalece mentalmente

46
7640

Estou pensando muito nos últimos dias sobre o tema do mês no blog (auto-conhecimento) e sobre como ele influencia na nossa organização pessoal. Eu penso que, quando nos conhecemos, conseguimos nos fortalecer mentalmente e isso é fundamental para encontrarmos motivação para a vida como um todo. Por isso, o post de hoje é sobre coisas que fazemos quando nos fortalecemos mentalmente, fruto do auto-conhecimento que vamos construindo com o passar do tempo.

Eu vejo isso acontecendo na minha vida e de outras pessoas, e acho importante mostrar como o cenário pode ser para quem não vê benefícios em se organizar e se conhecer.

070715-fortalecidas

Seguir em frente

A partir do momento que você se conhece e se fortalece mentalmente, você não perde tempo com preocupações sem sentido (ou até que tenham sentido). O que muda é a sua atitude com relação a elas – se existe um problema, vamos solucionar! Nada de ficar lamentando e se preocupando sem tomar qualquer atitude.

Manter o controle das suas emoções

Dificilmente você verá uma pessoa fortalecida mentalmente “saindo dos eixos” e perdendo o controle emocional em uma situação desagradável. Como fruto do auto-conhecimento, você sabe como seu corpo reage, como você se sente quando determinadas situações acontecem e, prevendo isso, consegue tomar decisões antes do calor da ocasião. A meditação tem muito disso também, e ajuda.

Abraçar a mudança

As mudanças acontecem! Nada na vida é para sempre e até a situação mais estável do mundo pode virar de cabeça para baixo de um dia para o outro. A organização ajuda muito aqui também, porque se nosso radar estiver ligado, vamos sempre saber o que fazer quando mudanças acontecerem. Mas não só o lado da “logística” importa, mas também o emocional. Lutar contra mudanças só traz sofrimento, e quem sabe disso lida muito melhor quando elas acontecem.

Buscar estar sempre feliz

Todo mundo tem problemas. Por pior que seja sua situação, ela não vai melhorar se você ficar mal-humorado e reclamando o tempo todo. Ser feliz é uma jornada, não um fim – escolha ser feliz diariamente. Veja o lado bom das coisas. Lide de maneira mais alegre com os acontecimentos do dia a dia. A felicidade não vem de fora – é um sentimento interno.

Ser gentil

No Budismo, acredita-se que a origem de todo sofrimento nasce no auto-apreço. Toda vez que nos colocamos em primeiro lugar, alguém está ficando em segundo, terceiro… Por que somos mais importantes? Existem 7 bilhões de pessoas no mundo – por que eu acho que EU devo entrar primeiro no vagão do metrô? Por que EU devo ser promovido? Procure identificar no seu cotidiano a influência do seu ego nas decisões e exercite a gentileza toda vez que perceber. Se colocar no lugar do outro mostra que você não se considera a pessoa mais importante do mundo e que o bem-estar de todos é tão importante quanto o seu próprio.

Responsabilizar-se pelas próprias ações

Nada de culpar o passado e outras pessoas pelo que aconteceu – as pessoas fortalecidas mentalmente têm a confiança de tomar para si a responsabilidade e buscar soluções, sem choramingos. Se há um problema, há uma oportunidade de solucionar de forma melhor.

Ficar feliz pelo sucesso das outras pessoas

Em vez de sentir inveja, quando percebem uma qualidade ou conquista de terceiros, elas tomam para si essas qualidades para aplicar em suas próprias vidas. Ninguém está tomando o lugar de ninguém. O sucesso de outras pessoas não lhes causa ressentimentos.

Curtir ficar sozinho(a) também

Pessoas bem-resolvidas não têm medo de ficar sozinhas porque sabem que é um momento para curtirem a si mesmas e fazer atividades que não podem fazer em grupo, dupla ou casal.

Saber esperar

Pessoas que se conhecem e são fortalecidas mentalmente não esperam resultados imediatos porque não precisam deles para confirmar sua condição. Elas sabem o trabalho que estão fazendo, como estão investindo o seu tempo, e que os resultados virão. Não há decisões tomadas por impulso e síndrome de burn-out porque, se há problemas, eles foram identificados e tratados. Nada é “empurrado com a barriga”.

Saber investir sua energia com sabedoria

Nada de ficar acordado até mais tarde se você precisa estar bem no dia seguinte logo cedo. Nada de comer algum alimento que você sabe que te faz mal. Nada de investir tempo em uma atividade que não agrega. Nada de perder tempo com sentimentos que não levam a lugar nenhuma. Nada de tagarelar sem sentido.

Refletir e agradecer pelas conquistas

Conquistar coisas novas é muito legal, mas a busca incessante por novidades pode enlouquecer qualquer um. Pessoas que se conhecem e são fortalecidas mentalmente sabem reconhecer as conquistas e podem curtí-las ao longo da vida. Elas gostam de ver o trabalho que fizeram, pensar no futuro breve e mais longínquo e fazer boas escolhas no presente. Elas também estão sempre gratas pela oportunidade de estarem vivas e com esse poder de criação.

Esses são alguns benefícios que eu vejo do auto-conhecimento e do fortalecimento mental para a organização pessoal. É muito importante esse processo porque, às vezes, uma pessoa pode não conseguir se organizar apenas porque não tem a motivação necessária para isso, ou se preocupa com outras questões. Talvez o auto-conhecimento deva ser trabalhado em primeiro lugar. E, posso dizer? Trabalhar o auto-conhecimento é algo que TODO MUNDO deveria fazer, independente do nível de força mental e emocional que tenha, porque sempre traz grandes descobertas.

E você, o que acha desse assunto? Dá muito pano para a manga, não?

46 comentários

  1. Boa tarde Thais. Excelente postagem como sempre! Poderia me tirar uma dúvida? Qual o nome da fonte que usa nos subtítulos?

  2. Adorei o post de hoje.
    Estou trabalhando também no auto conhecimento esse mês e já estou adorando os resultados.

    =*

  3. O auto-conhecimento é que tenho buscado ultimamente, e realmente tudo o que disse faz sentido e concordo. Parabéns pelo texto e vamos em busca do auto-conhecimento.

  4. Parabéns pela sutileza e delicadeza do texto. Apesar de todos os ótimos textos que vc já escreveu, acho que nenhum teve essa dose de humanidade. Foi direto na veia. Lágrimas nos olhos…

  5. Thais, acredito que ao longo da vida deixamos vários fatores influenciar no nosso cotidiano. Contudo, quando não nos conhecemos podemos seguir caminhos que nos faz mal, que nos atordoa. Mas devemos ser perseverante…ir nas coisas que gostamos, que nos faz bem.
    Cair é natural…mas temos que nos circundar de amor e assim vencemos.

  6. Texto perfeito, estou trabalhando o auto -conhecimento e percebi por exemplo que tenho que manter a ordem das coisas, desde as planilhas de gastos até a arrumação da casa por que se a bagunça fica muito grande eu empaco, se eu empacar demoro a me motivar de novo e quando estou motivada por um assunto viro quase especialista, leio tudo, pesquiso tudo, aplico até empacar.. agora que estou me conhecendo tento não esmorecer…

  7. Olá, Thaís.

    Acho que nunca comentei os seus posts, mas gostaria de manifestar minha gratidão por ter conhecido o teu blog e por você agora fazer parte da minha vida. Acompanho diariamente os posts e quando não tem post novo, busco algum que eu ainda não tenha lido ou, releio algum que eu tenha gostado.
    Estou lendo o seu livro e aplicando aos as rotinas no meu dia a dia.

    Parabéns pelo seu trabalho e muito sucesso para você sempre!

    Abraços

  8. Olá! Gostei do texto!! Não saberia dizer que esse comportamento é de auto conhecimento, mas me identifiquei com praticamente todos os tópicos! Ainda não sou uma pessoa muito organizada e, infelizmente, procrastino! Mas, de acordo com o que entendi isso também faz parte de se auto conhecer! Conheço minhas dificuldades e limitações, trabalho para vencê-las, mas isso não faz de mim alguém terrível, perdedora ou incompetente! Sou apenas mais uma pessoa evoluindo com o passar dos anos. Sou feliz!! A vida é evolução, não perfeição! Obrigada Tais!!

  9. Seus textos são excelentes, mas esse foi sensacional! Parabéns e obrigada por compartilhar seus conhecimentos! Abraços

  10. Olá Thaís!

    EXCELENTE TEXTO!

    O auto-conhecimento é das coisas mais difíceis deste mundo e é onde as pessoas mais procrastinam. É difícil parar para pensar e “olhar para dentro”, é doloroso.
    Mas no fim é o “trabalho” mais compensador que existe, os benefícios são inimagináveis e acompanha-nos toda vida pois é um processo contínuo.

    Beijinhos.

    Eunice

  11. Excelente texto! muito inspirador,
    … estou nessa jornada e já assistir algumas palestras e até mesmo li alguns livros que falam desses pontos para se fortalecer, e melhorar nosso lado mais humano e generoso.
    Muito obrigada pelas palavras,
    …eu sou muito errada e bagunçada, mas estou buscando esse autoconhecimento e a organização, minha filha me presenteou com seu livro e estou lendo e colocando em prática, vou conseguir …
    Forte abraço, dessa tua admiradora, por enquanto muito desordeira…

  12. Thaís, ótimo post! Um conhecimento que me ajudou muitíssimo neste processo de autoconhecimento foi o Eneagrama, você conhece?
    Recomendo a leitura do livro “O Eneagrama -as Nove Faces da Alma” de Richard Rohr e Andreas Ebert. Editora Vozes.

    Entrei em choque sobre o que descobri sobre eu mesma e depois de muita reflexão encontrei o meu caminho neste processo.

    Obrigada por compartilhar teus conhecimentos conosco.

  13. Oi, Thaís! Nossa! Que delícia de texto…de uma leveza incrível… Pra mim, veio mesmo como uma injeção de ânimo…mas sem a cara de auto-ajuda…simplesmente perfeito!
    Obrigada!

  14. Thais realmente nos tempos atuais eu tenho percebido que a regra é negar a si mesmo, mas no sentido de simplismente ignorar seus sentimentos, suas emoções. As pessoas não se conhecem, não sabem o que querem porque não param para olhar pra dentro. Hoje sentimentos que não sejam de vitória, conquista, alegria, beleza, saúde, etc, não são bem vindos, e por isso devem ser ignorados! Como nós vamos nos conhecer se não sabemos lidar com nossos sentimentos? Nunca vamos conseguir nos relacionar com o outro e com a vida se não conseguimos nos relacionar conosco mesmo. o “conhece-te a ti mesmo” é tão antigo e tão atual! Tão difícil mas extremamente importante.

  15. Lindo post, Thais!
    Pra mim, o auto conhecimento vem trazendo mais força e paz de espírito quando as adversidades aparecem na minha vida. Elas até podem me abater, mas meu tempo de digestão e recuperação tem ficado menor à medida que volto as atenções para meu interior.
    Dicas para ler e reler! Namastê!

  16. Melhor texto de todos! Gostei especialmente da expressão “fortalecimento mental”. Traduz a ideia de trabalho, de ação e de continuidade que esse processo exige. Parabéns.

  17. Oi Thais,
    Gostei do texto. Adoro quando você faz essas reflexões, quando fala sobre esse tema de auto-conhecimento.
    Olha, leio há muito tempo seu blog (mais de três anos) e você para mim é uma verdadeira referência. Todos os dias passo por aqui.
    No mais estou precisando mesmo de uma ajudinha no quesito desenvolvimento pessoal. Tenho 20, já sai de casa e trabalho, sem filhos. Mas ainda me falta tanto Thais! Me sinto muito insegura em relação a minha profissão, não tenho um rumo certo, um foco principal, sabe? Sem falar da auto-estima, etc. Eu me sinto meio que ‘lançada no mundo’ sem noção de mtas coisas e ainda com algumas ‘adolescentices’. Enfim, espero que os seus posts me ajudem como sempre e me tragam mais maturidade e serenidade.
    Obrigada por colaborar na minha vida, abrir meus olhos para o que a organização pode me trazer.
    Tenha ctz de que a sua missão está sendo MUITO bem cumprida, viu?!
    Beijão e muito sucesso!

    obs.: louca pelo seu livro. Tenho q comprar!!
    obs.2. Vejo que voce le muuuuito. Já leu Sartre? Super indico “O Existencialismo é um humanismo”. É um daqueles livros que sacode a sua mente meesmo! É um verdadeiro tapa na cara! Foi sem dúvidas o livro que mais mexeu cmg e a minha visão da vida. Fica a dica 🙂

  18. Thais!

    Eu estou inquieta. Angustiada. E tem um tempo que acompanho você aqui no blog e no instagram. Tenho sentido muita resistência de minha parte para implementar algumas mudanças que eu tenho consciência da necessidade. Comprei o livro. Comecei a ler e parei justamente numa parte “prática”. Adorei quando você iniciou o curso do GTD para iniciantes. Com tempo para implantação gradual. Contudo, a postagem de hoje fechou. Já tinha mexido comigo a linha editorial do mês. E hoje pareceu que VOCÊ ESCREVEU PARA MIM.
    Estou muito feliz de vê-la crescendo. Isso mostra que É VERDADE, É POSSÍVEL e PALPÁVEL o que você escreve, mostra, ensina. Parabéns!
    Obrigada.

  19. Thais, muito bom o seu texto… realmente é preciso auto-conhecimento para levar a vida de uma maneira equilibrada. O que posso dizer sobre isso é que, já tive momentos melhores, mas agora vou me levantar e organizar… Organizar em 1º lugar minha mente, focalizar e ver meus objetivos novamente alinhados com um futuro melhor para mim e para minha família. Perfeição passa longe do ser humano, mas enquanto estou viva há esperança de estudar, realizar e trabalhar. Obrigada pela sua dedicação ao blog. Você me inspira e me ajuda.

  20. excelente thais. é uma grande verdade que o auto conhecimento traz maturidade que nos ajuda a levar uma vida muito mais plena.

    Tem alguns pontos que eu concordo mas com ressalvas. sei que você coloca sobre uma perspectiva mais genérica, de toda forma, acho importante refletirmos mais sobre isso.

    Eu não concordo muito com o ponto de buscarmos estar sempre felizes. Acho que a vida tem momentos tristes e precisamos aprender a simplesmente aceita-los, ao invés de tentar buscar uma felicidade – que não existe. Eu entendo que diz isso sobre a ótica de não ficarmos lamentando e murmurando, mas acho que até isso faz parte de processo da vida e negar essa condição humana (de possível sofrimento, contradições) nos aproxima mais de uma posição de negação da realidade do que uma aceitação da mesma.

    também sobre ser gentil, eu colocaria ressalvas. Acho a empatia um sentimento crucial para se considerar um ser humano coerente, porém empatia para mim tem mais a ver com justiça, do que com gentileza. Vejo a empatia como a consciência e o entendimento que somos um todo e então nos sentimos ligados ao próximo não por uma afetividade, mas por uma consciência. Eu posso até não gostar do cara do outro lado do planeta que não conheço, mas sou capaz de me colocar no seu lugar e sentir seus sentimentos, compreendendo sua realidade e o que o leva agir da forma que age. Nesse sentido fica mais fácil perdoar, não julgar e até amar (não que isso seja necessário, para ser justo). Eu só sou criteriosa com isso porque nasci em uma tradição cristã e lá se pregava o amor ao próximo, algo que é conflituoso, porque está no campo da afetividade e nunca ninguém sabe muito bem o que é amar o próximo, já que é subjetivo e intangível. Já a empatia (que não envolve amor, mas uma capacidade de reflexão e descentração) para mim é algo muito mais real e concreto. Não sei se fui confusa, mas para resumir: Acho que um mundo empático é um mundo mais gentil também. Mas um mundo gentil, não necessariamente é empático. Por isso é melhor buscar a empatia, que a gentileza – algo subjetivo e que cada um interpreta de uma forma.

    E por fim, um último ponto que acho importante destacar, acho que o auto conhecimento envolve compreensão da realidade. Algumas tradições budistas (como o zen) disseminam ideias de levar uma vida leve, buscar ser feliz, não emitir coisas negativas e coisas do tipo que me incomodam muito. A vida é cheia de contradições, injustiças e coisas boas. O auto-conhecimento para mim é saber reconhecer essas múltiplas faces da vida, apreciar e agradecer pelo que é bom e buscar a mudança no que é ruim. Sei que não é sua postura, mas muitos budistas incorrem em algo vulgar e simplista que “o mundo é lindo, as coisas são lindas e blá blá blá” que mais distanciam as pessoas da realidade que as ajudam compreender. É sempre importante estar atento a isso porque eu mesma já cai nesse falso pensamento várias vezes.

    enfim, desculpa o enorme comentário. Só queria acrescentar o debate. E com certeza, haja pano para manga! X:D

    • Eu adoro comentários enormes. Obrigada por participar.

      No geral, os budistas são as pessoas que mais parecem calmas e felizes e o estudo se baseia basicamente no sofrimento humano… Não se trata de negar a realidade, mas de conhecê-la tanto, que se reconhece que, só de estar vivo, isso já é felicidade suficiente. É mais ou menos nesse sentido. 🙂

      Não se nega a realidade nem as coisas ruins não.

  21. Adorei o post!
    Concordo com cada letra e tento aplicar tudo isso em minha vida.
    Parece ter sido escrito por mim.
    Quando venço meu próprio negativismo consigo enxergar tudo isso muito claramente e a vida fica muito melhor.
    Espero que mais pessoas consigam se auto conhecer.

  22. Thais, acho que você acertou em cheio com esse post. O auto-conhecimento é algo importantíssimo, e eu fico chocada com a quantidade de pessoas que não têm interesse em se conhecer melhore não se preocupam com a forma como isso se reflete nos respectivos dia a dia. Eu estou passando por esse processo agora e tenho visto pequenos milagres diariamente, na forma como isso tem afetado a minha vida. E eu, realmente, só tenho a agradecer!

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui