Blog

Vamos nos encontrar na Bienal?

0

Muitos de vocês me perguntaram e finalmente tenho o horário certinho para passar! Estarei dia 4 de setembro na Bienal, das 11 às 13 horas, no estande da Editora Gente para autografar livros, bater papo e tirar fotos!

ConviteBienal_ThaisGodinho

Passe por lá! Vai ser um prazer encontrar os leitores do blog pessoalmente.

Projetos em andamento – Agosto 2016

11

Não é possível fazer tudo, mas é importante priorizar. Isso é organizar.

No momento, meu tempo tem sido dedicado a projetos muito, muito importantes, e para isso acontecer eu tenho que reduzir um pouco a produção de conteúdo para o blog. Mesmo assim, tenho continuado a produção de posts diários, mas talvez durante os próximos dias e no mês de setembro pode ser que eles se reduzam um pouco. Eis os projetos que estou trabalhando no momento e que são o motivo dessa priorização:

  • Vídeos todos os dias em agosto. Trata-se de um projeto para alavancar minha produção de vídeos para o meu canal no YouTube. Quero fazer isso faz tempo e precisava de um empurrãozinho extra, então abraçar esse projeto tem sido um aprendizado incrível. Porém, gravar, editar, converter e subir vídeos diariamente toma tempo. Espero que estejam gostando, pois vejo como uma nova forma de conteúdo agregado ao blog! Inscreva-se no canal para acompanhar.
  • Workshop de Todoist em setembro. Nosso primeiro workshop de Todoist sairá do forno em setembro e, junto com ele, todo um pacote de serviços muito legais incluindo a consultoria e o curso in company personalizado para equipes. Ainda há vagas, inscreva-se!
  • Minhas certificações do GTD. Acreditem ou não, ainda estou nesse processo! As certificações são longas e trabalhosas e ainda estou me certificando – tem coisa pra caramba a ser realizada ainda. Como parte da certificação, preciso certificar outros instrutores, o que leva meses, então talvez dê para ter uma ideia. Tudo isso está acontecendo este mês, a capacitação será em setembro e, a partir de outubro, vou coordenar os pilotos dos oito instrutores da Call Daniel, então é MUITO trabalho.
  • Implementação de toda a grade nova de cursos de GTD. Como parte da certificação, vem a implementação dos cursos na grade nova da franquia, que é um projeto que eu estou coordenando. Isso envolve traduzir dúzias de materiais, capacitar os instrutores (como eu falei), desenhar a estratégia junto com o comercial, estudar demais, entre mil outras atividades. Este é o ano da implementação e eu já sabia que ficaria focada nisso, mas está super intenso neste segundo semestre.
  • Implementação do serviço de coaching para o Vida Organizada. Eu me formei como coach, mas quero personalizar esse trabalho com carinho para o Vida Organizada. Por isso, só vou oferecer oficialmente quando isso estiver feito, e anunciarei no blog.
  • Mudança de casa. Esse tem sido um projeto que tem me tomado muita energia ultimamente porque estamos tendo muitos problemas com a imobiliária e algo que era para ser tranquilo está nos trazendo vários transtornos. Espero que se resolva da melhor maneira possível e que a gente se mude com tranquilidade.
  • Outros… Existem outros projetos em andamento, menores e paralelos, que também demandam bastante dedicação, como a campanha de lançamento do livro, eventos, palestras acontecendo e outros, então eu percebo que estou chegando em um momento da minha vida que é mais importante do que nunca priorizar e atuar sobre projetos mais importantes. Mesmo assim, produzir conteúdo é o que eu gosto de fazer, mas eu espero que os leitores do blog compreendam que nem sempre consigo responder todos os e-mails, comentários e mensagens que recebo. Nunca imaginei que chegaria a esse ponto de “popularidade” (bem entre aspas), mas isso está acontecendo e estou buscando a melhor maneira de atender todo mundo da melhor maneira possível, como todos merecem, mas eu também preciso tocar esses projetos, ficar com a minha família e ter tempo para cuidar de mim. Espero de coração que me entendam e continuem comigo nessa nova fase. <3 Todos esses projetos são feitos pensando em vocês. Obrigada!

Como planejar a semana

3

Uma das coisas que mais me ajudam a ter um dia a dia organizado é planejar a semana como um todo, semana a semana. Gosto de fazer esse planejamento na sexta pela manhã e ele leva cerca de meia hora, mas é fundamental para o andamento tranquilo da minha semana seguinte.

Veja o vídeo e confira a checklist:

Se não estiver vendo o vídeo acima, clique aqui.

Eu me organizo com a agenda do Google. Você pode conhecer mais recursos dela aqui. Apesar de adorar agendas e planners de papel, atualmente a agenda digital funciona melhor para mim em termos de praticidade.

Checklist

  • Revisar o calendário da semana para conhecer o cenário geral e confirmar horários dos compromissos
  • Revisar outras agendas que possam ter compromissos relacionados a você
  • Inserir informações úteis nos compromissos da semana
  • Planejar e inserir períodos de deslocamento ao longo da semana
  • Garantir que haja tempo para coisas essenciais para você (ex: dormir 8h por noite, ficar com o filhote, ter momentos de lazer, entre outros)
  • Coletar providências diversas para facilitar os eventos da semana
  • Verificar quando e como você vai conseguir se dedicar aos seus hobbies ao longo da semana para que você curta mais cada dia
  • Perguntar: tem alguma coisa que eu posso tirar dessa semana para ela ficar mais tranquila?

Boa semana para vocês!

Como organizar lista de compras no Todoist

6

Meu sistema foi amadurecendo com o tempo e hoje eu trato listas de compras no geral como checklists, pois são listas que preciso verificar de vez em quando para garantir que eu esteja comprando tudo o que precisa comprar sempre.

Quando se trata de uma compra específica, mais pontual, ela entra como uma ação mesmo de acordo com a necessidade que eu tenho dentro de algum projeto ou como ação avulsa.

No Todoist, eu tenho uma checklist chamada Lista de compras, que é onde eu organizo as minhas listas de compras para:

  • Mercado
  • Açougue
  • Feira
  • Loja de produtos naturais
  • Padaria
  • Farmácia
  • Kalunga
  • Loja de cosméticos

Vale lembrar então que a lista acima é para compras recorrentes. Para compras pontuais em lojas como Leroy Merlin, Tok&Stok, livrarias, o procedimento é outro. Ou entram como ação, ou entram em listas de algum dia / talvez.

A grande vantagem de ter as listas no Todoist é o compartilhamento. Posso compartilhar com o meu marido e, se ele quiser consultar, basta ver o que precisa comprar.

Outra vantagem de ter as listas no Todoist é que, como o aplicativo é multiplataforma, basta acessar a lista pelo celular e verificar. Muitas pessoas, antes do celular, reclamavam comigo que até conseguiam fazer listas de mercado, mas esqueciam a lista em casa… Ninguém esquece o celular.

A operacionalização das listas em si não tem muito segredo – basta inserir os itens.

No geral, na lista do mercado eu gosto de inserir a “lista básica”, que eu verifico sempre que vou, e adiciono um ou outro item que não estava na lista quando for o caso. Gosto de organizar pelos corredores, pois acho mais fácil de consultar quando estou circulando pelo estabelecimento.

lista-mercado

Todas as outras listas são simples, sem categorizações.

Eu costumo inserir em cada uma delas o que eu já sei que gosto de comprar em cada uma. Por exemplo, apesar de ir ao açougue, prefiro comprar determinado tipo de carne no mercado do bairro, pois gosto do fornecedor. Coisas assim.

Tenho buscado simplificar meu sistema ao máximo ultimamente e acredito que, em termos de listas de compras, esse formato atual me atende bem.

Como usar GTD™

15

O que é isso?

Demanda ação?

No sentido de: tenho compromisso em fazer algo a respeito disso?

Porque você pode simplesmente ver “aniversário da tia” e não querer fazer nada a respeito. É um direito seu.

Se não demanda ação, você tem três escolhas:

1 – JOGUE FORA. Isso vale para o aniversário da tia que você vai deixar quieto e para o spam que você recebeu no e-mail, mas vale também para coisas que, sinceramente, você não tem interesse de qualquer maneira.

2 – ARQUIVE para referência futura. Pode ser importante guardar algumas coisas, como documentos, resultados de exames, apostilas de cursos que você fez etc. Você pode organizar seu arquivo de referência alternando entre o papel e o digital, de acordo com as suas preferências pessoais. O que entra aqui, lembre-se: não demanda qualquer tipo de ação. É só algo que você quer guardar como referência.

3 – Pode ser que não demande ação agora, mas pode demandar no futuro. Por ex: você pegou um folheto na CVC sobre uma viagem para Praga. Pode não rolar agora por motivos de $$$, mas você não quer perder isso. Nesse caso, INCUBE. Guarde essa decisão para depois. Você pode fazer isso inserindo em uma pasta ou lista de ALGUM DIA / TALVEZ ou inserindo um lembrete, um gatilho, no seu calendário, para ser lembrada(o) em uma data específica (talvez quando você sair de férias daqui a um ano?).

workflow-map-pessoal

Mas, se demanda ação, qual é a PRÓXIMA AÇÃO?

Definindo a próxima ação, certamente ela se enquadrará em três categorias:

1 – É rápido, leva menos de dois minutos. FAÇA JÁ.

2 – Precisa ser feito, mas não por mim. Preciso DELEGAR para a pessoa certa e fazer o acompanhamento disso em uma lista de Aguardando resposta.

3 – Precisa ser feito por mim mesma(o), mas demora mais de dois minutos. ADIE para o momento correto. Se tiver que ser feito em um dia específico, coloque em seu Calendário. Se não tem data específica e você só precisa fazer o mais rápido possível, dependendo de estar no contexto adequado, coloque em sua lista de Próximas ações.

Mas pode ser que essa única ação não conclua o que você precisa fazer. Nesse caso, qual é o RESULTADO DESEJADO? Defina o que precisa ser feito. Quando você pode considerar isso concluído?

Você pode identificar, então, que você tem um PROJETO. (Insira em sua lista de projetos)

Esse projeto pode ter informações, arquivos de suporte. Se isso acontecer, você pode ter arquivos de suporte ao projeto, que inclui o plano do projeto, o planejamento e tudo o mais que você quiser associar ao seu projeto. Você pode organizar onde quiser: nas notas do seu projeto no Todoist, na nota master do projeto no Evernote, em uma folha de papel em uma pasta em L. Depende de como você organiza o seu sistema.

No dia a dia, você vai trabalhar com foco em duas coisas, basicamente:

1 – Seu calendário (tudo o que “vence” naquele dia, incluindo o que está na agenda, no tickler, nas ações com prazos)
2 – Suas listas de próximas ações sem data de conclusão, no intervalo dos compromissos no calendário

Esse é o foco diário.

Uma vez por semana, revise seu sistema como um todo para garantir que esteja atualizado e que suas ações estejam definidas para que você possa executar seu trabalho tranquilamente.

Tem um montão de outras coisas que você pode ir aprendendo e implementando depois disso, mas o básico está aí.

E isso é começar a usar GTD. 🙂

Veja o vídeo também com uma orientação geral para entrar no mundo da metodologia:

Conheça as idades dos documentos e organize seus arquivos

1

Ao tomar a iniciativa de organizar nossos arquivos, seja nas empresas ou nas residências, uma questão muito importante a ser levada em conta, e que pode ajudar muito no processo de racionalização é compreender que os documentos que entram em nossa vida atravessam momentos distintos com o passar do tempo.

É o que os estudiosos denominaram de Ciclo de Vida dos Documentos, composto de três fases, que apresentam características bem distintas entre si, e que dão pistas muito interessantes sobre a melhor forma de organizá-los, que tipo de materiais utilizar, onde armazenar, como localizar, etc.

Num primeiro momento, assim que surgem, e até que cumpram sua função inicial, os documentos constituem o que chamamos de Arquivo Corrente. É aquela fase em que, por serem muito manipulados,  devem permanecer o mais próximo possível de seus usuários, ao alcance da mão, de preferência em algum tipo de pasta que possa ser facilmente acessada.

Arquivo Corrente: Alta frequência de uso indica manutenção próxima a usuário para acesso rápido
Arquivo Corrente: Alta frequência de uso indica manutenção próxima a usuário para acesso rápido

Uma vez que sua missão inicial foi cumprida e gerou os devidos efeitos, a frequência de uso deste documento cai rapidamente, e muitas vezes ele já pode ser eliminado sem causar nenhum problema. Em outros casos, no entanto, alguns elementos presentes naquela ação inicial que já foi concluída podem gerar outras demandas de natureza administrativa ou legal. Isso indica que aquele documento seja mantido por mais algum tempo, em geral 5 ou 6 anos, podendo chegar até a algumas décadas, por precaução.

Essa necessidade de guarda por prazo mais longo, e pouca frequência de uso são as características da segunda fase do ciclo de vida dos documentos: o Arquivo Intermediário, em que os documentos podem ocupar locais um pouco mais afastados, aguardando sua destinação final em caixas-arquivo bem identificadas, de modo que possam liberar espaço para novos documentos no arquivo corrente.

Arquivo Intermediário: A guarda em caixas é justificada pela baixa frequência de uso
Arquivo Intermediário: A guarda em caixas é justificada pela baixa frequência de uso

De todo aquele acervo que um dia foi produzido, apenas uma pequena parte constitui a memória do indivíduo ou da instituição. Estes vão constituir a terceira fase do ciclo de vida do documento: O arquivo histórico ou permanente. Aqui, a preocupação com cumprimento de prazos já não existe, dando lugar a iniciativas voltadas à preservação, e em alguns casos, à divulgação do acervo.

(Imagem: StudyNotes.ie) Arquivo Histórico: Pequenos conjuntos destinados à preservação da memória
(Imagem: StudyNotes.ie) Arquivo Histórico: Pequenos conjuntos destinados à preservação da memória

Compreendendo o ciclo de vida do documento, temos condições muito melhores para gerenciar com eficiência tudo o que produzimos e acumulamos de informação em casa ou no trabalho, podendo retirar de nossos arquivos o máximo que eles podem fornecer.

Arquivos de suporte a projetos

7

Este post foi originalmente uma resposta a uma dúvida postada no grupo do Facebook GTD Brasil, que resolvi postar aqui porque acredito que possa ajudar outra pessoas.

Se você não sabe o que é GTD, clique aqui.

Muitos usuários do método GTD se confundem um pouco sobre a organização dos arquivos de suporte a projetos. Os arquivos de suporte são arquivos, acima de tudo, então devem ser armazenados como armazenamos arquivos de referência.

A diferença é que eles estão vinculados a projetos, então pode ser que, temporariamente, especialmente para arquivos em papel (para facilitar o acesso), você queira criar compartimentos específicos para eles (ex: uma pasta para arquivos do projeto tal). Mas, no geral, funciona muito bem manter no arquivo de referência geral.

Eu costumo criar pastas específicas apenas para viagens, na maioria das vezes. Outro caso que também costuma merecer sua própria pasta é uma mudança residencial, pois envolve documentos e muitos papéis. Mas, no geral, é muito difícil ter um projeto que demande uma pasta física inteira para um projeto hoje em dia na minha vida. A maioria é digital.

A dúvida que surge entre os usuários é sobre essa vinculação com os projetos mesmo. Então a dúvida postada pela participante foi:

“Thais, tenho uma dúvida: preciso fazer um post sobre a evolução da arrumação da secretaria paroquial. O post irá ao ar quando a arrumação estiver concluída, imagino que no fim deste mês. Porém, estou tirando fotos do processo e armazenando numa nota do Evernote. A questão é, como organizar isto, ou seja, estas fotos se enquadram onde? “Suporte para projetos” ou dentro do projeto em si. Ou crio um projeto no Todoist “postar relato da arrumação da secretria” e deixar as fotos no Evernote. Enfim, não estou sabendo organizar da melhor maneira. Fraterno abraço.”

Minha resposta foi:

“É difícil responder porque cada pessoa processa e organiza as coisas de um jeito de acordo com sua rotina, seu trabalho etc.

Por ex, minha rotina de produção de conteúdo é diferente da sua, então o que vou recomendar pode não funcionar para você. Você precisa buscar uma solução que se adeque à sua rotina de trabalho.

Se eu tivesse que fazer um post no final do mês que demandasse uma série de coisas assim, eu nem trataria isso como projeto porque tenho um processo diário de produção de conteúdo onde vou criando diariamente. Não é algo pontual. Se fosse algo pontual eu criaria um projeto (como parece ser o caso, mas pode não ser – não conheço seu trabalho).

Para eu ter um projeto, eu preciso ter claro qual é o meu resultado desejado – quando eu posso riscar esse projeto da minha lista. Assim eu sei que concluí o projeto.

Entre a primeira próxima ação e o resultado desejado, vai ter uma infinidade de coisas acontecendo, e para dar suporte a todas essas ações eu posso ter materiais, imagens, textos inspiracionais, reuniões, notas, ideias. Isso o David chama de arquivos de suporte ao projeto. Você pode guardar isso em cadernos, papéis, pastas, e-mails, Evernote, onde quiser – da mesma maneira como guarda seus arquivos de referência. A única diferença é que, de alguma maneira, eles estão vinculados ao seu projeto.

Como se cria esse vínculo? Através do plano do projeto, na prática. Isso está no fluxograma do GTD. Você vai escrever, no plano do projeto, onde estão esses materiais de suporte. Se usar o Evernote, você pode linkar esses materiais. Se usar qualquer ferramenta eletrônica, como o Todoist, pode fazer o mesmo. Se não quiser usar links ou fizer esse plano no papel, pode só escrever onde está (ex: “Cronograma do projeto: Google Drive, na pasta tal”).

O importante é que você saiba onde estão as coisas, de modo que, quando for revisar o seu projeto, possa acessar esses materiais e revisar para ver se existem próximas ações que podem ser desencadeadas através dessa revisão deles.

Você pode ter milhões de arquivos em centenas de lugares diferentes. Não precisa centralizar em um único lugar. O que vai indicar e organizar onde estão essas informações é uma espécie de “índice” no seu plano do projeto.

Espero ter ajudado! Mas qualquer coisa, comente! Bjo.”

Captura de tela 2015-09-14 22.50.03

Veja um post anterior sobre como organizar os planos de projetos no Evernote

Achados do mês – Agosto 2016

9

Uma compilação dos favoritos do mês, onde nós estivemos, o que fizemos, o que vimos, para onde vamos e outras ideias bacanas. <3

Li e gostei:
“Olá, meninas e meninos” (Taciele Alcolea, Editora Objetiva)

livro-taciele

Ultimamente, muitos blogueiros e YouTubers têm lançado livros. Isso é muito bom, porque esquenta o mercado editorial. Algumas pessoas torcem o nariz, mas a grande verdade é que, além de esses livros levarem algumas pessoas que nunca leram um único livro na vida a gostarem de ler (são porta de entrada), a venda de livros populares assim serve para investir na produção de outros tipos de livros, de autores que não sejam tão conhecidos. Todos saem ganhando, então é importante sim que essas publicações existam.

Sobre ter ou não conteúdo, sobre gostar ou não, cada caso é um caso. Acredito que vá muito da questão da identificação. Já li livros de YouTubers que não curti muito, outros que não consegui sequer chegar até o fim, assim como alguns que eu li de uma só vez e saí suspirando, como foi com esse da Taci.

E eu acho muito engraçado porque a Taci é uma moça dez ou mais anos mais nova do que eu e ela me inspira muito. Considero que temos muitas coisas em comum. Tudo o que falo aqui no Vida Organizada, sobre se organizar para alcançar objetivos, é algo que ela sempre tomou pra vida e a levou para onde está hoje. Ela fala muito sobre isso e é uma mensagem muito legal que passa aos seus seguidores.

Além do que, a Taci é uma pessoa alegre e positiva, o que é importante. Uma vez compartilhei aqui no blog um vídeo incrível em que ela fala sobre se essa felicidade dela é “real assim”, porque muitas pessoas comentam que ela “é meio fake”. E nossa, o vídeo é sensacional. O que ela diz é lindo – eu já assisti umas três vezes e sempre me emociono quando me lembro dele. Porque a mensagem que ela passa é muito importante para o público que ela atinge. Vale a pena assistir.

No livro, ela conta a história dela e a trajetória até se tornar a YouTuber famosa que é hoje. Para quem trabalha com Internet, é essencial. Mas o que mais me chamou atenção foi como ela mostra que, com propósito, organização e foco, você consegue ser o que você quiser. E isso tem tudo a ver com o Vida Organizada. Portanto, essa sem dúvida foi a minha leitura e grande achado do mês.

Lançamento do mês
“Boa noite” (Pam Gonçalves, Editora Galera)

boanoite-pamA Pam é uma fofa <3 e ela tem um canal muito legal no YouTube sobre livros. Agora ela lança seu primeiro livro de ficção sobre uma garota que ingressa na universidade e quer se enturmar, mas acaba enfrentando alguns problemas. Ela só não contava que os desafios estariam muito além da sua vida social. Quando decide deixar de vez o rótulo de nerd para trás, tudo se complica. Além de festas, bebida e azaração, uma página de fofocas é criada na internet, e mensagens sobre abusos e drogas começam a pipocar. De uma hora para outra, parece que o que ela mais quer é voltar para casa.

Agenda da Thais

Agenda do pessoal do Vida Organizada

Favoritos do mês

Gravei um vídeo contando quais são os meus itens de organização e itens pessoais favoritos este mês. Veja abaixo:

Ou clique aqui!

Qualidade é uma escolha diária

12

Não é novidade para ninguém que uma das pessoas que mais me inspiram é a Martha Stewart – guru americana das donas de casa inspiradas em suas ideias para o bem receber. Ela publicou um livro sobre empreendedorismo (“The Martha Rules”, não publicado em português) onde traz uma ideia que adotei para a vida, que é: a qualidade é uma escolha diária.

Isso significa que, para tudo o que fazemos, no trabalho e na vida pessoal, temos uma escolha: fazer com qualidade ou não. Vale para o e-mail que você vai mandar, a reunião que você decide estar presente e a refeição que você vai preparar para a sua família. Para tudo. Como você escolhe fazer é tão importante como o como o que você escolhe.

Eu exploro um pouco mais essa ideia no vídeo abaixo:

Espero que gostem! Inscreva-se no canal para saber antes quando entram vídeos novos.

Se não estiver visualizando o vídeo acima, clique aqui.

Workshop: Todoist em setembro! Inscrições abertas

5

É com muito amor <3 <3 <3 que estamos lançando o nosso workshop de Todoist! Ele acontecerá em setembro, em São Paulo, e a ideia é levar para outros estados caso tenha demanda. Inscreva-se para essa edição ou para a lista de espera em outros estados clicando aqui!

workshop-todoist

O que você vai aprender:

  • O que é Todoist
  • O que são tarefas, sub-tarefas, projetos, etiquetas e filtros
  • Recursos de tarefas e projetos
  • Compartilhamento
  • Gerenciando equipes
  • Carma
  • Recursos do Todoist Business
  • Todoist versão gratuita, Premium e Business
  • Como fazer seu setup: cases da equipe

No workshop de Todoist, você vai conhecer de perto todos os recursos da ferramenta em suas modalidades Free, Premium e Business, saber qual o plano adequado para você e como configurar para o seu uso pessoal ou para a sua empresa através das melhores práticas de organização e produtividade.

Estou muito feliz porque sou embaixadora brasileira do Todoist no Brasil e esse é um curso que depois vamos oferecer para aprofundamento do Todoist Business em empresas, então é o início de uma trajetória muito legal.

Inscreva-se aqui!

Vídeo todos os dias em agosto (VEDA)

19

Oi pessoal! O post de hoje é para divulgar um projeto pessoal muito louco chamado VEDA (video every day at August) = vídeo todos os dias em agosto, que eu venho fazendo agora! Estou postando um vídeo novo por dia em agosto no meu canal no YouTube. Já me segue lá? Não? Então clique aqui e se inscreva!

canal-youtube

Pode parecer meio maluco mesmo esse projeto, mas tem sido muito divertido fazer!

Tive alguns propósitos para decidir fazê-lo:

  1. Me aproximar mais dos leitores com os vídeos, que é uma coisa que vocês me pedem há bastante tempo e eu já queria fazer.
  2. Aprimorar minhas habilidades de edição, mesmo que básicas. É algo que quero treinar!
  3. Me habituar a gravar mais vídeos!

A coisa está dando tão certo que já não sei mais viver sem fazer vídeos – é tão gostoso! Sei que demorei para engatar nisso, mas sou assim mesmo – só gosto de fazer alguma coisa quando tenho um propósito forte, mas aí também ninguém me segura! Estou bastante feliz com todos os vídeos até então e espero que vocês gostem também.

A ideia é postar dicas de organização e produtividade, além de um pouco do meu dia a dia através dos VLOGs – enfim, um mix do que vocês já vêem aqui no blog.

Clique aqui para ver os vídeos e se inscrever! Quem se inscreve no canal fica sabendo dos vídeos novos antes.

Obrigada por tudo, pessoal!

Como comer bem e sem gastar tanto em viagens

2

Uma das coisas mais legais quando você viaja para um lugar diferente é conhecer a comida do lugar. A cultura de cada região ou de cada país diz TUDO sobre o lugar em si, e quando você se envolve naquilo, você está realmente entendendo como as pessoas daquele lugar vivem, de onde vêm os alimentos, como preparam, enfim, comida é cultura.

Eu não viajei para tantos países assim. Até agora, só fui para os Estados Unidos e para a Holanda, o que é maravilhoso de qualquer maneira, mas mesmo dentro do Brasil temos a chance de conhecer comidas diferentes. Quando vou para o sul é totalmente diferente de quando vou para o nordeste – mesmo quando vou para Minas Gerais é uma experiência diversa, sendo na mesma região de onde eu moro (São Paulo). Então eu fiquei pensando em quais seriam dicas legais para trazer aqui para o blog sobre esse assunto. Será que dá para comer bem, conhecer a cultura de comida local sem gastar tanto dinheiro e comer em restaurantes caros? E dá sim. Seguem três dicas pontuais.

comida-rua

Dica 1: Vá ao mercado municipal, aos mercados ou feiras de rua

Toda cidade tem os seus. É lá que você vai encontrar as comidas mais baratas porém típicas do lugar. Ok, nos Estados Unidos você vai encontrar hot-dog e batata-frita, faz parte! Mas na Holanda eu encontrei arenque cru com cebola, hello? Stroopwafell, já comeram essa perdição? É uma espécie de bolacha achatada recheada com doce de leite, não dá para descrever sem comer. Aqui no Brasil, você encontra o tradicional “queijo de minas”, pimentas em João Pessoa e acarajé em Salvador. E é esse tipo de comida legal de comer, que você não vai gastar tanto quanto em um restaurante, vai te manter alimentado ao longo do dia e vai te permitir conhecer toda a cultura local enquanto você observa a galera passeando (e você faz o mesmo).

Dica 2: Foursquare, Trip Advisor e afins

Use a tecnologia a seu favor. Apesar de eu sempre ouvir a tradicional dica “peça indicações ao pessoal que mora lá”, putz, isso nem sempre é fácil. Primeiro, que você pode não conhecer ninguém. Segundo, que as pessoas que você conhece podem não ter (e provavelmente não têm) o mesmo gosto que você. Então o mais seguro é ver o que o pessoal diz nesses aplicativos e sites com resenhas de lugares, listas dos Top 10. Você pode não ir todos os dias em um restaurante legal ou mais chique, mas pode querer escolher UM para conhecer, ou pode descobrir um cantinho escondido graças a uma dessas indicações. Vale a pena explorar. Esses sites e aplicativos são uma versão turbinada dos livros guias de viagens, que também são bons mas não são gratuitos (e aqui estamos falando sobre economizar).

Dica 3: Ande pela cidade e siga sua intuição

Uma coisa que gosto de fazer quando saio do país é reservar um dia (ou um período) sem programação alguma para simplesmente caminhar pela cidade e “descobrir” o que existe nela. Se algum café, bar, restaurante, barraquinha chamar minha atenção e eu estiver com fome, paro, entro e como alguma coisa. Isso é muito legal porque me permite conhecer algo que, do contrário, eu não teria conhecido porque ninguém teria me indicado. E isso dá um gostinho de aventura, de descoberta, que tem tudo a ver com o espírito de quem está viajando.

Uma dica final, de teor mais prático, é com relação ao orçamento. Eu gosto muito de levar o equivalente à moeda local o que eu gasto aqui no Brasil para comer. Por exemplo, se aqui no Brasil, quando eu como em um restaurante, eu gasto 50 reais por refeição, eu calculo que vou gastar isso (na moeda local, convertendo) se comer em um restaurante, e esse é meu orçamento. Se eu gasto 25 reais em um lanche, esse é meu orçamento para lanche. Etc. E assim eu calculo quanto vou gastar por dia. Em média, eu vejo qual será minha programação (se estarei o dia todo em um evento ou andando na rua) e calculo com base nos tipos de refeições que farei. Dá super certo!

Espero que o post tenha ajudado!