ou

Nessa transição de um ano para o outro, é comum pensarmos mais nos nossos objetivos. O que é tudo bem mas, será que eles estão coerentes entre si? Ou seja, o que você quer a curto prazo tem a ver com o que você quer a longo prazo? Seus projetos atuais refletem tais objetivos? Neste post, você vai aprender a identificar e refletir sobre o que quer alcançar em curto, médio e longo prazo na sua vida, sem pressão. A ideia é entender se o seu tempo está sendo aproveitado de uma maneira que te deixa feliz.

A vida é uma aventura. Definir objetivos significa ter um mapa em mãos quando se coloca o pé na estrada. Você pode até mudar um pouco um percurso mas, se se perder, você sabe que o seu mapa está ali para te ajudar. A ideia de ter objetivos listados é a mesma. Eles não são engessados, cravados em pedra. Você pode mudá-los, se sua vida caminhar para isso. Mas, uma vez que você os tenha definido, isso te ajuda a não perder coisas que não tenham a ver com você e com a vida que você quer viver.

Às vezes é mais fácil pensar em objetivos de longo prazo, pois eles denunciam valores importantes. Por isso, podem ser um ponto de partida. No entanto, não existe jeito certo de definir objetivos. Você pode simplesmente identificá-los.

Vamos às definições:

  • Um objetivo de curto prazo é um objetivo que você pode querer alcançar em até dois anos. Essa definição tem muito a ver com o GTD (método de produtividade). O que você quer que seja verdade até o fim do ano que vem? Essa abordagem é interessante porque permite que a gente reflita sobre estados que não temos hoje em nossa vida. Analisando todas as áreas da minha vida, o que eu quero que seja verdade em cada uma delas? Em Finanças, por exemplo, pode ser algo como “Guardar X reais para dar entrada em um apartamento”. Em Saúde, pode ser “Emagrecer 10kg”. Em Carreira, pode ser “Mudar de emprego”. Perceba que todos esses objetivos podem levar menos tempo que até dois anos, por isso que falamos em “até”, e não “em”. Os objetivos de curto prazo expressam vontades.
  • Um objetivo de longo prazo é aquele objetivo de vida, que você vê lá na frente, como algo que você quer conquistar na sua vida. Pode ser “Comprar um apartamento no bairro desejado” ou “Ter uma família grande e unida”. Os objetivos de longo prazo expressam valores.
  • Já o objetivo de médio prazo é aquele no meio termo, que engloba a maior parte da sua vida. De 3 a 10, 20 anos adiante, você pode ter objetivos de médio prazo. Os objetivos de médio prazo expressam seu estilo de vida. Como eu quero estar vivendo daqui a 10, 15 anos? Como eu quero que seja o meu trabalho daqui a 20 anos? E, uma vez identificados, você consegue trazer metas intermediárias para mais perto, que talvez vão gerar projetos.

O exercício aqui só pode ficar mais personalizado se nós trabalharmos juntos no processo de coaching. <3 Porque a ideia é você exercitar esse raciocínio em cada uma dessas esferas e aí comparar um com o outro. Por exemplo: se eu quero ter uma família grande e unida, o que precisa acontecer antes? Casar, ter um, dois filhos, ou adotar. E para isso acontecer, o que tenho que fazer? Como isso impacta no meu hoje? Exemplo prático:

Objetivo de longo prazo: Comprar um apartamento no bairro desejado
Objetivo de médio prazo: Comprar um apartamento
Objetivo de curto prazo: Guardar X reais para dar entrada em um apartamento
Projetos que podem ter a ver: Buscar investimentos com lucratividade X por mês, Buscar uma segunda atividade remunerada, Definir o tipo de apartamento que consigo comprar e por aí vai.

Dá pra tirar uma tarde para pensar nisso, não? 😉

Thais Godinho
16/01/2017
11
Seus objetivos conversam entre si?
Em que fuso horário você está?
Pergunta do dia: qual a sua paixão?

A gente fala tanto sobre ter uma lista de coisas a fazer. Você já pensou em criar uma lista de coisas para não fazer?

Estar doente esta semana me fez pensar bastante sobre isso. Não que eu já não pense – afinal, é meu trabalho. Falo sobre organização, sobre foco, sobre escolhas e definição de prioridades. Mas eu notei que nunca, aqui no blog, eu falei sobre a lista de coisas para não fazer. O que seria isso?

Significa analisar agora sua agenda (ou calendário), suas listas de coisas a fazer, seus projetos, objetivos, tudo, e se perguntar: o que não precisa estar aqui agora? O que pode ficar para depois ou até mesmo ser excluído? Ou seja, promover o destralhamento das coisas a se fazer também, não só dos objetos em nossa casa ou local de trabalho.

E essa análise deve ser constante – pelo menos uma vez por mês, eu diria, ou quando você sentir que sua vida está caótica, estressante, desequilibrada. Sempre é um bom momento de reduzir, tirar coisas, focar em outras mais importantes.

E é claro que, quando a gente tem valores definidos, objetivos de curto a longo prazo etc, fica mais fácil ter parâmetros para fazer essas escolhas, porque sabemos quem somos e onde queremos chegar.

O que quero dizer é que estamos no meio de outubro e tenho certeza que muitos de vocês podem ter coisas importantes a fazer, que se propuseram a fazer ainda este ano, e não fizeram ainda. Por quê? Porque (provavelmente) mantiveram atividades e ocupações que te tiraram do caminho, te distraíram. Aproveite essa época do ano para fazer uma análise disso tudo e focar no que ainda quer completar nos próximos dois meses e meio.

E não é “porque o ano está acabando” que devemos fazer isso. Não! Mas é que ter uma deadline nos ajuda a atribuir senso de urgência a determinadas coisas que queremos alcançar. É ou não é?

Faça essa análise assim que puder. Tire o que puder. Foque no que realmente é importante. Tenha uma lista de coisas para não fazer.

Se achar complicado, use as seguintes perguntas como guia:

  • Você tem achado mais fácil ou mais difícil tomar decisões na sua vida ultimamente? O que você pode aprender com essa constatação?
  • Sua intuição te diz que você deveria estar fazendo alguma coisa agora? Quais os riscos de fazer? Quais os riscos de não fazer? O que de pior pode acontecer se você fizer? O que de melhor pode acontecer?
  • Na sua vida, você costuma se arrepender mais das coisas que fez ou das coisas que acabou não fazendo?
  • O que está causando um barulho maior na sua vida nesse momento? Algo que te preocupa e que você sabe que precisa resolver, mas não sabe por onde começar? É exatamente por aí que você deve começar. Como você pode silenciar esse barulho? O que te deixaria tranquilo(a) com relação a essa situação? Só de refletir um pouco sobre o assunto você pode chegar a insights interessantes.

Boa semana.

Thais Godinho
19/10/2015
Veja mais sobre:
, Objetivos, Prioridades
27
Definindo critérios para compra de livros
Como integrar o Toodledo ao Evernote (e outros serviços)
Você precisa de um personal organizer?

Muito simples.

Porque não adianta ter um objetivo lá na frente se na sua realidade você não faz nada para alcançá-lo.

Mas é fácil para a Thais do Vida Organizada dizer isso. Parece piada pronta.

O que eu quero dizer, e que foi um aprendizado de anos, é que de nada adianta ter um objetivo de vida incrível se você não consegue “domar” o seu dia a dia.

Se sua agenda te devora. Se você está refém dos imprevistos. Se todos os dias se sente estafado/a, como se estivesse faltando tempo o tempo todo.

HNCK5911

O primeiro passo deve ser organizar sua agenda e seus compromissos.

O segundo passo deve ser organizar seus e-mails.

O terceiro passo deve ser aprender a definir prioridades.

Pense assim:

  • Sua agenda deve estar tranquila. Compromissos planejados, tempos para deslocamento estimados, períodos para imprevistos previstos (se não acontecerem, aproveite o tempo livre!).
  • Não dá para fazer tudo de uma vez. Aprenda a priorizar.
  • Negocie suas prioridades com seu chefe, marido/esposa, seja quem for que você “deva” responsabilidades.
  • Seja responsável pelo aproveitamento do tempo da sua vida.
  • Domine seus e-mails.
  • Tenha uma lista de tudo o que precisa fazer. Anote sempre, para não esquecer.

Quando você conseguir controlar o seu dia a dia, vai ficar mais fácil pensar: “ah, agora deixa eu ver qual é o próximo passo deste objetivo aqui”.

Se você não fizer isso, pode se frustrar. E se frustrar é ruim. Faça a coisa certa.

Organização pessoal tem a ver com satisfação e viver a vida como você quer. Não é para engessá-la.

Não adianta traçar objetivos se seu dia a dia não permite que você corra atrás deles – por isso, organize-se. Assuma a responsabilidade. Agora!

Thais Godinho
11/06/2015
Veja mais sobre:
, Objetivos
18
A matemática do planejamento no GTD
Checklist de setembro 2012
Sobre o blog e a organização