13 Aug 2013

Nosso apartamento e decisões bem pensadas

Nós estamos passando por um período de muitas decisões aqui em casa, e uma delas é relacionada ao nosso apartamento. Moramos em um apartamento alugado aqui em Campinas porque não sabíamos exatamente como seriam as coisas – vamos ficar por aqui? Vamos voltar para São Paulo? Minha avó virá morar conosco? E todas essas indecisões estavam impactando nossos movimentos. Como o contrato do apartamento vence no meio do ano que vem, decidimos que não queremos sair daqui para ir para outro apartamento alugado, então vamos financiar um imóvel aqui em Campinas mesmo.

Essa decisão não foi fácil de tomar, especialmente porque não temos um valor grande para dar de entrada. De qualquer forma, decidimos duas coisas:

  1. Estamos pagando muito caro no aluguel, assim como todo mundo que paga aluguel. Vale mais a pena pagar isso em algo que seja nosso, pelo menos;
  2. Não vamos mais nos mudar para São Paulo – pelo menos não por enquanto.

Meu trabalho tem me deixado bem realizada e eu tenho diversas atividades paralelas que podem ser feitas estando onde estou (Call Daniel e Social Media SP) ou mesmo aqui em Campinas (aulas na pós-graduação de uma universidade daqui). Além do que, meu marido vai começar a fazer faculdade de gastronomia ano que vem (aqui), o que vai durar pelo menos dois anos, e eu pretendo também começar a definir a linha de pesquisa que eu quero seguir em um mestrado, muito provavelmente em 2015.

Foto tirada do meu Instagram: /blogvidaorganizada

Foto tirada do meu Instagram: /blogvidaorganizada

Vale lembrar também que estamos muito perto de São Paulo e podemos ir para lá sempre que quisermos. Depois que a minha mãe se mudou para outra cidade, isso me fez ver que a vontade que eu tive há dois anos de sair de São Paulo tem um motivo. Tudo bem, quem mora em Campinas sabe que a cidade tem mil defeitos e chega a ser mais poluída que São Paulo em alguns momentos do dia, mas não tem comparação em termos de qualidade de vida. Tem trânsito nos horários de pico, mas ainda assim chego em casa mais rápido do que chegaria se estivesse trabalhando e morando em São Paulo. Além do que, meu filho já está aprendendo a falar com o R puxado, o que eu acho uma gracinha. <3 (“porrrta”)

É claro que nossa decisão não foi baseada somente nesses fatores, mas em todos eles + aqueles citados lá em cima. Gostaria que a minha avó viesse morar comigo, mas ela não quer sair da casa dela (ela teria que vender a casa, fazer mudança etc, e não quer encarar isso nessa altura da vida). É uma decisão dela e eu respeito. Além do que, ela está bem em São Paulo, morando junto com o meu tio e a família dele, então não me sinto tão mal. Se ela viesse morar comigo, seria mais difícil para os meus primos virem visitá-la que eu ir para lá de vez em quando. Portanto, ficamos assim.

Durante algum tempo, também considerei a possibilidade de morarmos em uma casa, mas meu marido é contra, pois viajamos e ficamos muito fora de casa. Concordei. Por isso, estamos procurando apartamentos. Estamos naquela fase de aprovar carta de crédito no banco, então prometo fazer alguns posts sobre todo esse processo quando terminá-lo. O que eu já posso adiantar é que é menos complicado do que eu imaginava e eu queria ter decidido fazer isso antes. Mas sabem como é – as decisões vêm quando tem que vir. Se não vieram antes, foi porque precisávamos ter aquela experiência para decidir corretamente depois.

A ideia não é sair correndo daqui, mesmo porque adoramos esse apartamento onde moramos. Queremos encontrar algo bacana, sem pressa. A única coisa que muda é que agora estamos pensando duas vezes cada vez que queremos mudar alguma coisa no apartamento, pois sabemos que não ficaremos aqui muito tempo mais. Nosso sofá, por exemplo, está uma tristeza, mas não vamos trocar enquanto não soubermos o tamanho da nossa nova sala.

Acho assim, morar de aluguel é divertido, pois você pode morar em um lugar que, se fosse comprar, estaria meio fora do seu alcance (pelo menos é o que acontece com a gente!). Também pode ser fundamental em um momento de transição, quando você não sabe para onde quer ir. Porém, a partir do momento que você decide, eu acho (eu, gente, EU acho, não a verdade universal) que vale a pena investir em um imóvel que seja só seu, especialmente pela segurança e pela liberdade que isso dá.

Também não penso muito na coisa da eternidade porque, se nós precisarmos nos mudar novamente para São Paulo, por exemplo, basta vender o apartamento ou colocá-lo para alugar enquanto formos para lá sem conseguir vendê-lo. O que não dá é para a gente tomar decisões fundamentais na vida com base no “e se”. Demorei mas aprendi isso.

Nós ainda temos alguns meses aqui e eu quero curtir o máximo possível meu primeiro apartamento. Ele não é de minha propriedade, mas é meu sim. Mãe é quem cuida.

Aos pouquinhos vou escrevendo mais sobre essa próxima aventura. Desejem-me sorte. =)

Foto tirada do meu Instagram: /blogvidaorganizada

Foto tirada do meu Instagram: /blogvidaorganizada

79 comentários . Comentar via blog

  1. patricia

    se joga, menina! financiamento não é um bicho de sete cabeças não! Fiz isso há alguns anos e me surpreendi que no final o dinheiro para pagar as parcelas é o mesmo ( no meu caso ficou menor ! ô sortuda que sou! rs) do que um aluguel… e foi como vc falou: Ninguém nasce grudado em apartamento, então… tem mudanças na vida? aluga, vende, muda! mesmo que não seja simples, que não haja liquidez, o imóvel ainda é um “investimento” considerável… Coloco entre aspas porque o investimento, no caso tem uns gastinhos… mas é sempre melhor que nçao guardar, porque pelo que observei na maioria das pessoas é que é muito difícil de economizar, então pelo menos, com uma “prestação” (rs) o dinheiro acaba por ser de certa forma economizado… Beijos e sorte na sua nova empreitada! Tomara que consigas um apartamento perto do Bosque (acho aquela parte do bairro bem legal…)

    Responder
    1. Thais Godinho

      Adoro ali, Patricia, e meu marido também. Estamos procurando por esses lados. Ele adora ficar perto da movimentação (e eu também, no fundo).

      Responder
  2. Carol

    Muito bom o que você falou do “e se”. Eu também estou num momento pensando em mudar de cidade, voltar pra minha terra, e sempre me pego na dúvida do “e se”. “E se eu quiser ter mais opções para estudar?”, “E se eu não me adaptar com uma cidade pequena?”… Mas como você também disse, nada é eterno! Nada é definitivo! É importante planejar, mas também viver o presente. Qualquer coisa, vai depender basicamente de nós mudarmos o rumo da vida.

    Um beijo e boa sorte na busca por apartamento! Que venha o que for melhor pra vocês!

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada, Carol.

      Responder
  3. Gabriela

    Nossa… maravilhoso tudo que você escreveu!
    Está acontecendo algo similiar comigo… eu estava com muitas dúvidas se meu noivo e eu teriamos condições de casar… e ficavamos com muita insegurança.
    Até que lendo o seu blog, as coisas que você posta, eu vi que teriamos sim condições de casar. Conversei muito com ele, ele adorou tomar essa decisão. E estamos com a data marcada para Abril do ano que vem.
    Torço muito por você e tudo vai dar certo.
    Um grande beijo Thais

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada! Boa sorte para vocês também!

      Responder
  4. Vanessa

    Acertou na decisão, Thais. Passei por isso há pouco e hoje estamos muito felizes e realizados. Não tem nada melhor do que uma coisa nossa! BOA SORTE e seja cada vez mais feliz.

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada, Vanessa.

      Responder
  5. Simone

    Te desejo muita sorte, voce me juda muito através do blog ;)
    Principalmente esse ” e se” adorei…

    Bjs Simone

    Responder
    1. Thais Godinho

      Essas pequenas definições que a gente toma mentalmente ajudam muito, né? Obrigada, Simone.

      Responder
  6. Boa sorte Thaís, que tudo corra como voçê desejar.Beijos.

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada.

      Responder
  7. Te desejo sucesso, Thais.

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada!

      Responder
  8. Cecy Gadelha

    Parabéns pela decisão… Já passei por isso tb e na época foi a melhor coisa… Filhos pequenos e precisando estabelecer… Escolhi um bairro classe média baixa e tranquilo, onde os criei com muita segurança, com visinhos Maravilhosos… Garanto que não vai se arrepender…

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada, Cecy! Espero conseguir o mesmo por aqui.

      Responder
  9. Thais muita, muita, muita, muita sorte nessa nova etapa da sua vida, é um grande passo.
    Sou noiva já estou pensando no financiamento do nosso primeiro imóvel e tenho certeza que os seus post´s irão me ajudar bastante agora. Adorei a decisão do seu marido também, gastronomia é um amor, meu noivo também tem muita vontade de fazer =)
    Parabéns pela sua grande decisão! Abraço.

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada, Michele! E nós demos sorte com esses meninos cozinheiros, hein? hihi

      Responder
  10. vigna

    Oi! Passei por essa situação quando sai da casa dos meus pais. Na época fiz milhões de cálculos e achei melhor alugar. Aluguel num período curto não é ruim. Existem livros que demonstram os cálculos e as vantagens. Uma alternativa que no meu caso é ótima, pois não estou pagando aluguel, é o consórcio. Se vc tem algum dinheiro guardado e fgts retido existem boas condições. Sou da área financeira e pesquiso muito. Acho interessante vc pesquisar. Claro que não sei suas condições e desejos, mas vale a pena pesquisar. Uma coisa eu garanto vc pagará juros menores. Faça simulações na Internet que apresentam o valor final. Existem muitas possibilidades de investimentos, só que não é interesse do banco ou governo que agente saiba. Este momento exige muita racionalidade e planejamento. Boa sorte querida!

    Responder
    1. Thais Godinho

      Eu sei, mas não podemos pagar consórcio e aluguel ao mesmo tempo. Compensa para quem mora com os pais, no entanto.

      Responder
  11. Comprar nosso primeiro apartamento foi um marco na nossa vida, Thais. É muito bacana e muito, muito gratificante. Mesmo com toda a burocracia, a papelada, o empenho que isso demanda. Tudo valeu a pena. E depois, esse apê virou parte da nossa casa atual, que está quase pronta. :)

    Boa sorte pra vocês!

    Bjo

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada, Michelle. =)

      Responder
  12. Lorrene

    Já pensou em casa em condomínio fechado? Mudei de um apartamento alugado para uma casa alugada e hoje só me cobro porque não fiz antes. Era um ap. de 2 quartos, mudamos para uma casa de 2 suítes (apesar de mais trabalho com limpeza, compensa pelo conforto) e nem estavámos vendo casa, foi um colega que soube que eu e o marido procuravámos um ap. para alugar que nos ofereceu a casa. O valor do aluguel ficou o mesmo, o do condomínio ficou mais barato e ainda tem mais opções de lazer que no ap. , e sinto mais segura aqui que em prédio.

    Não sei como estão os valores em Campinas, mas talvez a diferença de um apartamento para uma casa em condomínio seja pouca. Eu achava que o aluguel de casa era bem mais caro que apartamento e não é, valor de venda pode ser o mesmo.

    E para quem é mãe (também sou) segurança, espaço e itens de lazer fazem diferença.

    Responder
    1. Thais Godinho

      Já pensei sim, mas aqui em Campinas essa opção é o dobro do preço dos apartamentos comuns.

      Responder
  13. josilma beltrao

    Vai em frente!!! Nós financiamos o nosso apartamento e, confesso que no início é aperta o orçamento, mas vale a pena. Costumamos dizer que entramos no progama da CAIXA: “Minha Casa, Minha Dívida”. É mais ou menos assim: “um lugar para chamar de nosso”.

    Ficamos na torcida!!!

    Abrçs!!

    Responder
    1. Thais Godinho

      Minha Casa, Minha Dívida é ótimo! kkk

      Responder
  14. Thais, eu estou amando seu blog, tem me ajudado muito, estou louca pra ler o livro que você indicou (7 hábitos), você me inspira a ser melhor, nesse mundo de pessoas tão vazias é bom saber que tem gente que procura sempre melhorar.

    Desejo tudo de bom, você merece e vou continuar sempre lendo seu blog.

    Responder
    1. Thais Godinho

      Muito obrigada, Clau! Ganho o dia com esse tipo de mensagem. <3

      Responder
  15. Ciz

    Oi !
    Parabéns pela decisão!
    sua vó é uma sortuda, tem gente “brigando” por ela, pois infelizmente as pessoas esquecem o quanto aquele velhinho fez por eles outrora…
    Minha vó está numa clinica de repouso (que cá pra nós sabemos que são tratados como crianças birrentas e com muita falta de carinho, apenas dão comida, remédios, banho e põe para dormir!)
    E ela tem 3 filhos homens, uma mulher e uma filha adotiva, NINGUEM, quis ficar com ela, pois ela dá muito trabalho (segundo eles), sabe qual o problema dela que dá trabalho???
    Tem 90 anos e fraqueza nas pernas, por isso anda com muita dificuldade e tem perigo de tombos como todos idosos, portanto usa fraldas.
    Cabeça, audição, tudo excelente!
    Eu? o que faço por ela? visito sempre, pois não posso pegar para mim a causa…..Pô 5 filhos?????
    É revoltante ver ela chorando, querendo sair de la e não poder fazer nada….Cada vez que vou lá vejo a tristeza estampada na carinha de cada velhinho!
    Parabéns querida por amar sua vózinha e caso ela precisasse sua família deixasse vc abraçar a causa, diferente da minha!

    Beijos

    Responder
  16. Beatriz

    Que bacana… não sabia q vc mora em Campinas!!!!

    Sou de Americana… cidade vizinha!!!!! rs

    Nós tmb financiamos o apto… fizemos o financiamento em 10 anos e acabaremos bem antes disso, pois a cada 2 anos vc pode usar o FGTS pra abater… qdo vê, já acabou!

    Um lugar bacana tmb (eu pelo menos acho) é o Mansões Santo Antonio… pertinho do Shopping Parque Dom Pedro…

    Tomara q vc encontre um bom imóvel… agora é uma época boa pra comprar, viu Thá? Tem mta construtora que imóveis encalhados e oferecem um bom desconto… já tem construtora dando descontos de 30% (os valores estavam mega inflacionados)… procure e pechinche… agora, o poder de barganha está em suas mãos!!!

    Bjs… boa sorte pra vcs!

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada, Beatriz! Li sobre isso ontem também. De fato, parece ser um bom momento.

      Responder
  17. Déborah

    Meus professores da faculdade chamam de ” Nossa casa, sua dívida”! rs
    Pq só é nossa realmente qnd terminamos de pagar…enfim.

    Td de bom pra vcs!

    Responder
  18. Cris

    Thaís sempre pensei nisso no seu caso, quando você mencionava que ainda morava de aluguel, ficava pensando, “Mas porque ela não faz um financiamento”, aí pensava “Ah mas ela está em Campinas de passagem”, aí imediatamente pensava “Ah mas poderia alugar, ou vender…esse não é o problema” Em fim Thaís o que pode estar bem resolvido para nós, para os outros não é bem como você disse “as decisões vêm quando tem que vir”… E é isso aí, no meu caso, jamais pensei na possibilidade de morar de aluguel, planejei tudo para que pudesse fazer um financiamento, não foi fácil, mas depois que casei nunca paguei aluguel, aprendi com a época da faculdade quando tive que morar fora e pagar aluguel…meu dinheirinho ia todo pelo ralo.

    FELICIDADES NA NOVA EMPREITADA, NÃO É FÁCIL, MAS TENHO CERTEZA QUE OBTERÁS SUCESSO!!! :)

    Responder
  19. Shaiana Bittencourt

    Mudanças nos causam incômodos, mas é para melhor sem dúvida.
    Que Deus abençoe seus negócios!
    Bju

    Responder
  20. Carla

    Simples assim. Vai dar certo.

    Responder
  21. Vania Lacerda

    Decisão acertada. Vai correr tudo bem!

    Responder
  22. Boa sorte e parabéns pela decisão!

    Responder
  23. didiana viegas

    oi amiga posso te chamar assim vc tem me ajudado muito com algumas dicas, fico feliz por vc te admiro muito pois acho que eu ainda tenho muito a aprender com vc obrigada

    Responder
  24. Ciz

    Sério mesmo que sumiu meu comentário???
    Magoei…

    Responder
  25. Ciz

    Achei, eeee!!!!

    Responder
  26. A decisão de trocar o aluguel pelo financiamento é bem acertada. Afinal, o primeiro é corrigido pelo IGP-M que é bem alto, além daquela sensacao desconfortável de nao ser nosso e pra piorar um certo medo de que a qualquer momento podemos nos tornar uma “sem teto”.

    Eu sou advogada especializada em Direito Imobiliário, tenho uma empresa de assessoria pessoal que auxilia os nossos clientes nas tarefas “chatas” do dia a dia, incluindo a procura pelo imóvel próprio e a parte de documentação para financiamento imobiliário. O que eu noto na maioria das pessoas é que todos querem viver o sonho da “casa própria” mas a maioria tem muito medo de se jogar em todos os procedimentos.
    Realmente, marinheiros de primeira viagem podem bater de frente com algumas burocracias e coisas chatas, dá um frio na barriga, a gente fica inseguro e tudo mais, só que não é nenhum bicho de sete cabeças e bem assessorado a transição pode ser feita de forma bastante tranquila!

    Parabens pela decisao e boa sorte na nova empreitada!

    Responder
    1. BiaB

      Danielle, não se esqueça que, a não ser que o imóvel seja comprado à vista, enquanto ele não for quitado, ele não pertence ao morador, mas ao banco!!! Se parar de pagar as prestações, o imóvel é tomado e vai a leilão. Aí vc não fica apenas “sem teto”, mas ainda fica com nome sujo pra, inclusive, alugar outro imóvel!
      É uma ilusão achar que “está pagando por algo seu”, na verdade vc está pagando “aluguel” pro banco, por algo que “pode ser seu”, caso não haja reviravolta nenhuma na sua vida e vc chegue intacto ao final do financiamento!

      Responder
      1. Vania Lacerda

        Olá, Bia.
        Na verdade, funciona assim: o imóvel é seu, fica em seu nome, registrado no Cartório, com escritura em seu nome. E fica hipotecado ao Banco. Se a pessoa deixar de pagar as prestações, essa hipoteca é executada, para que o banco recupere o dinheiro que emprestou.
        Mas executar uma hipoteca não é algo tão simples assim, é uma ação judicial, que nunca leva menos que um ou dois anos. Durante esse tempo, sempre se pode negociar.
        Se a pessoa passou a ganhar menos, ela pode acertar com o banco uma prestação menor, aumentando o prazo, é claro.
        A pessoa pode usar seu FGTS para quitar as prestações em atraso. A pessoa pode vender o imovel, recebendo aquilo que já pagou e passando as prestações que faltam pra frente.
        E se tudo isso falhar e a hipoteca de fato for executada, e seu imovel for a leilão, o banco só poderá ficar com o valor que faltava pagar, o que ultrapassar esse valor tem que ser devolvido para vc, que pagou varios anos antes de perder o imóvel.
        Olha, trabalhei com isso alguns anos, e o percentual de pessoas que perdem seus imóveis varia de 3 a 6%. Os outros 95% se dão bem.

        Responder
  27. Bruna Reis

    Boa sorte Thaís… ;*

    Responder
  28. Camila Duarte

    Olá Thais!
    Sei que decisões tem que ser pensadas e pelo o que você postou realmente foi isso que vocês fizeram :)
    Então desejo muita sorte e muita luz para essa fase.

    Eu sou uma Campineira convicta, sou absolutamente apaixonada pela minha cidade. Nasci e cresci aqui e vejo as coisas ruins daqui, como trânsito, poluição e a crescente violência. Mas não tenho como negar que me sinto feliz andando pelas ruas daqui, que gosto de ir a feira do Centro de convivência, que de vez em qdo vou a torre do Castelo dá uma olhada na “vida”. Gosto do meu “r” puxado, de comer cachorro ou ir no Voga comer um pastel. É um misto de “interior” e “capital” de jeito que muito me agrada.

    Bem, que vocês sejam ainda mais felizes aqui na “nossa” terrinha.

    Bjs, com carinho!

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada, Camila. Agora nós já estamos bem acostumados. No começo foi difícil mesmo.

      Responder
  29. Isabela

    Thaís, querida! Muito obrigada por toda ajuda diária e pela generosidade de partilhar sua vida e seus conhecimentos com a gente!
    Você não tem ideia de como esse post chegou no em um bom momento.

    Sucesso e felicidades!

    Responder
  30. Kathia

    Desde já, desejo boa sorte nessa sua nova aventura, Thais.
    Bjs.

    Responder
  31. BiaB

    Tá, vou ser a opinião divergente…

    Pense em algumas coisas:
    1 – Embora as pessoas insistam no contrário, se vc adquirir um imóvel financiado, enqto vc não quitá-lo ele NÃO é seu, é do banco. Parou de pagar as prestações, o imóvel vai a leilão (uma pesquisada simples no site da CEF e de leiloeiros mostra a dimensão da coisa). E, quando quitar, só de juros do financiamento vc pode ter chegado a pagar mais 1 ou 2 imóveis. Vc é uma pessoa organizada e, ao que tudo indica, financeiramente também. Por que não investe a diferença do valor da prestação pro aluguel até conseguir comprar o apê à vista? Vai demorar mais alguns anos, sim, mas nada que seja absurdo, e, até lá, caso suas preferências/necessidades tenham mudado, vc pode adaptar.
    2 – Imóvel não está tão fácil de vender/alugar quanto há algum tempo. As construtoras estão com estoques altos e não conseguem se desfazer (se vc for verificar os balanços publicados, estão começando a aparecer os prejuízos), seja por não terem vendido, seja por distratos. Se alugar, o valor que vc vai conseguir está em torno de 0,3% do valor “anunciado” do imóvel (em geral os imóveis estão sendo vendidos com deságio), o que é menos do que vc conseguiria deixando o dinheiro na poupança, que tem liquidez imediata. E, enqto vc não alugar, todas as despesas do apê correm por sua conta.
    3 – Não há nenhuma garantia de valorização eterna do imóvel, como a gente ouve por aí… ninguém conhece o futuro e, se vc morou em sp, viu de perto como algumas regiões podem se valorizar e desvalorizar bastante no decorrer do tempo (Luz, Campos Elíseos, Barra Funda, Baixo Augusta etc), basta mudar alguma coisinha: um viaduto a mais ou a menos, uma empresa que se instalou perto, até a ocupação dos imóveis vizinhos… É praticamente uma loteria.

    Lembrei que há pouco tempo vi esse post, que vai ao encontro de algumas coisas que te falei aí em cima…
    http://investidorurso.blogspot.com.br/2013/06/apartamento-quando-comprar.html

    Muito provavelmente começarei a ser massacrada por aqui, mas a realidade que vejo é que muita gente acredita nessas falácias que eu descrevi, e ninguém para pra fazer as contas ou verificar os dados (dados e conversas de corretores não valem, pois eles não são isentos, têm que ser dados confiáveis). Sem contar que comprar imóvel atualmente é MUITO diferente de ter comprado há uns 5-6 anos, quando os valores estavam mais próximos do valor real…

    Enfim, é a ajuda que posso te dar, boa sorte! :)

    Responder
    1. Thais Godinho

      Bia, obrigada pelas sugestões. A gente já avaliou bem todas as possibilidades. Hoje pagamos MUITO caro pelo aluguel, pois a cidade onde moramos está totalmente sem noção com relação a esses valores. A prestação será MENOR que o que pagamos hoje de aluguel. Não pretendemos demorar 30 anos para quitar o imóvel. Também concordo que os juros pagos são enormes mas, se pensarmos assim, acabaremos não comprando. A ideia é quitar antes mesmo, amortizando as taxas.

      Não estamos comprando o imóvel visando investimento. Pretendemos morar nele “para sempre”. O que eu quis dizer no post é que a vida é imprevisível e eu parei de pensar no “e se”. Gostaria que vocês confiassem em mim quando escrevi que foi uma decisão longamente pensada. Mais uma vez, saliento que não posto super detalhes no blog.

      Estou escrevendo assim não pelo comentário contrário, mas pelo tom de “ninguém pode escrever nada contrário que leva pedrada”. Poxa vida, gente. Sério que vocês pensam isso de mim? Sério mesmo? Me dedico tanto ao blog, sempre procuro responder todos os comentários e aprendo DEMAIS com todos eles, ESPECIALMENTE os que demonstram uma opinião contrária à minha, porque estou longe de ser perfeita. Nunca que eu ataquei com “pedradas” quem tivesse uma opinião contrária a minha. O que eu realmente não gosto é, por estar me expondo, receber pré-julgamentos, mas também sei que quem dá a cara a tapa na internet está sujeito a isso.

      Apenas para complementar… Sou organizada mas a vida tem imprevistos. E se eu não quisesse escrever no blog que tinha um bom dinheiro guardado mas, por um problema de saúde de família (meu pai teve câncer e morreu, deixando um sócio que precisou receber um dinheirão que tinha investido) eu precisei me desfazer desse dinheiro?

      Por favor, pensem antes de escrever. Se importem um pouquinho com quem está do outro lado. Não é questão de ter opinião contrária, mas de ser indelicado, fazer pré-julgamentos. Sei que não foi o seu caso, Bia, mas aproveitei esse comentário (e o outro) para desabafar, porque isso acontece direto no meu blog, no de outras pessoas, e não acho muito correto.

      Responder
  32. Thais, tenho certeza que vcs pesaram e calcularam td muito bem, só gostaria de fazer uma ressalva qt ao pagamento do aluguel. /não é verdade que paga caro quem paga aluguel pelo simples fato de ser aluguel e não compra. Na verdade se a pessoa for financiar, vai pagar juros, então tb paga fora ou, a frase que detesto, “joga fora” o dinheiro. Há casos e casos em que o aluguel é melhor, em que comprar é mais vantajoso, mas depende de inúmeras variáveis. E no caso de moradia sabemos que nem sempre o fator 2 + 2 prevalece. Nós aqui no Rio por exemplo optamos por pagar um aluguel mais caro numa região em que meu marido trabalha, pois assim ele chega em casa em 15 minutos, ate andando ou de bici. Em vez de “economizar” um dindin por exemplo. Nesse caso optamos por investir não esse valor no aluguel, mas em 2 horas, no minimo, dele livres, por dia. Qualidade de vida. Então eu jamais diria que sai mais caro morar na outra região e “economizar”, pq ter ele pra jantar, passear com os cachorros e descansado vale mt mais pra mim.
    Mas, como eu dizia no caso do aluguel e da compra só é verdade que o aluguel é mais caro caso a pessoa tenha o valor total pra pagar num imovel, à vista. Aí sim ela ta economizando, os juros e o valor d eusar o imovel de outrem.
    No mais, boa sorte com a compra! Tenho certeza que vai dar td certo e vcs serão mt felizes no novo lar.
    bjs,

    Responder
    1. Thais Godinho

      Eu concordo com a coisa do termo “jogar fora” (que você falou). Também não acho que pagar aluguel seja jogar o dinheiro fora (ou é a mesma coisa que jogar fora o dinheiro dos juros do financiamento). Estou pagando para morar em um lugar, acho isso ok. E vocês estão certíssimos de pagar mais para morar perto do trabalho. Tempo é o nosso bem mais valioso mesmo.

      Responder
  33. Tati Roggero

    Thais, te desejo muuuita sorte nesse novo projeto! Se tiver alguma dúvida em que eu possa ajudar (sou advogada), é só dizer! Sorte, sorte, e atenção à leitura das entrelinhas! Bj!

    Responder
  34. Ah, e sobre o ponto de ser um investimento: sim, imóvel é um otimo investimentoi, dificilmente desvaloriza. MAS… se vc comprar pensando em investir. Aí sim. Pq se vc compra pensando em morar, vai levar fatores “irracionais” como “gostei mais dessa cozinha” rs em conta e nem sempre esses fatores são boins para o negócio. Investimento tem que ser amigos, amigos, negócios à parte. A gente tb ta comprando imovel pra investir, mas nem pé na msm cidade em que moramos, é onde achamos que valoriza mais e só pra isso, investir.
    bjs,

    Responder
    1. Ops, mais comments rs É que tem tempo que não entro aqui. Eu acho que financiar um imóvel é uma boa saida pra pessoas desorganizadas, que não conseguem poupar a nao ser na marra, sabe?O que nao acho que é seu caso, claro. Pq aí a pessoa troca o aluguel pelo financiamento (valore sproximos), beleza. MAs se a pessoa é organizada o melhor seria, alguar algo menor ou mais simples do que ela gostaria e juntar o máximo que puder o amis rapido possivel, aí usar isso pra comprar à vista (um pequeno que seja), ir juntando mais e ai vender e trocar por outro maior, etc. bjs,

      Responder
      1. Thais Godinho

        Cada um com suas necessidades e privacidade de informações. ;D

        Responder
      2. Cris

        Não concordo com vc Jackie, mas é a sua opinião e temos que respeitar!!!

        Sou extremamente organizada, tenho reservas para emergências, e qualidade de vida, morando num imóvel financiado, ah e detalhe MUITO FELIZ pq além de pagar o financiamento do “imóvel que momentaneamente é do banco, como disseram aqui” reformei e está linda do jeito que sempre sonhei e detalhe sem dívidas, apenas os juros do financiamento que tá posso até concordar (como disseram aqui, no final posso comprar 2 imóveis), mas não compra a minha felicidade do hoje e do agora, PORQUE O AMANHÃ A DEUS PERTENCE.

        Assim como você optou em pagar um imóvel mais caro para ter conforto eu optei em ter a casa dos meus sonhos, pagando juros do financiamento, e o que é isso para a minha opção de ser feliz hoje! NADA. Tenho que concordar com a Thaís nesse momento

        ” CADA UM COM SUAS NECESSIDADES E PRIVACIDADE DE INFORMAÇÕES”

        Bjs Jackie…não fique muito tempo sem acessar o VO aqui vale apena entrar e dar uma espiadinha!!!

        Responder
        1. Mas Cris, eu nao disse que sou mais feliz pq alugo do que quem compra, ou que ninguém deve comprar. Eu contei minha decisao pessoal, partilhei, só isso. O que eu quis dizer como contribuição à Thais, porque ela escreve um blog e colocou isso no texto e eu acho que vale a pena quandso a gente curte o blog mostrar outras visões ao autor, é que não é correto dizer que quem aluga joga dinheiro fora só pq paga aluguel, não está comprando, pq se fosse assim quem compra financiado tb joga pq paga juros. Só isso. O que eu acho que vc e Thais interpretaram como uma sugestao de que minha opçao é a melhor foi eu contar meu caso. Eu so estava contando que onde eu moro, é caro pra comprar. Bem caro (absurdo memso). Eu não posso e nem quero comprar nada aqui. E tb é caro pra alugar. Entao ouço sempre as pessoas dizendo pra gente alugar em outra regiao mais barata e economizar etc etc conforme o “causo” que contei. E que na minha opiniao valia mais a pena justamente pagar mais caro pq eu considero investir em qualidade de vida, ja que poderia comprar somente na regiao mais barata e tb mais longe do atual trabalho do meu marido. Foi isso.
          O meu comentário abaixo, complementar, foi pra acrescentar após eu ler outro trecho do post que considero que qd uma pessoa é desorganizada com dinheiro (e ressaltei que a Thais não eh esse caso, mas comentei pq os leitores tb leem aqui, entao nao comenta-se apenas pra autora, correto?), enfim, qd a pesso não consegue se organizar pra juntar um dinheiro a compra, mesmo pagando juros, é uma boa pq a pessoa é obrigada a investir aquele dinheiro, o da parcela, que se ela morasse em aluguel ela talvez gastasse com outras coisas o que sobrasse. E esse nao é o meu caso tb, pois sou bem organizada ocm dinehiro e juntamos pra investir além do que pagamos de aluguel.
          Enfim, era isso. Mas nossa, deixa pra lá, queria compartilhar, só isso.

          Responder
          1. E um PS, não entendi “o privacidade de informações” da Thais. rs

            Responder
            1. BiaB

              Jackie, eu tb concordo com vc… mas, pelo visto, qualquer opinião que é contrária, nem que seja um pouquinho só (a sua é “menos contrária” que a minha rsrs), já é recebida com pedrada… fazer o quê?!
              Só acho que, se a pessoa se propõe a compartilhar sua experiência em um blog (é o caso da Thais, mas não só dela, em geral), deve estar aberta a receber informações diferentes, não só que endossem o que ela diz, certo? Pelo jeito, não…

              Ah, e eu também não entendi o “privacidade de informações”… é um recado sutil pra “guarde o que vc pensa pra si mesmo, se não concorda comigo”? rsrs

              Responder
              1. Thais Godinho

                Bia, não foi isso não. Quis dizer que nem tudo é postado no blog porque tento manter minha privacidade ao menos um pouquinho, não dando detalhes pessoais, de finanças ou de outros assuntos. Respondi pelo celular, escrevi rápido e não tenho o hábito de escrever com as teclinhas do touch para explicar a frase inteira. Agora o negócio de “receber com pedrada”, achei chato sim, por vários motivos.

                1) Se um blogueiro não quer opinião, ele sequer permite comentários. Quem me acompanha pelo blog sabe que eu sou super preocupada com os leitores, faço questão de responder os comentários, mesmo os agressivos. Estou um pouco ausente nos últimos dias porque sofri um acidente e ainda não posso escrever muito por causa do braço, mas mesmo assim tento atualizar o blog para o pessoal não ficar sem atualizações.

                2) Vocês NÃO TÊM ideia do tipo de mensagens que os blogueiros recebem. Agressivas, invasivas. Eu, que nem sou famosa como outras meninas, já recebo algumas coisas, mas fico chocada com os comentários que leio em outros blogs da vida. Se coloque no lugar dessas pessoas que se expôem, se dedicam pra caramba ao blog e recebem esse tipo de comentário.

                É óbvio que todo mundo tem o direito de expôr sua opinião no blog e nos comentários. Mas blogueiro não é entidade e também tem o direito de ser humano. Se uma pessoa critica um post meu de uma forma desnecessariamente agressiva, eu tenho que ser meio madre-teresa na hora de responder por que, exatamente? Todos somos humanos aqui, ficamos alegres e chateados. Eu super tomo cuidado para tratar bem todos os leitores, e posso te dizer que NÃO foi uma “pedrada” a minha resposta no outro comentário! Quis apenas dizer que, o que eu posto no blog não é nem 10% da minha vida, porque não quero escrever sobre coisas que quero manter minha privacidade. Escrevo sobre o que diz respeito a organização!

                Algumas pessoas têm blogs e possuem uma atitude muito menos democrática, mesmo porque, os blogs são pessoais mesmo. Agora imagine eu, com o braço machucado, fazendo um post pessoal, contando sobre a nossa experiência de financiamento, me abrindo com os leitores (que sei que se importam) e recebo um comentário dizendo que quem financia imóvel é desorganizado? Poxa, meu blog é sobre organização. É o mesmo que postar no blog de uma menina que fala sobre emagrecimento dizendo que comer tal coisa engorda. Não é agressivo (e não achei que o comentário acima foi), mas é desnecessário. Simplesmente respondi que não posto todas as informações do mundo no blog, e não considerei minha resposta nem um pouco agressiva (se ela entendeu assim, peço até desculpas). Mas realmente não posto 100% da minha vida aqui no blog, e foi o que eu quis dizer.

                Se você não entendeu o comentário, por favor, não diga que foi um “recado sutil”, fazendo um pré-julgamento. Eu sou uma pessoa escrevendo aqui do outro lado, e acho muito chato ser julgada por quem não me conhece. Sei que a posição de blogueira não favorece muito nesses casos, mas não é porque sou blogueira que tenho que ser perfeita para todo mundo. Aliás, nem na vida real, com pessoas que amo e convivo, eu sou perfeita. Por favor, não esperem isso de mim. Mas se esperarem honestidade e carinho pelo que eu faço, tenho certeza que sempre encontrarão isso.

                Responder
                1. Thais Godinho

                  E aliás, eu sempre espero receber opiniões contrárias, porque aprendo demais com a troca de experiências aqui no blog. Tenho certeza que nunca quis passar essa impressão porque realmente não me sinto assim, querendo só aplausos. Poxa, acho que pela dedicação que eu tenho ao blog eu demonstro um pouco que minha preocupação principal não é o que EU penso, não é?

                  Enfim, Bia e Jackie, me desculpem por qualquer coisa e espero que vocês continuem SIM comentando, mesmo e principalmente se for para me ajudar assim como tento ajudar o pessoal que lê o blog. Isso é uma troca.

                  Um beijo.

                  Responder
        2. Raquel

          Muito pertinente este comentário, acho que a felicidade do momento atual é o que vale e, realmente o futuro a DEUS pertence. Estou muito feliz com “meu” Ap financiado, mesmo pagando juros. Comprei ele na planta e tive tempo de pensar cada detalhe, enfim, muuito gratificante poder fazer “o que quiser” com ele, claro respeitando as normas de condomínio, digo na questão de reforma, móveis planejados, etc…

          Responder
          1. Raquel

            Muito pertinente o comentário da Cris (acima) , acho que a felicidade do momento atual é o que vale e, realmente o futuro a DEUS pertence. Estou muito feliz com “meu” Ap financiado, mesmo pagando juros. Comprei ele na planta e tive tempo de pensar cada detalhe, enfim, muuito gratificante poder fazer “o que quiser” com ele, claro respeitando as normas de condomínio, digo na questão de reforma, móveis planejados, etc…

            Responder
    2. Thais Godinho

      É, tanto que inicialmente pensávamos em comprar um imóvel maior, mas achamos que, no formato que decidimos comprar, é mais “comercial” CASO a gente queira revender futuramente. Tem que ter olho muito clínico mesmo para não comprar pelo coração, como você falou… por causa de uma cozinha bonita, por exemplo. Mas inevitavelmente, nenhum imóvel é perfeito. Nós não temos pressa e, enquanto não acharmos um imóvel legal, continuaremos morando de aluguel tranquilamente. Como é um investimento, realmente não dá para sair comprando qualquer coisa.

      Responder
  35. Milayne

    Boa sorte!!! Sei que todas as fases são trabalhosas, mas possíveis, meu marido e eu já passamos por elas. O medo foi tanto na época, que financiamos o valor que faltava em 30 anos, era a parcela que cabia no orçamento. Para nossa surpresa vamos quitar em 5 anos, usamos os nossos FGTS na compra e depois de 3 anos usamos novamente (hoje já pode usar após 2 anos) e todo dinheiro extra usamos para amortizar no prazo. Toda dívida gera preocupação, mas com planejamento tudo dá certo. Beijos.

    Responder
  36. Isabela

    Thais tenho acompanhado o seu blog há pouco tempo e sendo honesta não me lembro o caminho percorrido até ele, mas estou gostando muito dos seus posts. Muitas vezes senti vontade de comentar e não fazendo isso no momento da leitura acabei não o fazendo em momento nenhum. Quero lhe agradecer por investir tempo e dividir um pouco da sua vida com leitores desconhecidos. Os seus textos são agradáveis e muitos parecem escritos para mim.
    Nesse último não posso perder a oportunidade de comentar porque estou passando por algo parecido, não exatamente igual porque eu tenho um apartamento em que não moro que estava alugado e a inquilina rompeu o contrato repentinamente. Isso me fez pensar em sair do que eu moro, onde pago aluguel e viver no meu cantinho. Parece óbvia a decisão. Entretanto, eu moro com meu filho de 20 anos e o ap próprio é bem menor do que o que moramos e teremos que dividir o único quarto com ambos perdendo privacidade e tudo mais. A contrapartida será uma bela economia mensal o que me dará chance de partir para um imóvel maior.
    Êita, como é difícil tomar algumas decisões que depois de tomadas pareciam óbvias…
    É como você disse, o tempo e a vivência necessários numa determinada situação para nos dar base e decidir pela mudança.
    Mas estou confiante e firme num projeto interno que batizei de “PROJETO REDUZIR”.
    Objetivo: redução de despesas, desperdício, tempo para executar coisas simples, móveis, objetos e pessoas que não contribuem, reduzir peso, aborrecimentos, enfim, REDUZIR tudo o que infla a vida e a mim de maneira ruim. Por isso, saio de um ap de 80m² para um de 40m². Mais do que nunca suas dicas de organização serão válidas.
    Boa sorte para você na sua empreitada e para mim na minha!
    E viva a vida, as mudanças e os desafios!
    Bj,
    Isabela

    Responder
    1. Thais Godinho

      Boa sorte nessa nova fase, Isabela. Obrigada por comentar.

      Responder
  37. André

    Olá!

    Parabéns pelo Blog e pelo post.
    Estou fazendo exatamente o inverso. Era de Campinas e vim para São Paulo. No meu caso, estou alugando o meu em Campinas e alugando um pra mim (mesmo valor) aqui em São Paulo.

    Boa sorte no projeto.

    sucesso!

    Responder
  38. Nilza

    Oi! Que legal! É super emocionante comprar um imóvel. É gostoso procurar, se imaginar morando lá… Acho que vc vai se divertir muito e aprender bastante. Gosta de “Property Virgins” (Fox Life)? Espero que compartilhe sua experiência.
    Campinas é uma cidade excelente. Vc terá uma ótima vida se ficar por aí e, se quiser vender ou alugar o apto, não terá dificuldades.
    Boa sorte!

    Responder
  39. Oi, Thais!
    Já passei por essa fase de financiar a casa própria. E fiz algumas considerações sobre o assunto lá no blog: http://6mesespramudar.blogspot.com.br/2012/06/como-financiar-sua-casa-propria.html
    Acho que pra nós que somos mães, com a vida agitada que levamos, ter uma casa própria nos faz sentir um pouco mais seguras tb. Assim podemos dar uma referência de lar pros nossos filhos e não precisamos ficar preocupadas com mudanças.
    Depois de ter a casa própria, a única coisa que pode nos tirar o sono são as reformas. Eu sei bem como é isso. hehehe
    Beijinhos,
    Paula

    Responder
    1. Thais Godinho

      Obrigada, Paula! Vou ler seu post.

      Responder
  40. Acimeri

    Gosto demais da sua página, e a questão de sair do aluguel e pagar o
    que vai ser seu é uma dúvida que temos, causa medo, insegurança…mas
    é isso mesmo, temos que enfrentar! Aguardo todos os passos!
    Que Deus abençoe sua decisão, e abra todos os caminhos!

    Responder
  41. Georgina Melo

    Oi, Thais
    Após tantas considerações legais que li, lembrei de leilões de imóveis da Caixa que oferecem imóveis bem em conta. Sei que vcs estão com uma reserva pequena para pagar à vista, mas seria mais um caminho a verificar. Aqui no Rio a Caixa oferece de vez em qdo imóveis assim. Bem, como vantagem, vejo o fato de vcs poderem (aos pouquinhos..) ir arrumando o imóvel com a cara que quiserem já que possivelmente terão que fazer umas obrinhas.
    Acho que não custa procurar por aí.
    Desejo muuuiiittaaa sorte e felicidade pra vcs nessa nova escolha.
    Bjins :)

    Responder
  42. Fabíola Mariz

    Oi Thais,

    Sempre acompanho seu blog ( na verdade sou viciadaa nele..rsrsr), e só hoje resolvi comentar. Primeiro porque quero te desejar boa sorte nesse processo de compra do imóvel e depois porque queria compartilhar com você os meus processos de compra e venda.

    Sou de Natal/RN e tinha lá um apartamento proprio e quitado..pois bem, fui chamada para trabalhar numa empresa pública (concursada) em Fortaleza/CE. Depois de muita indecisão, resolvemos (eu e meu marido) nos mudarmos, uma vez que sera um emprego estável e ele conseguiria se organizar em Fortaleza também.

    Pois bem…vendemos nosso apartamento de Natal e viemos morar de aluguel em Fortaleza até que surgisse a oportunidade de comprar outro. Ate que encontramos um dos nossos sonhos, mas o dinheiro que tínhamos só dava para dar uma entrada, boa parte teriamos que financiar..e assim fizemos.. eh um processo bem burocrático, mas que no final dá tudo certo.
    Entao, ficamos beem felizes, contratamos arquiteto, mobilizamos do nosso jeitinho (eu senmpre pegando dicas suas sobre organização) e parecia que tudo permaneceria assim para sempre. Seria um lugar ideia para criramos nossos filhos (quando vierem).
    Até que, dessa vez, meu esposo foi chamado para ser professor numa universidade federal da paraíba! E logo as dúvidas surgiram, afinal temos um financimento imobiliario.

    Mas, pesquisamos e vimos que não seria dificil vender o imovel ja financiado. Mesmo que o comprador financie por qualquer banco, a nossa divida ficaria quitada e ainda sairiamos no lucro, considerando que antes estaríamos com X reais e com a venda ficariamos com quase 2 vezes X, isso porque imóvel tem uma grande valorização.

    Agora estamos de volta para Natal/RN, onde iremos morar de aluguel, ate conseguirmos outra oportunidade para comprar.

    Entao é isso..queria só transmitir a mensagem que mesmo que haja alguma possibilidade (mesmo que remota) de uma possível mudança e vocês estejam com um financiamento imobiliario, isso pode ser desfeito, com um pouco de burocracia..mas que no final dá certo.

    Abraços,

    E boa sorte.

    Responder
  43. Carla

    Nossa…nunca poderia imaginar que esse post daria tanta audiência…gente, é simples assim: decidir e fazer acontecer! Thais amo seu blog (virou um vício mesmo!) e de novo: Vai dar certo.
    Melhora logo do braço!!!

    Responder
  44. ola Thais, fico feliz por vc ,e peço a DEus que te abençoe que de tudo certo, peça a Ele tbem, para direcionar seus planos, e vai dar tudo certo,eu e meu marido tbem estava mexendo com a papelada do financiamento, mas infelismente ainda nao deu certo,o banco nao nos aprovou ainda ,mas tudo tem a hora de Deus, cremos que Ele nos reseva o melhor,a gente tbem sabe das consequencias que sofremos por alguns erros nossos, mas entendemos , no começo ficamos chateados ,mas agora ja nos conformamos, agora vamos tentar de novo só depois de seis meses, para o banco aprovar os documentos…mas to muito feliz por vcs e estou orando pra Deus te dar o melhor ….bjooo

    Responder
  45. Fabiola

    Desejo a vcs toda sorte e felicidade nesse projeto ‘casa própria’, tão importante para qualquer família.
    Que encontrem o ap ideal, tudo de bom!
    Beijocas,

    Responder
  46. Roseane

    Thaís, considere adquirir uma carta de crédito já contemplada. Tenho uma no valor de 50 mil e quero passá-la. Cobro só o que já paguei. Qualquer coisa estamos aí!

    Responder

Deixe um comentário