ou
Gerenciando informações

Spotify é um programa de streaming de música. Gosto muito. Não sei mais viver sem. Adoro ver e seguir as playlists já existentes, além de criar as minhas.

Então eu descobri que dá para criar pastas nas playlists, me obrigando a organizar da minha maneira tradicional:

E não é que faz sentido?

Playlists de referência

Nas playlists de referência (“reference playlists”), eu coloco as listas gerais que vou montando ou que gosto, tais como:

  • Minhas TOP 100 preferidas
  • Melhores músicas do rock com mulheres no vocal
  • 50 melhores do periódo barroco
  • Para conhecer Bach
  • etc!

Playlists de suporte a projetos

Nas playlists de suporte a projetos (“projects support playlists”), no momento estão as playlists de dois projetos meus em andamento:

  • Repertório da banda definido e rodando (playlist compartilhada com os outros meninos da banda)
  • Aprender a tocar bandolim basicamente (todas as músicas que quero tocar para considerar esse projeto concluído)

Playlists de algum dia / talvez

Nas playlists de algum dia / talvez (“someday maybe playlists”), insiro listas de projetos que quero tocar algum dia, como repertórios de possíveis bandas (principalmente isso):

  • Repertório para uma banda cover de George Harrison
  • Repertório para interpretar o Gene Simmons em uma banda cover de KISS
  • Repertório para violão e voz

Playlists de suporte ao dia a dia

As playlists acima podem ser especialmente úteis para quem trabalha diretamente com música.

Já as playlists de suporte ao meu dia a dia (“daily support playlists”) provavelmente são as mais interessantes para vocês. Ali, organizo as playlists que uso nos diversos contextos do meu dia a dia, tais como:

  • Uma playlist para cada estação (vou alimentando sempre que descubro músicas novas que combinem com o outono, inverno etc.)
  • Músicas para ouvir de manhã
  • Músicas para foco
  • Músicas para ficar com sono
  • Músicas para limpar a casa
  • Fim de semana em casa
  • Fazendo comida
  • etc!

Já escrevi um post aqui no blog com sugestões de playlists para trabalhar em diferentes contextos, que traz algumas ideias legais.

Vocês sabiam que dava pra organizar as playlists em pastas? Que ideias você já teve? Por favor, compartilhe comigo nos comentários. Obrigada!

Thais Godinho
13/04/2017
Veja mais sobre:
Música, Spotify
6
Organizando o menu semanal no Evernote
Algumas dicas do David Allen
Pastas de arquivos de suporte a projetos

Uma leitora postou um comentário em outro post e eu resolvi responder em formato de post porque acredito que seja a dúvida de outros leitores também.

Nesse atual momento, eu tenho uma pergunta: Thais, como fazer pra definir o meu trabalho, sabendo eu que ficarei responsável pelo trabalho de outra pessoa que sairá de licença maternidade e que é de outro setor? *no caso, ficarei com o eu, e com o da pessoa). Estou surtando com isso, mesmo fazendo treinamentos. Pra me ajudar, perdi o rumo da minha casa (fazia flylady e saí bastante dele…), voltei a faculdade, as aulas da filha voltarão e os horários estão apertados… e preciso ainda por cima emagrecer pois está afetando a minha saúde… estou surtando!!! Eu faço duas listas (meu trabalho, trabalho da outra pessoa) ou coloco todas as atividades em uma lista só, incluindo casa, filha, etc? Help!!!

Querida leitora,

Existem tipos diferentes de sobrecarga de trabalho. Um tipo é a sobrecarga temporária, como é o caso do seu trabalho. Você ficará responsável pelas atividades de uma pessoa que é de outro setor e que sairá de licença maternidade. No “mundo ideal”, o gestor dessa pessoa listaria suas atividades e alocaria a diferentes pessoas, de modo que não sobrecarregasse ninguém, e também de acordo com as habilidades de cada funcionário. Toda vez que alguém sai de licença maternidade, eu acredito que esse deveria ser o procedimento, mas sei que as coisas não funcionam assim na realidade. É muito mais fácil dizer: “olha, todo aquele trabalho vai para você mesmo, então se vire com todo o trabalho que você já tem, além desse”.

Nesse caso, minha recomendação é que você se comunique. Converse com a pessoa, com o gestor dela e com o seu gestor sobre tais atividades. Procure entender o máximo possível o que ela faz e também listar quais são as atividades essenciais que ela deve fazer diariamente e semanalmente (mais como processos), para não deixar esses pratinhos caírem, e entender de que projetos ela faz parte, para poder contribuir da melhor maneira. Muitas coisas, especialmente se envolverem conhecimento que você não tem, provavelmente devem ser passadas a outras pessoas ou mesmo adiadas até que ela volte.

Veja, não deveria ser você a responsável por isso. Então procure se comunicar com todos os envolvidos, para que essa expectativa fique clara.

Agora, com relação a todas as atividades que você poderá de fato abrigar, pense apenas em passar bem por esses meses todos. Analise essas novas atividades e as suas e verifique aquilo que é essencial que você faça diariamente, semanalmente e mensalmente, para garantir que “o básico” seja feito de qualquer maneira. Depois, analise os seus projetos em andamento para decidir, junto com o seu gestor, o que é prioritário e o que pode esperar alguns meses. Veja, é humanamente impossível dobrar a carga de trabalho de uma hora para a outra. Você precisa deixar isso claro para o seu gestor. Então, mesmo que ele diga “se vira, faz tudo”, você não vai conseguir fazer. Então vale a pena ter uma conversa honesta para que sejam definidas prioridades e você trabalhe em cima delas, dizendo que há determinadas atividades que talvez não seja possível fazer.

Se isso está interferindo na sua vida pessoal, busque soluções. Lembre-se que tudo é temporário, então se você puder aceitar um pouco de caos durante esses meses, aceite internamente e não se cobre. Agora, se não puder lidar com isso, busque soluções. Não reclame mais de uma vez da mesma coisa – ou resolva ou desencane (tem sido meu lema ultimamente, e tem me ajudado!). Distribua atividades em casa pela família ou contrate ajuda. Verifique seu orçamento e a possibilidade de fazer isso, lembrando que é temporário.

Você diz que está afetando a sua saúde, porque precisa emagrecer, além de tudo. Muita calma nessa hora. Pelo que entendi, o problema do emagrecimento já estava aí antes de tudo isso acontecer, então por que quer correr para resolver isso agora, quando as coisas tendem a se intensificar durante um tempo? Não se cobre tanto, deixe as coisas começarem a entrar nos eixos. Isso não significa não tomar nenhuma atitude a respeito – procure se alimentar de maneira mais saudável, consulte uma nutricionista, e todo o resto que demanda mais tempo (como exercícios físicos, por exemplo), veja o que pode fazer agora e o que simplesmente não dá. Quando as atividades se intensificam temporariamente, não é hora de adicionar coisas novas na vida.

Sobre colocar as coisas em uma lista só ou em três, eu iria além nessa questão. Não se trata de ter uma única lista. Você tem diversas facetas na sua vida, diversas áreas de foco, projetos, responsabilidades. Não dá pra ter “uma lista” porque são categorias diferentes de coisas. Se você gosta do GTD, a proposta são 4 listas para ações: Próximas Ações, Projetos, Aguardando Resposta e Calendário. Agora, se você me perguntar se compensa separar “trabalho, pessoal e o trabalho da outra pessoa”, não concordo. Eu usaria a separação que faz sentido para mim (descrita nas 4 listas acima), como faço para tudo. Porque o que me importa é ver o que eu *tenho* que fazer no dia e na semana, para ser meu foco (Calendário), trabalhar nas “tarefas” que preciso executar nos intervalos entre os meus compromissos (Próximas Ações), revisar semanalmente os meus compromissos e entregas de curto prazo (Projetos) e saber tudo o que outras pessoas precisam me entregar, ou que deleguei (Aguardando Resposta). Isso coloca a vida em ordem.

Quando a gente pensa no volume, no montante, tende a ficar travada porque não sabe nem por onde começar. Por isso recomendo pegar uma coisa de cada vez e ter mais clareza sobre o que cada uma delas significa e como organizar de modo que faça sentido para você.

Então, voltando no post onde você comentou, lembrar que você terá que descobrir uma proporção adequada durante os próximos meses para o trabalho já definido (nessas listas), o trabalho que aparece no dia e o tempo que você passa definindo todas essas coisas. Isso não muda – só muda a proporção.

Espero ter ajudado. Boa sorte nos próximos meses, e pegue leve com você mesma. Liste o essencial, foque nele e deixe o restante como “se der, ótimo. se não der, não vou me martirizar por isso”.

Thais Godinho
13/02/2017
15
Libere a tralha da sua escrivaninha em 4 passos
Dúvida da leitora: Colega sairá em licença maternidade e vou abrigar todas as atividades dela
20 dicas de produtividade para mães que trabalham em casa

 

“Mães que trabalham” é redundância, mas mesmo assim achei que seria um título interessante para abordar aqui no blog. Seguem então algumas dicas para fazer a coisa funcionar:

1. Trabalhe quando o seu filho estiver dormindo. Sempre que ele tirar as suas sonecas durante o dia, trabalhe em suas listas.

2. Mantenha seus filhos ocupados enquanto estiverem acordados. Livros, brinquedos, irmãos e até tv são opções. Mas procure não entediá-lo deixando-o fazer a mesma coisa durante um dia inteiro. Tente sair ao menos uma vez com eles para respirar ao ar livre.

3. Tenha uma área de brincadeiras no seu home office. Deixe uma caixa com os brinquedos preferidos, um tapete quentinho, coisas assim. Dessa forma, você pode trabalhar enquanto eles estão perto de você.

4. Vez ou outra, peça para alguém olhar o(s) seu(s) filho(s). Uma babá, seu marido, uma amiga ou algum parente. Às vezes precisamos fazer algo que demanda atenção total, ou então temos uma reunião fora.

5. No máximo duas vezes por semana, trabalhe de noite, quando todos estiverem dormindo. Mas não faça isso todos os dias, pelo bem da sua saúde e sanidade mental.

6. Tenha portabilidade no seu trabalho – notebook, pastas, blocos de notas que podem ir com você a qualquer lugar. Assim você não se limita ao escritório.

7. Minimize distrações. Desligue tudo: celular, alerta de e-mails, relógio, tv, até campainha.

8. Gerencie as interrupções. Se você estiver no meio de um texto e precisar trocar uma fralda (acontece), escreva rapidamente uma ideia geral para não perder o ponto de onde parou.

9. Vista-se todos os dias, como se fosse sair de casa para trabalhar. Além de estar pronta caso precise fazer uma saída rápida, também não será pega desprevenida por visitas. Fora que dá um up. Procure fazer a maquiagem em 5 minutos também.

10. Planeje com antecedência. Não só seus projetos profissionais como a rotina da casa, deixando a mamadeira pronta poucos antes do horário de mamar, planejando um menu semanal, fazendo as comrpas de supermercado semanalmente com tudo o que precisa etc.

11. Organize o seu home office, deixando-o sempre limpo e pronto para o trabalho.

12. Seja uma mãe multi-tarefas. Apesar de sempre o mais aconselhável ser trabalhar em uma só tarefa, para ter foco, algumas tarefas que não demandam atenção exclusiva podem ser intercaladas, a fim de otimizar o seu tempo. Exemplo: responder e-mails enquanto o arroz está no fogo.

13. Mantenha sua casa organizada. Cuidar um pouco todos os dias é a melhor maneira de deixar sempre tudo certo.

14.  Divida as tarefas domésticas com seu marido e com as crianças, de acordo com cada idade.

15. Dê atenção aos seus filhos. Quando estiver alimentando-os, esteja presente. Quando contar uma história, ou quando conversar olhando no fundo dos seus olhos. Falta de tempo, como já sabemos, é desculpite. Os filhos crescem.

16. Cuide da rotina do(s) seu(s) filho(s) para garantir que ele(s) esteja(m) sempre bem alimentado(s), bem descansado(s) e bem-humorado(s).

17. Recompense seu(s) filho(s) pelo seu bom comportamento. Evite prêmios materiais, especialmente os caros, senão você estabelecerá um padrão difícil de manter depois. Serve fazer a sua sobremesa preferida, levar até a banca de jornal para comprar uma revista nova ou mesmo assistir um filme com a mamãe.

18. Tenha expectativas realistas. Você não conseguirá trabalhar sem interrupções. Programe-se.

19. Simplifique a sua vida. Doe, jogue fora, arranje itens de boa qualidade. E, o mais importante: faça menos coisas. Foque no essencial.

20. Recompense a si mesma. Afinal, você é mãe e ainda precisa trabalhar. Dê a si mesma pelo menos um momento no dia de presente ou algo que você realmente queira após atingir algumas metas estabelecidas por você.

Thais Godinho
06/08/2010
Veja mais sobre:
, No trabalho, O dia inteiro, Organizar
21
Maneira fácil e prática de organizar a papelada escolar dos filhos
5 regras básicas para organizar o quarto das crianças

1. Limpe a papelada. Se sua mesa está cheia de pilhas de papel, guarde-as em um lugar onde fiquem longe dos seus olhos e comprometa-se a organizá-la aos poucos. A melhor forma de fazer isso é instalando gabinetes embaixo da mesa.

2. Vire wireless. Cabos bagunçam demais. Tudo o que você puder ter sem fio, tenha. Teclados e mouses, pelo menos, são fáceis de conseguir.

3. Use prateleiras. A maioria das mesas fica de frente para uma parede. use o espaço instalando prateleiras e providenciando mais espaço para organizar-se, sem precisar deixar tudo que precisa ter à mão somente sobre a mesa.

4. Providencie uma luminária decente. Muita gente trabalha de noite. Tenha uma luminária em sua mesa, mas uma que não ocupe muito espaço e, se possível, seja bonita. Porque ninguém merece ter que trabalhar olhando para uma luminária feia.

Thais Godinho
15/07/2010
7
20 dicas de produtividade para mães que trabalham em casa
Dúvida da leitora: Colega sairá em licença maternidade e vou abrigar todas as atividades dela
Organizando playlists no Spotify