14 Aug 2014

Livro Vida Organizada já a venda nas seguintes lojas

capa-livro-vidaorganizada

Olá pessoal! Vim aqui apenas avisar que o livro Vida Organizada já está a venda em algumas lojas, que são as seguintes:

submarino

ciclos-logo-livraria-cultura

logo_saraiva

Basta clicar na imagem acima para comprar na respectiva loja.

Obrigada por tudo, pessoal! <3

14 Aug 2014

O que eu aprendi com a terceira mudança de casa que eu fiz

Semana passada, nós finalmente nos mudamos para o apartamento novo. Esse processo de mudança foi complicado, porque não pude organizar a mudança como estou acostumada – eu estava trabalhando intensamente em São Paulo e sem condições de voltar um dia que fosse para Campinas para organizar tudo. Portanto, posso dizer que, juntando todos os dias em que me dediquei à mudança, eu levei uns 5 dias para organizar tudo (encaixotar, desfazer de algumas coisas, contratar caminhão etc). Foi bom? Não, foi corrido e até um pouco estressante. Me dava muita aflição estar trabalhando em São Paulo todos os dias e continuar pagando as contas de um apartamento que eu não estava usando. Por fim, finalmente nos mudamos e as coisas começaram a entrar nos eixos novamente. Ainda estou sem Internet (trapalhadas da Net, que vem resolver ainda esta semana, com sorte), então por isso não postei a continuação da série do GTD no Evernote (preciso estar no meu PC para isso, por causa dos prints).

Porém, toda experiência de vida traz muitos aprendizados. Eis o que eu aprendi com essa mudança:

  • Quando tiver a ideia de uma mudança surgindo no horizonte, comece a selecionar e encaixotar seus pertences. Quando eu mudei de trabalho, no final de junho, eu imaginei que nos mudaríamos somente em janeiro, então não comecei a encaixotar nada. E, a partir da semana seguinte, foram agendados tantos compromissos para mim em outra cidade que eu não tive mais tempo de “ir para casa” cuidar do assunto. Tivemos que antecipar a mudança porque isso estava prejudicando a rotina da nossa família.
  • Se puder pagar, pague para uma empresa que encaixote as coisas para você. Isso facilita muito o processo. (Não foi o nosso caso.)
  • Se puder conciliar duas residências ao mesmo tempo, pelo menos ao longo de um mês, providencie mudanças ao longo desses dias, como ponto de Internet, tv, gás, modificações na rede elétrica e por aí vai.
  • No dia da mudança, preocupe-se em deixar os cômodos minimamente arrumados. É cansativo mas, com um pouco de esforço, dá para deixar com cara de casa logo no primeiro dia. Deixe as caixas menos importantes para organizar aos poucos, mas dê-se um prazo, senão elas ficarão lá para sempre. Pode ser uma boa dedicar 1 hora por dia, todos os dias, para ir abrindo as caixas e organizando o que tem dentro delas.
  • Muitos itens, a gente só vai perceber que não quer mais quando chegar na casa nova. Reserve um lugar para colocar todos os objetos que quiser doar ou se desfazer. Aproveite a mudança para filtrar o que você vai manter na sua casa.
  • Se você não tiver tempo para organizar a chegada da mudança, contrate um personal organizer. Sim, também é nossa função fazer isso. Com um PO, você vai ter a tranquilidade de deixar a organização e a arrumação nas mãos de uma pessoa competente que já deixará tudo prontinho para você.
  • Recicle as caixas que for abrindo. Reserve um canto da residência para deixá-las e, uma vez por dia, leve-as a um posto de coleta de recicláveis. Também pode ser interessante conversar com a empresa que você contratou para a mudnça, pois eles podem ter interesse em ficar com as caixas para estoque.

Eu realmente espero que esta tenha sido a minha última mudança nos próximos cinco anos, no mínimo Amamos nosso apartamento atual e esperamos ficar aqui durante muito tempo.

Obrigada pela compreensão ao longo desses dias. Estou aproveitando para fazer algumas modificações no layout do blog, que comentarei em breve, quando forem finalizadas.

Você tem experiências que gostaria de compartilhar sobre mudanças? Poste nos comentários!

14 Aug 2014

Vida de Mãe: Organizando a rotina das crianças em casa

Banners_Nestlé_Blog (2)

Fui convidada pela Nestlé a contribuir para o blog Vida de Mãe. Meu primeiro post é sobre como organizar a rotina das crianças em casa. Clique aqui ou na imagem para ler!

Agradeço muito à Nestlé pela oportunidade.

10 Aug 2014

Implementando o sistema FLY Lady no apartamento novo

Uma das coisas mais legais ao mudar para uma residência nova é entender aos poucos como será a nova rotina e começar a estruturá-la para fazer a casa funcionar sem estresse. Eu utilizo para isso um sistema chamado FLY Lady, criado por uma americana, e aqui vou descrever um pouco como estou implementando o sistema “do zero” em nosso novo apartamento.

Definindo as zonas

O primeiro passo é determinar as “zonas”, ou áreas, que a FLY Lady trabalha a cada semana do mês. Temos os seguintes cômodos em nosso apartamento atual: sala, varanda, cozinha, área de serviço, banheiro de serviço, quarto do filhote, nosso quarto, banheiro social, banheiro da suíte e escritório. Também gosto de considerar a entrada como uma área diferente, pois contempla a entrada do apartamento, porta, capacho etc.

As zonas oficiais da FLY Lady são:

Zona 1: Entrada, porta da frente e sala de jantar
Zona 2: Cozinha
Zona 3: Banheiro e quarto extra
Zona 4: Quarto principal
Zona 5: Sala de estar

Aqui, eu dei uma modificada e deixei assim:

Zona 1: Área de serviço e banheiro de serviço
Zona 2: Cozinha e despensa
Zona 3: Banheiro social e escritório
Zona 4: Nosso quarto e quarto do filhote
Zona 5: Entrada, sala e varanda

Um “hack”que existe nesse esquema de zonas da FLY Lady é que a primeira e a última são semanas que, geralmente, têm menos dias em cada mês, então as zonas principais sempre pegam semanas inteiras e podem ser melhor trabalhadas.

Eu também preferi juntar cômodos relacionados para facilitar a visualização do que será feito. Por exemplo, para mim, faz mais sentido deixar a varanda junto com a sala, na zona 5, que na zona 1, com a área de serviço.

Ao trabalho!

Depois de definir as zonas, não tem segredo: basta seguir as recomendações da FLY Lady.

A primeira coisa é destralhar os cômodos da semana. Eu sei que, em uma mudança, no geral já fizemos esse destralhamento antes de mudar. Porém, é impressionante como tenho destralhado as coisas! Quando nos mudamos para um apartamento novo, queremos ter conosco somente o que realmente amamos ou precisamos, e muitas vezes só percebemos isso quando pegamos item por item das caixas que abrimos.

A regra da FLY Lady é clara: a missão principal em todo cômodo é primeiro destralhar o que for necessário, para então fazer a missão do dia e, por fim, trabalhar na lista detalhada de limpeza. Essa é a hierarquia das zonas da FLY Lady e tem funcionado muito bem desde o primeiro dia no apartamento.

Dança dos cômodos

Uma técnica que tem me ajudado muito a arrumar o apartamento desde o primeiro dia da mudança é fazer a dança dos cômodos. Incrível como, se deixar, fico umas duas horas sem parar indo para lá e para cá arrumando as coisas nos cômodos certos, apenas de entrar e sair de cada um com o que é de outro lugar. Funciona mesmo!

O que priorizar?

Para mim, o que deve ser priorizado em uma mudança são as necessidades básicas: dormir, comer e cuidar da higiene pessoal. Portanto, quartos devem estar em ordem para uma primeira boa noite de sono, a comida deve ser providenciada e pelo menos um banheiro deve estar funcionando com tudo o que for necessário. Para isso, o que comentei acima pode ajudar (destralhar, limpar, arrumar), além de já preparar o primeiro menu semanal, é claro.

É muito bacana organizar a rotina nova. :) Estamos arrumando as coisas por aqui e eu tenho estado muito dedicada ao trabalho, com viagens, além da própria mudança e alguns projetos paralelos caminhando juntos, mas em breve retomarei a rotina com o blog também. Obrigada por tudo, pessoal.

07 Aug 2014

O que aprendemos com as mudanças de casa

Sempre que mudamos de residência, temos a oportunidade de rever alguns conceitos e promover mudanças não só físicas como mentais relacionadas à nossa casa. Eu estive pensando sobre isso nos últimos dias, pois estamos passando por uma mudança recentemente. Gostaria de compartilhar com vocês as reflexões que cheguei:

Quem vive na minha casa?
Para que eu uso a casa?
Onde passo mais tempo em casa?
O que é imprescindível ter em casa?
O que eu gostaria que a minha casa fosse?

Podem parecer perguntas banais, mas elas têm sido fundamentais para eu entender como organizar nossos pertences e decorar os ambientes. Podemos ter a tendência de criar nossa casa para os outros, pautada em situações que sequer ocorrerão com tanta frequência, como receber visitas, preparar jantares, ter hóspedes. Isso também me fez pensar no que eu gostaria de ter em casa. Porque, afinal, se algum dia eu pensei que ter um buffet em casa para guardar louça, é porque eu esperava receber pessoas ocasionalmente. Onde essa vontade foi parar? Por que não aconteceu? E aí posso pensar em tomar algumas providências para gerenciar meu tempo de maneira melhor e me permitir ter esses pequenos momentos algumas vezes.

Ao mesmo tempo, a casa deve servir os moradores dela e sua organização deve ser pautada neles, não em situações que acontecem ocasionalmente. Eu não posso deixar dois filhos dormirem em um mesmo quarto sendo que eu tenho um quarto para hóspedes, por exemplo. Isso é priorizar terceiros em detrimento da minha família. Claro que cada caso é um caso, e seu quarto de hóspedes pode receber semanalmente uma mãe ou um pai doente que precisa ficar alguns dias com vocês. Mas vale refletir sobre as escolhas que tomamos com relação à nossa casa, porque muitas vezes nos pegamos nessa controvérsia interna e não nos damos conta de como isso está incomodando e até mesmo atrapalhando a rotina da nossa família.

Imagem: Apartment Therapy

Imagem: Apartment Therapy

Outra reflexão que venho fazendo é sobre a qualidade das aquisições. Quando montamos nossa primeira casa, priorizamos quantidade acima de qualidade, porque precisávamos montar quase tudo do zero. Aos poucos, os móveis e objetos de má qualidade vão cobrando seu preço, quebrando, mofando, envergando. E aí vale a pena pensar em substituições inteligentes e até mesmo reduzir a quantidade de coisas que temos dentro de casa. Vamos consagrando o espaço que temos e dando valor ao respiro que há ali também.

Da mesma maneira, aprendemos a gastar menos, porque fazemos escolhas melhores. Compramos apenas três porta-revistas porque temos menos revistas – somente as que realmente queremos guardar, e não uma pilha delas. Para falar a verdade, acho que o principal ensinamento de uma mudança é a consciência de que não precisamos de tantas coisas. Aprendemos a priorizar o que queremos e precisamos ter em casa, nos desfazendo de muito e ajudando outras pessoas. Vamos criando um filtro e deixando entrar em casa somente o que realmente amamos ou temos necessidade.

Por fim, para mim, o mais importante é a percepção de que a casa é construída por todos que ali moram. O que realmente transforma uma simples residência em um lar são os relacionamentos que são construídos dentro dela. Também é lugar de refúgio, de descanso, de prazer, de conforto, de tranquilidade. Limpar, consertar, cozinhar, arrumar são verbos que fazem parte da rotina de manutenção da casa, mas são meros detalhes. Precisamos resolver, sermos práticos, mas tais atividades jamais devem tomar a importância das principais, citadas anteriormente. Mas, se amamos a nossa casa e construímos relacionamentos ali, é natural querermos cuidar e deixar tudo do nosso jeito. Gostamos de cuidar do que gostamos e nos faz bem.

E aí, faz sentido comparar a nossa casa com a dos outros? Claro que não porque, se somos pessoas diferentes, imagine o que não sairá do relacionamento entre diferentes pessoas e o reflexo disso dentro de uma mesma residência?

São apenas alguns pensamentos dessa semana de mudança…