ou

Lá vou eu com mais uma das coisas que a prática do método GTD vem trazendo para a minha vida.

Ontem cheguei em casa com a cabeça cheia. Foi um dia cheio de compromissos e muitas trocas de mensagens com pessoas de diversos níveis de relacionamento na minha vida. Senti uma necessidade instantânea de pôr todos os meus pensamentos no papel antes de dormir.

Hoje eu acordei mais cedo, porque a inquietude que falei em um post anterior me tirou da cama. E resolvi substituir o post que eu já tinha agendado por este, porque às vezes algum tema vem à minha mente e sinto uma necessidade latente de compartilhar meus pensamentos por aqui.

O que o GTD me proporciona é pegar cada um desses pensamentos e perguntar: “o que isso significa para mim?”. O que, de certa maneira, é como se eu perguntasse: “como eu quero me engajar com isso?”. E é um questionamento que apliquei ontem a cada mensagem que eu recebi. Sabe aquele dia que o What’s App bomba? Mensagens urgentes de clientes, mensagens importantes de amigos, outros passando por dificuldades e querendo conversar, enquanto seu próprio dia está bastante cheio?

E eu me senti satisfeita porque, ao fazer essa pergunta a mim mesma, isso me deu a chance de ter uma relação legal com cada um desses “inputs”. Consegui ver claramente o que eu poderia dizer “não” e deixar de lado sem me sentir mal, por quaisquer motivos – ou porque não dava para abrigar isso na minha vida agora, ou porque não era o momento de lidar com o assunto porque não me sentia preparada.

Isso tornou meu dia perfeito? “Menos cheio”? Evitou conflitos? Não. Mas me permitiu lidar com eles com tranquilidade. Me permitiu pensar com calma antes de responder uma mensagem – pensar no propósito de cada conversa. Eu não tinha isso antes, então para mim é uma grande mudança.

Sei lá. Às vezes penso, de verdade, que a vida se resume aos relacionamentos. E fico refletindo de que maneiras a organização pessoal pode ajudar nisso tudo. Ter a mente em paz e com os assuntos em ordem faz muita diferença. Tirar as coisas da cabeça, esclarecer como quero me engajar em cada uma delas. E efetivamente fazer isso.

Thais Godinho
11/04/2017
Veja mais sobre:
14
As 7 listas básicas que você precisa ter para gerenciar seu sistema GTD
Linkagem de domingo {70}
Aprendizados de um mês de auto-conhecimento

No ano passado, quando estávamos planejando a mudança de casa, eu contatei a Wanice Bon’Ávigo, do Armazém da Energia, para elaborar o projeto de feng shui da casa nova. Sempre fui apaixonada por feng shui e, desta vez, queria fazer tudo direitinho. Ela e a Érika elaboraram um projeto muito bacana e gostaria de compartilhar com vocês o processo.

Elas realizam uma análise de numerologia cabalística dos moradores da casa, o que é algo muito rico porque ajuda a ter uma visão de como essas três energias (no caso aqui comigo, meu marido e nosso filho) interagem com as energias da casa, e ao final elas elaboraram um projeto levando tudo isso em consideração, com soluções personalizadas. Fora que a análise numerológica é explicada em um delicioso arquivo de áudio para cada pessoa, que é para você ouvir com calma e curtindo cada frase. Eu vivo ouvindo de novo!

Para mim, foi o_projeto do ano passado porque me manteve bem em uma época que fiquei chateada com algumas coisas, no último trimestre do ano. Já comentei aqui que tivemos problemas com o administrador da casa, tive outros problemas que não divulguei no blog (e não vêm ao caso), e ter um projeto criativo e que envolvesse o nosso lar foi fundamental para me manter bem naquele período.

Quando eu recebi o projeto, comecei então a planejar essa implementação, que não tem fim, na verdade! Comecei com o arranjo dos móveis, depois fui para os cristais multifacetados para as curas de áreas faltantes, as plantas e quadrinhos. Tudo isso vou fazendo bastante aos poucos porque a casa é grande e não tenho pressa.

Eu sempre fui uma pessoa apaixonada por organização, mas sem muito talento para decoração, e ter uma orientação de feng shui fez bastante diferença no arranjo das coisas. Por exemplo, ao montar meu escritório, eu sabia onde posicionar a mesa de maneira mais favorável. Uma das paredes fica no setor dos relacionamentos, então a Wanice me orientou a inserir alguns elementos que têm tudo a ver.

Eu vejo uma relação muito intensa entre feng shui e organização em diversos aspectos. Em primeiro lugar, sobre não ter tralha em casa. Tralha só atrapalha, porque é energia parada, além de não ser possível organizar. Depois, o feng shui influencia também com sugestões sobre como organizar de maneira legal cada um dos ambientes, o que pode ser útil para quem gostaria de ter mais ideias. Fora os pequenos detalhes, como usar acessórios vermelhos no setor do sucesso e outros pequenos detalhes que, para mim, fazem toda a diferença.

No Armazém da Energia você pode solicitar o seu projeto de feng shui residencial mas, se quiser aprender como fazer, também tem o curso que nós estamos construindo em parceria, que é de Feng Shui e Organização da Casa, para quem quiser aplicar na sua casa e onde mais tiver vontade.

Você aplica feng shui na sua casa? Você gosta desse assunto? Este é um primeiro post de uma série de outros em que pretendo explorar como estamos fazendo e trocar dicas com vocês.

Thais Godinho
10/04/2017
Veja mais sobre:
Feng Shui
1
9 materiais de escritório essenciais para organização
Um pouco mais sobre as mudanças do blog

Recentemente li o novo livro da Patricia Lages, “Lugar de mulher é onde ela quiser”, e gostaria de fazer uma resenha aqui para o blog. Já adianto que gostei muito do livro e recomendo para mulheres que trabalhem e/ou empreendam. Traz muitas dicas e orientações que teriam sido diferenciais no meu caminho se eu tivesse lido quando estava começando a trabalhar como PJ e a prestar serviços para pessoas e empresas diferentes.

O livro é dividido em duas partes: “Encontre seu lugar” e “Conquiste seu espaço”.

A primeira parte é dedicada à pavimentação do negócio e de você como empreendedora. O que é empreender, como saber se você tem o perfil, sobre ser especialista e ao mesmo tempo ter que ter multifunções, o que pode te impedir de crescer, como organizar o tempo, principais desafios, o impacto do empreendedorismo no relacionamento e muito mais.

Quando eu terminei essa primeira parte, fiquei muito impressionada como ela conseguiu ir em pontos-chave e que farão bastante diferença em qualquer empreendedora que o leia. Sabe, estamos mudando o mundo. E tudo é muito novidade não só para a gente quanto para as pessoas ao nosso redor, especialmente parceiros e crianças.

Na segunda parte, ela fala sobre a organização da empresa em si para que você decole: como começar, erros comuns, como administrar o seu negócio, como administrar as finanças da empresa, como conhecer o seu cliente, modelo canvas (!), branding, marketing no geral, relacionamentos com clientes e outros assuntos relacionados.

O capítulo final, “Você não está sozinha”, foi como um suspiro sincero de apoio. Terminei pensando: “que livro!”.

Sou suspeita para falar do trabalho da Patricia porque gosto muito de todos os seus livros anteriores (todos best-sellers, a saber: Bolsa Blindada 1 e 2 e Virada Financeira). Mas esse é sensacional. Nós, mulheres empreendedoras, precisávamos de um livro assim. Minha única reclamação é que eu não queria que a leitura acabasse! Eu poderia ler mais umas 200 páginas escritas pela Patricia sobre esse tema.

Traz orientações e reflexões mas também dicas práticas, tipo prints de planilhas, sabe? Mostrando ali, mão na massa, como fazer. Eu gostei muito e acredito que será útil demais para quem simplesmente não tem onde buscar orientações similares. Muitas vezes, a empreendedora é a primeira da família a abrir e tocar uma empresa. Pode ser algo muito solitário e com muitas cobranças.

Obrigada, Patricia, por um livro tão bacana. E você, que está lendo este post: já leu o livro? Por favor, deixe um comentário dizendo se gostou. Obrigada!

Thais Godinho
08/04/2017
Veja mais sobre:
, Livros
5
Como manter o mindset empreendedor e superar a crise
#GIRLBOSS ou: o que criatividade tem a ver com empreendedorismo feminino
Livro: “Lugar de mulher é onde ela quiser” (Patricia Lages)