Categoria(s) do post: Casa, Áreas da Vida

Confesso que foi bom ter dois dias de folga. =) Apesar de o blog ser meu grande hobby, ele me toma um tempo imenso. Todos os dias, depois que meu filho dorme, eu passo várias horas das minhas noites pesquisando, escrevendo textos, tirando fotos, respondendo comentários, e-mails, mensagens nas redes sociais etc. Não gosto de dizer que “dá trabalho” (porque acho que o termo leva à conclusão de ser algo desagradável, e obviamente não é), mas toma muito meu tempo. E eu estou em uma fase onde o bichinho da simplicidade voluntária está me mordendo novamente, precisando descansar mais e me dedicar a outros projetos essenciais na minha vida.

Não vou deixar de escrever no blog, de maneira nenhuma. Também espero continuar mantendo a frequência diária de postagens. Mas quis tirar esses dois dias para descansar a cabeça, ver como eu ficaria sem a minha cobrança pessoal de fazer todas aquelas atividades que eu descrevi no parágrafo acima. E eu consegui descansar, estudar bastante, me dedicar a outras coisas.

Ter um blog é sim muito trabalhoso. Para quem não tem, pode parecer bobagem eu falar isso, mas demanda bastante dedicação. O blog não é a minha atividade principal: eu trabalho fora, tenho a minha família, tenho meus projetos pessoais. Eu deixo de fazer uma série de coisas para me dedicar ao blog, e eu não gostaria que ele se tornasse um “fardo” para mim. Muitas vezes, já fiquei até de madrugada escrevendo posts porque eu passaria alguns dias fora, e não queria deixar vocês, leitores, sem um post todos os dias. Nossa, até perdi as contas de quantas vezes eu já fiz isso! Semana passada mesmo, eu passei seis dias longe de casa, do meu filho, do meu marido, morrendo de culpa e de saudades em uma viagem a trabalho, parando de trabalhar super tarde todos os dias, e ainda tendo que enviar meu TCC final por e-mail na sexta-feira, escrevendo até às 2h da manhã! Mesmo assim, mantive o blog atualizadíssimo, todos os dias. Minha rotina é corrida, gente, e por isso mesmo eu tenho o blog: para escrever a respeito, compartilhar como eu dou conta, mas principalmente para eu me distrair um pouquinho do caos diário. Eu não falo mais sobre o meu dia-a-dia por simples questão de privacidade, mas vocês ficariam de cabelo em pé se soubessem a quantidade de coisas que eu tenho para fazer diariamente. Mas eu sei que tem muita gente na mesma situação e com certeza até pior, porque isso é uma característica da época que vivemos.

Eu gostaria que vocês soubessem o nível de dedicação que eu tenho a este blog. O quão preocupada eu fico se não tiver um post para entrar amanhã às 9:03, por exemplo. Eu não vou dormir sem fazer isso. Se possível, já escrevo posts para diversos dias, para ter um tempinho a mais no meu dia. Mas eu adoro o blog e o trato de forma profissional, pois trabalho na área e sei como as coisas são. Inclusive, no próprio Social Media SP, vou participar com uma palestra sobre gerenciamento de blogs profissionais. =) Quem quiser ir, me fala. Eu sou completamente apaixonada pelo assunto e sei que o que torna um blog legal é justamente manter a periodicidade de conteúdos bons, assim como o relacionamento com os leitores.

Como eu já escrevi aqui, meu projeto do TCC foi sobre a profissionalização do blog. Eu o entrego finalmente na próxima segunda-feira. Ele já está pronto e sendo impresso, encadernado. Ter feito o trabalho sobre o blog foi muito bom porque me fez vê-lo de outras formas. Juro que, no decorrer deste ano, mil ideias já se passaram pela minha cabeça. E, depois de ter finalizado o trabalho, descobri que a mais importante delas foi ter descoberto que eu não quero “ganhar dinheiro” com o blog. Bom, a verdade é que, se vocês já o acompanham faz tempo, já devem ter percebido isso. Eu detesto blogs cheios de publieditoriais e acho que eles estragam sim a essência de cada um. Tanto que, para a versão de novembro do media kit do blog, já vou tirar a opção de publieditoriais. Não quero mais fazer, porque acho uma tática de marketing meio fail (sinceramente). As formas de anúncio que eu acho viáveis são os anúncios em formato de banner em determinados lugares do blog (sem poluir), e que tenham a ver com o conteúdo, obviamente. Também acho super válido fazer resenhas de produtos que as empresas me enviam, porque isso é uma forma de gerar conteúdo interessante para os leitores. Afinal, quem não quer saber se vale mesmo a pena comprar o produto X? E as resenhas, para quem não sabe, eu sequer cobro para fazer. O blog é um grande barato para mim – eu curto experimentar produtos novos diversos e compartilhar com vocês, tendo sido enviados de cortesia ou tendo eu mesma comprado cada um deles. A frase que abre a política de publicidade do blog é: eu não publico nada pago que já não publicaria de graça de qualquer forma, e acredito firmemente nisso.

Não estou desvalorizando o trabalho dos blogueiros no geral. Só estou indo um pouco contra a maré. Acho que quem vive do blog conseguiu uma maneira muito legal de viver a sua vida, fazendo seus horários, abrindo empresa e se dedicando a algo que realmente ama. Eu amo o blog, mas ele não é meu trabalho. Logo, eu não me sinto na obrigação de fazer tudo aquilo que eu comentei no primeiro parágrafo. Faço porque gosto mesmo. Mesmo nos dias mais cansativos, tenho o meu momento de sentar e tentar escrever o melhor texto possível para os leitores, para não decepcionar ninguém. E ter um blog é colocar a cara para bater! É ter que ler diariamente comentários agressivos, desnecessários, vindos de todos os lados. Tenho muita sorte porque a imensa maioria dos leitores do blog é muito bacana, mas já vi vários exemplos contrários por aí. Acreditem: ser blogueiro não é para os fracos! Você precisa ter um nível de maturidade gigantesco para aguentar as pedradas e precisa encontrar tempo para se dedicar de verdade. Quanto mais conhecido o seu blog vai ficando, mais demanda você terá de todos os lados. Só quem tem um blog profissional consegue entender a loucura que isso vira com o passar do tempo. É só ver as meninas que têm blogs de moda famosos viajando para fashion weeks do mundo inteiro, participando de centenas de eventos. Eu jamais conseguiria fazer algo assim tendo um filho e um marido em casa, mesmo se o blog fosse minha atividade principal. E não é. Então eu invejo a capacidade de organização dessas meninas, porque elas sim são ocupadas!

Ao mesmo tempo, sei que ocupada é aquela mãe que sai de casa às 5h da manhã com criança a tiracolo, pega dois ônibus, deixa na escolinha ou na casa da sogra, pega mais dois ônibus para o trabalho, onde fica até às 18h, chega em casa quase 21h e ainda tem que limpar a casa porque, além de tudo, é mãe solteira! Essa sim é guerreira! E quantos casos desses temos por aí, minha gente? A vida é difícil e precisamos dar conta, senão quem tomará conta de nós? Ninguém, a não ser que você tenha dinheiro para ir delegando as tarefas. Essa é a verdade.

A missão do blog, que eu defini enquanto escrevia meu TCC, é: inspirar as pessoas para que sejam suas próprias personal organizers. Eu acredito firmemente nisso! É o mesmo que uma reeducação alimentar, mas sobre organização. Organização é um hábito que adquirimos se tivermos força de vontade para dar um jeito na vida, correr atrás dos nossos sonhos. Eu não acho que organização seja ter um closet cheio de calcinhas envelopadas (mas confesso que adoro fazer isso, haha <3), mas você saber que as calcinhas limpas estão ali, entendem? Organização nível hard é para quem tem tempo ou para aficionados tipo eu, mas não é para todas as pessoas. A maioria das pessoas só quer fazer a coisa toda funcionar no dia-a-dia, e isso é mais do que o suficiente. Isso é organização.

Meu objetivo com o blog sempre foi compartilhar dicas de organização para facilitar o dia-a-dia de qualquer pessoa, e eu estou sempre atrás das melhores formas de fazer isso. Já pensaram, por exemplo, como alguma pessoa com necessidades especiais consegue se organizar? Ou uma mãe que tenha um filho com TDAH? Ou uma pessoa que precisa de apoio psicológico para se livrar da tralha em casa?

Outro dia, no curso de professional organizers que eu fiz, uma moça me perguntou se tinha pauta para posts diários no blog. E, pelos simples exemplos que eu acabei de dar, vocês podem perceber como o assunto é infinito. Sempre terá pauta! Esse é o desafio para mim: tentar sempre oferecer um conteúdo original. Pesquisar sobre o assunto satisfaz a minha curiosidade (adoro) e ainda tenho a possibilidade de ajudar outras pessoas. Essa sempre foi a essência do blog. Atrás de cada dica, de cada post, teve uma pesquisa, uma ideia que eu tive observando outras pessoas, uma solução que encontrei em casa, uma necessidade que identifiquei lendo sobre outro assunto.

Portanto, não fiquem #chatiados pelo blog ter ficado um ou dois dias sem posts. Pode ser só uma fase, pode não ser. Mas há um arquivo imenso de posts antigos sobre diversos assuntos que todos podem acessar quando quiserem. E ainda haverá muitos, mas muitos posts novos a serem publicados aqui, então não se preocupem. =) O blog não vai deixar de ser atualizado.

Fiquem bem. <3