ou

Recebi um e-mail de um leitor e achei que seria um conteúdo legal para postar no blog. Segue a pergunta e a minha resposta.

“Olá, tudo bem?

Tenho curiosidade em saber uma opinião sua sobre a carreira de professor universitário bem como o curso de mestrado.

Uma das coisas que o GTD tem me ajudado muito é a aplicação prática do meu propósito de vida. Com isso, é natural que com o tempo algumas coisas comecem a ficar claras para a gente. Uma delas é a necessidade de compartilhar o conhecimento que adquirimos. Logo, vem a vontade de lecionar em faculdade.

Acompanhei em alguns dos seus posts que um dos seus projetos de médio a longo prazo é fazer um mestrado e lecionar em faculdade. Acho que seria o máximo uma vez que você tem todo um histórico empreendedor e conhecimento adquirido ao longo do tempo.

Minha dúvida é, considerando avanços tecnológicos, profissões que deixarão de existir daqui alguns anos, EADs já estruturados em algumas faculdades e um calhamaço de cursos virtuais que estão aparecendo, qual a sua perspectiva e projeção de futuro para a profissão de professor? Você acredita que valha a pena investir tempo e dinheiro em um mestrado para uma profissão que talvez suma do mapa? Claro que todo conhecimento adquirido é extremamente valioso, mas quais as tendências que você enxerga para esta profissão?

Agradeço se puder compartilhar o seu ponto de vista.

Obrigado.

R.”

Minha resposta:

“Oi R., tudo bem?

Que pergunta legal. Obrigada por escrever.
 
Eu acredito que todas as profissões vão mudar muito nos próximos 30 ou 50 anos. Eu me vejo dentro dessa transformação, e me adequando a ela, seja qual for o caminho que eu escolher.
 
Penso que compartilhar conhecimento será algo que sempre existirá, independente do formato.
 
O risco de investir em um mestrado é o mesmo de investir em um curso de datilografia nos anos 70 rs. Ficou obsoleto anos depois, mas o conhecimento que adquiri na época me foi útil (eu não tinha nascido, é só um exemplo) e depois eu precisei me atualizar em outras frentes. Mas foi bom enquanto durou. 🙂
 
É assim que eu vejo. Espero ter ajudado.
 
Thais”

O que você acha desse tema? Como você vê a sua profissão em alguns anos? Como isso impacta nas suas escolhas hoje?

Thais Godinho
05/09/2017
Veja mais sobre:
15
Respostas para as principais dúvidas de quem trabalha fora e não consegue organizar a casa
Terça-feira com produtividade
Quer criar um blog legal? Veja como fazer o planejamento

Fiquei me perguntando durante algum tempo se esse assunto caberia ou não no blog, mas cheguei à conclusão que sim e vou explicar por quê.

No ano passado (precisamente em setembro do ano passado) houve um acontecimento que impactou muito a maneira como eu via o meu negócio e as minhas finanças. Demorei algumas semanas para me recuperar totalmente e, ali, eu descobri duas coisas importantes:

  1. A mente da pessoa é tudo: influencia para o bem, para o mal, para a alegria, para a tristeza, para o entusiasmo, para o desânimo etc. O que eu já sabia, pois no Budismo isso é dito o tempo todo. Mas foi algo que me marcou muito – ter tido essa certeza na época.
  2. O poder do GTD quando você chega na fase que o David Allen chama de integração: qualquer desafio na sua vida, você apenas coloca no seu sistema e faz as coisas acontecerem. Foi a primeira vez na vida (de verdade) que uma “crise” não me atingiu catastroficamente (mesmo com potencial para isso), e que eu consegui contornar de uma maneira que, hoje, vejo como majestosa. Fico muito orgulhosa por ter superado aquele período da maneira como superei.

Bem, naquele momento, uma das coisas que eu decidi que precisava fazer era adquirir um mindset (configuração mental / modo de pensar) diferente, de prosperidade. Fui levada a acreditar nisso por constatar que muitas pessoas que eram ricas (estou falando apenas de dinheiro aqui) e perderam tudo, na sequência reconstruíram tudo ou até mais do que perderam. Isso sempre me intrigou demais. Eu me perguntava o que essas pessoas tinham em mente de diferente. Percebi que eu tinha um projeto voltado a isso e que dedicaria o ano seguinte à leitura de livros e estudo de materiais relacionados.

Foi quando, entre as minhas pesquisas e estudos, eu ouvi falar no Napoleon Hill. Se você não sabe quem ele é, vou deixar a Wikipedia descrever por mim (não precisa ler tudo – basta a parte da biografia).

Fui até a Livraria Cultura, peguei todos os livros disponíveis do autor, sentei no chão e comecei a folhear para ver se a escrita me interessaria (sou dessas). O impacto foi tamanho que eu não queria sair da livraria deixando os livros ali! Escolhi três (afinal, tenho um orçamento mensal para livros…) e fui para casa, onde já entrei na Amazon e salvei os outros em minha lista de desejos (que já expliquei em outro post). Os três livros que comprei foram: “A lei do triunfo”, “Quem pensa enriquece” e “Atitude Mental Positiva”.

Comecei pel”A lei do triunfo”, mas algo me fez migrar para o estudo do “Atitude Mental Positiva”. Que livro impactante! E a sensação que eu tive, que considero a melhor possível, foi a seguinte: como não descobri esse cara antes? O livro é incrível. Mudou completamente a minha visão da vida e eu saio recomendando para todo mundo que eu considere. É como se ele tivesse me dado lentes diferentes e que, depois de colocadas, não consigo mais ver as pessoas e as situações de outra maneira. E isso, definitivamente, mudou tudo.

Por que eu quis escrever sobre esses livros aqui no blog? Porque o blog não trata de criação de listas e arrumação de gavetas (apenas). São assuntos adoráveis, mas escrever sobre organização não é falar sobre organização – é falar sobre realização. E, tão importante quanto manter a casa em ordem, é manter a mente em ordem. Ter clareza, direcionar seus esforços para um lado positivo e que te agrade, que te ajude a construir um estilo de vida que tenha a ver com os seus valores. E tudo o que possa contribuir com isso, ao meu ver, é assunto para o blog.

Depois desses livros, já adquiri outros: “Como aumentar o seu próprio salário” e “Mais esperto que o diabo”. Tenho feito um deep work (mergulho / imersão / estudo aprofundado) dos materiais dele que, apesar de todos girarem mais ou menos em torno das mesmas premissas, justamente esse fato faz com que você compreenda e absorva melhor o que ele tem para te ensinar.

Nessa época em que estamos todos vivendo aqui no Brasil, sem tantas esperanças com relação ao cenário político, algumas poucas no cenário econômico, “blindar” a nossa mente é essencial. Isso vale para qualquer profissão que você tenha – não precisa ser empresário como eu sou. Eu sinceramente gostaria que todas as pessoas que eu gosto lessem esses livros porque eles são incríveis.

Nós temos muito o que aprender com aqueles que vieram antes de nós e esse é um universo imenso ainda a ser explorado, mas a vida serve justamente para essa exploração criativa e permanente.

Você já leu algum livro do Napoleon Hill? O que você achou?

Thais Godinho
05/09/2017
Veja mais sobre:
Livros
22
Caos não depende do quão ocupada você está
Organizando playlists no Spotify
Como lidar com a procrastinação na segunda-feira