Acordo cedo. Tomo café-da-manhã em casa, com o filhote. Troco de roupa e vou para a casa da minha avó, que fica na mesma rua que a minha. Ela vai ao mercado às sextas, então eu aproveito para varrer e limpar a garagem para ela. São as pequenas experiências budistas de contemplação do dia a dia. O filhote vem comigo e, quando a avó chega, ele fica um pouco com ela antes de ir para a escola. Eu começo a trabalhar.

Começar a trabalhar significa colocar na caixa de entrada o que veio de ontem na mochila (tive um evento fora). Colocar meu computador sobre a mesa. Ligá-lo. Organizar rapidamente meus materiais (lápis, folhas para anotações).

A primeira coisa que abro é o meu calendário. Não gosto de agendar compromissos de trabalho às sextas-feiras, para deixar o dia livre para as pendências da semana e também para atender mais “incêndios” (coisas que as pessoas deixam para a última hora e precisam da minha ajuda para resolver). Sei que toda sexta é assim, então deixo esse tempo livre. Toda vez que agendo algo (às vezes não é possível encaixar em outro dia), sinto que o dia fica mais pesado.

Então meu calendário vai ter basicamente ações para fazer ao longo do dia e alguns lembretes pontuais. Gosto de encerrar essas ações ainda pela manhã. Ao encerrar meu calendário, abro as minhas duas caixas de entrada de e-mails (uma de cada vez) e processo cada um dos meus e-mails, esvaziando as caixas. Não importa quantos e-mails eu tenha (e ultimamente tenho recebido muitos) – processar é sempre um processo mecânico e rápido. Resolvo aquilo que levo até 2 minutos e, o resto, ou delego ou priorizo.

Ao terminar de processar os e-mails, faço uma pausa para descansar. Como alguma coisinha, bebo um chá e coloco uma música no fone de ouvido. Processo a caixa de entrada física. Hora da minha revisão semanal. 🙂 Filhote já foi embora, então o risco de interrupções é menor. Quando termino, é hora de fazer uma pausa. Converso um pouco com a minha avó e vou almoçar.

Tem me feito bem almoçar na rua. Como como bem pouquinho, não fica caro. Tem vezes que eu como em casa. Depende muito de como está a nossa semana.

Depois do almoço, passo em casa para resolver algumas tarefinhas de rotina. Lavar a louça, arrumar as camas, trocar as lixeiras, as toalhas, guardar o que está fora do lugar. Coloco uma música tocando na sala e faço essas atividades numa boa. Se o meu dia estiver mais tranquilo, sem tantos prazos, consigo até ler um pouco, durante uma meia hora. Tomo cuidado para não “parar muito”, senão me dá sono. Logo volto para o escritório.

De tarde, trabalho nos prazos de ações no meu Todoist. Por volta das 15 horas, vejo meus e-mails novamente. Faço um novo processamento. Preciso ser bem rígida com aquilo que demanda resposta imediata e o que pode esperar, senão não consigo lidar com as questões verdadeiramente importantes. No geral, às sextas gosto de me concentrar em estudos mais aprofundados, então preciso criar esse espaço para cuidar disso com qualidade.

Quando termino minhas ações com prazo no Todoist, gosto de me dar um prêmio: entro no YouTube para ver as atualizações do dia ou da semana que ainda não vi. Descanso um pouquinho e então faço um “esclarecimento” final das caixas de entrada físicas, de e-mails e no What’s App (que também lido ao longo do dia). Gosto de ver o que me espera nos próximos três dias (a agenda do Google fornece essa visualização) e, assim consigo ir para casa em um horário legal. Tomo um banho e me arrumo para jantar com alguma amiga, já que sexta é dia de marido e filhote jantarem na outra avó, que mora mais longe.

As pessoas costumam odiar as segundas-feiras e amar as sextas. Eu amo todos os dias. Acho que cada um deles tem um toque especial na rotina, ao seu modo. As sextas, para mim, são uma excelente oportunidade de revisão e conclusão da semana, além de preparação para a semana que está por vir.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorDiferença entre os planos do Todoist
Próximo artigoDesafio diário de roupas

Meu nome é Thais Godinho e meu guarda-chuva profissional engloba três temas: produtividade, organização pessoal e criatividade. As formas de operacionalizar esse trabalho que eu amo são essas: escrevendo no blog, publicando livros, estudando, ministrando cursos e fazendo atendimentos individuais, ajudando as pessoas a se organizarem. Você pode acompanhar minha trajetória pessoal e profissional neste blog, que existe desde 2006.

5 Comentários

  1. Thaís: você tem sido minha inspiração para muitas coisas!
    Acompanhando seu blog fui adaptando rotinas para minha vida e check list mensais que estão fazendo da minha vida uma vida mais organizada… gratidão e muita luz!

  2. Thaís; Eu gosto muito quando você expõe sua rotina, seu dia, pois vejo o GTD aplicado na prática (gosto também quando você escreve sobre os princípios do GTD, sem necessariamente expor o seu uso no seu dia a dia). Até o fim do ano estabeleci alguns projetos, dentre eles quero iniciar a implementação do GTD. Para isso, vou retomar algumas séries e posts seus por aqui e esse de hoje, com certeza será relido. Eu preciso conseguir, pois quero construir uma vida mais significativa e acredito que o GTD pode me ajudar nisso. Um abraço;

  3. Thais, muito obrigada por partilhar connosco a rotina da sua sexta-feira. Mostra-nos como é possível ter espaço para a família, o trabalho e ainda para enriquecimento pessoal. Hoje em dia, na correria da vida e desta “máquina” que nos leva, as pessoas deixam que o tempo as controle e esquecem-se de arranjar tempo para cuidar de si mesmas, para actividades como a leitura, saída com amigos, apreciação da natureza, etc. É uma inspiração enorme 😍Obrigada! Beijinhos de Portugal.

  4. Amei! Faz tempo que queria ler um texto assim. É já deu pra perceber pelos outros comentários que somos muitos os que queremos saber sobre seus outros dias da semana, justamente pra poder ver como é esse ritmo de já ter o GTD completamente instaurado na vida.

DEIXE UMA RESPOSTA