Categoria(s) do post: Áreas da Vida

Hoje levamos o Paul ao novo pediatra, que eu escolhi de propósito por ser homeopata. O Anderson não gostou, eu ainda estou em dúvida. A homeopatia trabalha bastante com o lado preventivo e o fortalecimento do sistema imunológico, então ele passou alguns medicamentos naturais para o Paul tomar antes da chegada do inverno para ele não ficar com princípio de pneumonia como no ano passado. O Anderson não gostou de ele ter que tomar remédio estando bem de saúde, então ainda não sei se marcamos outro médico ou mantemos esse. Eu gostei dele. O Paul adorou, eles desenharam juntos e não chorou nenhuma vez. Achei a consulta bem bacana, de modo geral. Ele passou o celular dele e pediu para ligar sempre que precisarmos. Minha opinião está bem dividida.

No geral, Paul está bem: pesando 12,5kg e medindo 88cm, bem pouco acima da média da idade, mas suficientemente bom. Sobre a agitação, ele falou muito da mudança e que o Paul sente a nossa ansiedade. Reforçou que dormir das 22h às 7h é muito pouco (obrigada!) e que, se for o caso de ele estar com sono e não conseguir relaxar, podemos fazer uso de um medicamento de Melissa.
Hoje ele não dormiu à tarde, mas acabou de ir dormir (são 19h40). Aguentou bem à tarde, apesar de eu achar que, se tivéssemos colocado-o para dormir, ele teria dormido. Porém, não ficou manhoso ou aparentando cansaço. Vamos ver como será o sono dele.

***

Um rápido adendo sobre o dia de hoje dando sequência à temática do post anterior:

Acordei às 6h, coloquei a roupa do Paul para lavar e limpei os dois banheiros. Às 7h30, tomei banho, café e fui para o trabalho, onde fiquei até às 13h. Peguei dois ônibus com um sol absurdo de quente lá em cima, cheguei em casa, almocei e fomos levar o Paul ao pediatra, a pé, pois é relativamente perto e não tem ônibus até lá. Ficamos das 14h30 às 16h30 lá (!!!), e eu fui correndo (mesmo!) para a consulta com o ortodontista que, por sorte, é no mesmo bairro, enquanto o Ande veio pra casa fazer a janta com o Paul. Depois do ortodonto, fui a uma lojinha comprar duas lixeiras para a gente (pois é), depois passei em duas escolas de idiomas para ver os preços dos cursos de conversação (vou ter que fazer). Fiz teste oral de inglês, provinha etc. Depois passei na farmácia, no hortifruti, e finalmente cheguei em casa. Tomei banho, jantei, banho no Paul, colocar para dormir, Ande foi ao mercado e eu vou resolver minhas pendências da lista de tarefas (incluindo casa, estudos e blog). Com sorte, até às 22h, porque quero dormir cedo. E é isso. Imaginem!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Casa

Basta responder três perguntas:

1. Você usa essa peça sempre? Ela faz parte do seu estilo?

Se uma peça não combina com você, não tem porque mantê-la no armário. Eu sei como é – estava com um preço ótimo, na hora pareceu linda, mas ela simplesmente não combina com nenhuma roupa que você use. Nesses casos, vale a pena assumir a má compra e doar para alguém que possa aproveitá-la melhor. Se ela estiver nova, você pode até mesmo tentar vendê-la.

2. Você usou essa peça nos últimos seis meses? Ou no último ano?

Se você não usou essa peça nos últimos doze meses, é bastante provável que não venha a usar nos próximos doze. Pode acontecer uma ou outra exceção, mas você saberá reconhecê-las.

3. Essa peça serve em você atualmente?

Se uma peça não serve mais em você, não há motivo para mantê-la. Talvez você guarde aquela calça jeans que servia quando você era adolescente porque ainda tem esperança de que volte a servir. Ok, é até saudável manter UMA peça nostálgica para servir de estímulo para emagrecer – outra coisa é manter um guarda-roupa inteiro. Tenha somente peças que te sirvam.

Como evitar compras desnecessárias

  • Compre quando estiver precisando de algo específico. Dessa forma, fica mais fácil comprar, pois você terá um foco e não gastará seu dinheiro com outra(s) peça(s) – ou pelo menos deixará essa iniciativa mais difícil.
  • Quando precisar comprar, escolha peças de boa qualidade. Como você vai estar comprando menos, compensará o dinheiro investido.
  • Não compre uma peça que servirá quando você “perder 3ks”. Compre somente roupas que sirvam perfeitamente.
  • Com raríssimas exceções, evite comprar peças de roupa que sejam muito diferentes do que você usa no dia-a-dia. Mesmo que você queira mudar completamente o seu estilo, sempre é melhor ir gradualmente. Compre peças parecidas com as que você já tem e que sabem que vestem bem. É muito provável que, se você não tem um vestido bandage, é porque ele não fica muito legal no seu corpo, então não invente para não deixar a peça encostada depois.
  • Compre peças de roupas que combinem com as suas. Uma boa regra ao pegar uma peça na loja é pensar se ela combina com pelo menos três peças do seu guarda-roupa. Se combinar, a compra vale a pena porque você sabe que terá como usar.

Como doar

  • Procure instituições de caridade na sua cidade.
  • Se a sua cidade não tiver essas instituições, informe-se nas igrejas, que geralmente costumam recolher doações.
  • Se a peça for de marca ou quase nova, você pode tentar vendê-la em um brechó ou pela internet.
  • Organize um bazar com as suas amigas e incentive-as a destralhar o guarda-roupa também.
  • Aproveite aquelas promoções de farmácias e supermercados quando estiverem recolhendo doações de roupas para doar a sua parte.

Você não precisa de drama – precisa de espaço. E outras pessoas precisam das roupas que você não usa mais. Doe.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.