21 Feb 2013

Sobre colaboradores no blog

Bom dia, pessoal. Hoje venho aqui falar sobre a mudança que comentei no blog há algum tempo, sobre a entrada de colaboradores. Recebi muitas mensagens positivas a respeito, mas uma imensa quantidade de e-mails negativos. Não digo negativos no sentido de serem ruins, mas no sentido de… bem, os leitores acharam que o blog estava perdendo a identidade. Eu mesma estava estranhando bastante o novo formato, porém, como era uma grande mudança, achei que fosse aquele estranhamento típico de quando estamos fazendo alguma adaptação.

Eu colo abaixo o e-mail que enviei a todas as colaboradoras para explicar o que aconteceu e como acontecerá daqui em diante, e compartilho isso com vocês para agradecer pelo retorno sincero que vocês sempre me dão quando sabem que ajudarão a manter o blog como ele é. No e-mail, explico como será feito daqui em diante.

Pessoal,

Estou escrevendo para tratar de um assunto bastante delicado, mas gostaria que vocês compreendessem.

Desde o início, quando eu decidi abrir o blog para colaboradores, foi pensando em trazer uma variedade para os leitores, pois talvez o “meu formato” estivesse se tornando enfadonho. Enfim, eu realmente achei que, trazendo um pessoal novo, os leitores fossem gostar. Além disso, também era uma oportunidade de divulgar textos bacanas de outras pessoas, trazendo uma certa visibilidade a todos que colaborassem.

O que acontece é que eu tenho recebido muitos, mas muitos e-mails diariamente sobre essa mudança. A maioria deles dizendo que o blog perdeu a identidade, que era tão a minha cara, e agora não se sabe mais o que é. Isso me tocou muito porque, como vocês devem acompanhar pelo blog, sou muito sensível ao que os leitores me falam, e sempre levo em consideração a opinião deles para tudo o que eu faço no blog.

Por esse motivo, estou enviando este e-mail para me justificar com vocês, pois terei que parar com as colaborações externas. Vou manter os textos de vocês lá, apenas alterando o post com as informações do autor e toda divulgação necessária, no caso de quem tem site ou blog, então não se preocupem quanto a isso. Se alguém quiser que eu retire o post, por favor, me avise.

Gostaria de pedir desculpas por essa mudança de planos, mas eu realmente não esperava essa reação do pessoal. Muitos me mandaram e-mail através do formulário de contato porque não queriam expôr sua opinião publicamente, com receio de que eu ficasse chateada, por exemplo.

Agradeço a todos que escreveram e espero manter contato para futuras contribuições, caso seja do interesse de vocês, sobre temas diversos, mas esporadicamente. Os posts que estão agendados para esta semana já entrarão sob o novo formato.

Mais uma vez, me desculpem por isso, mas a opinião dos leitores é a mais importante com relação ao blog. Espero que entendam.

Um abraço.

Também voltarei a postar somente uma vez por dia, com raras exceções, quando eu puder postar mais.

Obrigada por tudo sempre, pessoal.

21 Feb 2013

Quero voltar a estudar!

Este texto foi enviado pela psicóloga e leitora Andréa Lagareiro.

O início do ano representa para muitas pessoas a retomada das atividades escolares, acadêmicas e profissionais que foram interrompidas no ano anterior. É nesta época que os estudantes realizam rematrículas, os graduados procuram seus cursos de pós-graduação e as crianças e adolescentes retomam o ano letivo.

Não podemos esquecer que, neste período, muitas pessoas que haviam parado de estudar, por diversos motivos, como trabalho, criação dos filhos, viagens e problemas pessoais, pensam em retornar aos estudos.

Aqui vão algumas dicas para orientar essa busca:

Quero muito voltar a estudar!

Primeiro, organize-se: Tenha clara a sua REAL disponibilidade de tempo e energia para inciar este projeto. Não vale a pena pesquisar cursos, se matricular, pagar taxas se você não for ter tempo para frequentar as aulas. E o mais importante: ter tempo não é ter disponibilidade de horário do tempo exato do curso (19-22h50, por exemplo). Você precisa se alimentar, locomover-se e chegar com o mínimo de folga em casa para poder realizar suas outras atividades cotidianas.

Dica de ouro 1:  Conheça seus limites!

Autoconhecimento é fundamental para avaliar as reais condições para iniciar qualquer projeto, por menor que ele seja. A gente não pode abraçar o mundo inteiro de uma só vez. O que a gente pode sim fazer é escolher a parte que vamos nos dedicar em cada momento.

Sem direção? Oriente-se: Se você ainda não sabe que curso (universitário, técnico, livre, etc) escolher, uma boa opção é fazer uma orientação vocacional com um profissional. Por meio deste processo, você pode entender suas competências, (conhecimentos, habilidades e atitudes), quais são suas possibilidades e também ter um help para saber por onde começar, como começar e quais os primeiros passos nessa retomada. Você pode, até por conta própria, verificar como foi sua trajetória profissional até o momento, identificar pontos fortes e de atenção para pensar se se especializar é uma boa ideia ou se cabe uma mudança radical no seu percurso. Isso pode te ajudar, inclusive, no bate papo com a orientadora e trazer mais material para discussão.

Dica de ouro 2: Se existe um investimento que vale a pena, é investir em você mesmo!

Orientação vocacional é um processo que tem se difundido muito entre a população. Vale apena para adolescentes que querem decidir sua profissão, profissionais que querem mudar de área, trabalhadores desmotivados…Enfim, para qualquer dúvida, insegurança, insatisfação ou anseio, a orientação vocacional pode te ajudar muito. Principalmente, a conhecer a si mesmo e suas potencialidades!

Pesquise, pesquise, pesquise: Não vale a pena procurar uma universidade porque ela é a mais barata, a mais próxima de casa, a que sua melhor amiga frequenta. Qualidade e presença no mercado são fatores importantíssimos que ficam esquecidos frente a outras necessidades. Sim, existem cursos caros. Não, nem sempre podemos investir tanto dinheiro, mas vale a pena procurar o segundo e o terceiro melhor e não partir para opções duvidosas.

Coloque na balança: A qualidade, a médio e longo prazo é mais valiosa do que proximidade e valor.

Coloque na balança: A qualidade, a médio e longo prazo, é mais valiosa do que proximidade e valor. Nem sempre podemos pagar pelo que queremos, mas temos que avaliar as opções disponíveis.

Como pesquisar? Simples. Abuse das redes sociais. Procure, primeiro, na sua lista de amigos quem se formou aonde. Caso não tenha encontrado o que procura, digite o curso ou a faculdade no campo de busca do Facebook por exemplo e procure grupos e pessoas. Faça contatos com ex-alunos. Além disso, pesquise a página do MEC. Lá você encontra as melhores e piores universidades, suas avaliações e colocações.

Print da tela de consulta de avaliações de universidades do MEC. Pesquise sempre no portal, mas faça contato com os estudantes e ex-alunos.

“Print”da tela de consulta de avaliações de universidades do MEC. Este é apenas um exemplo. Pesquise sempre no portal, mas faça contato com os estudantes e ex-alunos.

Dica de ouro 3:  O conhecimento se dá através da troca com o outro!

A melhor forma de saber sobre cursos, expectativas, realidades, professores, material, infraestrutura – embora exista a avaliação do MEC – é conversar com ex-alunos e alunos das universidades. É como uma pesquisa de opinião. E as pessoas sempre agregam muito com as suas experiências. Afinal você não é o único a passar por uma decisão profissional.

E agora? Já está tudo certo: Uma vez que sua mente e cotidiano estejam organizados, pesquisas feitas e o curso e universidade decididos, você pode começar a colocar seu projeto, de fato, em andamento.

Eu já disse “Organize-se”?

Você precisa ter em mente os gastos, tanto de mensalidades quanto de matrícula, precisa controlar a data de vencimento das parcelas e a data limite para inscrição.

Algumas faculdades já fecharam e inclusive aplicaram vestibular a essa altura do ano. Se este for o seu caso, não se desespere! Em geral são faculdades com processos seletivos mais difíceis de passar e mais complexos. Vale a pena fazer um cronograma de estudo para o ano, ou mesmo entrar no cursinho pré-vestibular para tentar entrar.

Se você for iniciar o curso ainda esse ano, fique atento ao vestibular, entrevistas presenciais, data limite para inscrição e pagamento da matrícula e, É CLARO, início das aulas.

Dica de ouro 4: A pressa é inimiga da perfeição!

Escolher um curso e uma faculdade não define apenas os próximos 4 ou 5 anos, nem suas noites mal dormidas nem somente “no que eu vou trabalhar”. Uma escolha profissional define um aspecto gigantesco das nossas vidas, os círculos de relacionamento que teremos, as nossas motivações enquanto cidadãos, nossa participação no mercado e a produção do conhecimento. Por isso, se ainda tem dúvidas, se não se sente preparado, não tome decisões precipitadas. Procure ajuda e orientação, de professores antigos, amigos e profissionais.

Mais para frente, vamos falar sobre como se organizar para o início das aulas e da importância que dedicar-se aos primeiros semestres da faculdade tem para a sua carreira!

21 Feb 2013

Dúvida da leitora: qual o melhor horário para fazer a lição de casa com os filhos?

Bom dia, Thaís! Tudo bem?
Adorei a novidade dos temas por mês. Gostaria de sugerir um post para orientar as mães de filhos que estão começando a levar lição para casa. Esse é o meu caso. A minha filha está entrando no 1º ano do ensino fundamental e a partir de agora trará lições de casa todos os dias. Ela estuda à tarde, porém às terças e quintas tem que ir para a escola no período da manhã também.
Sempre achei que fazer lições de casa à noite não seria muito produtivo pois as crianças costumam chegar cansadas, sem contar que a rotina noturna é corrida. Jantar, banho, e quando vemos já são 20h00. Super tarde para as lições de casa, concorda?
Além disso, os médicos indicam atividades físicas para as crianças pelo menos 3 vezes por dia o que todos nós sabemos que é importante e muito saudável. Ou seja, que tempo sobra para as lições e estudos em casa para uma criança de 6 anos em diante?
Sei que o seu filhinho ainda não está nessa fase, mas você vai ver que dilema é esse, Thaís. Uma loucura!
Beijinhos e muito obrigada por tudo o que você tem feito de bom na minha vida e na de tantos leitores do seu blog.

Queria leitora,

Nossa vida é uma correria, não é mesmo?

A pergunta é: pela manhã, você está disponível para ficar com ela? Se sim, certamente esse horário é o melhor para fazer as lições. Quando ela tiver aula pela manhã, excepcionalmente será necessário fazer as lições à noite. Cheguem em casa, tomem um banho e, logo após o jantar, façam a lição. Mas explique direitinho para ela como as coisas funcionarão. Já viu aquele quadro de rotina da Supernanny? Talvez seja uma boa ter um desses em casa. Eu sou louca para fazer, mas meu filho ainda não entende.

Será cansativo fazer a lição à noite? Sim, mas são dias excepcionais. Nunca, nunca tome situação que são exceção como regra geral para pensamentos e preocupações na sua família. Existirá uma regra geral, que é fazer a lição pela manhã e, quando não for possível, e somente se houver lição, esta será feita à noite.

Quanto à atividade física, ela já não faz aulas na escola? Em muitos casos, essas aulas são suficientes. Se não, talvez seja o caso de fazer algo de curta duração pela manhã – mas tente não complicar!

Certamente outros leitores ficarão muito contentes em te dar mais sugestões pelos comentários. =)

Obrigada por ter escrito.

20 Feb 2013

Antes e depois da leitora: gavetas

Olá, Thais.
Gosto muito do seu blog e a acompanho sempre. Aprendo demais com você e admiro sua determinação em se organizar ao longo da vida e agora em nos passar toda sua experiência!
Recentemente fiz um curso de personal organizer e estou fascinada com a criatividade que cerca este meio.
Estou começando a atuar como home organizer.
Assim, eu mesma fiz estas divisórias de gaveta do meu quarto e as forrei com papel contact. Utilizei cestinha plástica e alguns vidros que eu já possuía em casa para fazer esta gaveta.
Legal sua ideia de nos fazer compartilhar nossos cantinhos!!!
Abraço,
Fernanda F.

antes-depois-leitora

Eu adoro esse papel contact roxinho. Ficou uma graça, Fernanda. Parabéns. =) Também mostra a importância de reaproveitarmos o que já temos em casa, não é mesmo?

20 Feb 2013

Como organizar seus livros

Este texto foi enviado pela leitora Luciana Vaz, do blog Carmim & Café.

Os apaixonados por livros sabem bem que manter seu acervo organizado de forma eficiente não é tarefa das mais simples. Conheça algumas dicas para manter esse tesouro a salvo da bagunça do dia-a-dia.

O primeiro passo é separá-los de acordo com a frequência de leitura. Este é um bom momento para separar aqueles que já não são lidos há muito tempo, não apresentam mais interesse ou estão desatualizados.

Dependendo de qual situação se encaixam, podem ser vendidos para sebos, doados ou até mesmo reciclados.

Feito isso, a sugestão é que os livros sejam agrupados pelo gênero (romance, drama, biografia, etc.) e posteriormente por ordem alfabética (primeiramente por título e posteriormente por autor).

Uma outra forma, mais simples e também bem interessante, é organizá-los por tema (culinária, viagens, arte, fotografia, etc.). Se você possui muitos livros que se encaixam nesse perfil, arrume-os em ordem alfabética (novamente por título e posteriormente por autor) e coloque-os em uma prateleira a parte.

Imagem encontrada no blog Decorar: Aproveitando e Organizando

Para os que gostam de adotar na decoração um estímulo mais visual, uma boa opção é organizar o acervo pela cor das lombadas. Neste caso, esqueça tudo que mencionei acima e apenas separe-os pela cor, dispondo-os nas prateleiras de forma divertida.

Imagem encontrada no portal Mundos das Tribos

Livros infantis devem sempre ser mantidos nas prateleiras mais baixas, facilitando o acesso das crianças e incentivando a leitura. Neste caso, basta guardá-los do maior para o menor.

Imagem encontrada no site Mães à obra

Para decorar e ao mesmo tempo organizar, separe alguns livros bem interessantes e disponha-os em cima de uma mesa de centro, dentro de cestos de vime pela casa ou em aparadores.

Imagem encontrada no site Tudo para meninas

Onde guardá-los? Essa de fato é uma boa pergunta. O local escolhido para colocá-los influencia diretamente na conservação e na durabilidade das obras.

O essencial é que o local escolhido seja muito bem ventilado, preferencialmente, em estantes com fundo protetor ou a uma distância razoável de paredes úmida, evitando assim qualquer contato da superfície úmida com o papel.

Feito isso, literalmente, “mãos às obras”!