ou

Na semana passada, fui convidada pela Fnac São Paulo e pela Moleskine (olha que parceria legal!) para realizar uma palestra sobre bullet journal na Fnac da Avenida Paulista. O evento foi lotado! Agradeço todos os leitores e os novos amigos que conheci lá no dia. Foi uma oportunidade muito legal de falar sobre um assunto que eu gosto tanto. Para quem não pôde participar, quis trazer o conteúdo da palestra para cá.

Foto da Fnac no Instagram: /fnac_br

Foto da Fnac no Instagram: /fnac_br

Eu comecei a palestra contando um pouco sobre a minha história e o meu conceito de organização pessoal, que envolve quatro valores básicos: coerência, autonomia, personalização e compaixão. E a própria missão do Vida Organizada, que é inspirar as pessoas para que se organizem e tenham mais qualidade de vida através da organização.

Mostrei também que, apesar de o bullet journal, como um sistema, ter sido criado anos depois, em 2008 eu tenho um post aqui no blog sobre como eu usava bullets na minha agenda, naquela época. É bem interessante porque os bullets (esses ícones no começo das frases, das listas) são uma graça, além de extremamente úteis.

Captura de tela 2016-04-11 11.00.54

O bullet journal como é conhecido hoje foi criado por Ryder Carroll, um designer que percebeu que, assim como ele, outros profissionais que lidavam com tecnologia estavam cada vez mais voltando a usar papel para montar seus planejamentos e registrar ideias e coisas a fazer. Com isso, ele foi desenvolvendo um método pessoal que, quando considerou estável, publicou chamando de bullet journal. Você pode conferir tudo no site dele (em inglês): www.bulletjournal.com

Captura de tela 2016-04-11 11.01.39

Acima você pode conferir o bullet journal simples do Ryder, que consiste basicamente em um caderno que pode ser começado a qualquer ponto (ou seja: veja que solução ótima para os seus cadernos inacabados em casa, se tiver algum) e não demanda qualquer tipo de habilidade além da escrita. É claro que você pode customizar seu bullet journal (veremos exemplos lindos adiante), mas a essência dele está em inserir informações com os ícones ao lado, que representam o que aquela informação significa.

Captura de tela 2016-04-11 11.03.41

Veja como é simples fazer um bullet journal: basta abrir a primeira página, inserir o dia e, embaixo, o que você precisa fazer no dia. É muito simples. Os ícones originais do Ryder (mantidos acima) são: bolinha para compromissos, caixinha de “check” para tarefas e hífen para informações importantes. Ele ainda sugere o uso de um asterisco para o que for prioridade e um ponto de exclamação para aquilo que você tem que prestar atenção. Nas tarefas, há interações como: um ✔️ de “check” quando ela for concluída, uma flecha para a direita quando ela tiver sido adiada /realocada e um X quando for cancelada.

Existem outros ícones e outras formas de interação (tanto quanto você quiser), mas o básico está aí em cima. Minha dica é: comece pelo básico e depois acrescente novas ideias se sentir necessidade, para não parecer que você está mais brincando com as informações que de fato executando o que precisa fazer.

Captura de tela 2016-04-11 11.07.23

Para que o bullet journal pode ser usado?

Ele pode ser usado para:

  • Planejar: Planeje seu dia, sua semana, seu mês, seus projetos e outras atividades.
  • Organizar: Liste informações úteis, como senhas usadas, dados importantes, checklists e outros.
  • Registrar: Registre seus gastos, suas atividades, o que comeu, livros lidos e muito mais.

Seções de um bullet journal

Ryder sugere algumas seções básicas, que são:

Índice

A ideia é que as duas ou três primeiras páginas do seu bullet journal tragam um índice orgânico, que vai sendo criado à medida que você adiciona informações às páginas. Inclusive você não precisa numerar todas as páginas do caderno de uma só vez – basta ir numerando à medida que for adicionando conteúdo.

Captura de tela 2016-04-11 11.10.48

Log do mês

Crie uma página para o mês em que está atualmente e insira os números dos dias e as iniciais dos dias da semana ao lado dos números (veja abaixo). Na página ao lado, crie uma lista com todas as tarefas que precisa fazer no mês em questão.

Captura de tela 2016-04-11 11.11.17

Log do dia

Na sequência, comece inserindo os dias. Você pode ir fazendo dia a dia ou simplesmente criar 2 a 3 dias por página para todo o mês, e assim já inserir as informações relacionadas a cada dia específico.

Captura de tela 2016-04-11 11.12.25

Tome cuidado para não fazer com seu bullet journal vire na verdade uma lista de desejos. Se quiser seguir as dicas do GTD aqui, insira em cada dia apenas: compromissos com data e hora, ações pontuais (que realmente precisam ser feitas naquele dia) e informações que possam ser relevantes no dia em questão.

Log do futuro

Para as informações relacionadas aos meses seguintes, você pode criar uma seção de log do futuro, onde inserirá essas informações e, ao criar as páginas do mês novo, poderá redistribuir e se planejar.

Captura de tela 2016-04-11 11.15.33

Outras seções bem legais

Além das seções recomendadas pelo Ryder acima, eu trouxe algumas ideias de seções que vi em outros bullet journals por aí:

  • Checklists
  • Controle de hábitos
  • Objetivos
  • Livros lidos / livros para ler
  • Filmes vistos / filmes para ver
  • Séries vistas / séries para ver
  • Finanças
  • Limpeza da casa
  • Diário de gratidão

Se você fizer uma busca no Pinterest por bullet journal, encontrará milhares de ideias espetaculares não apenas de seções, como de truques para aplicar no seu bujo. Você pode inclusive acessar e seguir o painel do Vida Organizada sobre bullet journal, se quiser.

Ferramentas necessárias

Para criar um bullet journal, basta ter um caderno e uma caneta. Pode ser qualquer caderno e qualquer caneta. Eu recomendo os cadernos da marca Moleskine, que considero os melhores. Para canetas, recomendo que você use canetas que não borrem a folha, de Bic Cristal a Uni-Ball (minha preferida, mas existem muitas outras).

Além disso, existem outras ferramentas que você também pode usar para personalizar o seu bullet journal:

  • Post-its
  • Adesivos
  • Washi tapes (fitas adesivas coloridas e estampadas)
  • Canetas marca-textos
  • Réguas
  • Giz de cera, aquarela, lápis de cor, canetinha etc!

Como começar

O mais legal do bullet journal é que você não precisa esperar um ano novo começar para fazer o seu – você pode começar já!

  1. Abra o caderno escolhido e deixe as três primeiras páginas para fazer o índice.
  2. Insira a página do mês (como explicado lá em cima).
  3. Insira a página do dia de hoje, de amanhã e até o final de abril.
  4. Numere essas páginas e coloque no índice.
  5. Pronto!

Se você quiser inserir outras seções, basta fazer na sequência. Não se esqueça de colocar no índice as seções novas que criar, para se localizar facilmente.

Perguntas mais frequentes

Pode usar qualquer tipo de caderno?

Sim. Eu recomendo Moleskine com folhas pontilhadas ou quadriculadas, mas você pode usar qualquer caderno – até espiral. Comece com o que tem, aproveitando inclusive cadernos que você deixou largados por aí, caso os tenha. É uma forma de reaproveitar esses cadernos.

Qual o melhor tipo de folha?

Depende do seu gosto pessoal. Eu gosto das folhas quadriculadas ou pontilhadas, mas qualquer tipo de folha serve. Algumas pessoas preferem folhas sem pauta.

É melhor escrever a caneta ou a lápis?

Mais uma vez, depende do seu gosto pessoal. Eu gosto de escrever à lápis informações que eu posso querer mudar depois. Se você for planejar todo o mês, por exemplo, pode valer a pena escrever a lápis para não rasurar futuramente. Nomes de seções podem ser feitas a caneta.

O que fazer quando acabar um caderno?

A ideia é que você guarde os seus bullet journals como um registro da sua vida. Então, o que fazer quando acabar? Guardá-los. Se você não quiser guardar, pode jogar fora. Algumas pessoas podem querer tirar foto das páginas mais significativas para guardar como recordação no computador ou em programas como o Evernote.

Dá para conciliar o bullet journal com o GTD?

Sim. Você pode usá-lo como uma agenda normal (e seguir a recomendação dada lá em cima sobre o que efetivamente entra em cada dia) ou usá-lo como uma caixa de entrada, inserindo informações diariamente para processar depois. Se você não usa GTD, não precisa se preocupar com esses conceitos, que são bem específicos da metodologia.

Referências sobre bullet journal

Como eu comentei, o Ryder foi o criador do método, então ele sempre será a referência principal em seu site: www.bulletjournal.com

Siga o painel de bullet journal do Vida Organizada no Pinterest para inspirações novas todos os dias.

Na gringa, temos uma moça chamada Kara que é referência total (amo amo amo <3 o trabalho dela). Ela faz coisas maravilhosas. Seu canal no YouTube é em inglês, mas dá para ver bastante como ela faz.

E é isso! Espero que tenham gostado desse resumo e que o post os tenha inspirado a montar seu próprio bullet journal!

Obrigada Moleskine e Fnac pelo convite, e todos os leitores que estiveram presentes (além daqueles que, mesmo que não tenham podido estar, mandaram energias positivas).

Thais Godinho
11/04/2016
Veja mais sobre:
Bullet journal, Fnac, Moleskine
67
7 ideias para o seu décimo terceiro
4 dicas para não passar mal no Natal
Como organizar: Documentos