ou

Aqui vai uma coletânea de erros que eu cometi ou vi colegas cometendo ao empreenderem em suas carreiras ou empresas. O objetivo é te ajudar a reconhecer se você está cometendo algum deles e mudar o curso o quanto antes!

Erro 1: Se distrair ficando ocupado

É muito comum, no dia a dia, a gente se perder em ocupações diversas – responder e-mails, assinar documentos, rever contratos, retornar ligações. Tome cuidado para não achar que isso é sinônimo do seu trabalho. Atividades assim fazem parte do dia a dia, mas se você ficar apenas nelas e não dedicar tempo àquilo que realmente importa e vai impactar o seu negócio, a tendência é você ir perdendo relevância (para o mercado e para você mesmo) sem nem perceber.

Erro 2: Cair no microgerenciamento

Detalhes sobre projetos, datas, arquivos organizados, pastinhas e tudo o mais que inventamos achando que isso vai nos dar uma sensação maior de controle – e até dá, mas não basta. Se você cair no microgerenciamento, não vai conseguir ter em vista a perspectiva das coisas, que é: por que estou fazendo isso? o que quero entregar? Controle é importante, mas não é tudo.

Erro 3: Abrigar tarefas que podem ser feitas por outras pessoas

Sei que nem todo mundo que empreende pode delegar tarefas ou contratar outras pessoas. Porém, essa deve ser uma das suas principais metas. Identifique tudo aquilo que só você pode fazer (pelo seu conhecimento ou talento) e busque maneiras de delegar todo o resto. Sempre pergunte-se se você é a pessoa mais apropriada para realizar determinada atividade. Muitas vezes não é, mas você ocupa seu tempo com ela e, com isso, deixa de fazer outras mais importantes. Que custo isso está tendo no seu negócio?

Erro 4: Remediar falta de treinamento com “ajudinha”

Eu adoro ajudar as pessoas e me sinto bem por estar disponível para determinadas orientações. Porém, ajudar uma mesma pessoa (ou várias) mais de uma vez sobre determinado assunto pode ser falta de treinamento, e sua ajuda nunca terá fim. Se isso acontecer, identifique de imediato e direcione adequadamente. Você pode promover um treinamento, gravar uma vídeo-aula ou terceirizar essa ação. Se forem pessoas que trabalham para você, pode ser útil criar regras, checklists e outros documentos de apoio.

Erro 5: Investir em coisas novas sem pavimentar o que já existe

A ânsia por lançamentos pode levar empreendedores a deixarem de lado bons produtos e serviços já existentes. Uma coisa não exclui a outra. Aperfeiçoe continuamente o que já existe, em paralelo com o lançamento de novos produtos ou versões. Você pode diminuir a quantidade de lançamentos? Sim, mas aumentará a quantidade de clientes retidos já satisfeitos, que podem comprar novamente de você.

Erro 6: Responder e-mails que podem ser automatizados

Respostas automáticas deveriam ser padrão para a maioria dos empreendedores! Muitas pessoas que te contatam precisam apenas de respostas que você já deu em outras ocasiões, ou que você tem em algum lugar do seu site. Desenhe respostas automáticas que você possa configurar em suas contas de e-mail ou tenha templates onde poderá facilmente copiar e colar a resposta, sem perder tempo digitando a mesma coisa pela enésima vez.

Erro 7: Trabalhar em casa

Home-office funciona se você tiver um local realmente separado de todo o resto da sua casa. Se você usar a mesa da sala ou um cantinho no quarto, pode funcionar apenas se for temporário. Agora, se você realmente estiver investindo em seu negócio, uma hora você vai ter que sair de casa ou separar em um cômodo diverso mesmo. Espaços de coworking são fantásticos para isso e oferecem uma alternativa com menor custo que uma sala própria comercial. Considere também visitas de clientes, se isso fizer parte do seu negócio.

Erro 8: Não revisar com frequência suas responsabilidades

O ideal é que a cada duas ou quatro semanas você revise as suas responsabilidades e passe um filtro em tudo aquilo que não deveria estar fazendo, para conseguir focar naquilo que só você pode fazer e terá um impacto significativo em todas as suas áreas de atuação.

Erro 9: Ser perfeccionista

Feito é melhor que o perfeito não feito. Analise suas entregas e, se você já deixou de entregar algo no prazo por buscar a perfeição, talvez seja hora ou de delegar ou de baixar as expectativas com relação ao seu produto. Entregue um arroz com feijão delicioso e vá refinando depois. Nem sempre um empreendedor sozinho tem estrutura para entregar caviar desde o começo.

Erro 10: Usar crises como desculpa

“Qualquer idiota pode enfrentar uma crise. O que é desgastante é a vida do dia-a-dia.” – Anton Chekhov. Apagar incêndios traz resultado e satisfação imediata, mas também serve como desculpa para deixar todo o resto de lado. Não use essa desculpa. Seja o rei (ou a rainha) do dia a dia.

Erro 11: Bloquear a agenda

Bloquear sua agenda inteira para se forçar a fazer algo traz um sentimento opressor e não deixa você livre para fazer escolhas espontâneas e abrigar imprevistos. Essas duas coisas acontecerão de qualquer maneira, com a diferença que você burlará sua agenda ou ficará sobrecarregada(o). Você pode se programar para realizar determinadas atividades, mas seja criterioso(a) – não planeje o dia inteiro. Deixe espaço para as atividades não planejadas.

Erro 12: Achar que você é o seu trabalho

Geralmente quem empreende o faz porque ama o que faz. Mas você não é o seu trabalho. Você tem outras coisas incríveis na vida que fazem com que você seja uma pessoa inteira, completa, e que fique bem para realizar todas as atividades que quiser – inclusive as do trabalho. Tire um pouco da pressão do sentimento de ser o salvador da pátria e abra espaço na vida para pequenas recompensas do dia a dia, como fazer uma caminhada ou simplesmente ficar sem fazer nada um pouco.

Se você quiser saber mais sobre como lidar com esses erros, estou desenvolvendo um curso com foco em organização para empreendedores, que iniciará em setembro, e que vai ensinar você a consertar todos os tópicos acima. As inscrições estão com valor promocional de pré-venda. Confira aqui.

Thais Godinho
12/07/2017
9
6 dicas práticas para melhorar sua produtividade nessa segunda-feira
Resumo do método GTD em 11 minutos
Como reduzir a papelada em 3 passos

Viver uma vida com tranquilidade é uma arte e, como toda arte, uma habilidade a ser desenvolvida por toda a vida.

O que é o estresse? “Estado gerado pela percepção de estímulos que provocam excitação emocional e, ao perturbarem a homeostasia, levam o organismo a disparar um processo de adaptação caracterizado pelo aumento da secreção de adrenalina, com várias consequências sistêmicas.”

O estresse é sempre ruim? Não necessariamente. Mas, hoje, o que as pessoas vivem é uma situação de estresse constante advinda de coisas como: relacionamentos conturbados, excesso de trabalho, preocupações, filhos com problemas, muitas atividades, pouco sono, alimentação de qualquer jeito, ausência de atividade física e momentos de lazer, além de outros fatores.

Este post traz então um guia prático para você ter menos estresse. Aceita o desafio? Vamos lá!

1. O mundo não coloca limites

Você coloca. E, se não colocar conscientemente, seu corpo vai te forçar a colocar. Só que você não precisa esperar isso acontecer para tomar essa providência. Se você tivesse um infarto hoje e tivesse que ficar de repouso durante um mês, como ficaria o seu trabalho? O que pode ser delegado? O que pode esperar? Se você pudesse trabalhar apenas duas horas por dia, quais seriam as tarefas que você priorizaria? E veja: você não precisa passar por uma situação urgente de saúde como essa para fazer essa seleção. Reflita sobre as perguntas acima e comece já.

2. Você não precisa resolver tudo

Sabe o abraço do afogado? Não adianta você querer salvar o colega que está se afogando ao seu lado se você mesmo não sabe nadar. Ambos vão se afogar. Ajudar os outros é louvável – eu tenho isso como princípio de vida. Mas eu também sei que, para ajudar, preciso estar bem. Não adianta querer ser a mãe do ano amamentando o bebê sem dormir e descansar, pois esse cansaço pode prejudicar outras frentes com o próprio bebê (trocar um remédio, por exemplo). Permita-se deixar algumas coisas de lado e pedir ajuda, ou simplesmente dizer que não tem como ajudar no momento.

3. Nem tudo tem solução no momento

Existe uma máxima budista que diz: “Se as coisas têm solução, não precisa se preocupar. Se não têm, também não precisa.”. Muitas vezes, só precisamos de um tempo e a solução vem sozinha em formato de sonho ou de “clique”. E, se não tiver solução, aceite isso internamente e deixe o sentimento ir. Muitas vezes, algo tem solução mas você não consegue enxergá-la no momento. Será que você precisa de um tempo? Dê-se esse tempo. Chute um pouco o balde. Tomar decisões expressivas com pressa pode gerar arrependimentos. Se não precisa de tempo, será que precisa de mais informações? Busque as informações. E depois dê-se tempo para decidir. Não cobre uma decisão. Se você não consegue decidir, pode simplesmente não ser a hora mesmo de tomar a decisão, e isso é ok!

4. Tire o que não for essencial

Dê uma olhada nas suas atividades do dia a dia, projetos, relacionamentos e faça uma seleção sincera daquilo que você realmente precisa manter na sua vida no momento. Pode ser que você precise aguentar os problemas e a desorganização do seu chefe, mas não precise aguentar as fofocas daquele colega de trabalho. Uma coisa você pode cortar, outra não, mas já cortou algo! E uma coisa a menos, junto com outras, fará toda a diferença.

5. Pense a médio e longo prazo

Pare de focar durante um tempo nas atividades do dia a dia, que são muito volumosas. Dê uma olhada em tudo o que já fez até aqui e pense um pouco no que gostaria de fazer nos próximos anos. Ter esse tipo de reflexão ajuda a colocar os pensamentos em ordem, e muitas vezes isso é o suficiente para destralhar e focar no que é mais importante agora.

Caso você queira explorar mais esse assunto, faça nosso curso online: Aprenda a identificar prioridades.

Thais Godinho
28/04/2017
Veja mais sobre:
, Destralhar, Meia hora, No trabalho, Organizar
2
Atividades para fazer com as crianças nas festas de final de ano
Celebre feliz as festas de final de ano
Projeto: organizando o apartamento de acordo com o feng shui

Uma leitora postou um comentário em outro post e eu resolvi responder em formato de post porque acredito que seja a dúvida de outros leitores também.

Nesse atual momento, eu tenho uma pergunta: Thais, como fazer pra definir o meu trabalho, sabendo eu que ficarei responsável pelo trabalho de outra pessoa que sairá de licença maternidade e que é de outro setor? *no caso, ficarei com o eu, e com o da pessoa). Estou surtando com isso, mesmo fazendo treinamentos. Pra me ajudar, perdi o rumo da minha casa (fazia flylady e saí bastante dele…), voltei a faculdade, as aulas da filha voltarão e os horários estão apertados… e preciso ainda por cima emagrecer pois está afetando a minha saúde… estou surtando!!! Eu faço duas listas (meu trabalho, trabalho da outra pessoa) ou coloco todas as atividades em uma lista só, incluindo casa, filha, etc? Help!!!

Querida leitora,

Existem tipos diferentes de sobrecarga de trabalho. Um tipo é a sobrecarga temporária, como é o caso do seu trabalho. Você ficará responsável pelas atividades de uma pessoa que é de outro setor e que sairá de licença maternidade. No “mundo ideal”, o gestor dessa pessoa listaria suas atividades e alocaria a diferentes pessoas, de modo que não sobrecarregasse ninguém, e também de acordo com as habilidades de cada funcionário. Toda vez que alguém sai de licença maternidade, eu acredito que esse deveria ser o procedimento, mas sei que as coisas não funcionam assim na realidade. É muito mais fácil dizer: “olha, todo aquele trabalho vai para você mesmo, então se vire com todo o trabalho que você já tem, além desse”.

Nesse caso, minha recomendação é que você se comunique. Converse com a pessoa, com o gestor dela e com o seu gestor sobre tais atividades. Procure entender o máximo possível o que ela faz e também listar quais são as atividades essenciais que ela deve fazer diariamente e semanalmente (mais como processos), para não deixar esses pratinhos caírem, e entender de que projetos ela faz parte, para poder contribuir da melhor maneira. Muitas coisas, especialmente se envolverem conhecimento que você não tem, provavelmente devem ser passadas a outras pessoas ou mesmo adiadas até que ela volte.

Veja, não deveria ser você a responsável por isso. Então procure se comunicar com todos os envolvidos, para que essa expectativa fique clara.

Agora, com relação a todas as atividades que você poderá de fato abrigar, pense apenas em passar bem por esses meses todos. Analise essas novas atividades e as suas e verifique aquilo que é essencial que você faça diariamente, semanalmente e mensalmente, para garantir que “o básico” seja feito de qualquer maneira. Depois, analise os seus projetos em andamento para decidir, junto com o seu gestor, o que é prioritário e o que pode esperar alguns meses. Veja, é humanamente impossível dobrar a carga de trabalho de uma hora para a outra. Você precisa deixar isso claro para o seu gestor. Então, mesmo que ele diga “se vira, faz tudo”, você não vai conseguir fazer. Então vale a pena ter uma conversa honesta para que sejam definidas prioridades e você trabalhe em cima delas, dizendo que há determinadas atividades que talvez não seja possível fazer.

Se isso está interferindo na sua vida pessoal, busque soluções. Lembre-se que tudo é temporário, então se você puder aceitar um pouco de caos durante esses meses, aceite internamente e não se cobre. Agora, se não puder lidar com isso, busque soluções. Não reclame mais de uma vez da mesma coisa – ou resolva ou desencane (tem sido meu lema ultimamente, e tem me ajudado!). Distribua atividades em casa pela família ou contrate ajuda. Verifique seu orçamento e a possibilidade de fazer isso, lembrando que é temporário.

Você diz que está afetando a sua saúde, porque precisa emagrecer, além de tudo. Muita calma nessa hora. Pelo que entendi, o problema do emagrecimento já estava aí antes de tudo isso acontecer, então por que quer correr para resolver isso agora, quando as coisas tendem a se intensificar durante um tempo? Não se cobre tanto, deixe as coisas começarem a entrar nos eixos. Isso não significa não tomar nenhuma atitude a respeito – procure se alimentar de maneira mais saudável, consulte uma nutricionista, e todo o resto que demanda mais tempo (como exercícios físicos, por exemplo), veja o que pode fazer agora e o que simplesmente não dá. Quando as atividades se intensificam temporariamente, não é hora de adicionar coisas novas na vida.

Sobre colocar as coisas em uma lista só ou em três, eu iria além nessa questão. Não se trata de ter uma única lista. Você tem diversas facetas na sua vida, diversas áreas de foco, projetos, responsabilidades. Não dá pra ter “uma lista” porque são categorias diferentes de coisas. Se você gosta do GTD, a proposta são 4 listas para ações: Próximas Ações, Projetos, Aguardando Resposta e Calendário. Agora, se você me perguntar se compensa separar “trabalho, pessoal e o trabalho da outra pessoa”, não concordo. Eu usaria a separação que faz sentido para mim (descrita nas 4 listas acima), como faço para tudo. Porque o que me importa é ver o que eu *tenho* que fazer no dia e na semana, para ser meu foco (Calendário), trabalhar nas “tarefas” que preciso executar nos intervalos entre os meus compromissos (Próximas Ações), revisar semanalmente os meus compromissos e entregas de curto prazo (Projetos) e saber tudo o que outras pessoas precisam me entregar, ou que deleguei (Aguardando Resposta). Isso coloca a vida em ordem.

Quando a gente pensa no volume, no montante, tende a ficar travada porque não sabe nem por onde começar. Por isso recomendo pegar uma coisa de cada vez e ter mais clareza sobre o que cada uma delas significa e como organizar de modo que faça sentido para você.

Então, voltando no post onde você comentou, lembrar que você terá que descobrir uma proporção adequada durante os próximos meses para o trabalho já definido (nessas listas), o trabalho que aparece no dia e o tempo que você passa definindo todas essas coisas. Isso não muda – só muda a proporção.

Espero ter ajudado. Boa sorte nos próximos meses, e pegue leve com você mesma. Liste o essencial, foque nele e deixe o restante como “se der, ótimo. se não der, não vou me martirizar por isso”.

Thais Godinho
13/02/2017
16
20 dicas de produtividade para mães que trabalham em casa
Dúvida da leitora: Colega sairá em licença maternidade e vou abrigar todas as atividades dela
Organizando playlists no Spotify