ou

Viver uma vida com tranquilidade é uma arte e, como toda arte, uma habilidade a ser desenvolvida por toda a vida.

O que é o estresse? “Estado gerado pela percepção de estímulos que provocam excitação emocional e, ao perturbarem a homeostasia, levam o organismo a disparar um processo de adaptação caracterizado pelo aumento da secreção de adrenalina, com várias consequências sistêmicas.”

O estresse é sempre ruim? Não necessariamente. Mas, hoje, o que as pessoas vivem é uma situação de estresse constante advinda de coisas como: relacionamentos conturbados, excesso de trabalho, preocupações, filhos com problemas, muitas atividades, pouco sono, alimentação de qualquer jeito, ausência de atividade física e momentos de lazer, além de outros fatores.

Este post traz então um guia prático para você ter menos estresse. Aceita o desafio? Vamos lá!

1. O mundo não coloca limites

Você coloca. E, se não colocar conscientemente, seu corpo vai te forçar a colocar. Só que você não precisa esperar isso acontecer para tomar essa providência. Se você tivesse um infarto hoje e tivesse que ficar de repouso durante um mês, como ficaria o seu trabalho? O que pode ser delegado? O que pode esperar? Se você pudesse trabalhar apenas duas horas por dia, quais seriam as tarefas que você priorizaria? E veja: você não precisa passar por uma situação urgente de saúde como essa para fazer essa seleção. Reflita sobre as perguntas acima e comece já.

2. Você não precisa resolver tudo

Sabe o abraço do afogado? Não adianta você querer salvar o colega que está se afogando ao seu lado se você mesmo não sabe nadar. Ambos vão se afogar. Ajudar os outros é louvável – eu tenho isso como princípio de vida. Mas eu também sei que, para ajudar, preciso estar bem. Não adianta querer ser a mãe do ano amamentando o bebê sem dormir e descansar, pois esse cansaço pode prejudicar outras frentes com o próprio bebê (trocar um remédio, por exemplo). Permita-se deixar algumas coisas de lado e pedir ajuda, ou simplesmente dizer que não tem como ajudar no momento.

3. Nem tudo tem solução no momento

Existe uma máxima budista que diz: “Se as coisas têm solução, não precisa se preocupar. Se não têm, também não precisa.”. Muitas vezes, só precisamos de um tempo e a solução vem sozinha em formato de sonho ou de “clique”. E, se não tiver solução, aceite isso internamente e deixe o sentimento ir. Muitas vezes, algo tem solução mas você não consegue enxergá-la no momento. Será que você precisa de um tempo? Dê-se esse tempo. Chute um pouco o balde. Tomar decisões expressivas com pressa pode gerar arrependimentos. Se não precisa de tempo, será que precisa de mais informações? Busque as informações. E depois dê-se tempo para decidir. Não cobre uma decisão. Se você não consegue decidir, pode simplesmente não ser a hora mesmo de tomar a decisão, e isso é ok!

4. Tire o que não for essencial

Dê uma olhada nas suas atividades do dia a dia, projetos, relacionamentos e faça uma seleção sincera daquilo que você realmente precisa manter na sua vida no momento. Pode ser que você precise aguentar os problemas e a desorganização do seu chefe, mas não precise aguentar as fofocas daquele colega de trabalho. Uma coisa você pode cortar, outra não, mas já cortou algo! E uma coisa a menos, junto com outras, fará toda a diferença.

5. Pense a médio e longo prazo

Pare de focar durante um tempo nas atividades do dia a dia, que são muito volumosas. Dê uma olhada em tudo o que já fez até aqui e pense um pouco no que gostaria de fazer nos próximos anos. Ter esse tipo de reflexão ajuda a colocar os pensamentos em ordem, e muitas vezes isso é o suficiente para destralhar e focar no que é mais importante agora.

Caso você queira explorar mais esse assunto, faça nosso curso online: Aprenda a identificar prioridades.

Thais Godinho
28/04/2017
2
Em março, estamos falando de…
Como colocar sua fotinho nos comentários do blog
3 maneiras de fazer seus bichinhos de estimação não comerem os fios e cabos da sua casa

Alguns leitores do Vida Organizada comentaram que já até fizeram a declaração, que iniciou na quinta-feira passada, dia 2 de março. Não deixe para a última hora (28 de abril) para fazer! Quanto antes você declarar, mais chances tem de receber a restituição do valor (se houver alguma) nas primeiras levas, daqui a alguns meses (início em 16 de junho). Idosos, portadores de doença grave e deficientes físicos ou mentais têm prioridade.

Se você teve recebimentos no ano passado (2016) acima de R$ 28.559,70 em 2016, você deve declarar o imposto. O valor subiu 1,54% em relação ao ano passado, quando somou R$ 28.123,91 (relativos aos recebimentos em 2015). A multa para quem não fizer a declaração ou entregá-la fora do prazo será de, no mínimo, R$ 165,74. O valor máximo corresponde a 20% do imposto devido.

De acordo com a Receita Federal, também estão obrigados a declarar o Imposto de Renda neste ano:

  • Os contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado.
  • Quem obteve, em qualquer mês de 2016, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas.
  • Quem teve, em 2016, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural;
  • Quem teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil.
  • Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nessa condição encontrava-se em 31 de dezembro de 2016.

A única coisa que muda na declaração deste ano é que os contribuintes terão que informar o CPF das pessoas listadas como dependentes e que tenham 12 anos ou mais. Até o ano passado, a exigência era para dependentes acima dos 14 anos.

A entrega da declaração do Imposto de Renda 2017 poderá ser feita pela internet, com o programa de transmissão da Receita Federal (Receitanet), online (com certificado digital), na página do próprio Fisco, ou por meio do serviço “Fazer Declaração”, disponível para tablets e smartphones. Se você for trabalhador empregado, com vínculo CLT, pode ser mais fácil (e mais barato) fazer você mesmo(a) a declaração. Caso tenha dúvidas, consulte um(a) contador(a). Mas não deixe para a última hora! Este é o período do ano em que eles mais trabalham e podem não ter mais agenda para você.

Uma maneira fácil de organizar os documentos ao longo do ano é ter uma pasta para guardar exclusivamente os comprovantes para a declaração do ano seguinte, pois assim você não precisa ficar procurando ou buscando em lugares diferentes. Experimente para o ano que vem, se você ainda não faz assim.

Thais Godinho
06/03/2017
8
Pare de comprar coisas durante algum tempo
Colecione fotos do que deseja comprar, em vez de comprar
Dicas para quem vai morar sozinho

Nessa transição de um ano para o outro, é comum pensarmos mais nos nossos objetivos. O que é tudo bem mas, será que eles estão coerentes entre si? Ou seja, o que você quer a curto prazo tem a ver com o que você quer a longo prazo? Seus projetos atuais refletem tais objetivos? Neste post, você vai aprender a identificar e refletir sobre o que quer alcançar em curto, médio e longo prazo na sua vida, sem pressão. A ideia é entender se o seu tempo está sendo aproveitado de uma maneira que te deixa feliz.

A vida é uma aventura. Definir objetivos significa ter um mapa em mãos quando se coloca o pé na estrada. Você pode até mudar um pouco um percurso mas, se se perder, você sabe que o seu mapa está ali para te ajudar. A ideia de ter objetivos listados é a mesma. Eles não são engessados, cravados em pedra. Você pode mudá-los, se sua vida caminhar para isso. Mas, uma vez que você os tenha definido, isso te ajuda a não perder coisas que não tenham a ver com você e com a vida que você quer viver.

Às vezes é mais fácil pensar em objetivos de longo prazo, pois eles denunciam valores importantes. Por isso, podem ser um ponto de partida. No entanto, não existe jeito certo de definir objetivos. Você pode simplesmente identificá-los.

Vamos às definições:

  • Um objetivo de curto prazo é um objetivo que você pode querer alcançar em até dois anos. Essa definição tem muito a ver com o GTD (método de produtividade). O que você quer que seja verdade até o fim do ano que vem? Essa abordagem é interessante porque permite que a gente reflita sobre estados que não temos hoje em nossa vida. Analisando todas as áreas da minha vida, o que eu quero que seja verdade em cada uma delas? Em Finanças, por exemplo, pode ser algo como “Guardar X reais para dar entrada em um apartamento”. Em Saúde, pode ser “Emagrecer 10kg”. Em Carreira, pode ser “Mudar de emprego”. Perceba que todos esses objetivos podem levar menos tempo que até dois anos, por isso que falamos em “até”, e não “em”. Os objetivos de curto prazo expressam vontades.
  • Um objetivo de longo prazo é aquele objetivo de vida, que você vê lá na frente, como algo que você quer conquistar na sua vida. Pode ser “Comprar um apartamento no bairro desejado” ou “Ter uma família grande e unida”. Os objetivos de longo prazo expressam valores.
  • Já o objetivo de médio prazo é aquele no meio termo, que engloba a maior parte da sua vida. De 3 a 10, 20 anos adiante, você pode ter objetivos de médio prazo. Os objetivos de médio prazo expressam seu estilo de vida. Como eu quero estar vivendo daqui a 10, 15 anos? Como eu quero que seja o meu trabalho daqui a 20 anos? E, uma vez identificados, você consegue trazer metas intermediárias para mais perto, que talvez vão gerar projetos.

O exercício aqui só pode ficar mais personalizado se nós trabalharmos juntos no processo de coaching. <3 Porque a ideia é você exercitar esse raciocínio em cada uma dessas esferas e aí comparar um com o outro. Por exemplo: se eu quero ter uma família grande e unida, o que precisa acontecer antes? Casar, ter um, dois filhos, ou adotar. E para isso acontecer, o que tenho que fazer? Como isso impacta no meu hoje? Exemplo prático:

Objetivo de longo prazo: Comprar um apartamento no bairro desejado
Objetivo de médio prazo: Comprar um apartamento
Objetivo de curto prazo: Guardar X reais para dar entrada em um apartamento
Projetos que podem ter a ver: Buscar investimentos com lucratividade X por mês, Buscar uma segunda atividade remunerada, Definir o tipo de apartamento que consigo comprar e por aí vai.

Dá pra tirar uma tarde para pensar nisso, não? 😉

Thais Godinho
16/01/2017
11
Pergunta do dia: qual a sua paixão?
Seus objetivos conversam entre si?
Em que fuso horário você está?