Organize-se!

Todos os dias uma dica de organização para facilitar a sua vida.

10 Nov 2014

Antes e depois: home-office

Hoje na categoria Antes & Depois eu trouxe um home-office que estava meio deixado de lado e que ganhou nova cara somente com a organização do espaço. Confira!

Antes

Cupcake-before

Para quem não trabalha em casa, o home-office pode acabar se tornando um cantinho que não é prioridade, além de receber todo o resto da bagunça dos outros cômodos. Vocês podem ver pela foto acima que há uma mesa cheia de coisas, sacola pendurada na cadeira, cortina sobrando no chão, estante cheia de caixas. A pessoa que é dona deste cantinho até tentou se organizar – dá para ver uma caixa de entrada com papéis, algumas pilhas, um mural, mas talvez ela não tenha tido um bom método para organizar seu espaço.

Depois

Cupcake-after

O espaço todo foi reformulado para atender bem as necessidades de espaço da pessoa. Uma mesa maior foi colocada, a estante saiu do canto, dando lugar a prateleiras. As caixas etiquetadas guardam miudezas (aliás, boa regra: miudezas devem ser agrupadas juntas em caixas ou cestos). O mural contém apenas o necessário – está limpo, sem tanta informação. Há uma caixa com pastas suspensas que podem guardar contas, por exemplo. Os papéis foram organizados em fichários. Dá para ver, ao lado da cadeira, um cesto no chão, que pode ser usado para guardar itens maiores, como bolsas para câmeras, tripés e outros materiais.

Perceba que muito do “segredo da organização” está em reduzir a quantidade de coisas. Isso acontece porque não é possível organizar o que é tralha. Portanto, se algo não está sendo usado e você não ama aquilo, descarte. Será muito mais fácil de organizar o que restar.

Fonte das imagens: iVillage

07 Oct 2014

Como organizar telefones, e-mails e endereços

071014-telefones

Hoje em dia, é comum mantermos todos os nossos contatos em nossos celulares. Afinal, é prático e dedutivo, além de estarem sempre com a gente. Porém, em algum momento, já passamos por situações como ter o celular roubado e pedir o telefone para todos os amigos novamente ou ter que anotar os endereços em outro lugar, porque acha muito difícil digitar no celular.

Como acontece com outros assuntos relacionados a organização, é importante a gente encontrar uma ferramenta que tenha a ver com a gente. Não importa se será uma agenda de telefones de papel ou um iPhone de última geração. Não se sinta culpada(o) por preferir modelos mais tradicionais, pois o importante é utilizar algo que seja funcional, não ideal.

Celular / Smartphone

A vantagem do celular é estar sempre conosco e facilitar no momento da discagem. Hoje, é a maneira mais comum de armazenar contatos. No Android, você pode associar seus contatos à sua conta do Google, assim, centralizar seus contatos lá. A vantagem é poder editar através do computador e inserir dados adicionais (como endereços). Os usuários do iPhone podem fazer a mesma coisa, conectando à sua conta Apple. Quem utiliza Microsoft Outlook também consegue gerenciar através do Exchange, no celular. Se você se dá bem com essa alternativa, ela certamente é a ideal, por facilitar bastante o seu dia a dia.

Programa ou arquivo de computador

Tenho uma amiga que tem uma planilha com todos os seus contatos e não troca esse formato por nada. Já vi essa mesma lista em um documento do Word. Outras pessoas usam o Google Drive ou o Evernote, que tem um aplicativo relacionado chamado Hello (que linka seus cartões de visita digitalizados com a conta da pessoa no Linkedin). A vantagem de usar um arquivo ou programa é a acessibilidade, então garanta que ele esteja na nuvem, e não local. Outra vantagem é a customização – dá para montar listas de contatos bem bonitinhas no Word e, se precisar, imprimir e guardar em um fichário ou deixar no mural.

Caderno

A turma do papel certamente vai preferir a sua boa e velha caderneta de telefones e endereços para manusear essas informações. Se for o seu caso, tenha uma única, em casa, e uma para contatos “móveis” ou de trabalho, que você pode levar sempre com você. A vantagem de usar papel neste caso é não ficar nunca sem acesso às informações só porque acabou a bateria, além de manter os dados no caso de um roubo de celular.

Como dicas finais, seja qual for a ferramenta escolhida, ficam:

1 – Procure utilizar somente UM formato específico, para não se perder procurando as informações e inserindo dados em mais de um sistema diferente.

2 – Pegue um dia e organize todos os seus contatos, migrando o que estiver em outras plataformas. Se precisar do endereço de alguém, contate essas pessoas, pedindo. Quando elas responderem, migre para o seu sistema.

3 – Leve seus contatos sempre com você.

Como você costuma organizar os seus contatos telefônicos, de e-mail e endereços? Compartilhe nos comentários!

04 Oct 2014

Desculpas que nos damos quando adiamos nossos sonhos (e como contornar cada uma delas)

Tenho pensado muito ultimamente sobre as mudanças que vêm acontecendo na minha vida e como eu poderia escrever sobre elas aqui no blog. Mudanças internas, eu quero dizer. Porque, por mais que a gente mude por fora, significa que existiu uma revolução por dentro. E hoje eu gostaria de comentar sobre as principais desculpas que costumamos nos dar diariamente para não fazermos aquilo que queremos fazer, seja o que for.

A primeira desculpa é a velha “eu não tenho tempo”. Todas as pessoas do mundo têm a mesma quantidade de tempo – 24 horas por dia e 168 horas por semana. Precisamos aprender a gerenciar nosso tempo de vida o melhor possível, e para isso existe a organização. É justamente para pararmos algumas vezes ao longo do ano e pensar: “ok, onde eu quero chegar? porque preciso me organizar para chegar até lá”. É só isso. É simples, mas um trabalho que deve ser feito dedicado, ocasionalmente, para que a gente não perca nossos objetivos de vista. Se a gente continuar dizendo que não tem tempo, nunca vai ter mesmo. Ninguém vai chegar até você e dizer: “senhor, você foi contemplado com 30 horas a mais todos os dias para trabalhar em seus sonhos”. Portanto, precisamos aprender a fazer bom uso do tempo que todos nós temos.

A segunda desculpa é “eu não tenho dinheiro”. Geralmente, quando queremos mudar de carreira, de cidade, de país, fazer um mestrado, viajar ou qualquer outro projeto assim, vamos adiando dizendo que não temos dinheiro. Dinheiro é como tempo – a gente não tem, a gente providencia. Precisa gerenciar bem o que ganha, parar de gastar com bobagens e ter metas. Muitas vezes, quando pararmos para listar o quanto precisamos de dinheiro para realizar aquele sonho, percebemos que não é tanto quanto imaginávamos. Só de colocar no papel já ajuda a ter uma visão mais realista do que a gente pretende. E, com isso, vira um objetivo a ser alcançado, e podemos buscar outros meios para chegar até lá (bicos, investimentos e por aí vai).

A terceira desculpa, e a que mais me entristece, por ser tão comum, é “nunca vou conseguir fazer isso”. As pessoas costumam dar esse tipo de desculpa porque nasceram em uma família pobre (de dinheiro), ou porque não concluíram uma faculdade, ou porque nunca saíram do país, ou porque tem filhos e por aí vai. As desculpas vão alimentando umas às outras para chegar à conclusão mental de que nunca conseguirá o que quer. Supere o comodismo e busque soluções. Pare de falar que nunca conseguirá e monte um plano. Qual seria o primeiro passo? Às vezes é necessário apenas agir, colocar as coisas em movimento, que o resto você vai fazendo.

A quarta desculpa é “melhor um pássaro na mão do que dois voando”. Meus amigos, eu fiquei com essa desculpa em mente durante tanto tempo! Até que percebi que o que estava trocando não era um pássaro voando por um na mão, mas dois pássaros na mão por um só. Entenderam a diferença? Toda mudança envolve algum tipo de risco, mas ficar onde está também envolve – especialmente se estivermos falando de sonhos! Diminua os riscos o tanto quanto possível e simplesmente acredite que conseguirá o resultado que deseja, porque é provável que ele ainda supere as suas expectativas.

A quinta desculpa é a simples “eu tenho medo”, que a gente acaba confessando só lá no fundo, pra gente mesmo. É normal ter medo! De verdade. Porém, não deixe que esse medo paralise você. Como eu comentei na desculpa anterior, muitas vezes estamos trocando algo muito melhor pela situação em que nos acomodamos agora. Use o medo como parâmetro para decisões bem pensadas, mas de nada adianta decidir sem agir.

Apenas alguns pitacos sobre essas questões que estavam na minha cabeça e quis passar para vocês.