Blog Página 2

Workshop: Todoist em setembro! Inscrições abertas

5

É com muito amor <3 <3 <3 que estamos lançando o nosso workshop de Todoist! Ele acontecerá em setembro, em São Paulo, e a ideia é levar para outros estados caso tenha demanda. Inscreva-se para essa edição ou para a lista de espera em outros estados clicando aqui!

workshop-todoist

O que você vai aprender:

  • O que é Todoist
  • O que são tarefas, sub-tarefas, projetos, etiquetas e filtros
  • Recursos de tarefas e projetos
  • Compartilhamento
  • Gerenciando equipes
  • Carma
  • Recursos do Todoist Business
  • Todoist versão gratuita, Premium e Business
  • Como fazer seu setup: cases da equipe

No workshop de Todoist, você vai conhecer de perto todos os recursos da ferramenta em suas modalidades Free, Premium e Business, saber qual o plano adequado para você e como configurar para o seu uso pessoal ou para a sua empresa através das melhores práticas de organização e produtividade.

Estou muito feliz porque sou embaixadora brasileira do Todoist no Brasil e esse é um curso que depois vamos oferecer para aprofundamento do Todoist Business em empresas, então é o início de uma trajetória muito legal.

Inscreva-se aqui!

Vídeo todos os dias em agosto (VEDA)

19

Oi pessoal! O post de hoje é para divulgar um projeto pessoal muito louco chamado VEDA (video every day at August) = vídeo todos os dias em agosto, que eu venho fazendo agora! Estou postando um vídeo novo por dia em agosto no meu canal no YouTube. Já me segue lá? Não? Então clique aqui e se inscreva!

canal-youtube

Pode parecer meio maluco mesmo esse projeto, mas tem sido muito divertido fazer!

Tive alguns propósitos para decidir fazê-lo:

  1. Me aproximar mais dos leitores com os vídeos, que é uma coisa que vocês me pedem há bastante tempo e eu já queria fazer.
  2. Aprimorar minhas habilidades de edição, mesmo que básicas. É algo que quero treinar!
  3. Me habituar a gravar mais vídeos!

A coisa está dando tão certo que já não sei mais viver sem fazer vídeos – é tão gostoso! Sei que demorei para engatar nisso, mas sou assim mesmo – só gosto de fazer alguma coisa quando tenho um propósito forte, mas aí também ninguém me segura! Estou bastante feliz com todos os vídeos até então e espero que vocês gostem também.

A ideia é postar dicas de organização e produtividade, além de um pouco do meu dia a dia através dos VLOGs – enfim, um mix do que vocês já vêem aqui no blog.

Clique aqui para ver os vídeos e se inscrever! Quem se inscreve no canal fica sabendo dos vídeos novos antes.

Obrigada por tudo, pessoal!

Como comer bem e sem gastar tanto em viagens

2

Uma das coisas mais legais quando você viaja para um lugar diferente é conhecer a comida do lugar. A cultura de cada região ou de cada país diz TUDO sobre o lugar em si, e quando você se envolve naquilo, você está realmente entendendo como as pessoas daquele lugar vivem, de onde vêm os alimentos, como preparam, enfim, comida é cultura.

Eu não viajei para tantos países assim. Até agora, só fui para os Estados Unidos e para a Holanda, o que é maravilhoso de qualquer maneira, mas mesmo dentro do Brasil temos a chance de conhecer comidas diferentes. Quando vou para o sul é totalmente diferente de quando vou para o nordeste – mesmo quando vou para Minas Gerais é uma experiência diversa, sendo na mesma região de onde eu moro (São Paulo). Então eu fiquei pensando em quais seriam dicas legais para trazer aqui para o blog sobre esse assunto. Será que dá para comer bem, conhecer a cultura de comida local sem gastar tanto dinheiro e comer em restaurantes caros? E dá sim. Seguem três dicas pontuais.

comida-rua

Dica 1: Vá ao mercado municipal, aos mercados ou feiras de rua

Toda cidade tem os seus. É lá que você vai encontrar as comidas mais baratas porém típicas do lugar. Ok, nos Estados Unidos você vai encontrar hot-dog e batata-frita, faz parte! Mas na Holanda eu encontrei arenque cru com cebola, hello? Stroopwafell, já comeram essa perdição? É uma espécie de bolacha achatada recheada com doce de leite, não dá para descrever sem comer. Aqui no Brasil, você encontra o tradicional “queijo de minas”, pimentas em João Pessoa e acarajé em Salvador. E é esse tipo de comida legal de comer, que você não vai gastar tanto quanto em um restaurante, vai te manter alimentado ao longo do dia e vai te permitir conhecer toda a cultura local enquanto você observa a galera passeando (e você faz o mesmo).

Dica 2: Foursquare, Trip Advisor e afins

Use a tecnologia a seu favor. Apesar de eu sempre ouvir a tradicional dica “peça indicações ao pessoal que mora lá”, putz, isso nem sempre é fácil. Primeiro, que você pode não conhecer ninguém. Segundo, que as pessoas que você conhece podem não ter (e provavelmente não têm) o mesmo gosto que você. Então o mais seguro é ver o que o pessoal diz nesses aplicativos e sites com resenhas de lugares, listas dos Top 10. Você pode não ir todos os dias em um restaurante legal ou mais chique, mas pode querer escolher UM para conhecer, ou pode descobrir um cantinho escondido graças a uma dessas indicações. Vale a pena explorar. Esses sites e aplicativos são uma versão turbinada dos livros guias de viagens, que também são bons mas não são gratuitos (e aqui estamos falando sobre economizar).

Dica 3: Ande pela cidade e siga sua intuição

Uma coisa que gosto de fazer quando saio do país é reservar um dia (ou um período) sem programação alguma para simplesmente caminhar pela cidade e “descobrir” o que existe nela. Se algum café, bar, restaurante, barraquinha chamar minha atenção e eu estiver com fome, paro, entro e como alguma coisa. Isso é muito legal porque me permite conhecer algo que, do contrário, eu não teria conhecido porque ninguém teria me indicado. E isso dá um gostinho de aventura, de descoberta, que tem tudo a ver com o espírito de quem está viajando.

Uma dica final, de teor mais prático, é com relação ao orçamento. Eu gosto muito de levar o equivalente à moeda local o que eu gasto aqui no Brasil para comer. Por exemplo, se aqui no Brasil, quando eu como em um restaurante, eu gasto 50 reais por refeição, eu calculo que vou gastar isso (na moeda local, convertendo) se comer em um restaurante, e esse é meu orçamento. Se eu gasto 25 reais em um lanche, esse é meu orçamento para lanche. Etc. E assim eu calculo quanto vou gastar por dia. Em média, eu vejo qual será minha programação (se estarei o dia todo em um evento ou andando na rua) e calculo com base nos tipos de refeições que farei. Dá super certo!

Espero que o post tenha ajudado!

Linkagem de domingo

4

Algumas vezes, eu gosto de reunir alguns posts, vídeos e notícias que li ao longo da semana e que achei que seria legal compartilhar com vocês.

Você está me acompanhando no YouTube? Está rolando vídeo todo dia em agosto lá no canal!

Boa semana para vocês!

O que te permite largar tudo e ir para o happy-hour hoje?

14

O que te permite desligar o computador e ir assistir Strange Things sossegado?

O que te permite largar o projeto e abrir uma cerveja?

O que te permite sentar com seu filho na sala e brincar sem se preocupar com os e-mails não respondidos?

O que te permite ir ao cinema na terça-feira à noite?

O que te permite acordar mais tarde na segunda-feira de manhã?

O que te permite ir lá fora brincar com os seus cachorros no meio de uma tarde de quarta-feira?

O que te permite tirar férias?

O que te permite pegar o violão na tarde de domingo sem se preocupar com a segunda?

O que te permite ir regar as plantas no jardim?

O que te permite preparar uma refeição com calma no meio da semana?

fazer-nao-fazer

Você só pode se sentir bem com o você não está fazendo quando você sabe o que não está fazendo. – David Allen

Isso significa que, se você tem seus projetos sob controle, seus prazos – tudo o que você precisa fazer, de alguma maneira, organizado, – você fica tranquilo(a) para deixar tudo isso de lado e fazer algo que não estava “na sua lista” – e geralmente isso é uma coisa criativa, relax, de lazer, inusitada, inesperada, corajosa. Você simplesmente consegue fazer todas essas outras coisas sem se preocupar, sem se culpar, e consegue estar presente naquele momento.

Enquanto essas coisas ocupam espaço na sua mente, te preocupando, porque estão desorganizadas, elas não liberam espaço para você estar presente e despreocupado, curtindo aquilo que realmente importa.

É por isso que vale a pena se organizar. Não para “ser organizado(a)”. Mas para conseguir viver e ser feliz com todas as coisas que não precisam ser organizadas.

O primeiro passo é ter o hábito de tirar as coisas da mente. Anotar em um papel, no computador, gravar – passar para um dispositivo de coleta, enfim. Depois, esclarecer o que aquilo que você coletou significa. Demanda algum tipo de ação? Sim? Eu que devo fazer? Outra pessoa? Se sou eu, tem prazo certo? É rápido, posso fazer agora? É um projeto? Se não demanda, onde posso guardar como referência? Posso querer me lembrar disso no futuro? Depois, preciso revisar com regularidade essas informações para garantir que minhas listas estejam atualizadas, de modo que eu não perca nada. E, no dia a dia, vou executando aquilo que precisa ser feito, sem perder prazos e confiando nas minhas escolhas.

Se você está chegando agora e não sabe do que eu estou falando, esse parágrafo foi um resumo do método GTD, que você pode aprender aqui.

Como foi: workshop Construa seu estilo e organize seu armário em São Paulo

6

No último sábado, a Ana Soares (do blog Hoje vou assim OFF) e eu realizamos mais uma edição do nosso workshop Construa seu estilo e organize seu armário aqui em São Paulo. Gostaria de contar para vocês um pouco como foi.

Começando agora: Workshop Construa seu estilo e organize seu armário com Vida Organizada e @hojevouassimoff #vidaorganizada

Uma foto publicada por Vida Organizada 🕐 (@blogvidaorganizada) em

Esse nosso workshop é super difícil de “vender”, no sentido de explicar para as pessoas do que ele trata, porque pode parecer um assunto fútil – afinal, fala sobre moda e guarda-roupa. Mas não é “só” sobre isso. O que a gente fala nesse workshop é sobre auto-estima, sobre finanças, sobre como passar uma imagem legal para o mundo, como se sentir bem, como ter um guarda-roupa que funcione no dia a dia para você ir trabalhar, passar uma imagem profissional, cuidar direito das suas roupas e não perder peças e ter que gastar mais dinheiro de novo no shopping, fazer compras direito, ter mais espaço em casa, enfim, muita coisa.

Quando a gente conversou pela primeira vez sobre juntar esses dois temas, nunca imaginou que daria tão certo. A gente só percebeu a mágica quando fez o primeiro workshop juntas mesmo, e foi lindo. 💙

A Ana começa o workshop falando sobre como encontrar seu estilo, dando dicas práticas e certeiras, sem blablabla, buscando a coerência mesmo com o estilo de vida que você tem. Afinal, se você trabalha mais de 40 horas por semana, para que você quer ficar gastando dinheiro com roupa para uma vida que não tem? E por aí vai.

Só depois de encontrar seu estilo você consegue ter um monte de parâmetros para abrir seu guarda-roupa e falar: ok, deixa eu ver o que efetivamente deve ficar. Vem a parte do descarte, ou o que eu chamo de destralhamento. É quando eu começo a falar. Ensino as melhores técnicas para fazer esse destralhamento, o que fazer com as peças que você não quer mais manter, dou dicas para as peças que você for mais apegada e por aí vai. A ideia é que você mantenha no seu guarda-roupa apenas as peças que você ama, que tenham a ver com a vida que você tem, que combinem entre si (sejam versáteis), que fiquem bem em você e que tenham a ver com o seu estilo.

Depois de um rápido intervalo, a Ana volta ensinando como fazer boas compras, de modo que você possa economizar mas ainda assim fazer bons investimentos. Aqui o papo é técnico e prático mesmo! Ela fala sobre marcas, cortes, tecidos, materiais, o que olhar em cada peça para saber se vale a pena pagar por ela ou não. O pessoal anota loucamente!

Fazendo boas compras, como armazenar e cuidar de tudo isso? Eu volto com a parte da organização propriamente dita, ensinando como otimizar seu espaço, como organizar as peças, como arrumar, como dobrar, como guardar itens mais específicos. Depois: como otimizar a rotina de lavanderia, como a organização do quarto influencia no seu astral para cuidar de tudo, e o que deve fazer diariamente, semanalmente para manter suas roupas bem cuidadas.

É um workshop tão rico que a gente gostaria de levar para todos os lugares, mas bancar duas viagens, alugar espaço, material, sempre é muito custoso. Então, se você tiver interesse em ser um apoiador, entre em contato conosco! Toda ajuda é bem-vinda, porque nós sabemos o quanto esse workshop ajuda as pessoas e como elas saem felizes e inspiradas dele. Gostaríamos de agradecer o nosso parceiro Accor Hotels pelo apoio, obrigada!

Temos algumas cidades em vista que gostaríamos de levar esse workshop, mas precisamos ter um mínimo de pessoas para viabilizar. Portanto, se você tiver interesse real em participar, preencha o formulário nesta página, para termos uma ideia de quantas pessoas querem o workshop, e quando tivermos o número necessário, podemos fazer!

Algumas pessoas nos pedem para realizar o workshop de maneira virtual, mas ele é um workshop muito hands-on e precisa ser feito presencialmente. O Vida Organizada realiza uma série de cursos online, mas alguns precisam ser presenciais – esse é um deles. Por isso fazemos questão de viajar para as capitais para realizá-lo.

Obrigada a todas que já participaram desse workshop, pois ele é um projeto muito especial nosso! Tanto a Ana quanto eu começamos a desenvolver novos projetos a partir dele. A Ana, por exemplo, abre a agenda dela para consultoria de estilo e análise de cores toda vez que viaja para fazer o workshop, e eu também comecarei a abrir a agenda para o processo de coaching e consultoria de organização nessas viagens, mas tudo sempre depende da demanda de vocês. Por isso, fiquem em contato! Tudo acontece em equipe. <3

Obrigada por tudo, pessoal!

Mês organizado – Agosto 2016

8

Este post funciona melhor visto pelo computador.

Agosto 2016

🍐 Lembretes gentis, dicas úteis e recomendações para o seu mês ser um pouco mais organizado.
DomingoSegundaTerçaQuartaQuintaSextaSábado
1

🕑 Imersão - Certificação GTD

✅ Planejar o novo mês

✅ Organizar o arquivo de referência rápida (tickler)

✅ Reestruturar a rotina de volta às aulas
2

🕑 Imersão - Certificação GTD
3

🕑 Imersão - Certificação GTD
4

✅ Criar um kit de velas para quando faltar a luz
5

✅ Revisão semanal

6

✅ Controlar as contas pagas e a pagar

✅ Começar a planejar uma viagem de verão

✅ Fazer ou comprar presente de Dia dos Pais
7

🕑 Feira Escolar Office Brasil

🕑 Show do Megadeth

✅ Tirar o pó dos móveis
8

🕑 Reuniões da Call Daniel

🕑 Treinamento GTD na DPZ

✅ Limpar os batentes

9

✅ Retomar um sonho antigo
10

🕑 Treinamento GTD no GPA

✅ Planejar o menu semanal

11

✅ Fazer compras com base no menu semanal
12

🕑 Viagem para Brasília

✅ Revisão semanal
13

🕑 Turma aberta de GTD em Brasília

✅ Pesquisar uma receita diferente para preparar esta semana
14

📅 Dia dos Pais

✅ Tirar o pó dos móveis
15

🕑 Reuniões da Call Daniel

✅ Fazer um balanço dos seus gastos mensais este ano até agora
16

✅ Limpar a despensa


17

🕑 Treinamento GTD no GPA

✅ Planejar o menu semanal

18

🕑 Visita a livrarias para divulgação do novo livro

✅ Fazer compras com base no menu semanal
19

🕑 Viagem para Curitiba

✅ Revisão semanal
20

🕑 Turma aberta de GTD em Curitiba
21

✅ Tirar o pó dos móveis

✅ Limpar as paredes

✅ Destralhar o carro

22



23

🕑 Mudança
24

✅ Planejar o menu semanal

25

✅ Fazer compras com base no menu semanal
26

🕑 Avaliação Master Trainer GTD

🕑 Início da Bienal do Livro SP

✅ Revisão semanal

27

🕑 Turma aberta de GTD em SP

🕑 Show do Malmsteen
28

✅ Tirar o pó dos móveis
29

✅ Verificar se todas as contas do mês foram pagas
30

✅ Revisar o mês que está acabando e quais foram os marcos, projetos concluídos e aprendizados
31

✅ Planejar o menu semanal

Carta da editora: Paternidade ativa

39

Agosto é o mês em que se comemora o Dia dos Pais e, a cada ano, nós também comemoramos esta data aqui em casa, mesmo sendo uma data comercial, assim como comemoramos o Dia das Mães, o Dia dos Namorados, até o Natal. Porque as datas, mesmo sendo usadas comercialmente, nos lembram de coisas boas e representam coisas importantes. No caso do Dia dos Pais, eu vejo como estamos vivendo uma transição relevante.

Este é um momento de grande intensidade na vida das mulheres. A primavera feminista, os grandes movimentos, a nossa voz sendo ouvida e o politicamente correto sendo finalmente levado em consideração. Isso é maravilhoso porque estamos falando de uma nova geração de mulheres, assim como uma nova geração de homens. Se existem mulheres que trabalham, são mais independentes, também existem homens mais envolvidos com a paternidade, com os afazeres domésticos – abraçando papéis que, antes, atribuia-se erroneamente apenas às mulheres. Erroneamente porque, se ambos moram em uma casa, se ambos têm filhos, ambos querem ou precisam se envolver nessas questões porque dizem respeito a ambos.

Isso é super recente. Eu lembro que, quando o nosso filho nasceu, há pouco mais de seis anos, ver um pai na rua carregando um bebê no sling ainda causava suspiros e espanto – não era uma coisa tão comum assim. Hoje em dia já é um pouco mais – já é mais esperado do que antes, ainda que não tanto quanto ainda será um dia. Quando meu marido e eu tomamos a decisão de eu trabalhar fora para ele ficar em casa cuidando do nosso filho bebê, para nós foi a decisão mais coerente, mas não imaginávamos como as pessoas ao redor interfeririam com seus preconceitos em nossa vida. Ouvimos de tudo vindo de todos. Da família, de pessoas do meu trabalho, dos amigos dele. E eram de conselhos não solicitados “querendo o nosso bem” (“veja se não vai deixar de ser dona de casa mesmo assim”) até “piadas inofensivas” (“agora ela que é o homem da casa?”).

Um casal tem que ter o relacionamento muito forte e uma auto-estima sólida individual para passar por esse tipo de situação durante anos, e não é todo mundo que tem. Todos nós temos nossas inseguranças e o mundo é cruel. Sinceramente, nós passamos, mas nunca foi fácil. Hoje nós entendemos que precisamos chegar a um equilíbrio de atividades entre nós e de distanciamento no nível de “conselhos” que as pessoas podem nos dar porque simplesmente não estamos a fim de ouvir. O que sempre nos manteve muito unidos em nossa decisão foi o nosso filho.

Captura de tela 2016-08-02 10.36.58

Todas as mudanças que passamos em nossas vidas nesses últimos anos, e não só mudanças de casa e cidade, mas mudanças de estilo de vida mesmo, ele só passou bem porque a estabilidade da vida dele sempre foi a nossa prioridade. Então, apesar de, para outras pessoas, meu marido e eu termos um estilo de vida mais moderninho por essa configuração que temos, somos bem tradicionais do ponto de vista da família, porque nosso filho sempre veio em primeiro lugar. E, se ele ficou bem nesse tempo todo, foi porque priorizamos isso.

Quando eu engravidei, eu me programei para ficar em casa durante um ano porque tinha entendido que isso seria bom para todos nós. E, quando chegou a hora de voltar a trabalhar fora, meu marido entendeu que seria melhor eu voltar a trabalhar que ele ter dois trabalhos e eu ficar em casa (eu ganharia melhor por causa da minha formação). Então fizemos isso. Foi uma escolha minha, depois dele.

Quando escolhemos mudar para Campinas, foi pensando em promover uma qualidade de vida melhor para o nosso filho. Quando ele cresceu mais, vimos que seria melhor para ele ficar mais perto dos avós, então voltamos para São Paulo. Claro que, para isso, várias escolhas de carreira influenciaram, mas eu poderia ter ficado morando em Campinas com a carreira que escolhi e tenho hoje igualmente. Sabíamos que, se eu começasse a viajar e fazer muitos eventos, estar perto da família seria mais seguro e confortável para ele, e assim fizemos.

Captura de tela 2016-08-02 10.35.21

Isso também permitiu que meu marido pudesse voltar a fazer atividades profissionais que gostasse, estudasse mais e se dedicasse a outras coisas e nós tivéssemos nossos amigos por perto. Foi uma evolução de acontecimentos que nos ajudou com a maternidade e paternidade, porque não existe filho feliz sem pais felizes.

Tudo isso só foi possível porque tanto eu quanto meu marido sempre fomos parceiros nessa família, fazendo escolhas juntos. O tema deste mês no blog é paternidade ativa, porque não tem como falarmos de maternidade ativa sem uma paternidade ativa. Existem muitas mães que precisam fazer papel de pais hoje, porque os pais simplesmente abandonam as crianças, mas existem muitos pais que assumiram essa nova consciência simplesmente porque o mundo é outro e eles querem, precisam fazer isso. Faz parte de quem são. Precisamos falar sobre isso. É uma mudança social.

Compartilhem histórias então. Se vocês quiserem ler sobre temas relacionados a organização voltados para pais, postem nos comentários. Vou tentar, ao longo do mês, abordar posts nesse sentido.

Captura de tela 2016-08-02 10.37.15

E este post também é uma homenagem ao pai do meu filho, meu parceiro que está ajudando a criar um grande menino e uma pessoa extraordinária para o mundo.

Andamento da mudança em 2016

13

Na semana passada meu filho e eu não estivemos muito bem porque pegamos uma gripe fortíssima que nos levou ao hospital (com medo de ser pneumonia de novo), mas por sorte não era e pudemos nos tratar em casa, porém super debilitados. Meu filho se recuperou melhor do que eu, que ainda trabalhei ao longo da semana e no sábado, porém em ritmo mais leve. Hoje estou melhor, mas mesmo nessas condições precisamos dar andamento em algumas coisas da mudança porque o mundo não para mesmo quando estamos assim.

Empresa que fará a mudança

Já fechamos a empresa que fará a mudança, que é a mesma empresa que fez minha mudança de São Paulo para Campinas e a última mudança do apartamento para a casa que estamos hoje. Cheguei a pesquisar outras opções, mas achei todas caras e preferi ficar com a que já conhecia. É uma empresa familiar, de um senhor bem simples, e lembro que conheci porque alguém um dia indicou para a minha mãe, que indicou para mim, e acabou dando certo. Nossa mudança será feita mais para o final do mês, para dar tempo de fazermos tudo o que precisa ser feito.

Providências na casa

A casa será entregue somente depois do dia 10, pois há ajustes. É a primeira locação dela, então o proprietário vai instalar pias, torneiras, corrimão na escada e arrumar uma parede que teve um pequeno problema de pintura, e o prazo é dia 10. Nesse meio tempo, já temos a chave e podemos entrar para tirar medidas e instalar algumas coisas, se tivermos vontade.

010816-sala-casa
Um pedaço da sala da casa nova

Destralhando

Por hora, o que eu tenho feito sinceramente é destralhado a nossa casa. Eu tenho feito um esforço para levar para a casa nova não pouca coisa, mas muito menos. Por já ter feito muitas mudanças, eu não quero mais uma vez gastar caixa com o que não vale caixa, entendem? E vejam bem: eu já tenho um número reduzido de coisas, mas ainda tenho bastante objetos e descobri, no último mês, que quero reduzir ainda mais. Então, neste momento, o que tenho feito é destralhar, abrir espaço para a vida nova. Eu mudei muita coisa depois do curso de coaching que eu fiz e não quero manter em casa energia parada de objetos que não tenham mais a ver comigo ou com o futuro que eu quero construir. Isso inclui roupas, livros, ferramentas.

Já separei um saco enorme de roupas e ainda pretendo separar mais peças. Livros, estou mantendo os que eu amo e os que ainda não li. Para vocês terem uma ideia, minha mãe está considerando abrir um sebo na cidade onde ela mora para dar vazão aos livros que eu estou me desfazendo. Eu amo a minha biblioteca, mas também amo o conhecimento adquirido pelos livros que ainda quero ler, e não tenho espaço para tantos livros assim. Sou aquela pessoa que já tinha mais de mil livros em casa. Fico feliz com uns 300, 400.

Encaixotando

As caixas já chegaram aqui em casa (a empresa de mudança cedeu 20 caixas) e eu vou começar a encaixotar aquilo que obviamente vai e não estamos usando, mas esse conceito é tão estranho, não é? Afinal, se é útil a ponto de eu querer levar comigo, não deveria estar em uso?

Vou ser extremamente criteriosa com o que entrará em cada uma dessas caixas e, todo o resto, vou vender ou doar para instituições de caridade.

Compras

Como uma mudança sempre gera muitos gastos, vou me ater ao essencial no primeiro mês, para estruturar a casa, e depois vou comprando o resto. Minha ordem de investimento de dinheiro na casa nova é:

  • Estrutura (luminárias, redes de proteção, varão de cortina, chuveiros etc.)
  • Móveis e armazenamento (armário da cozinha, guarda-roupa)
  • Decoração estrutural (tapetes, cortinas, poltronas)
  • Decoração complementar (quadros, vasos etc.)

Cronograma

Nesse momento estamos cuidando do destralhamento e do início do encaixotamento, o que vamos fazer até receber a casa, dia 10. Quando recebermos a casa, vou comprar os móveis, que podem demorar alguns dias para chegar. Eu poderia comprar antes, mas quero ter certeza que estarei com a casa entregue quando isso acontecer, então prefiro correr esse risco. Já compramos as luminárias e meu marido vai começar a instalar quando recebermos a casa, assim como outras estruturas mais simples. Costumamos chamar um profissional para instalar espelho, armário de banheiro, chuveiro etc. na mesma época. Iniciamos a transferência dos serviços de Internet e outros. Então vamos limpar a casa e então começar a providenciar a decoração estrutural com coisas novas, para então receber a mudança. Vai ser ótimo.

Quando não estiver em um dia muito produtivo, faça uma coisa de cada vez

24

Uma dica que costuma sempre funcionar é pegar leve, não se cobrar tanto, não pensar no montão de coisas que se tem para fazer e começar uma a uma.

afogando-atividades

Às vezes estamos doentes, com mal-estar, num astral não muito legal, meio sobrecarregados, com muitas interrupções ou qualquer outro estado que nos deixe com a sensação de baixa produtividade.

Quando isso acontece, o que eu procuro fazer é realmente pegar minhas listas de tudo o que tenho para fazer no dia e ir uma a uma, sem olhar o montante. Começo pela primeira e vou, uma a uma, e assim surpreendentemente acabo completando tudo.

Isso deve acontecer porque, quando já não estamos muito bem, ver aquele monte de coisas para fazer pode nos deixar mais estressados ainda.

No meu caso, eu faço assim:

  1. Vejo o que tenho na minha agenda, que são as atividades pontuais e os prazos do meu dia. Por exemplo, cinco itens ali. Eu começo com o primeiro, depois vou para o segundo etc. Sem estresse, sem pensar no total.
  2. Então acesso meu Todoist, onde tenho listas de coisas a fazer que vencem em determinado dia. O Todoist me mostra tudo o que eu tenho com vencimento hoje. Igualmente, trabalho em uma coisa de cada vez, tendo três ou tendo 15.
  3. Se ainda sobrar tempo e eu estiver afim, dou uma olhada no que vence nos próximos dias para ver se consigo adiantar alguma coisa. Isso é uma vitória!

Outra coisa que me ajuda muito quando estou me sentindo nesses dias é esvaziar a minha mente. Pego papel e caneta e começo a escrever o que está me preocupando. No geral, só de colocar no papel eu já fico mais tranquila. Então vejo aquelas anotações e analiso para ver se preciso tomar alguma providência.

É isso. Pode te ajudar em uma sexta-feira.

Organizando uma nova mudança

23

Estamos organizando uma nova mudança de residência, desta vez por ótimos motivos. Quando nos mudamos de São Paulo para Campinas em 2011, a mudança foi planejada com bastante antecedência, muito organizada e deu tudo certo. As outras mudanças que precisamos fazer depois não foram tão felizes assim, pois foram motivadas por decisões premeditadas (quis mudar para um apartamento menor mas pouco tempo depois mudei de trabalho, precisando do cômodo que faltava para o home-office) e duas mudanças feitas às pressas (primeiro quando precisamos mudar para São Paulo muito rapidamente e em meio a muitos eventos que eu estava trabalhando e a segunda porque precisamos desocupar um imóvel e encontrar outro em menos de um mês).

rp_etiquetas-mudanca.jpg

Somos muito gratos à casa em que estamos hoje. Ela nos abrigou quando precisávamos de um lugar rapidamente para nos mudarmos, fica perto da minha sogra (que nos ajuda muito com o filhote) e o valor do aluguel é muito bom. Estamos aqui há um ano e meio e sabíamos que seria temporário, até nos estabilizarmos financeiramente (o suficiente) para procurar algo que nos atendesse melhor e também entrássemos novamente em clima de mudança. Alguns fatores que nos levaram a sair da casa onde estamos hoje:

  • Segurança, principalmente. É uma casa de rua, com muro alto, mas sempre ficamos um pouco inseguros nela.
  • A casa não tem garagem. Precisamos deixar nosso carro em uma garagem locada, na mesma rua, o que foi super ok durante esse tempo mas sempre pesou um pouco.
  • A casa tem problemas de umidade e uma infiltração bem no meu home-office, o que desconfiamos que possa ter contribuído com o meu estado de saúde ano passado e desde então (fiquei internada com pneumonia e até hoje tenho uma tosse que persiste). Nosso filho também teve pneumonia este ano.

Começamos a procurar uma casa que nos atendesse bem, e encontramos uma legal, em um condomínio fechado, com espaço aberto para os cachorros, espaço suficiente e bastante arejada, e estamos organizando a mudança. Tem sido bastante tranquilo fazer a mudança com antecedência e aos poucos, ajustando as coisas na casa nova, encomendando alguns móveis etc.

Vamos permanecer na mesma região onde moramos porque precisamos ainda do apoio da nossa sogra enquanto o filhote for pequeno, mas vamos morar alguns quilômetros mais longe dela. A residência também fica perto da escola e têm mais opções de transporte público, por ser perto do metrô. Nossa ideia então é ficar na nova residência durante o contrato do aluguel (30 meses) pelo menos, e então mudarmos para outra região. Eu gostaria de voltar a morar em uma região mais central de São Paulo, como eu morava antes, mas quero esperar o filhote mudar para o Ensino Fundamental II para trocá-lo de escola. Ele passou por muitas mudanças nos últimos anos e gostamos muito da escola onde ele está. Essa decisão está bem fundamentada e conversada por aqui e estamos felizes com ela. Até por isso preferimos alugar um imóvel a comprar, assunto que já expliquei melhor aqui.

Por isso, vou postar aqui no blog o andamento dessa nova mudança para ajudar quem estiver passando pelo mesmo processo. Já temos muitos posts sobre mudanças aqui, mas eu penso que este será um processo muito mais maduro e creio ter coisas legais para compartilhar.

Também estou em contato com algumas personal organizers que trabalham especificamente com mudanças, que contribuirão com dicas para vocês e ainda terão a oportunidade de divulgar os seus trabalhos.

Eu não estou cansada ou estressada por fazer essa nova mudança. Como a mudança que fizemos em 2011, ela representa uma série de outras mudanças na nossa própria vida – o fim de uma era e o começo de outra. Estou deixando para trás um monte de coisas e sentimentos, uma oportunidade maravilhosa que as mudanças nos trazem. Meu marido está em uma nova fase profissional da vida também. Estamos celebrando!

Nos próximos posts vou contar como estamos nos organizando e fazer reflexões diversas sobre o processo em si da mudança, da limpeza, da decoração e da organização da casa nova. Eu quero inclusive aplicar o Feng Shui da maneira mais linda possível e tornar a nossa casa um espaço sagrado de verdade, construído aos poucos, mas sempre com muito amor.

Que venha essa nova fase. <3

Obrigada por tudo, pessoal.

Guia do blog para começar a se organizar

6

Um dos grandes desafios que nós enfrentamos por aqui é montar algo simples e didático para ajudar as pessoas a se organizarem. Por isso, no blog você encontra uma seção Comece a se organizar, que fica de maneira permanente no menu superior, e há algumas semanas eu estava trabalhando em uma versão legal da página para trazer esse guia como eu comentei.

Captura de tela 2016-07-27 08.34.09

Essa página será constantemente atualizada para ser um guia mesmo para você começar a se organizar, passo a passo, com orientações, dicas e recomendações de textos aqui no blog.

Clique aqui para acessar!