Categoria(s) do post: Áreas da Vida

211113-morrer1 Jen blurry
211113-morrer3 211113-morrer4
21113-morrer5 211113-morrer6 211113-morrer7 211113-morrer8 After a summer walk, Jen sits in the window and paints her nails. 211113-morrer10 Jen floating in the ocean 10-26-2011 Jen with radiation mask 211113-morrer13 11-22-2011 Jen's eyelashes 211113-morrer15 211113-morrer16 12122011 Suppot group 12-17-2011 F/Stop guarding Jen Empty bed 211113-morrer20

As fotos acima foram tiradas por Ângelo, a partir do momento em que soube que sua esposa estava com câncer de mama. Seu trabalho pode ser visto neste site.

Meu pai morreu de câncer. Ao ver as fotos acima, eu me lembrei de todos os momentos finais da sua vida – a feição deles era muito parecida. Câncer é uma doença dramática mesmo, e felizmente muitas pessoas sobrevivem a ela.

Porém, o que chama mesmo a atenção, quando vejo as fotos acima, é pensar em como a vida é etérea.

Como ela passa rápido, mesmo que a gente morra com 90 anos de idade. Imagine morrer 10, 20, 50 anos antes. Outros, até menos. Nós simplesmente não sabemos.

Toda vez que se vir com algum tipo de apego – seja de coisas, objetos, pessoas, sentimentos – pergunte-se sobre a importância de tudo isso em sua vida. Você quer guardar aquele candelabro lindo que era da sua bisavó por lembrança, mas que lembrança ele terá quando você morrer e ele ficar com qualquer outra pessoa, seja onde for? Será que sua vida não poderia ser muito mais livre agora mesmo? Quantas coisas você não deixou de fazer na vida por causa das suas “coisas”? Ou quanto tempo desperdiçou limpando e cuidando daquilo que não tinha tanto valor quanto viver momentos junto com a sua família, viajar, ter pequenos insights observando o céu, entre tantos outros?

Quanto mais coisas temos, mais tempo precisamos investir para limpar, armazenar, cuidar. Isso sem contar o dinheiro com armários, cômodas, estantes – móveis feitos para armazenar objetos. E sem contar também a falta de espaço em casa, que atrapalha a circulação das pessoas.

Se quiser guardar algo que realmente dure para sempre, exercite o seu poder de transformação no mundo.

Deixe um legado. Faça acontecer aquilo que sempre foi seu sonho, sua vontade, seu objetivo profissional.

Diga às pessoas que você ama como você se sente. Não guarde rancor daquele parente, ou daquele amigo de infância. Nenhuma briga vale nada perto da morte e de não ter mais a pessoa ali para dizer adeus.

Pare de brigar com as pessoas que você ama, dos seus filhos ao seu marido ou esposa, aos seus pais e amigos.

Trabalhe menos. Se é cansativo e faz você questionar-se o tempo todo, sempre há uma alternativa melhor. Se não puder mudar agora, tenha um plano. Enquanto não atinge seu objetivo, não se deixe drenar.

Conheça outros lugares. Visite as cidades e países que sempre quis conhecer.

Curta mais a sua vida. Goste do seu corpo. Pare de criticar tanto a sua aparência.

Pare de se importar com o que as pessoas pensam de você. Pare de se sentir triste. A vida é uma oportunidade a cada momento.

Aproveite mais! Quando perceber que está tendo um momento especial, preste atenção e curta ao máximo. Passe mais tempo com aqueles que você ama.

Descubra a sua paixão, e vá atrás dela. Não deixe por conta do “e se”. Essa é a pior forma de morte – é a morte em vida. Não deixe isso acontecer, pois você está vivo(a)!

Não deixe de lado algo que seja importante. Não deixe para depois o que não sai da sua cabeça todos os dias. Nós, seres humanos, não somos nada perto da imensidão do universo e do andar das coisas em milhões de anos. Não vale a pena desperdiçar nosso tempo na Terra com nada que não nos faça feliz.

Não tenha medo. Vamos todos morrer mesmo, e pode ser amanhã. Você teria vivido de acordo com o que gostaria?