Categoria(s) do post: Casa, Lazer, Armazenamento
  • Tire a roupa de cama pesada e, se necessário, mande para a lavanderia.
  • Guarde o que, de alguma forma, for relacionado ao verão (uma colcha com estampa tropical, talvez?)
  • Tire do guarda-roupa todas as peças de roupa que só podem ser usadas no calor, de biquínis a regatas.
  • Coloque de volta as roupas de inverno, incluindo aquela blusa enorme de lã que você usa apenas para ficar em casa.
A melhor maneira de guardar as roupas de verão é armazenar em uma mala de viagem e colocar na parte de cima do armário. Você também pode usar uma caixa grande plástico com tampa. Depende do seu espaço. O que é importante é liberar espaço para não ter que ficar procurando blusas de manga comprida em meio a camisetinhas de malha fina na hora de sair correndo de casa.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Casa, Áreas da Vida

Destralhar é o novo termo que você verá por aqui! Um dos meus princípios de organização é: não dá para organizar tralha. Casa organizada é casa sem tralha, e tralha é tudo aquilo que não precisava estar ali, que você não ama, que não é útil nem tem significado especial para você. Veja três lugares que você pode destralhar em minutos:

  1. Sua mesa de trabalho. Tire papéis desnecessários, excesso de clips e canetas, além de objetos que não precisam estar ali.
  2. Sua geladeira. Estou falando do lado de fora mesmo: para que tantos ímas?
  3. Seu quadro de recados. Daqueles de cortiça ou magnéticos, sabe? Se você tem um, certamente precisa fazer uma faxina geral nele, tirando post-its com recados que já venceram.
Estão aí três lugares que nunca lembramos de destralhar. Você tem mais alguma sugestão? Diga nos comentários!
Categoria(s) do post: Diário da Thais, Finanças

Eu procuro simplificar todos os meus processos no dia-a-dia. Uma coisa que eu faço questão de fazer é anotar todos os meus gastos. Sim, é chato e trabalhoso, mas depois que vira um hábito, você não consegue mais deixar de anotar. A mudança que ocorre no nosso cérebro quando passamos a anotar os gastos é tamanha que o controle fica muito maior. Confesso que passei a gastar muito menos depois que anotar as despesas virou um hábito incorporado ao meu dia-a-dia.

Como eu anoto? No rodapé de cada dia na minha agenda e, de noite, passo para o Finance Mobile (um aplicativo gratuito do iPhone que também pode ser utilizado no iPad). Se você tiver iPhone ou iPod, pode atualizar a qualquer momento. Trata-se de um aplicativo onde você define seu orçamento para cada gasto (despesas de trabalho, roupas, farmácia e n outras categorias) e, ao longo do mês, ele vai mostrando uma barra com o que você já gastou e quanto resta. É maravilhoso terminar o mês com a barra verdinha!

Imagem ilustrativa do aplicativo
(não são as minhas finanças)

Mas não se preocupe, que você não precisa ter esse aplicativo para se organizar. Basta criar uma planilha com seus gastos e somá-los ao final da coluna. Se tiver um nível básico de Excel, poderá substrair do orçamento e ter um resultado final bem parecido.

Fazer isso foi essencial para controlar meu orçamento. Além de você controlar quanto você gasta, você pode fazer mudanças – se gasta mais do que ganha, o que pode ser cortado? Quanto sobra para guardar todo mês em uma caderneta de poupança ou fazer um investimento?

Outra decisão que fez muita diferença na minha vida foi não adquirir um cartão de crédito. Há cerca de dois anos, cortei cada um dos meus cartões em pedacinhos e cancelei as contas. Hoje em dia, muitas vezes fico tentada a fazer um cartão para comprar pela internet com mais facilidade, especialmente compras coletivas. Mas sei que parte do meu orçamento estar sob controle é justamente o fato de não usar cartão de crédito. Então vou levando como for. Se você tem cartão de crédito, aconselho a ter somente um (para não pagar muitas taxas anuais) e a deixá-lo em casa, para evitar compras por impulso.

Acho que o mais importante, no final das contas, é ter a consciência de consumir menos. Ontem mesmo vi uma revista interessante e a peguei para comprar mas, a caminho do caixa, vi uma ainda mais interessante. Eu poderia ter levado as duas, mas pensei: “existem dezenas de revistas interessantes. O que fazer, comprar todas? Não, então é melhor não levar nenhuma”. E assim eu economizei 20 reais.

Comprar direito também faz parte da minha “técnica”. Adoro moda e vejo minhas roupas como um acervo pessoal que compôe a minha imagem para o mundo. Assim, só compro uma roupa ou acessório que tenha ficado sensacional em mim, e não coisas meia-boca compradas “só por comprar”. Isso me permite pagar mais caro em artigos de qualidade, porque compro menos. Sou aquela pessoa que prefere comprar uma bota de couro durável por R$200 a comprar quatro sapatilhas por R$50 cada, ou mesmo uma bota de qualidade duvidosa pela metade do preço. Produtos bons e baratos: esses são os melhores! Mas precisa saber garimpar. Roupas antigas costumam ter tecidos melhores e, sempre que posso, vou a brechós dar uma olhada. Compro roupas para durar para sempre, então artigos descartáveis de fast-fashion dificilmente passam pelo meu filtro (a não ser que seja algo irresistível e barato).

Diminuir o número de tralhas em casa também facilita no dia-a-dia, porque fico me perguntando: “terei espaço para mais uma coisa naquela estante?”. Esse raciocínio ajuda demais, especialmente se você sofre com problemas de espaço. Deixei de comprar muita, mas muita coisa mesmo porque pensei na preguiça de levar mais uma tralha para casa.

Contas a pagar: tenho uma pasta pequena simples onde mantenho as contas do mês. À medida que elas vão sendo pagas, passo para uma pasta sanfonada com 12 divisórias (uma para cada mês), que mantenho por cinco anos (tenho sempre cinco pastas de contas arquivadas, então). E sim, costumo pagar todas de uma vez, e nunca depois do vencimento. As com vencimento até o dia 20 eu pago quando recebo meu salário e as que vencem depois dessa data eu pago quando recebo o vale. Costumo guardar canhotos de débito importantes também, como compras. Tudo na aba do mês em questão.

Contas no banco: concentro os pagamentos em uma conta corrente e deixo outra para poupança, com uma única movimentação mensal.

Gastos fixos X gastos variáveis: no orçamento que estabeleço no Finance Mobile, coloco as contas fixas e monto um orçamento variável com base no que gastei nos últimos meses (e procuro não ultrapassar esse orçamento). Por isso é importante anotar os gastos: para ter uma noção do quanto você gasta no dia-a-dia com tudo.

E é assim que eu organizo as minhas finanças no dia-a-dia. E você?

Categoria(s) do post: Áreas da Vida

Ok, crianças são diferentes umas das outras. Algumas crianças podem se apegar sim ao ato de dormir com os pais. Mas o que eu mais vejo por aí são depoimentos de quem fez cama compartilhada e acabou sofrendo quando o filho quis dormir sozinho ou ter seu próprio quartinho. Quem sofre mais são os pais mesmo.

É claro que, com mais de um filho, a situação pode ser diferente porque o mais velho fica com ciúme do bebê e quer ficar lá também. Mas estou supondo algo que não vivenciei, então não sei se tem validade. O que posso dizer é que nós fazemos cama compartilhada desde que o nosso filho tinha uns três meses e hoje ele dorme sozinho no berço, quando o colocamos ainda acordado. Quando acordamos de manhã, ele vem para a nossa cama apenas para curtirmos o momento gostosinho de abraços e carinhos antes de o dia começar de verdade.

The Mith Busters, você vê aqui.
Eu, Thais, digo com todas as letras que coloquei nosso bebê para dormir conosco na cama e ele não ficou acostumado, acordou chorando no meio da noite, nem qualquer outra dessas coisas que todos que nunca fizeram cama compartilhada falam. Ele dormiu com a gente, dormiu no berço, e agora dorme oficialmente sozinho. E, quando acorda de madrugada porque levou um sustinho ou por qualquer motivo, procura a chupeta pelo berço, coloca na boca e volta a dormir. Ele só acorda mesmo se estiver com fome, o que acontece somente de manhã, ou com frio (estamos nos adaptando a esse tempo novo). As coisas ficaram bem mais fáceis.

Sei lá. A gente fica cheia de neuras quando tem um recém-nascido em casa. Achei que seria bom dar uma palavra de tranquilidade para quem gosta da cama compartilhada.

Sobre as sonecas diárias, ele está passando precocemente a dormir somente uma vez por dia. Teoricamente, bebês passam a tirar somente uma soneca por dia por volta dos 18 meses. Quando ele acorda às 8h, fica com sono somente depois do almoço. Ele dorme por volta de 2h30 e, depois, só às 19h. Ele mesmo reajustou o horário. Achamos que ele estava dormindo mais tarde (20h) porque estava dormindo muito durante o dia. No entanto, se ele acorda cedo (entre 6h30 e 7h), ele fica com sono antes e a soneca dá uma bagunçadinha na rotina. Como aconteceu em todas as fases de transição para menos sonecas, passa depois de um tempo. E, como parece que o frio chegou oficialmente, acredito que ele durma com mais facilidade até às 8h e prolongue bem a soneca da tarde.
Como o mundo é feito de mudanças, vamos ver o que vai acontecer quando ele entrar na escolinha, o que pretendemos fazer até semana que vem. Depois eu conto. E ah, ele já melhorou 100%. =)

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: GTD™

Eu estava lendo uma entrevista com o David Allen (autor do GTD) e pensei que poderia escrever algumas dicas aqui.

  • Ele diz que a maioria das pessoas se perde em um buraco-negro de tarefas no mundo corporativo simplesmente porque não sabe como processar as informações que recebe. Alguém pede algo, a pessoa diz “ok, vamos fazer!”, mas não registra nada e a tarefa cai no esquecimento.
  • Outro ponto interessante é quando o entrevistador o indaga sobre “listas esmagadoras”. Para quem é desorganizado, ver listas enormes de tarefas pode parecer uma loucura, mas a verdade é que é a melhor forma de se organizar (e a mais simples). Tudo o que você precisa fazer está listado e nada cai no esquecimento. Ele também disse que se pergunta porque as pessoas usam tanto agendas, pois elas são improdutivas da forma que costumam ser usadas, enquanto as listas são muito mais fáceis.
  • Ele também fala da importância de “quebrar” grandes tarefas em tarefas menores, caracterizando-as como projetos e facilitando a execução de cada etapa. As tarefas nos confundem. Sabemos que precisamos “comprar o presente de Dia das Mães”, mas a tarefa é postergada porque ela contém umas três tarefinhas ocultas dentro dela que fazem o nosso inconsciente deixar para depois. Antes de comprar o presente, você precisa escolher o item, escolher uma loja e finalmente agendar um dia para comprar. Se você escreve que precisa simplesmente comprar o presente, não sabe por onde começar, e a pobre mamãe fica sem presente.
  • A importância de se fazer uma coisa de cada vez substituindo a crença de que muitas tarefas devem ser executadas ao mesmo tempo. Fazer muita coisa ao mesmo tempo gera dispersão. Se você puder se concentrar em algo, será melhor. Por exemplo: quando você está trabalhando concentrado e recebe um alerta de e-mail, você já se desconcentrou. Desligue o alerta de e-mail, por favor! Estabeleça um horário para ver seus e-mails, nem que seja a cada meia hora, se você for muito requisitado. Mas, enquanto estiver trabalhando concentrado, mantenha-se no foco.
  • Se você é um gestor ou coordenador, é importante ser organizado para facilitar o trabalho das pessoas que trabalham com você. Se os projetos não são claros, certamente aparecerão erros uma hora ou outra.
  • Todo mundo precisa de um sistema. Essa é para você pensar no dia de hoje.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Lazer

Quatro dias de folga não são para qualquer um. Aproveitei esta bênção que veio em ótima hora para organizar a parte de cima do guarda-roupa, que é enorme e estava cheia de coisas que eu não abria há tempos. Separei alguns artigos de cama e banho para lavar e usar no frio, além de levar bastante coisa para o escritório. Até a minha barraca de camping estava lá e, como eu não planejo acampar tão cedo com um bebê, foi para um lugar que não ocupe tanto espaço útil no dia-a-dia. As portas do guarda-roupa estão todas abertas, ventilando. Separei uma sacola gigantesca com roupas e bichinhos de pelúcia para doação e agendarei a busca para a semana que vem. Amanhã tem almoço de sexta-feira santa (bacalhau, hmm), sábado ensaio com a minha banda e domingo é Páscoa (outro almoço gostoso, nham). Vou aproveitar para organizar algumas coisas que estavam pendentes, mas pretendo descansar também.

E vocês, fazendo o que nesses dias todos?

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Áreas da Vida

Paul segue no tratamento, mas já melhorou 80%! Ainda segue com tossinhas esparsas, mas ele não está mais pálido (eu estava desesperada com isso), está dormindo bem (normalmente) e voltou com o apetite de leão habitual. A questão do apetite foi a que mais me deixou tranquila, porque ele sempre comeu super bem e de repente não queria comer. A dificuldade atual com relação à comida tem sido o leite (Ninho Fortificado), que ele não está gostando muito e recusa às vezes. Não sei se é o caso de tentar com o ninho 1, mas meu “medo” é que este não é leite em pó, mas uma fórmula distinta. O mais importante de tudo é que ele está super bem disposto e, se não fosse pela (pouca) tosse, eu diria que ele está 100%.

Foi uma pena não termos conseguido passar na pediatra segunda, pois quero que algum médico acompanhe esse tratamento, mas semana que vem iremos sem falta nem que seja no pronto-socorro. O problema desse feriado prolongado é que fica complicado pegar condução em São Paulo (o número de ônibus e metrôs diminui drasticamente e a espera é enorme – imaginem isso com um bebê). Mas o Paul está realmente melhor com o tratamento dado pela médica, então não estou mais tão preocupada, desesperada para levá-lo ao médico.

O que temos feito é dar os remédios, fazer inalação três vezes por dia, agasalhá-lo melhor (sempre está com meias, por exemplo, mesmo no calor) e evitar sair com ele de casa. No máximo damos uma voltinha na rua ou vamos ao parquinho. Pegar ônibus e metrô, nem pensar. Lugares cheios, menos ainda. Também não saímos com ele depois das 16h, porque já considero início de noite e o tempo sempre pode mudar. Está tudo indo bem e a cada dia que passa ele está melhor. Tenho certeza que até semana que vem ele estará completamente bem.

Uma coisa que me assustou ontem foi que pedimos pizza e, quando eu entrei na sala com a embalagem na mão, ele disse “papá”! Enfim, ele sabe que naquela embalagem de papelão tem coisa de comer. Tudo influencia nos nossos filhos e precisamos ter mais cuidado. Também fico me perguntando até que ponto precisamos deixar de fazer tudo o que sempre fizemos. Será que ele não tem que ser como a gente? Ainda pensando nisso com muito, muito cuidado.

O bom é que ele come bem e de tudo. É curioso com comida e o importante é comer junto com a gente. Às vezes ele não quer mais comer, então sentamos para almoçar e ele come mais um pouco, só porque também estamos comendo. Uma das coisas boas do meu emprego atual é que posso pegar um ônibus e almoçar em casa. É perto e gasto menos do que se almoçasse perto do trabalho. O fato de ter 1h30 para almoçar também dá uma tranquilidade maior. Então eu chego, dou almoço para ele enquanto o Ande faz o nosso, comemos e ainda fico brincando com ele um pouco antes de voltar. Isso mudou bastante a nossa dinâmica e estamos todos mais felizes.

Acho engraçado como o Paul não gosta muito de arroz e batata. Ele adora segurar um pãozinho francês na mão e ficar mordendo. Também adora feijão. Coisas doces, não muito. Ele prefere suco de laranja normal ao de laranja lima, por exemplo. O bom dessa idade é a liberdade e a autonomia maior na hora de se alimentar. Ele gosta de beber sozinho com o copinho e já sabe até sugar líquidos com um canudo (mas o copo precisa estar cheio). Às vezes ele tem preguiça e não segura o copinho (ainda não entendi qual é a dele). Comer sozinho, só coisinhas como pão, bolacha e frutinhas – nunca pegou a colher com a comida, por exemplo.

Ele ainda tem somente dois dentinhos embaixo. Já li que é normal etc, mas estou super ansiosa para nascerem logo os outros. E sim, já escovamos com escova e pasta. Ele adora!

A palavra que ele mais fala, disparado, é “tic tac”. Antes era só para relógios, mas agora tic tac virou gíria para tudo que o deixa feliz. Se ele acorda de manhã, fica de pé no berço, olha para a gente e diz: “tic tac!”. Se a gente acende a luz, é tic tac. Tudo é tic tac. A gente até brinca dizendo “nossa, que palavra nova você aprendeu!”, haha. Ele também fala “mamã” em momentos críticos (tipo querendo sair do berço), “papá” (serve para comida e papai mesmo), “titi” (titio), “bobó” (vovó), “ah” (água), “tetê” (leite) e os comuns “nananá” e “dadadá”. Tem também o “buddy” (genérico).

Apesar de ficar de pé e andar se segurando e apoiando nos móveis, ele ainda não está andando sozinho e fica poucas vezes de pé sem se apoiar. Eu nunca vi (mimimi), só o Ande. Mas ele continua engatinhando super rápido. Talvez por isso ele não tenha andado ainda – é mais rápido fazer do jeito que ele já sabe. Minha avó deu de presente de aniversário para ele um carrinho de sorvete de madeira, para ele empurrar. Tivemos que colocar algumas revistas dentro para ele não cair (ele estava se apoiando em vez de empurrar), mas ele já está pegando o jeito.

Carrinho igual ao dele.
Os picolés de madeira são um barato!

O sono dele finalmente voltou ao normal e, como sempre, ele alterna o berço com a nossa cama. Pega no sono com ou sem a gente e agora já pede para dormir, o que eu acho fofo. Nós o colocamos no berço depois do banho e ele dorme até umas 23h, quando damos a mamada dos sonhos (às vezes ele acorda, mas na maioria das vezes não), e a novidade é que ultimamente ele tem rejeitado essa mamadeira, mesmo dormindo. O problema disso é que ele acorda chorando muito mais desesperado de manhã, pelo que eu reparei. O horário oficial do despertar é às 7h. Se ele dormiu ou se cansou muito na noite anterior (se teve um aniversário, por exemplo, ou dificuldade para dormir, por causa da tosse), acorda mais tarde, mas dificilmente passa das 9h. Aliás, nem lembro a última vez que aconteceu. Atualmente, ele dorme no máximo até umas 8h ou 8h30.

Como todo bom ariano, ele é nervosinho e reclama demais se tiramos algo dele ou não o deixamos fazer algo. E a obediência não é o maior forte dele – se ele vai fazer algo errado (apertar o botão da TV, por exemplo), fica olhando para a nossa cara, como querendo dizer: “não sei se vocês estão sérios ou brincando, mas eu quero pagar pra ver porque eu sou safado”. Isso resume. Nós colocamos protetores de quinas no rack da TV e ele arrancava todos e jogava longe. Precisamos colar com super bonder porque as quinas eram realmente perigosas.

Ele nunca foi muito fã de TV, mas agora presta atenção durante uns 5 minutos se deixamos em algum canal de desenhos (Discovery Kids). Mas ele não curte ficar olhando muito tempo para o mesmo lugar, então logo se distrai. Aquela coisa de a criança ficar quietinha vendo TV não rola com ele. Talvez sdeja fase, não sei, mas ele nunca se interessou muito.

Os brinquedos preferidos dele são: a bola gigante (temos uma bola transparente grandona que ele ama de paixão), um joão-bobo do ursinho pooh e (graças) todos os livros de brinquedo que ele tem. Ele é simplesmente apaixonado por livros e gosta de ver mesmo – vira as páginas, aponta os bichinhos e aperta os botões que soltam sons. Isso me deixa super orgulhosa. Outro dia fomos até a Livraria Cultura e ele passeou alegremente comigo pelos corredores, cantando feliz. Achei tão bonitinho e espero mesmo que ele puxe a mim nesse aspecto, já que o Anderson nunca foi fã de leituras.

Uma coisa bacana que ele já sabe é identificar coisas e palavras, fazendo comparações. Se mostramos um bebê segurando uma bola no livrinho, por exemplo, e perguntamos “onde está a bola do Paul?”, ele já olha para o canto onde está a bola. E ele também vira as imagens para o lado correto. Se você mostra um livrinho com a mamadeira de cabeça para baixo, ele vira do jeito certo.

Ele aprendeu a descer de costas dos lugares onde ele está, o que dá uma tranquilidade enorme. Mas nunca, nunca o deixei sozinho em cima da cama. Ainda não dá, tenho medo. Ele joga o bumbum pra trás com tudo na hora de sentar e eu tenho medo que ele dê uma cambalhota involuntária, rs.

E ele finalmente sabe pegar, virar e posicionar a chupeta sozinho! Demorou para ele fazer isso, mas ele finalmente sabe pegar a chupeta quando cai da boca dormindo e colocar de volta. A Tracy Hogg disse que isso ocorria por volta dos 10 meses, mas é claro que cada bebê é diferente e tem seu tempo. Com o Paul foi agora, aos 12 meses.

A música preferida dele atualmente é “brilha brilha estrelinha”. Considero preferida aquela música que, não importam as condições, quando alguém canta ele para na hora e fica curtindo. Isso quando ele não fica inclinando a cabeça de um lado para o outro, num excesso de fofura. Eu sempre me derreto quando ele faz isso. A outra coisa fofa que ele gosta de fazer é jogar tudo (tudo) para fora do berço quando ele acorda, como se fosse um ritual. Ele pega coisa por coisa: manta, travesseiro, cobertor, e joga no chão. Todo dia.

Espero que no próximo post ele já esteja 100% bem. Boa Páscoa para vocês!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Áreas da Vida

E a tosse do Paul virou um princípio de pneumonia.
Sábado o Ande passou o dia todo com ele no hospital fazendo exames. Eu só fiquei sabendo quando cheguei na casa da mãe dele (teria a festinha de aniversário, lembram?). Ele não me avisou para eu não ficar preocupada. Fiquei brava, mas ok. A tosse dele piorou muito e o raio-x mostrou mostrou os pulmões com secreção. =/ Já chorei umas 15 vezes desde então, mas o negócio é sacudir a poeira e dar sequência ao tratamento.

Ele está tomando quatro remédios. Dentre eles, um antibiótico (amoxicilina), seu primeiro. Não me perguntem o nome dos outros, que eu não me lembro de cabeça. Mas isso significa tomar remédio durante o dia todo e durante a madrugada, além de fazer inalação três vezes por dia. No começo foi difícil, porque ele não parava quieto, mas descobrimos que ele podia fazer a inalação com a chupeta. Agora ele já se acostumou e ontem acabou dormindo durante a coisa toda. Tem sido cansativo acordar de madrugada – parece o começo, quando ele era RN, mas estamos caminhando. Hoje fui almoçar em casa e ele estava super bem disposto e tossindo menos. Estava com uma carinha ótima. Tenho certeza que ele ficará bem em menos de uma semana.

O que me deixa mais chateada é que hoje ele tinha pediatra e, depois de 40 minutos na espera, avisaram que ela não iria. Resumindo: tanto o convênio quanto o SUS são a mesma coisa. Adoro o Brasil. Adoro mesmo. Primeiro, que no pronto-socorro do convênio semana passada, a médica disse que a tosse dele era de gripe e passou um xarope que não adiantou nada (e não pediu um raio-x). Daí, hoje a pediatra do posto não foi. Já é a segunda vez. Era para o Paul ter passado com ela em março, daí ela não foi e marcaram para hoje. Não foi de novo. Eu queria muito saber quanto ele está pesando porque acho que ele está perdendo peso. Com a gripe + tosse, ele está se alimentando muito mal, não quer nem leite direito. E essa consulta era importante porque ela também o encaminharia para o pneumo, enfim…

Não estou muito legal hoje. Só quero que ele fique bem logo.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais

Logo pela manhã, já listo as pendências da semana e vejo o que precisa ser resolvido no dia e o que pode ser deixado para a semana que vem. Organizo as tarefas e separo nas tradicionais tags do GTD: delegar, responder (e-mails), telefonar, ler, fazer.

Ao longo do dia, vou eliminando as pendências e riscando tarefas da minha lista. É claro que novas tarefas surgem, então vou administrando.

Faltando 1h para o final do expediente, faço um levantamento do que foi feito, do que não foi feito e porquê. Converso com quem ficou com alguma tarefa delegada e vejo o status dessas ações.

Faço um levantamento dos compromissos do final de semana e planejo rapidamente como serão os dois dias. Atualizo a minha agenda. Faço novas listas.

A ideia é chegar na segunda-feira com sensação de dever cumprido e com todas as informações organizadas para começar já no pique.

Isso é a minha sexta-feira. E a sua?

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Áreas da Vida

1 ano.
1 ano.
1 ano.

Meu filho hoje completa 1 ano de idade. O primeiro aniversário.

Eu sou mãe há 1 ano. Ou há 1 ano e 9 meses, é claro.

A vida é mesmo uma loucura.

Hoje o Paul vai abrir alguns presentes. Amanhã vamos para a casa da minha sogra fazer a festa 1. Daqui a alguns dias, a festa 2.

Se eu estou feliz? Nem consigo descrever.

Prometo que depois escrevo direitinho sobre o desenvolvimento dele com 1 ano. Hoje é sexta, estou cansada (sim, trabalho) e ansiosa para vê-lo logo. Vocês me perdoam? Só não queria deixar a data passar em branco no blog.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Casa

Algumas cozinhas organizadas para inspirar você.

Muitos utensílios, porém todos organizados e arrumados em seus devidos lugares. Atente para a solução encontrada para as canecas e como os pratos ficam facilmente acessíveis.
Quem tem cozinha estreita pode fugir do padrão e customizar de forma fofa.
Fora do comum: parede preta, abajour e pia pequena.

Veja mais cozinhas organizadas aqui.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Rotinas

Poucos dias antes de completar um ano de idade, segue nossa rotina.

07h00 – Acordo com o Paul e faço a mamadeira dele (270ml). Às vezes ele nem abre os olhos – às vezes acorda feliz e tagarela, já querendo brincar. Depende muito do clima e do nível de agitação no dia anterior.

07h30 – Eu vou tomar banho e papai desce para a cozinha para fazer o café-da-manhã. Se o Paul não acordou, papai e ele seguem dormindo e eu me viro. Quando é assim, ele acorda no máximo às 9h, mas ultimamente tem acordado por volta das 8h.

08h00 – Tomamos nosso café-da-manhã e o Paul come uma frutinha. Ele tem estado bem enjoadinho para comer nos últimos dias e eu estou achando que os dentes de cima estão nascendo (mais para a frente eu digo o motivo).

08h30 – Saio de casa para trabalhar e o papai fica com o Paul.

09h30 – Se ele acordou às 7h, primeira sonequinha do dia. Se acordou às 9h, vai dormir somente por volta das 10h30.

10h30 – Fim da primeira sonequinha do dia. Hora da frutinha.

12h00 – Almoço. Ele não quer mais “comida de bebê” e come muito menos se não for “comida de verdade”, tipo arroz, feijão, carne, batata. E adora sucos cítricos – quanto mais azedo, melhor. Puxou a mim. Limão, laranja, maracujá.

14h00 – Mais ou menos o horário da segunda soneca. Depende bastante do sono da manhã. Ele toma uma mamadeira antes (240ml). Ele não precisa dessa mamadeira, mas meu instinto dizia que ele estava tomando pouco leite, então achei melhor manter antes da soneca porque ele toma e dorme.

16h00 – Acorda, come alguma papinha doce ou fruta e sai para passear com o papai.

18h00 – Janta. A gente não dá feijão de noite porque ele fica com gases, então geralmente é sopinha pastosa, com pedaços. Ele come bem e, às vezes, come uma fruta de sobremesa.

18h30 – Brinca com a vovó.

19h00 – Banho.

19h30 – Chego em casa entre 19h30 e 20h e, se der sorte, ainda o pego acordado. Se ele dormiu até mais tarde (até umas 17h), ele acaba indo dormir depois das 20h, então consigo ficar um tempo brincando com ele.

20h00 – Toma uma mamadeira (240ml) e dorme. Como eu disse, às vezes ele dorme por volta das 21h. Quando eu fico com ele o tempo inteiro (tipo quando o Anderson vai tocar no sábado), consigo colocá-lo para dormir às 19h e ele vai até às 7h, com a mamada dos sonhos às 23h. Como o Anderson tem a própria maneira dele de fazer as coisas, algumas vezes o Paul vai dormir mais tarde.

23h00 – Ele ainda toma a mamada dos sonhos. Algumas vezes, quando ele vai dormir mais tarde, e se o dia foi muito agitado, ele dorme de tal jeito que fico até com dó de tirá-lo do berço para dar a mamadeira, então ele vai direto. No entanto, eu prefiro dar essa mamadeira antes de irmos dormir, porque aí fico mais tranquila. Então entre 23h e 01h (dependendo da hora que ele mamou por último e nós estamos indo dormir), nós damos a mamadeira com ele dormindo.

Desde quinta-feira, ele está um tanto enjoado para dormir e comer. Achamos que fosse gripe (minha avó, Ande e eu ficamos gripados), mas se foi, passou rápido. No sábado, ele ficou com tosse e acordou várias vezes. A última noite foi muito difícil, porque ele acordou chorando de repente muitas, muitas vezes. Sim, estou um caco, como podem imaginar, mas acredito que sejam os dentes de cima nascendo. Primeiro, que já passou da hora desses dentes nascerem (ele só tem dois embaixo). Segundo, que eu me lembro de ele ter ficado mais ou menos do mesmo jeito quando os primeiros dentinhos nasceram. Logo… vamos aguardar.

Ah, importante: ontem começamos a dar leite Ninho na primeira mamadeira da manhã, para ver se ele terá alguma reação etc. Ele tomou normalmente e está ok. Estamos fazendo isso para fazer a transição entre o NAN 2 e o Ninho, que ele passa a tomar depois de completar um ano de idade.

Ontem fez um ano que o meu pai morreu, mas eu não queria falar muito sobre isso para não ficar triste. Depois que as pessoas morrem elas viram só isso mesmo – uma lembrança. =/

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.