Blog Página 29

O que eu aprendi sobre produtividade com Tim Ferriss: parte 6

18

Continuando a série, hoje vem a parte 6!

produtividade-timferriss

Um dos assuntos que o Tim fala em seu livro “Trabalhe 4 horas por semana” é sobre como estamos reféns das interrupções em nossa vida. Foi ele que me ensinou a desligar de todas as notificações possíveis da vida e passar a ser rebelde com o celular, deixando-o desligado ou sequer levando ao sair de casa. Algumas dicas pontuais que ele dá sobre tais questões:

  • Desligue os alertas de e-mails.
  • Desligue as notificações de novas mensagens e e-mails no seu celular.
  • Confira seus e-mails uma vez depois do almoço e outra antes do fim do expediente.
  • Não confira seus e-mails logo que começa a trabalhar. Em vez disso, trabalhe em coisas importantes.
  • Crie uma resposta automática dizendo sua frequência de leitura até treinar as pessoas que convivem com você.
  • Tenha um celular para chamadas não urgentes e uma linha para as urgentes. Use seu correio de voz para deixar recado para as outras pessoas que te ligarem quando você não pode atender.
  • Se alguém ligar no seu celular, trate como urgência (porque deveria ser). Diga que está ocupado, mas tem 1 minuto. Não deixe a pessoa ligar mais tarde – force-a a ser objetiva. Se ela ligar depois, vai presumir que agora sim você terá tempo para bater papo!
  • Evite reuniões, pessoal ou remotamente, que não tenham objetivos claros. “9 em cada 10 vezes você pode responder perguntas via e-mail em vez de fazer uma reunião”.
  • A ordem de comunicação, para o Tim, é: e-mail, telefone e encontro pessoal.
  • Responda os recados de sua caixa de voz via e-mail para treinar as pessoas a serem concisas e mostrar que meio de comunicação você prefere.
  • Quando a reunião for inevitável e a pessoas perguntar quando você pode, sugira três opções de horários para evitar o ping-pong interminável de e-mails com “nesse dia eu não posso, que tal nesse?”.
  • Não permita visitantes casuais em seu espaço de trabalho. Use avisos de “não perturbe”, coloque fones de ouvido, mostre que está ocupado.
  • Raramente há emergências verdadeiras. Dizem por aí que urgente é tudo aquilo que o responsável não fez em tempo hábil e quer que você faça em tempo recorde.

O contato improdutivo desperdiça tempo e as pessoas ficam ocupando seu tempo com detalhes sem importância. Elas não leram o livro do Tim. Se você leu, ou está aplicando as dicas dele, precisa entender que, para tais pessoas, as dicas podem soar como heresia. Logo, tenha paciência também para ensiná-las como é o seu novo modo de trabalhar. Um dos principais desafios é ensinar as pessoas que quem interrompe precisa aprender a esperar – seja por e-mail, por mensagem ou pelo telefone. “Faz parte do seu trabalho ensinar as pessoas a serem eficazes e eficientes – ninguém mais o fará para você”, ele diz.

Ele ensina também a famosa “tática do cachorrinho de estimação”, que se trata do seguinte: Você já foi criança e tentou levar um cachorrinho para casa? E não prometeu à sua mãe que limparia o cocô e cuidaria dele? O vendedor da loja não disse que, se você não se adaptasse, poderia devolver para a loja? Use a mesma tática com relação às reuniões – não mostre nunca como algo definitivo. Em vez de dizer “não vou mais a essas reuniões porque estão sendo improdutivas”, diga “preciso terminar algumas coisas importantes – posso não ir à reunião apenas hoje? eu prometo me atualizar com fulano sobre os pontos mais importantes depois”. É muito mais fácil de conseguir e você ganhará horas preciosas para trabalhar no que importa.

Para aproveitar melhor o seu tempo, o que o Tim recomenda é que você crie lotes de tarefas semelhantes para fazer tudo de uma vez. Para você entender o raciocínio, imagine o seguinte cenário: você tem 10 coisas para comprar no supermercado esta semana. Você pode ir ao mercado todos os dias e comprar 2 coisas ou ir uma única vez e comprar tudo. De que maneira você economiza mais tempo? O mesmo vale para tarefas semelhantes, como responder e-mails, desenvolver relatórios, digitalizar documentos, fazer telefonemas. Isso tem tudo a ver com as listas de contextos do GTD, porque é isso o que elas fazem: agrupam itens que podem ser feitos dentro de um mesmo contexto, a fim de otimizar o tempo. No mais, existe um tempo de preparação para começar a executar determinada tarefa (que seja abrir um programa no computador). Agrupando tarefas semelhantes, você passará por esse processo apenas uma vez. Tente! “Fazer as coisas em lotes me economizou centenas de horas de trabalho redundante”.

No próximo post, vou começar com uma parte que gosto muito, que são as dicas para delegar e terceirizar muitas atividades na vida. Por enquanto, compartilhe nos comentários o que achou das dicas do Tim para interrupções! Obrigada!

 

Para fazer hoje: organize sua despensa

13

Eis um projeto simples (mas necessário) para fazer no dia de hoje: organizar sua despensa. Você não precisa ter um cômodo inteiro dedicado a ela – poucas pessoas sortudas têm. A maioria tem um único armário dentro da cozinha destinado a armazenar os alimentos que não vão na geladeira. De vez em quando vale a pena organizar ou reorganizar a despensa para jogar fora o que já venceu, aproveitar os alimentos que estão para vencer e limpar as prateleiras. Veja neste post dicas pontuais para fazer isso hoje sem perder muito tempo:

  1. Tire tudo de dentro do armário. Infelizmente não será possível organizar a despensa sem este passo. Tire tudo de dentro do armário e coloque em cima da mesa ou do balcão da cozinha.
  2. Passe um pano úmido nas prateleiras para limpá-las.
  3. Veja o que você tem. O que venceu, jogue fora. Tire e guarde no lugar certo aquilo que não pertence à despensa (às vezes podemos colocar qualquer objeto junto com os alimentos por comodismo do dia a dia, você sabe como é!).
  4. Olhe para o seu espaço e repense a organização. Idealmente, os itens mais usados devem ficar na altura dos olhos. Alimentos que podem ser pegos por crianças devem ficar na altura delas. Doces e guloseimas podem ficar mais no alto, para que elas não tenham fácil acesso. Itens pesados, como garrafas e potes de suco ou leite, podem ficar na prateleira inferior.
  5. Não deixe na despensa itens que você usa apenas ocasionalmente, como velas de aniversário, por exemplo. Guarde em outro lugar. Para quem tem poucos espaço, é necessário aproveitar muito bem o que tem para as funções específicas. Mantenha apenas alimentos na sua despensa.
  6. Uma boa maneira de agrupar os itens é copiar o modelo do supermercado: mercearia, padaria, feira, bebidas. Isso pode ajudar inclusive na hora de montar a lista de compras.
  7. Procure usar o espaço vertical, colocando um item em cima do outro, quando possível. Isso serve para caixas, latas e pacotes.
  8. Quando tiver itens pequenos, utilize compartimentos para agrupá-los. Se não tiver cestinhos em casa, pode reaproveitar caixas de papelão, por exemplo. Se não tiver como fazer hoje, deixe os itens juntos e anote em sua lista que precisa providenciar esses acessórios para armazenamento. Existem muitos produtos específicos para armazenamento na despensa que você pode comprar, se quiser investir seu dinheiro nisso.
  9. Use potes para armazenar alimentos que duram mais tempo que uma única vez, como arroz, macarrão, grãos no geral. Se dá para abrir o pacote e usar de uma vez, mantenha no pacote original. Se usar potes, coloque etiquetas neles.

Veja muitas imagens no painel de despensa no Pinterest do Vida Organizada para se inspirar.

É legal fazer essa reorganização a cada três meses, mais ou menos. Quem usa checkists de limpeza, pode inserir na sua checklist sazonal.

Dica de segunda: ouça as pessoas de fato

10

Você já parou para prestar atenção à maneira como você ouve as outras pessoas? Ao reparar, você pode identificar muitos problemas relacionados à produtividade e ao relacionamento de vocês. Portanto, nesta segunda eu gostaria de dar dicas pontuais para que você ouça as pessoas de fato no seu dia a dia:

  1. Esteja presente. Nada de ficar mexendo no celular ou no computador enquanto a outra pessoa estiver falando. Pare e preste atenção.
  2. Se ficar em dúvida, pergunte. Isso vale não só para demandas que chegam até você (e envolvem sua responsabilidade) mas para demonstrar interesse em uma conversa que não seja “útil”. Quando você faz perguntas, a pessoa sente que o que ela está dizendo é importante.
  3. Não ouça uma conversa formulando uma resposta em sua cabeça. Isso é terrível e pode fazer com que você nem espere a pessoa terminar de falar para você já responder. Além do que, se você estiver pensando em uma resposta, sua mente não prestará atenção totalmente à conversa. Não seja reativo. Conversa não é competição.

Algumas dicas para testar e depois comentar se funcionaram. Boa segunda-feira!

Resenha: Guia Bolso

93

Apesar de gostar de utilizar planilhas para organizar algumas informações, com o passar do tempo eu comecei a perceber que nem sempre tinha pique para atualizar planilhas. Sempre pensei que poderia existir uma maneira melhor de administrar as nossas finanças mas, enquanto não encontrava, continuava levando dessa maneira. Até que eu ouvi falar de um aplicativo chamado Guia Bolso, baixei no celular e, timidamente, comecei a testar. Hoje não vivo mais sem ele e não consigo pensar em outro aplicativo melhor para os preguiçosos com finanças (tipo eu).

200415-guiabolso

Basicamente, o Guia Bolso é um aplicativo que se integra com as suas contas de banco e te traz, diariamente, os gastos efetuados no débito e nos cartões de crédito. O trabalho que você tem é o de acessar de vez em quando (se for todos os dias, melhor) e classificar os gastos em categorias. Por exemplo: o Guia Bolso viu que você gastou 80 reais em um lugar, e você sabe que foi no mercado. Então você simplesmente categoriza essa despesa como “Mercado”. Da próxima vez que você efetuar uma compra no mesmo lugar, ele já categorizará automaticamente.

Isso é incrível porque não demanda esforço.

Outro recurso do aplicativo é o de planejamento. Para cada categoria, você pode planejar quanto pretende gastar a partir do mês em questão. Quando você estiver chegando perto do limite, o aplicativo te avisa. E, assim, você pode ir controlando os seus gastos, estabelecendo metas para o próximo mês etc.

200415-planejamento

Ao abrir o aplicativo, ele já te dá as seguintes informações: saldo atual em contas correntes cadastradas, saldo atual dos cartões e saldo dos investimentos (ex: poupança). Abaixo, mostra como está seu planejamento do mês em questão (você gastou X de Y planejados). Depois, mostra o que você recebeu de renda e o que teve de despesas. Na sequência, mostra um gráfico pizza com os gastos por categorias. E, depois, vem um feed com os últimos gastos para você classificar. Vale lembrar que dá para criar categorias novas e editar as existentes.

Não precisa ficar com medo de fornecer informações sobre a sua conta, pois o app pode somente puxar informações – jamais fazer transações. Além disso, a empresa diz usar os mesmos sistemas de criptografia empregados pelos bancos para proteger os dados dos usuários.

Se você tem dificuldade para controlar suas contas e tem preguiça de atualizar planilhas, o app é uma excelente opção. Disponível para iPhone e Android.

Eu costumo classificar as contas diariamente nas pequenas janelas de tempo ao longo do meu dia.

Alguém mais usa esse aplicativo? Compartilhe sua experiência nos comentários!

12 receitas para você fazer nesse outono

3

Existem alguns alimentos com safra em outono e podemos aproveitá-los para fazer algumas receitas relacionadas. Eis a seleção do Vida Organizada para você incrementar o seu menu semanal:

190415-comida-outono

1 – Salada de rúcula com tomate seco; 2 – Torta de pera com gengibre; 3 – Repolho refogado; 4 – Chá de maracujá, maçã e canela; 5 – Bolo de laranja com calda; 6 – Suflê de espinafre; 7 – Panqueca de abobrinha; 8 – Geléia de goiaba; 9 – Batata doce rústica assada; 10 – Berinjela à parmegiana; 11 – Torta de banana rápida; 12 – Arroz com brócolis.

Dá para ser produtivo e criativo?

6

170415-produtivo-criativo

Eu já ouvi muitas vezes essa comparação, como se criatividade e produtividade não pudessem caminhar juntas. Como se, para a gente conseguir dar conta de tantas demandas, tivesse qye deixar a criatividade de lado. Ou ainda, para conseguir criar, somente ficando no famoso ócio criativo.

Ser produtivo é aproveitar o tempo da melhor maneira possível. É executar com significado.

Se você sabe que no período da noite você costuma ter as suas melhores ideias, pode deixar reservado um tempinho às vezes nesse período para fazer um brainstorm para algum projeto, ou mesmo rabiscar ideias para outro projeto já em andamento. Se você trabalhar com artes, ser produtivo é descobrir o horário que você consegue exercer mais a sua criatividade e usá-lo sempre para produzir.

Faz parte do meu trabalho escrever muito – produzir conteúdo. Eu precisei identificar o momento (ou os vários momentos) do meu dia quando eu consigo ficar em um estado mental de foco e criatividade para sempre acioná-lo quando eu precisar escrever.

Você pode desenvolver alguns rituais para chegar a esse estado – ouvir determinado tipo de música, tomar um chá, ir a uma cafeteria ou livraria. Cada pessoa certamente tem os seus hacks pessoais que usa mesmo inconscientemente para conseguir chegar a esse estado de criação.

No GTD fala-se muito de trabalhar dentro de contextos, então esse momento de criatividade pode ser um contexto, o que na verdade é um estado mental – uma predisposição do seu nível de energia. E, se conhecendo, você pode programar esses momentos ao longo da sua semana e se dedicar a eles sem deixar de executar outras tarefas que também precisam ser feitas – mas não demandam tanta criatividade.

Se por acaso alguma ideia vier quando você não estiver em determinado contexto, não precisa parar tudo o que está fazendo e ir trabalhar. Anote em um bloquinho que levará sempre com você, ou mesmo no Evernote, que é fantástico para isso. Grave um áudio, tire foto das anotações que fez no guardanapo do restaurante – mas não perca sua ideias – nem o momento! Registrando suas ideias, você poderá trabalhar com elas mais tarde, com o foco necessário.

Dá para ser criativo e produtivo se você ajustar pequenas peças do seu dia a dia para fazer tudo isso acontecer. Produtividade é um trabalho de auto-conhecimento e de construção do nosso trabalho. Se envolve criatividade, envolve produtividade.

Boa sexta-feira.

Como comprar: sofá-cama

13

Todo mundo que gosta (ou precisa) receber pessoas em casa já deve ter pensado na possibilidade de comprar um sofá-cama. Como planejar uma compra é algo que podemos organizar, eu gostaria de começar aqui uma categoria chamada Como comprar, onde justamente vou dar dicas para fazer a melhor compra possível sempre.

Por que comprar um sofá-cama?

O sofá-cama pode ser indicado para quem não tem um quarto de hóspedes em casa e gostaria de receber pessoas para passar a noite (geralmente amigos ou parentes). O sofá-cama acaba ficando no escritório ou na sala. Também pode ser indicado para quem mora em um apartamento muito pequeno (como uma kitnet) e precisa de espaço para circulação. Ainda pode servir para mães e pais de recém-nascidos, que querem colocar um móvel para dormir no quarto da criança, quando necessário.

Como saber que sofá-cama comprar

É importante lembrar que, se o sofá-cama ficar na sala ou for comprado para servir como cama diariamente, ele precisa ser confortável.

Se ele ficar no escritório, pode não ter tanto espaço ao ser aberto, então o modelo precisa ser diferente.

Tipos de sofá-cama

O sofá com design diferenciado, que será usado como sofá sempre e como cama ocasionalmente, somente se necessário;

Sofá da Tok&Stok
Sofá da Tok&Stok

O sofá confortável, que será usado diariamente pelo morador para dormir e como sofá apenas para ajudar na circulação;

170415-sofa03
Sofá da Oppa

A poltrona que vira cama, recomendada especialmente para quartos de recém-nascidos;

Sofá da Etna
Sofá da Etna

O sofá mais rústico, que pode ser usado como cama, para ficar em ambientes pequenos.

Sofá da loja Meu Móvel de Madeira
Sofá da loja Meu Móvel de Madeira

Como comprar

  • Defina o objetivo de acordo com a sua necessidade.
  • Sempre meça o espaço disponível na sua casa para colocar um sofá-cama aberto, para não ter surpresas.
  • O material também importa. Um sofá-cama que será usado diariamente deve ter material fácil de limpar, mas que não prejudique o conforto. Sofás-cama feitos de courino podem não parecer confortáveis, mas bastam ser forrados com jogo de cama. Não são recomendados, no entanto, porque esquentam muito. Os materiais naturais sempre são melhores.
  • Confira se o mecanismo de extensão do sofá funciona com facilidade.

Quanto pagar

O valor do investimento depende da intensidade do uso. A regra é clara: se for usar muito, pague mais pelo conforto; se for usar pouco, não precisa investir tanto. Você encontrar sofás-cama de R$500 a R$4.000 nas principais lojas do ramo em nosso país. Lembre-se: você paga pela qualidade do material, das ferragens e pelo design.

Boas compras!

Como decorar e organizar um imóvel pequeno

11

Os apartamentos hoje em dia estão cada vez menores. Sempre me surpreendo com o espaço que temos quando moramos em uma casa e sei como é difícil fazer a transição para um apartamento porque, no geral, mesmo sem querer a maioria das pessoas têm coisas demais. Eu sempre morei em uma casa grande. Há quatro anos, mudei para um apartamento pela primeira vez e senti na pele o que foi não ter espaço para coisas que eu considerava básicas, como a minha bateria e a barraca de camping. O que fazer com elas? Hoje, morando novamente em uma casa, tenho mais espaço, mas valorizo mais os espaços que não precisam ser preenchidos.

Thoreau disse no livro “Walden” que feliz é o homem que consegue carregar todos os seus pertences em um único carrinho de mão. Eu começo a ter convicção semelhante. Porque, quanto mais coisas a gente tem, mais a gente precisa limpar e cuidar. E, quando a gente muda pela primeira vez para um apartamento pequeno, pode estranhar bastante. Se não rolar um desapego, será difícil.

Por isso, eu resolvi escrever um post com algumas dicas para organizar e decorar um imóvel pequeno. Claro que, por não ser decoradora, minhas “dicas de decoração” vão mais na linha da organização mesmo. Decoradores podem ficar à vontade para puxar a minha orelha, se eu falar alguma besteira.

Não dá para ter tralha

Eu sei que nem morando em um espaço grande eu recomendo você ter tralha. Porém, se você mora em um espaço pequeno, não tem como m-e-s-m-o. A gente sabe que tem tralha quando os objetos necessários do nosso dia a dia ficam meio que sem lugar para ficar porque outras coisas estão tomando o lugar deles. Por isso é comum a gente ler dicas de organização dizendo o padrão: tire tudo de um cômodo e coloque de volta apenas o que usa. Em resumo, é a simplificação do processo de não ter tralha. Porém, falar é fácil! Agora, o que a gente faz com o que não entrou no cômodo? Joga pela janela? Não tem como. Por isso, não precisa ser radical nem traumático – pegue 15 minutos por dia, apenas, e separe algumas coisas da sua casa que você não usa mais. E aí tome providências – pode ser doar, tirar fotos para vender na Internet, reciclar, dar de presente, jogar fora. As tralhas não pipocaram na sua casa da noite para o dia, então não precisa se preocupar em fazer isso do dia para a noite. Você não está em um reality show.

Organize os seus espaços

Quando se livrar da tralha, organize o que você tem. Seus CDs estão organizados da melhor maneira possível ou dá para melhorar? Será que não seria mais confortável para você digitalizar tudo e dar os CDs para alguém? E seus livros, estão em uma estante organizados ou em pilhas espalhadas pela casa? Como estão os armários da sua cozinha? E os produtos de limpeza na área de serviço? Brinquedos? Roupas? Sapatos? Controles? Roupa de cama? Toalhas? Louça? Panos de prato? Artigos de escritório? Sempre há algo a melhorar. Mais uma vez: não se cobre tanto e organize aos pouquinhos, buscando soluções particulares para a sua casa.

Imagem: Apartment Therapy
Imagem: Apartment Therapy

Compre mobiliário pequeno

Quando eu me mudei, a sala do apartamento era grande. Por isso, quis comprar uma mesa de jantar um pouco maior que o normal, para “preencher” o espaço. Eu amo a mesa mas, quando me mudei mais duas vezes, ela sempre ficou muito maior e desproporcional aos novos espaços que eu tinha. Eu sei que quando você muda em definitivo para um apartamento que você comprou, o investimento pode ser mais certeiro. Ao mesmo tempo, nada é para sempre nesta vida. Você não sabe se vai odiar seu condomínio e querer mudar em dois anos. Hoje eu penso que, quanto menor, melhor. Claro que sempre atendendo as nossas necessidades – um sofá de três lugares, uma cama queen. Mas, no geral, os móveis não precisam ser grandes – mesas, poltronas, racks, aparadores. Móveis pequenos ficam mais proporcionais em apartamentos pequenos e dão sensação de amplitude.

Imagem: The Kitchn
Imagem: The Kitchn

Atente para a luz

Muitas pessoas dizem que um apartamento pequeno não deve ser pintado com cores escuras, mas já vi apartamentos pequenos e lindíssimos com parede de lousa ou uma única parede com uma cor mais forte. Acho que o segredo de tudo está na luz que entra na sua casa. Você pode ter um apartamento minúsculo, mas com muita luz. Assim, uma parede preta até quebra essa luminosidade de uma maneira positiva, deixando o ambiente mais acolhedor. Se seu apartamento ou casa for grande, mas com pouca luminosidade, pintar uma parede de preto vai fazer com que tudo fique meio estranho. Então, mais do que ser sobre cores, é sobre luz.

Imagem: homedit.com
Imagem: homedit.com

Aposte nos espaços verticais

Antes de comprar um móvel novo, investigue soluções verticais. Prateleiras, cabideiros e outras soluções que explorem mais o espaço nas paredes pode ser mais adequado que ocupar mais espaço no chão.

Imagem: babyli.st
Imagem: babyli.st

Abuse de elementos leves visualmente

Cadeiras de acrílico transparente, mesas com tampo de vidro e móveis com pés finos dão uma sensação de maior leveza a qualquer ambiente.

Imagem: http://frenchbydesign.blogspot.mx/2012/10/happy-10th-birthday-louis-ghost.html
Imagem: French Design

Deixe fácil de limpar

Com menos coisas dentro de casa, você precisará limpar menos. Quando um apartamento é pequeno, a mobilidade também fica mais reduzida, então sempre pense nisso ao comprar um bibelô ou móvel novo. Compensa o estresse que será toda vez ter que arrastar para limpar? Ou ter que tirar tudo de cima de uma prateleira? Veja bem: às vezes compensa. O que não dá é para ser assim com tudo o que você tem em casa, senão você precisará dedicar dois dias inteiros para conseguir limpar tudo. Busque a praticidade.

Encontre o seu estilo

Reconhecer seu estilo de decoração pode ajudar você a fazer investimentos certeiros na sua casa e buscar ideias que poupem espaço. Outro dia eu postei um texto sobre como descobrir seu estilo de decoração influencia na organização da casa – vale a pena ler.

Levante e alongue-se para melhorar a sua produtividade

8

A dica anti-procrastinação de hoje é a seguinte: toda vez que sentir que sua energia está baixa enquanto estiver trabalhando, levante e alongue-se para oxigenar o corpo. Ficar sentado/a por longos períodos prejudica o seu corpo de diversas maneiras e não é todo mundo que pode se dar ao luxo de fazer uma atividade física mais entusiasta no meio do expediente. Porém, há alguns exercícios simples que você pode fazer ao lado de sua mesa mesmo:

  • Junte as duas pernas, pés firmes no chão. Abaixe-se e tente encostar a ponta dos dedos das mãos na ponta dos seus pés. Fique nessa posição durante 10 segundos.
  • Como um jogador de futebol antes de começar o jogo, bata levemente a ponta do pé no chão durante 30 segundos, com movimentos rápidos. Faça isso com os dois pés.
  • Apoie o braço em uma parede e, com o outro, segure a perna dobrada para trás, encostando o pé no bumbum. Fique assim durante 10 segundos, então repita com a outra perna.

E existem alguns exercícios que você pode até mesmo fazer sentado/a. Veja:

  • Levante o braço direito atrás da cabeça, abaixe a mão (como se quisesse tocar o ombro esquerdo) e, com a mão esquerda, “puxe” o cotovelo para a esquerda. Fiquei assim durante 15 segundos e então repita com o braço esquerdo.
  • Levante a perna esquerda, dobrada, com o joelho encostando no seu peito. Procure chegar o mais perto possível do seu peito com a perna (não dobre a coluna – mantenha-se reto/a). Use os braços para segurar a perna. Segure por 10 segundos. Depois, repita com a perna direita.
  • Estique as duas pernas para a frente e tente alcançar seus pés com os braços esticados. Fique assim durante 5 segundos.
  • Faça um movimento de rotação com seus ombros, para frente e para trás. Deixe os braços esticados para baixo ao fazer isso.
  • Com a coluna reta, vire a cabeça para o lado esquerdo e segure por 10 segundos. Depois, repita para o lado direito.
  • Com a mão esquerda, segure sua cabeça e incline-a para o lado esquerdo, forçando levemente o pescoço. Mantenha a coluna reta. Segure por 10 segundos e, então, faça com a mão direita.

Você não precisa fazer todos esses exercícios de uma vez. Escolha um ou dois e vá alternando ao longo do dia. Você verá como melhorará sua energia e conseguirá trabalhar mais animado/a.

Veja na imagem abaixo a demonstração de alguns exercícios citados e outros:

150415-exercicios-escritorio

3 maneiras de fazer seus bichinhos de estimação não comerem os fios e cabos da sua casa

14

150415-caes-fios

Quem tem bichinhos de estimação em casa já deve ter passado pelo problema contemporâneo de ter cabos e fios mastigados. O problema não é apenas estragar os aparelhos, mas o bichinho ser eletrocutado. Veja neste post 3 dicas pontuais para que isso não aconteça:

  1. Repreenda o bichinho no flagra. Não adianta chegar em casa de noite, depois do trabalho, ver o fio mastigado, e brigar com o gato ou o cachorro. Ele não vai saber do que você está falando. Você precisa repreender assim que ele estiver fazendo, mesmo que só possa fazer isso à noite ou aos finais de semana. Para repreender, não há segredo: seja incisivo com expressões como “não!” e “ei”, ou as que você já usa para ensiná-lo. Então, sempre que o seu bichinho estiver perto dos fios ou apresentando comportamento suspeito, repita o procedimento. Isso vai ensinando-o aos poucos a não mexer naqueles fios.
  2. Evite brinquedos que sejam parecidos com fios – e sei que isso é particularmente comum com gatos. Mas evite, porque na verdade você está ensinando que brincar com fios é legal – está incentivando a prática. Existe uma variedade imensa de brinquedos que você pode oferecer a ele sem que reforce um comportamento que você quer evitar. Tenha sempre algo mais interessante que os cães e gatos podem mastigar, porque isso acaba sendo uma necessidade deles também e eles apenas procuram o que estiver por perto e for mais interessante.
  3. Gatos não respondem tão facilmente à repreensão quanto cachorros, então se as dicas 1 e 2 não estiverem funcionando com ele, você pode simplesmente enrolar seus cabos com algum material como papel alumínio. Além de odiarem a textura, o som também será irritante e isso pode mantê-los longe. Não precisa deixar os fios assim para sempre – somente até os gatinhos aprenderem a não chegar mais perto deles. Quando isso acontecer, você pode desencapar. Outra solução é cobrir os fios e cabos com algum material bastante resistente, à prova dos bichinhos, ou espalhar molho de pimenta nos fios.

A grande verdade é que nada disso é verdadeiramente seguro. Há gatos que gostam de alumínio, assim como você pode ter outros tipos de bichinhos em casa como coelhos, porquinhos etc. A única maneira de mantê-los a salvo é deixá-los o mais longe possível dos cabos e fios, talvez restringindo o acesso quando você não estiver por perto (para supervisionar), ou colocando-os em outro cômodo quando for usar o aspirador de pó, por exemplo.

Caso você tenha alguma dica que tenha funcionado com você, por favor, poste nos comentários. Pode ajudar outros leitores. Obrigada!

Aprenda GTD: Introdução

127

Um dia eu descobri uma metodologia de produtividade que mudou a minha vida. Agora, eu quero que todo mundo mude a sua também.

Propósito desta série

A ideia desta série é ensinar você a usar o método GTD (Getting Things Done, criado por David Allen) e chegar ao estado de mente tranquila como água. Se eu pudesse resumir o GTD em poucas palavras, diria que sua essência é alcançar um estado mental tranquilo, sem distrações, em qualquer situação, que ensina cada pessoa a aproveitar melhor seu nível de energia e criatividade. Você não se esquecerá mais de enviar convites, não chegará mais atrasado em compromissos nem deixará de passar tempo ao lado de sua família para ficar trabalhando.

O meu aprendizado no método GTD

O livro original, Getting Things Done, foi publicado no Brasil pela Ed. Campus com o título A arte de fazer acontecer. David Allen, ao escrever essa primeira versão do livro, admitiu ele mesmo ter tentado colocar o máximo possível de informações, o que pode ter sido “demais” para a maioria das pessoas. Quando eu comecei a praticar o GTD, em 2006, tinha somente o livro como referência. Não posso dizer que foi difícil, mas me ajudaria muito se eu tivesse, como temos hoje, uma ampla rede de usuários da metodologia discutindo boas práticas, posts em blog esclarecendo como fazer, vídeos, podcasts, cursos da própria David Allen Co. e da Call Daniel no Brasil. Em 2015, temos uma nova versão do livro, reescrito totalmente pelo David, que busca tornar o caminho mais fácil a todos. O texto flui muito melhor e as informações estão mais fáceis de serem absorvidas.

Por que esta série nasceu?

Por isso, como parte dessa expansão do GTD pelo mundo, e por receber muitos pedidos no blog, eu resolvi criar uma série para iniciantes, mas que também pode ser encarada como uma espécie de revisão para praticantes mais experientes. Nela, quero falar sobre os ensinamentos do David e trazer um pouco da minha experiência com relação ao método. Espero conseguir ser o mais fiel possível e esclarecer todas as dúvidas que surgirem. Na verdade, o que eu quero é que todo mundo use o GTD, porque realmente acredito que seja algo que transforme a vida das pessoas.

O GTD é um aprendizado para toda a vida

Einstein já dizia que a gente tem que buscar fazer as coisas de forma simples, porém não simplista. Eu penso que isso tem muito a ver com o GTD. Tirar as coisas da cabeça, definir as ações que você precisa tomar com relação a elas e organizá-las de forma que consiga revisar frequentemente não são passos difíceis de se fazer, mas são hábitos. Eu sei que hábitos não são fáceis de adquirir. Eu mesma demorei anos para entender a importância de fazer a revisão semanal toda semana, e demorei também para encontrar meu ritmo certo para fazê-la. O GTD é realmente uma habilidade a ser desenvolvida e que a gente vai aperfeiçoando com o tempo. Fazer as coisas acontecerem não é um processo automático – demanda certo esforço de nossa parte. Porém, esse esforço é um compromisso que temos com nós mesmos a partir do dia em que nascemos. Afinal, estamos neste mundo para quê? Para executar sem critério e enlouquecidamente? Eu tenho certeza que não.

Você aprenderá a implementar 5 hábitos

O GTD propôe cinco passos para chegarmos a um nível de claridade mental que nos ajude a executar com significado. Nesta série, você aprenderá quais são eles e como funciona esse fluxo que faz do GTD a melhor metodologia de produtividade do mundo. Além dos cinco passos, o GTD tem o nível de complexidade que você quiser. Eu vou começar do básico, porque quero desbravar esse mar de informações que eu mesma contribuí para espalhar ao redor da web. Quis juntar tudo em um guia conciso, fácil e intuitivo, que ajudará aquele que nunca ouviu falar em GTD a implementar.

Seja bem-vindo/a ao caminho da maestria no GTD.

Para acompanhar a série, siga a TAG: Série Aprenda GTD

Esta semana

Guia do blog para começar a se organizar

Um dos grandes desafios que nós enfrentamos por aqui é montar algo simples e didático para ajudar as pessoas a se organizarem. Por isso,...