Categoria(s) do post: GTD™

Hoje eu estava lendo o artigo sobre produtividade zen do Augusto Campos e lembrei que queria falar sobre o assunto aqui. Desde que me tornei mãe, descobri que era questão de sobrevivência e saúde (mesmo) fazer apenas o que for essencial e não me sobrecarregar de tarefas, porque todas se intercalam e chega uma hora que você fica muito estressado. As dicas gerais então são:

  • Tenha poucas prioridades. Dê um jeito. Se você tem 17 coisas importantes para resolver em uma semana, com certeza fará tudo de qualquer jeito ou não resolverá metade. Escolha três para fazer e adie o resto para a outra semana. Melhor fazer bem feito e se estressar do que ter um infarto.
  • Concentre-se no que está fazendo. Isso, alías, é máxima budista: se estiver comendo, coma; se estiver lendo, leia; se estiver dormindo, durma. Não faça mil coisas ao mesmo tempo. Já foi provado que ser multitarefa apenas acaba com a qualidade do seu trabalho.
São as duas dicas que eu compartilho com vocês hoje. Pare um pouco aí no meio das tarefas que estão te afogando, respire e se organize melhor. Questão de saúde.

“Muito do estresse que as pessoas sentem não vem de terem coisas demais para fazer. Ele vem de não terminarem o que começaram.” – David Allen, autor do sistema GTD

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Lazer

A Martha Stewart já divulgou algumas ideias para Páscoas festivas. Seguem algumas delas:

Cores pastéis, verde, amarelo, branco e rosa, que não está na foto mas é frequente.
Fácil de fazer: jogo americano de algodão.
Para decorar.
Ovos decorados: adoro!
Árvore de ovos. Imagine decorar com chocolate. Nham!
Olha que MIMO essa cestinha de flores!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Áreas da Vida

Meudeus, hoje o Paul completa 10 meses de idade! Eu quase não escrevi no blog desde que ele completou nove. Ai… Reli o post do mês anterior para comparar as mudancinhas na nossa vida e percebi que as maiores mudanças aconteceram pelo fato de eu ter começado a trabalhar fora. Ele ficou com o sono perturbado durante algumas noites, o que já foi establizado. Agora ele vai dormir por volta das 20h e acorda somente às 7h30 (religiosamente), quando damos leite e ele dorme mais 1h30 ou 2h. Ele nem abre os olhos – só se contorce e chora um pouquinho, o que é o sinal característico de fome. Às vezes ele inclusive pula a mamada dos sonhos, que estávamos dando entre meia-noite e 1h. Ontem mesmo ele estava dormindo tão bem que não precisamos dar. Só damos quando ele fica virando para lá e para cá ou solta alguns chorinhos dormindo. Parece que está querendo dizer que está com fome mas não quer acordar.

Com relação à quantidade de leite, sempre fazemos oito medidas (240ml). Às vezes ele toma tudo, às vezes não. Ele toma uma mamadeira quando acorda, outra no final da tarde (se for o caso, mas geralmente conseguimos substituir essa por frutas e outros alimentos), antes de dormir (por volta das 19h30) e entre 23h e 1h da manhã. A madrinha dele comentou comigo que acha que é pouco leite, e eu até concordo, mas foi indicação da pediatra. Ela disse que é importante substituir o leite por sólidos para ele estar se alimentando normalmente quando completar 1 ano. E ele come bem – esse mês, foi liberado ovo, mas tive medo de dar. Acho que agora, com 10 meses, vou experimentar para ver se ele gosta. Fazemos assim: quando ele acorda, por volta das 9h, toma um “café-da-manhã”: fruta com suco. Por volta das 11h, se ele não estiver dormindo (tem dias em que isso acontece), ele já almoça. Se não, só quando acordar, por volta do meio-dia. Antes da soneca da tarde, ele come mais uma frutinha ou papinha doce. Água e suco, oferecemos o tempo todo. Entre 17h30 e 18h, janta. Duas horas depois, toma o leite e dorme.

Ele não está andando e ainda fica todo balançando quando o colocamos de pé, apesar de se levantar bem sozinho e se segurar com uma mão nos móveis. Já até arrisca uns passinhos se apoiando no sofá ou qualquer outro objeto, mas não sozinho. Minha prima acha que ele não está andando porque se acostumou a engatinhar, o que pode ser. Ele engatinha muito rápido!

Curiosidades gerais:

– Ele fica fascinado pela máquina de secar roupa. Quer chegar perto, fica olhando obcecado, mas agarra a gente com força, como se estivesse com medo, e dá risada. É uma relação de amor e ódio, eu diria.
– Ele descobriu que existe um ralo no box do chuveiro e que pode enfiar os dedinhos ali. Já puxou a tampa umas quatro vezes e a gente precisa sempre tampar com alguma coisa durante o banho para ele não pegar. Dar banho na banheira já está até perigoso, pois ele fica se jogando para fora, tentando achar o ralo. Vou comprar um daqueles tapetes anti-derrapantes pra já deixar por lá.
– Aprendeu a letra L. Tudo agora é “eeellleee”.
– Já sabe dar tchauzinho com as duas mãos (ele abre e fecha, em vez de acenar).
– E a mais legal de todas: se você pede para ele dançar, ele dança! E é muito engraçadinho! Fica se balançando para frente e para trás.

Meu amorzinho. Morrendo de saudades no decorrer do dia.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Carreira, Rotinas

Manter a vida organizada é um eterno desafio porque as situações mudam e precisamos adaptar o tempo todo. Hoje mesmo: agora é mais de meia-noite e eu estou postando no blog. Por quê? Simplesmente porque o meu filho está com tosse e acordando a cada tossida. Preciso ficar de olho nele e, mesmo revezando com meu marido, é cansativo para todos. Como manter a ordem em meio ao caos, então?

Quando nosso filho nasceu, foi necessária uma verdadeira revolução na nossa rotina para nos adaptarmos – o que é comum a todos os pais. Quando eu voltei a trabalhar, eu entrei na categoria “mães que trabalham fora” e pude sentir na pele o drama de muitas mães que não sabem como se organizar no dia-a-dia. Não é fácil, demanda disciplina, força de vontade e desapego.

Desapego porque você precisa aceitar que a casa não ficará perfeita na maior parte do tempo, a roupa do seu filho nem sempre estará combinando e recolher os brinquedos somente uma vez por dia não fará mal a ninguém.

Depois que voltei a trabalhar fora, retomei um hábito que tinha abandonado faz tempo: organizar minha agenda de acordo com os horários. Aquela coisa de fazer determinada tarefa das 7h às 7h30, por exemplo. Nunca gostei de me organizar assim porque é um sistema de certa forma inflexível, mas hoje em dia é fundamental para o bom andamento de tudo em minha vida.

Algumas coisas que eu aprendi nos últimos dias:

– Separe sua roupa na noite anterior. Não importa o quão cansada você esteja, é sempre melhor fazer isso antes de dormir a perder tempo pela manhã. Eu não sei vocês, mas eu perco um bom tempo fazendo isso, então se deixar para fazer de manhã eu realmente vou me atrasar e me desesperar.
– O mesmo vale para a bolsa: deixe tudo pronto ou separado. Se precisar usar algo antes de guardar, deixe um papel com uma listinha do que não pode esquecer em cima. Geralmente eu faço isso com o celular, que deixo carregando em outro lugar.
– Planeje o cardápio da semana com antecedência e faça todas as compras pensando nele. Pense não só nas refeições principais, mas nos lanches. Deixe tudo separado na noite anterior.
– Divida as tarefas com as outras pessoas que moram com você, claro. Ninguém é obrigado a fazer nada sozinho pelos outros.
– Crie uma lista de tarefas diárias – aquelas que, se você não fizer, a casa fica sem condições. Eu mantenho tudo bem simples, como arrumar as camas, trocar as lixeiras, lavar a louça e outras tarefas do tipo. Isso manterá a sua casa em ordem durante toda a semana.
– Não vai dar para fazer tudo ao mesmo tempo. Tenha prioridades.

Veja também um post que fiz com 15 dicas de produtividade para mães que trabalham fora.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Casa

Não importa o tamanho do espaço: todo mundo tem em casa um protótipo de home office onde fica o computador, um abajour, o telefone, a pastinha de contas ou simplesmente uma pilha de papéis, envelopes e anotações sem sentido. Eu vi essa matéria hoje no Apartment Therapy e quis compartilhar com vocês algumas impressões, meique pra voltar a escrever no blog, que estava um pouco abandonado desde que comecei a trabalhar em um novo emprego.

Um canto para chamar de seu.

Para ter uma mesa decente no seu home office, você precisará de:

– uma mesa que não seja tão pequena a ponto de caber somente o monitor e o teclado do seu computador. lembre-se que você precisa de apoio para blocos de notas e papéis diversos, além do celular e outros itens;
– uma cadeira confortável. eu doei a minha (não me lembro exatamente porque, no momento) e achei que me viraria com um banco retrô enquanto não comprasse outra cadeira. não façam isso! basta meia hora para me deixar com uma dor na coluna horrorosa e fazer do dorflex meu melhor companheiro na hora de dormir;
telefone, nem que seja seu celular.
– uma caixa de entrada. compre uma básica de dois andares (entrada e saída) e nunca mais deixe papéis espalhados pela mesa inteira. pense assim: por mais que você goste de amontoar papéis e não tenha paciência para organizá-los assim que cheguem até você, pelo menos centralize todos em um só lugar. bagunça é ruim, mas bagunça espalhada é um pouco pior;
bloco de notas e duas canetas, porque ninguém merece uma caneta que não funciona quando precisa anotar alguma coisa importante. isso nos leva ao porta-canetas também;
post-it, para recados emergenciais;
– uma luminária eficiente para você conseguir trabalhar à noite sem uma luz chapada na sua cabeça (e sem atrapalhar a pessoa que estiver dormindo no mesmo cômodo, se o computador ficar no quarto);
– um vasinho feliz, porque uma planta alegra qualquer ambiente;
– um ou mais quadrinhos na parede em frente, especialmente se tiver uma foto do seu filho, da sua família, dos seus amigos, de uma viagem bacana…
– um calendário, para você não depender do computador ligado para conferir alguma data importante;
– um porta-copos, para lembrar você de tomar café.

E você, o que acha essencial em uma mesa de home-office?

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Trabalho

Nós já estamos procurando uma boa escolinha para o Paul, mas está muito difícil encontrar algo que se encaixe dentro do que podemos pagar. Não passamos necessidades com relação ao dinheiro, mas não somos ricos. O bairro onde moramos é considerado “bairro de elite” em São Paulo. Já foi mais, mas ainda é. Por esse motivo, todas as escolinhas são demasiadamente caras. Existe uma escolinha na rua da nossa casa, o que seria uma facilidade enorme no dia-a-dia, mas a mensalidade é de R$1680 (período integral) e R$1050 (período mínimo de 4h diárias). A escolinha mais barata fica a três quadras de casa e custa quase $900 (período integral) e quase $600 (período mínimo de 4h diárias). Não sei de onde tiram esses valores, mas acho fora da realidade demais. Como pode uma faculdade custar $300 e um berçário passar de mil reais? Ok, não se comparam os cuidados com relação à faixa etária dos alunos, mas mesmo assim. E ah, esqueci de comentar que toda a alimentação é cobrada a parte em todas as escolas pesquisadas. Ou levamos de casa, ou pagamos separado.

A solução no momento, então, é visitar as escolinhas existentes e já ter uma em vista para, quando o Anderson voltar a trabalhar, dividirmos o valor das mensalidades.

Acho ótimo o Paul estar em uma escolinha com bastante gente preparada ao redor e crianças para ele interagir. Porém, se pudesse escolher, preferia colocá-lo somente quando já estivesse se comunicando bem, para contar como foi. Como o mundo ideal não existe, vamos levando da forma como dá.

Uma coisa que tem influenciado muito no meu dia-a-dia é que, trabalhando fora, escrevo menos em meus projetos pessoais, pois dedico praticamente todo o meu intelecto aos textos do trabalho novo. Quem trabalha escrevendo sabe como é difícil pular de um assunto para o outro, desligando o anterior com rapidez, mas tenho conseguido dar conta. Eu gostaria de escrever mais aqui, colocar logo no ar meu novo site sobre maternidade, atualizar diariamente o Vida Organizada etc, mas enquanto eu não pegar esse novo ritmo, estou reduzindo minhas atividades ao mínimo para não ficar estressada. Hoje mesmo estou dando uma maneirada no café porque ontem consegui pegar no sono somente depois das 3h da manhã. Eu sou extreme viciada em café e, se eu bebo um pouco, dá vontade de ficar bebendo o dia inteiro. Por isso, tento não beber uma só vez. É tipo ex-fumante, que não pode sequer sentir o cheiro de cigarro. O bizarro é que eu só gosto de beber café quando estou escrevendo. Nunca fui fã de pedir um cafezinho depois do almoço no restaurante, por exemplo.

Minha rotina diária agora é a seguinte:

07h30 – acordo e faço a mamadeira do Paul
08h30 – saio para trabalhar
18h30 – volto para casa
19h00 – tomo banho junto com o Paul
20h00 – coloco o Paul para dormir
21h00 – janto
22h00 – assisto TV ou vejo um filme para desestressar
23h00 – vou para a cama tentar dormir em um horário decente

Como vocês podem ver, não sobra muito tempo para tarefas adicionais. O que eu faço é encaixar o que for mais importante nos horários vagos, tipo 15 minutos aqui e outros ali. Mas é bem difícil. Demora um tempo até eu me adaptar ao dia-a-dia novo. Bom, ser organizada deve servir para alguma coisa nessas horas, afinal.

Duas coisinhas sobre o Paul ultimamente: aprendeu a estalar os lábios quando mandamos beijinho para ele (ele bem tenta, mas só consegue estalar) e descobriu que adora destruir a torre de blocos que a mamãe monta – tarefa que faz com um sorriso insolente no rosto. Aparentemente, terá vocação para terrorista.

Conseguimos (meio que finalmente, pois temos tentado desde os seis meses) reduzir as mamadeiras diárias de quatro para três. Agora ele só toma leite quando acorda, antes de dormir às 19h ou 20h e na mamada dos sonhos (que temos dado quando vamos dormir, entre meia-noite e 1h da manhã). Foi difícil tirar a mamadeira da tarde (por volta das 16h), mas conseguimos, já que agora ele tem comido mais. Especifico melhor tudo isso em um futuro post.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Trabalho

Muita gente tem me perguntado com quem o Paul fica durante o dia enquanto eu estou trabalhando. Achei que tivesse comentado no outro post, mas ele está com o pai dele. O Anderson saiu do emprego que ele tinha por diversos motivos: falta de perspectiva, trabalhava aos finais de semana, o salário não compensava tanto etc. Como ele é principalmente músico, o que ele está ganhando com as bandas é o suficiente por enquanto, somado ao meu salário. Claro que não é a situação ideal, mas combinamos assim: ele fica com o Paul durante esse começo, para economizarmos o dinheiro da escolinha, então podemos cuidar desse assunto com mais calma. As opções perto de casa são bem caras e eu ainda não visitei nenhuma para conhecer a metodologia, por exemplo. Estamos fazendo tudo aos poucos porque temos bastante coisa para organizar depois de eu ter ficado mais de um ano trabalhando somente em casa e esse início está sendo encarado como uma reestruturação mesmo.

Paul tem dormido incrivelmente melhor no berço que com a gente, mas em determinado momento da noite ele vem para a cama ficar conosco. Hoje olhei no relógio quando ele deu a resmungada rotineira e eram seis e pouco da manhã já! Ou seja: se fosse necessário acordar esse horário, ele acordaria. Porém, é só pegarmos, colocá-lo na cama e ele dorme mais um tempinho. Costumamos dar uma mamadeira nesse horário, pois ele acaba dormindo mais. Já tentei acordá-lo, para falar a verdade… e continuar investindo na rotina da Tracy Hogg, mas ele chora de sono mesmo! Então prefiro que ele durma mais um par de horas e fique bem-humorado – e o Anderson também! Como eu estou acordando cedo de qualquer forma, não faz tanta diferença para mim, mas para ele sim.

Prefiro colocar o Paul na escolinha a curto prazo, pois tenho a preocupação de somente eu estar trabalhando com um salário fixo e também quero que ele aprenda a interagir com outras pessoas. Fora que ter diversas pessoas preparadas cuidando dele é bem válido, se for uma boa escola – e eu não vou colocá-lo em uma escolinha ruim. Não estamos com pressa, no entanto, portanto acredito que faremos a escolha certa.

Outra pergunta que algumas pessoas têm me feito é sobre a necessidade X vontade de trabalhar. Recebo e-mails fervorosos de defensoras da maternidade em tempo integral que acham “um absurdo” eu “abandonar” meu filho “tão novo” apenas por “ambição profissional”. Minha gente, eu realmente deveria discutir sobre esse assunto? Cada mãe tem o direito de escolha. Algumas não têm – isso significa que, ou elas trabalham, ou não têm como pagar o aluguel ou qualquer outras contas que as pessoas da vida real precisam pagar. Se você não precisa trabalhar, pois tem uma fonte de renda diversa (nem que seja o salário do seu marido) e, dentro dessas condições, não quer trabalhar, por razões inúmeras, e isso funciona para a sua família, ótimo! Mas existe uma parcela de mães que, acreditem se quiser, gostam de trabalhar, não somente pela satisfação pessoal e profissional (o que já seria um excelente motivo), mas porque querem aumentar a renda da sua família. No nosso caso, é uma mistura das duas coisas. Trabalhar em casa estava sendo ótimo, mas eu não estava produzindo tanto quanto deveria e achei que tanto o Anderson quanto eu poderíamos tomar decisões mais acertadas. Ele estava em um emprego não tão legal (como já falei lá em cima) e eu, que sou formada e tenho uma carreira, estava deixando de trabalhar em alguma agência que poderia me pagar mais do que ele recebia, além de estar morrendo de vontade de voltar a estudar. Conversamos muitas vezes sobre isso até eu finalmente conseguir um bom emprego na minha área e colocarmos os planos em prática.

Eu gosto muito do meu trabalho e tem feito um bem enorme para nós! É claro que sinto saudades do meu filho, mas sei que ele está sendo muitíssimo bem cuidado pelo pai dele e, quando chego em casa, aproveito totalmente os momentos que passamos juntos. Faço questão de dar banho, brincar bastante com ele e colocá-lo para dormir. Ainda estamos em fase de adaptação, mas não costumo ser pessimista nem ver somente o que está acontecendo “de ruim”, pois precisamos lidar com tudo. Muitas mães voltam a trabalhar quando seus filhos têm menos de quatro meses e não há choro nem vela, porque elas precisam do emprego. A adaptação não precisa existir? Claro que sim. Não acho certo cair no drama e monopolizar a criança. Nunca fui daquelas mães que dizem que abriram mão de suas vidas para cuidar dos filhos. Nada contra, mas eu sempre achei que mães felizes criam filhos felizes. Cada mãe deve fazer o que o seu coração mandar e sua situação permitir. E ponto final.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Áreas da Vida

Estou recebendo tantos e-mails de pessoas querendo acessar o blog que estou achando mais fácil deixá-lo público novamente. Eu estou fazendo o outro site mas, sinceramente, depois que comecei a trabalhar, já deu para perceber que vou ter que cortar todo tipo de atividade extra que eu puder, senão vou pirar. Vou colocá-lo no ar, mas parei de correr com isso. Está longe de ser prioridade.

O blog estava indisponível nesse meio-tempo porque estava passando os posts para o site (ele ficaria dentro desse novo servidor), mas decidi primeiro fazer o site separado e, enquanto isso, continuar com o blog por aqui mesmo. Até pensei em voltar com o endereço anterior, mas depois vem o desfralde e ele não servirá mais. E também fiquei com um pouco de dó de me desfazer deste “songs for Paul”, porque acho que tem mais a ver.

Depois venho com mais calma escrever sobre os últimos dias do Paul.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Trabalho

Depois de um batalhão de entrevistas, finalmente fui chamada (não para um, mas para TRÊS empregos) e comecei hoje! O emprego só não é perfeito porque paga menos do que eu ganhava anteriormente, mas as vantagens são maiores, vejam:

– Demoro 10 minutos para chegar e voltar A PÉ. Sim, é pertíssimo de casa e não dá tempo de escutar nem quatro músicas inteiras no ipod.
– Há duas praças no caminho, que é bem tranquilo (exceto quando aparecem uns tipos estranhos, mas não tem como fugir do fato). Dá para curtir a natureza e conversar com os cachorros nas casas.
– É uma agência grande, com cerca de 50 pessoas, e que atua em diversas áreas (digital, eventos, vídeos e impressos). Dá para mudar de cargo lá na frente, se for o caso. E tem clientes ótimos, como Vivo, Telefonica, Nestlé, Laka, Natura…
– Entrei para trabalhar com mídias sociais, que é definitivamente o campo de atuação que quero trabalhar no momento.
– Há uma cozinheira fazendo comida caseira na agência. Não preciso nem sair para almoçar. E toda sexta tem churrasco.

Disso tudo, o único ponto ruim é o salário (que também não é ruim, só é abaixo do que eu esperava), mas depois de balancear tudo, vi que valeria a pena. Eu estou há mais de um ano fora do mercado de trabalho e fiquei com um medinho de não conseguir trabalhar, mas deu tudo certo.

Os outros dois empregos que eu fui chamada eram muito bons, mas não eram perto de casa. Se o Paul precisar de mim, estou aqui do lado e isso conta mais do que tudo. Vou começar a fazer a pós-graduação ainda nesse semestre e pretendo trabalhar lá ao menos até concluir o curso. O Paul terá mais de três anos e nesse meio-tempo vamos planejando o que fazer, veremos a compra do carro com calma e tudo o mais.

Estou muito feliz e minha cabeça é outra depois de tudo isso que está acontecendo!

E o Paul, que sempre foi tão independente, está sentindo. Ontem precisei ficar fora o dia todo resolvendo algumas coisas antes de começar a trabalhar e ele ficou grudado do momento que eu cheguei até a hora de dormir. Acordou de madrugada e só parava de chorar se eu ficasse abraçada com ele. Não dormia – queria ficar olhando para a minha cara, fazendo carinho na minha mão e dando sorrisos. Hoje, quando eu cheguei, ele não queria que mais ninguém o pegasse no colo, só eu. Grudava e não queria mais sair. Agora ele está dormindo (no berço), mas vamos ver como será durante a madrugada. Essa semana alguém comentou que ansiedade da separação era mais difícil que qualquer salto, e é verdade. Ainda mais coincidindo comigo voltando a trabalhar fora. Precisamos ter paciência. Hoje fiz questão de ficar com ele desde a hora que eu cheguei – dei banho e coloquei para dormir (fez escândalo porque queria ficar acordado comigo! ficava “mamamamamama”). Acho que aos poucos vamos nos adaptando.

Segunda ele teve consulta com a pediatra e está bem. Cresceu 4cm e está pesando 9400g. Eu acho que ele está crescendo muito rápido agora!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.