25 May 2013

Pensando sobre os papéis que exercemos na vida

Nossa vida é uma só. Nós também. Isso não significa, no entanto, que a gente seja somente de um jeito, ou tenha uma única atividade. Todos somos múltiplos – trabalhamos, temos uma família, amigos, hobbies. Exercemos diversos papéis ao longo da vida, mas é importante refletir sobre os papéis que exercemos no momento. Por que isso importa? Porque só assim podemos dar atenção a todos eles. Pensar a respeito também nos ajuda a perceber onde queremos chegar e o que precisamos fazer para atingir esses objetivos.

Para exemplificar, vou entrar na minha vida pessoal e mostrar para vocês como eu faço. Atualmente, identifico na minha vida os seguintes papéis:

mãe

esposa

indivíduo

emprego

amiga

editora do blog

dona de casa

estudante

professora

escritora

palestrante

Esses são os papéis que eu exerço na minha vida hoje. É coisa para caramba! Imaginem como seria complicado me organizar se eu não tivesse consciência deles.

Eu recomendo então que você pegue seu caderninho e anote quais os papéis que você desempenha na sua vida. Não pense no passado nem no futuro que você gostaria de ter – foque no presente. Por exemplo, eu poderia ter colocado “música”, porque a minha vida inteira eu tive banda. Porém, isso, hoje, não é algo que eu esteja desempenhando, pois não é minha prioridade. Não tenho qualquer projeto de vida em andamento com relação a esse papel. Logo, eu não o incluí, apesar de ele existir. Faça o mesmo. Reflita sobre todos os projetos em andamento na sua vida e liste os papéis que você desempenha.

Essa reflexão pode ser feita constantemente – geralmente, quando você achar que está desempenhando um novo papel ou deixando um deles de lado.

Perceba como sua consciência a respeito da vida aumenta quando você lista os seus papéis. Dá para ter uma noção melhor da responsabilidade que nós temos.

Definindo prioridades

E aí a gente pode definir prioridades quando sabe quais são os papéis que exercemos. Como? Vou explicar.

Para cada papel que você desempenha, você deve escrever seus objetivos de longo prazo. E, quando digo longo prazo, quero dizer: “quando morrer, quero ficar satisfeita(o) por ter feito isso, isso e aquilo”. Longo prazo mesmo.

Eu uso o método GTD, então meus objetivos de vida estão divididos assim:

Objetivos de longo prazo - Objetivos de vida, que eu quero ficar satisfeita de ter feito quando minha vida terminar. Vão fundo no caráter, definem quem somos. Um exemplo: “Ser uma mãe sempre presente”. Esses objetivos costumam ser mais abstratos porque na verdade constituem verdadeiros lemas de vida. São o nosso ideal. Precisamos conhecê-los, senão não tem sentido pensar em objetivos de curto prazo.

Objetivos de médio prazo (3 a 5 anos) - Com certeza você tem uma ideia do que gostaria de fazer daqui a 3 ou 5 anos. Ter um filho, mudar de cidade, fazer mestrado, passar 6 meses fora do país. Você pode não ter nada definido, mas tem uma vaga ideia do que pretende.

Objetivos atuais (de hoje a 2 anos) - Projetos que estão na sua cabeça atualmente, que você pretende colocar em prática em no máximo 2 anos. Emagrecer, estudar inglês, vender a casa. Só você pode saber quais são os seus objetivos atuais.

Projetos em andamento - Ao listar os papéis que você desempenha na vida, certamente passou pela cabeça tudo o que está relacionado a eles – especialmente objetivos. Você deve ter um montão de projetos em andamento para cada papel que desempenha, senão teria listado tais papéis (lembra que eu falei lá em cima para listar somente os papéis ativos? É isso).

Tarefas cotidianas - Todo projeto tem tarefas, e são elas que você executa diariamente. O David Allen (autor do método GTD) diz que essas são as tarefas que estão no nível do chão. É onde estamos com os pés.

E como gerenciar tudo isso? Basta listar seus objetivos dentro dessas categorias. Mas não é para fazer isso aleatoriamente – você precisa começar pelo nível mais alto, os objetivos de longo prazo e, a partir dali, ir “descendo”. Quando você definir um objetivo de médio prazo, verifique se ele contribui com algum objetivo de longo prazo. Se isso não acontecer, você deve refletir sobre a situação. Ou o objetivo de médio prazo é algo que não vale a pena buscar ou está faltando algo importante nos seus objetivos de longo prazo. Essa é a forma mais interessante de definir objetivos de vida, porque tantas vezes nos perdemos em coisas que achamos que queremos, não é? Partindo dessas definições, fica muito mais fácil priorizar e dizer não, pois você terá tranquilidade para fazer isso. Você sabe que, se estiver envolvida(o) em um projeto, é porque ele tem um significado. E, que se não tem sentido para você realizar algo, você simplesmente não precisa fazer. Sem culpa.

O divertido também é perceber que, de repente, você não consegue definir um objetivo de longo prazo para um papel que você desempenhe atualmente. E aí você já sabe a resposta, né? Você deve repensar se esse papel realmente precisa continuar a ser desempenhado na sua vida. Olha só que reflexão bacana podemos fazer apenas com uma caneta e um caderno na mão. Você pode perceber, nessa reflexão, que está desperdiçando sua vida em algo que não tem sentido algum para você e que não contribui em nada com a pessoa que você gostaria de ser.

Continue definindo seus objetivos sempre com base no nível superior. Definido o objetivo de longo prazo, veja qual o objetivo de médio prazo relacionado a ele. Conhecendo esse, você pode definir um objetivo para curto prazo, para fazer de hoje a 2 anos. Não é extremamente compensador trabalhar em um projeto que está contribuindo enormemente para algo que você deseja ter daqui a 3, 5, 50 anos?

A reflexão deve continuar com os projetos em andamento e as tarefas cotidianas. A ideia é realmente questionar a importância de todas elas. Mas não se engane: infelizmente, precisamos executar muitas tarefas que podem parecer inúteis e que sejam enfadonhas. Não é para parar de fazê-las, pois muitas representam obrigações. Mas pensar sobre cada uma delas é fundamental, pois podemos verificar se estamos investindo o nosso tempo no que é importante, urgente ou circunstancial somente. E ter esse controle do nosso tempo é o que nos dá a sensação de dever cumprido, pois podemos fazer ajustes aqui e ali. É muito comum perceber que passamos os dias deixando o que é importante de lado. Reconhecer que isso acontece e identificar o que está fazendo é o primeiro passo para mudar esse cenário.

Sobre a rigidez

Muitas pessoas não gostam de definir objetivos porque acreditam que isso torne suas vidas rígidas. O que eu digo a essas pessoas é o seguinte: os objetivos não estão escritos em pedra. A vida vai acontecendo, nós mudamos e muitas circunstâncias podem nos levar a outros caminhos. Então, basta reformular novamente todos os seus objetivos. Isso acontece, é normal. Mas eu considero de extrema importância pensarmos nessas definições justamente para não perder tempo e focar no que for de nossa essência.

Eu mesma pensava dessa forma, até perceber que, em vários anos, os objetivos de longo prazo pouco se alteravam. Acho que isso acontece porque vamos amadurecendo e sabendo bem o que queremos e o que não queremos. Os objetivos de longo prazo são o “o que”, enquanto todos os outros são somente formas e caminhos que nos levam até lá. Como isso será feito, obviamente que mudará ao longo dos anos. E essa é a coisa mais legal da vida, na minha opinião. Já pensou se tivéssemos tudo definido e programado? Qual seria a graça?

Eu acredito que toda pessoa tenha vindo ao mundo para cumprir uma missão pessoal, seja qual for, da magnitude que for. Descobrir essa missão é o que nos torna humanos – é o que dá sentido para a nossa vida, essa eterna busca. Isso está longe da rigidez. Tem a ver com saber que a vida é uma só e que existe um mar de possibilidades, mas que apenas parte delas está ao nosso alcance ou seja de nosso desejo. Além de tudo isso, existem os papéis que desempenhamos, as nossas responsabilidades. Tem que ser muito malabarista para dar conta de tudo, então eu acho sim que pensar sobre nossos papéis, objetivos e projetos seja sempre um processo muito válido e de cuidado com o tempo que temos.

Espero que este post possa te ajudar a fazer isso também. <3

"São as nossas escolhas que mostram quem nós realmente somos, mais do que nossas habilidades." - J. K. Rowling

“São as nossas escolhas que mostram quem nós realmente somos, mais do que nossas habilidades.” – J. K. Rowling

 

35 comentários . Comentar via blog

  1. Nayara

    Sua missão e contribuição neste mundo com certeza inclui transformar vidas com suas palavras doces e sábias, como você faz diariamente aqui no blog.
    Post especial! Vou repensar minha vida hoje!

    Responder
  2. Oi Thais!
    Nossa que vergonha, acompanho seu blog a tanto tempo e só estou comentando hoje! Prometo que vou compensar daqui pra frente :)
    Acho muito legal você pegar as melhores coisas de cada método e aplicar na sua vida. Sempre que eu conheço um método novo, me empolgo e quero logo começar, mas em dois ou três dias a empolgação vai embora e aí já viu né? Mas essa técnica dos objetivos do David Allen realmente ajuda muito a ver o que é importante de verdade e o que é dispensável.
    Parabéns pelo Blog!

    Responder
  3. Olá Thaís,
    Acompanho seu blog há mais ou menos um ano e desde o começo ele me ajudou muito. Mas hoje, você realmente se superou! Que post maravilhoso! Tenho certeza de muitas pessoas encontrarão novos caminhos a partir dele. Eu mesma sou uma típica geminiana, cheia de projetos e papéis. Eles são todos importantes e ligados a uma missão maior, mas muitas vezes me perco e isso dispersa minha energia. Até meu blog, tadinho mostra isso. É difícil dizer sobre o que ele é. E ele também anda meio abandonado devido a outras coisas que estão acontecendo na minha vida agora.
    Vou trabalhar com essa ideia de definir minhas metas a partir de meus muitos papéis e tenho certeza de que isso vai me ajudar muito.
    Já tinha lido outros posts seus sobre metas de curto, médio e longo prazo e pensava em fazer essa reflexão. Mas acabei deixando isso na minha to-do-list e nunca o fiz. Aí o negócio acabou virando apenas uma fonte de peso na consciência. ai, ai…rs
    Já escrevi minha lista de papéis e prometo te contar assim que conseguir definir as metas ligas a todos eles. Torce aí por mim!
    Abração
    Bia

    Responder
    1. Thais Godinho

      Muito legal, Bia. Torço sim. =)

      Responder
  4. Rô!

    O que não gosto muito de objetivos é a sensação de sempre estar vivendo no futuro,sabe? E acho que pode até ser uma caracteristica minha mesmo essa inclinação para viver no futuro e os objetivos só agravam. Eu tenho a impressão de sempre viver esperando (tentando mudar isso). Mas essas questões dos papéis eu gostei, vou mesclar com o que tenho feito que é usar uma bússola para minhas ações diárias. Vou pensar em cada papel que exerço e definir quais as principais caracteristicas e atitudes em cada. Exemplo da bússola (baseada no Leo Babauta) usando isso de papel: como mãe quero estar sempre conectada ão meu filho, quero saber ouvi-lo e estar inteira com ele (isso de viver no futuro faz com que eu brinque com ele pensando na louça, odeio isso :\). Essa é minha bússola como mãe, ai penso como trazer isso pro dia a dia. E foco nisso, no dia a dia. Se hoje consegui sentar e estar inteira com meu filho, cumpri meu objetivo. Consegui explicar meu processo? Bem no estilo AA mesmo rsrs um dia de cada vez, vivendo o presente e não focando em um objetivo a longo prazo. (não entenda como uma critica, só estou divindo meu processo pq isso do papel fez sentido dentro dele)

    Responder
    1. Thais Godinho

      Rô, o objetivo dessa reflexão proposta pelo post é justamente pensar nas ações que tomamos no presente, dar significa a elas. O que você explicou na verdade é só a prática do que eu falei no post. =)

      Responder
  5. Lia

    Teu post deu enfoque à questão dos objetivos e eu gostaria de cotribuir. Um bom método para alcançá-los é fazer uso de planejamento estratégico (o mesmo planejamento que as empresas fazem para alcançar seus objetivos, mas adaptado à vida pessoal). Colocando no papel nossas forças, oportunidades, fraquezas e ameças (a tal matriz FOFA ou SWOT, em inglês) e também estabelecendo nossa visão e objetivos, conseguimos ver o que é preciso aprimorar para alcançar cada objetivo. Um exemplo pessoal e simples: eu fiz planejamento pessoal quando decidi que gostaria de entrar para um bom curso de mestrado em uma universidade federal. Para isso, listei todas as minhas forças (já tenho inglês fluente e algumas publicações científicas), oportunidades (há uma boa universidade pública e o curso que quero aqui na minha cidade mesmo), fraquezas (tenho poucas publicações em revistas científicas conceituadas) e ameaças (a concorrência). A partir daí, listei o que precisava fazer para melhorar cada fraqueza (que são muitas mais além dessa que exemplifiquei). O planejamento estratégico pessoal pode ser feito para se chegar a qualquer objetivo que se tenha (passar no vestibular, concurso, ser mãe, arrumar um bom emprego, casar, viajar…) e acredito que funciona bem, pois escrevemos caminho do sucesso no papel, de verdade.

    Responder
    1. Thais Godinho

      Também é uma excelente maneira de pensar a respeito, Lia.

      Responder
  6. Dree Alves

    Você não tem ideia de como esse post foi importante para mim nesse momento da minha vida, ando meio perdida, sem saber quem sou e ao mesmo tempo querendo fazer tantas coisas que nem sabia por onde começar. Definir meus papéis e organizar minhas metas, irá me ajudar imensamente. Obrigada de S2

    Responder
  7. F.

    Taís, creio que não acontece com você. Pois você é uma pessoa bem organizada (Parabéns com isso).
    Mas e quando você tem a sensação de não ter mais nenhum objetivo?
    Tenho a sensação de que trabalho e volto para casa e pronto! Acabou.
    Penso em ter filho próximo ano.
    Mas nos outros aspectos, simplesmente me acomodei.

    Responder
    1. Thais Godinho

      F., às vezes passamos por isso e temos essa sensação. Aí eu acho que vale a pena ainda mais fazer a reflexão do post, porque tiramos lá de dentro do nosso íntimo essas respostas. E é ok ter um ou dois objetivos só. Ninguém precisa ter 15 – aliás, nem recomendo! Esse é um processo para você fazer com calma e sem pressa, portanto, não se preocupe.

      Responder
  8. Luh

    Muito gostoso esse texto Thais!

    Eu pensando e cheguei a conclusão:

    #estudante
    #filha
    #dona de casa
    #emprego

    Interessante esse exercício para passar para o papel, a gente realmente PARA e pensa na nossa vida :D

    Responder
  9. Elaine Barros

    Te acompanho a mais de um mês, conheci o blog através do meu namorado… E a cada postagem fico mais apaixonada pelo blog, pela influencia em minha vida, pois tem refletido positivamente em minhas ações e melhorias… Obrigado por compartilhar tantas idéias e experiencias boas!

    Responder
    1. Thais Godinho

      Muito obrigada, Elaine.

      Responder
  10. Comecei minha lista agora e acrescentei dois papéis, que por vezes agimos neles de forma tão automática, que não vemos a enorme relevância deles: consumidora e cidadã.
    Agradeço sua disponibilidade, Thais!
    Abraço,
    Bia.

    Responder
    1. Thais Godinho

      Com certeza! Excelente contribuição.

      Responder
  11. Julie

    Oi Thais, tudo bem?
    Te descobri a alguns dias, e logo de cara me apaixonei pelo seu blog…

    Sou uma pessoa totalmente desorganizada, mais buscando a sempre a organização, mais me perco sempre!, depois q comecei ler seu relatos (li seu blog quase inteiro :) estou tentando me adequar e ver a mellhor maneira para mim me organizar e ter uma vida melhor. Tenho uma vida bem agitada, trabalho fora o dia todo, tenho 2 crianças (uma de 6 e outro 2), eles ficam na escola periodo integral, chegamos em casa juntos as 17:30 hrs, meu marido trabalho o dia todo e faz faculdade (ele sai as 7: e voltas as 23:oo hrs.), então a responsabilidade é toda minha., pois então, chegando ao ponto onde quero chegar, tenho um sonho muito grande, penso sempre nisso, quero muito passar em um concurso disputadissimo, como faço para organizar os meus estudos? No ano passado resolvi estudar atraves do Ead (aulas on line), paguei o cursinho mais não consegui assistir a metade das aulas, tive crises de estress e consequente nao passei na prova, e perdi varias questoes na hora de passar para o gabarito, este projeto nao sai da minha cabeça, mais hoje a minhas prioridades são minhas crianças pequenas e meu trabalho (dependo do meu salario), que merecem mais minha atenção. Mais enfim, como faço para organizar esses meus estudos, não consigo estudar sozinha. Muito obrigada. Este pos me fez refletir em varios sentidos da minha vida, e vou colocar tudo no papel, só preciso de ajuda como aplicar isso em ação.

    Responder
    1. Gostaria de saber a resposta para a dúvida dessa leitora, pois é muito parecida com a minha. Grata.

      Responder
  12. Adorei esse post! Uma das coisas mais importantes é se manter com os pés no chão (vivendo o cotidiano) enquanto se observa sua vida das estrelas (analisando as metas de longo, médio e curto prazo). A maioria das pessoas vive com os pés no chão, chegando ao máximo de olhar as metas de curto prazo…
    Muito legal, Thais!

    Responder
  13. Cristina

    Adimiro muito sua criatividade, dar para ver que voce ama seu blog….e isso só reflete em nós que acompanhamos…..mais um post importantíssimo…
    Acabei de fazer minha lista…..e minhas prioridades são tantas…mas dando conta de tudo, percebi que quanto menos tempo tenho mais coisas faço kkkk. Atualmente estudo, trabalho CLT e como autônoma, fazia academia e tenho uma filha linda de 7 anos e na vontade de começar algo que me tirasse dessa correria sem fim troquei a academia por aula de dança salao, o mais importante agora o meu projeto de medio prazo e terminar a facul e começar um curso de ingles junto com minha pequena……Bom, só queria manisfestar minha alegria ao ler seus post diarios…..e dizer que sao motivadores e criativos.

    Responder
  14. Esse blog é incrível, nos faz refletir realmente sobre nossos planos e metas…e o melhor é que não tem limite de idade nem prazo de validade. Acompanho já faz algum tempo, leio os comentários também, o que causa desconforto nas outras pessoas as vezes nos angustia também. Parabéns Thais.bj

    Responder
  15. Não posso deixar de ressaltar, você ficou muito bonita de batom vermelho…parabéns mais uma vez.bj

    Responder
  16. carlos ireno dias

    adorei seu blog,bem como o conteúdo,bem inspirador.

    Responder
  17. Devo dizer que é quase terapêutico ler o seu texto: passa a idéia da importância da consciência das coisas e da vida em geral. Obrigada pelo “vida organizada”!

    Responder
  18. Elaine Pimentel

    Olá Thais,

    Eu acompanho seu blog há mais ou menos uma semana e já está fazendo uma diferença enorme na minha vida. A cada dia que abro minha caixa de emails vou com ansiedade e expectativa de saber qual o post novo do dia. Sei que quando tiro tempo para ler seus posts estou fazendo bem pra mim mesma, pra minha família, pra meus amigos, enfim, é uma universalidade de benfeitorias que o seu blog promove.
    Só queria deixar registrado aqui o carinho de tantos leitores que tens, inclusive eu e meu muito obrigada por dedicar parte de sua vida conosco. Obrigada mesmo! Deus te recompensará ricamente, pois só Ele saberá o melhor para ti.
    Bjs

    Responder
  19. Oi! Acompanho seu blog já deve ter um ano, mas acho que nunca cheguei a comentar, desculpe. Este post está maravilhoso, parabéns, está me ajudando e deve estar ajudando a muitas pessoas, obrigada!
    Uma pergunta! E para objetivos de coisas que você gostaria de fazer, mas que não se encaixam na sua vida no momento, como definir prazo, prioridade, etc? Por exemplo, gostaria muito de continuar com meu site, dar vida a ele, mas por falta de prioridade, por ser apenas um hobby, ele ficou um pouco perdido, e acabei deixando de lado; sei que eu conseguiria fazer algo bem interessante, e tenho vontade, mas como incluir um papel que leva tanto tempo na vida já corrida sem ele?
    Beijinho.

    Responder
    1. Thais Godinho

      Com uma revisão constante dos projetos, você vai verificando quando pode conseguir encaixá-lo. o post de hoje (02/07) pode te ajudar nessa parte, dê uma olhada.

      Responder
  20. Luiza

    Oi Thais,
    Sempre leio o blog mas nunca comento.rs…hoje me deparei com este post, já um pouco antigo mas que se encaixa com perfeição no momento que estou vivendo. Acabo de me formar. Muito obrigada por ser tão inspiradora Thais, um dos seus papéis nessa vida é o de inspirar e transformar a vida de outros. Sorte nossa! Escreva mais sobre desenvolvimento pessoal, por favor!!!!! Beijos

    Responder
  21. Oi Thaís!

    Parabéns pelo post! Ficou bem legal!

    Nunca pensei em me organizar por papéis antes. Tenho me organizado por áreas da vida, é similar, mas não exatamente a mesma coisa. Vou tentar incorporar a organização por papéis na organização por áreas da vida e ver no que dá. Às vezes sai um hibrido melhor ainda! ;) Gostei também das categorias de objetivos.

    Obrigado por compartilhar estas idéias!

    Responder
  22. Eu me sentindo tão perdida… pensei: “Vou lá no Vida Organizada pra vê se ela me dá uma luz…” E a luz apareceu!! Obrigada!!

    Responder
  23. Camila

    (re)definindo-me.

    Responder
  24. Káh

    Projeto é a mesma coisa de objetivo?

    Responder
    1. Thais Godinho

      Não. Projeto é algo que demanda ação e leva mais de uma tarefa para ser finalizado.

      Responder
  25. kah

    Então nesses casos: Arrumar um emprego, terminar os estudo e fazer faculdade; todos esses itens demandam uma ação… Afinal como saber se algo é projeto ou objetivo??

    Responder
    1. Thais Godinho

      Demandam muito mais do que uma ação!

      Responder

Deixe um comentário