Continuo montando um armário-cápsula a cada estação, mas o foco tem sido em construir um armário inteiro bom e coerente a cada estação, e não para cada estação. A diferença é sutil. O que tenho feito é aproveitar cada estação para reavaliar todas as minhas roupas e, assim, ir aprendendo melhor o que funciona para mim, o que veste bem, o que é feito de bons materiais, e como comprar de maneira mais consciente. Percebam então que o foco não é em montar um armário-cápsula, mas em usar o armário-cápsula como ferramenta de análise a cada estação.

Eu também não me apego a quantidades, apesar de tentar manter um número reduzido de peças. Eu acredito que, quanto menos peças tivermos, melhor usaremos cada uma delas e mais criativa eu terei que ser nas combinações, mas também não dá para ficar com peças “de menos”, o que pode atrapalhar a minha rotina e logística de lavagens, especialmente no inverno (quando as roupas demoram mais para secar).

Desta vez, eu tentei usar o planner da Un-Fancy, o que é ótimo e dá bons direcionamentos, mas é muito comercial em certo sentido. Por exemplo, ao tentar definir as cores da paleta do armário de inverno, me peguei pensando em coisas como: “gostaria de usar mais turquesa, mas só tenho uma peça, então talvez tenha que comprar uma coisa ou outra”, quando na verdade não é necessário comprar coisas com esse raciocínio específico, e sim de acordo com o gosto ou a necessidade.

Outra mudança considerável foi o uso da paleta de cores. Refiz minha análise com a Ana porque mudei o tom do meu cabelo e queria explorar opções de mais contraste, e atualmente estou com a paleta de inverno profundo.

Eu tenho um problema (não diria que é bem um problema, mas uma questão), que é a dificuldade de ter o olho bom para experimentar e adquirir peças mais coloridas. Por isso, tenho muitas peças em cores neutras. Eu também acho que a variedade de cores é pequena nas lojas e, só quando você atinge um certo nível de genialidade em termos de estilo, consegue desenvolver esse olhar curador e fazer boas escolhas. Aqui entra a importância de uma consultora de estilo para te apoiar.

No meu caso, meu armário, e especialmente as peças de frio, acabam caindo no preto e no azul marinho. Desde 2015 (quando comecei esse estudo) eu venho tentando explorar outras possibilidades de cores, mas acho difícil encontrar. Eu também não me sinto tão confortável usando um sobretudo cor de uva, por exemplo, apesar de achar lindo. Não que eu não goste, mas eu acho que meu estilo é mais clássico mesmo, uma coisa meio french rocker tomboy, com muitas listras, trench coats, sapatos oxford e tecidos naturais contrastando com tecidos mais estruturados. E eu meio que quero aceitar isso, porém aprendendo a fazer boas misturas – uma calça de linho com uma linda blusa colorida de seda, talvez? Esse é o tipo de coisa que vou explorar um pouco mais adiante, e abaixo explico porquê.

Uma imagem vale mais que mil palavras / Créditos: Elle Dinamarca
O tipo de estilo a ser mais explorado / Créditos: Não achei pela foto; peguei do Tumblr

Basicamente, porque também estou em processo de perda de peso. Iniciei um tratamento também há algum tempo, mas mais forte no ano passado, e até então emagreci 14kg. Ainda pretendo emagrecer mais. Tudo isso é assunto para outro post, porque envolve uma mudança grande na rotina, e o foco hoje é o armário-cápsula da estação. Mas tudo isso influencia no que posso comprar, em termos de roupas, e o que preciso (ou quero) esperar mais um pouco. Eu cheguei a escrever um post sobre que tipo de investimento (em termos de roupas) vale a pena fazer quando você está nesse processo de emagrecimento, então o que eu quero dizer é que agora não é o momento de investir em roupas de caimento e estrutura, como casacos, por exemplo. Isso tem me feito usar mais o que eu já tenho, e por isso mesmo meu armário talvez não reflita as mudanças (em termos de cores) da forma como eu gostaria.

Porém, de modo geral, eu vi que existe uma linha sim nesse armário-cápsula de inverno, que envolve tons de verde, azul marinho, turquesa e um pouco de roxo uva. São todas cores que eu gosto muito e que estão na cartela que estou seguindo atualmente, acima.

Seguem as peças:

Quis começar com as blusas de lã porque acredito que elas descrevam bem a paleta de cores que acabou sendo “escolhida” para a estação.

  • Blusa de lã bege – comprada na Feira da Malha em SP
  • Blusa de soft turquesa – Quechua, comprada na Decathlon
  • Blusa de lã verde folha – comprada na Feira da Malha em SP (mas vi uma igual na Renner)
  • Blusa de gola alta verde escuro – comprada na Feira da Malha em SP
  • Blusa de lã azul marinho – Zara
  • Blusa de lã preta com bolinhas brancas – C&A
  • Blusa de lã preta com gola em V – comprada na Feira da Malha em SP

Essas são as minhas camisetas ou blusinhas de malha. Faltam algumas na foto, que estão lavando. Nada de muito diferente do que já está aí. Percebi que preciso de outras opções mais voltadas para o bege ou o roxo uva que gosto tanto. Comprar camisetas de manga comprida (ou blusinhas) nessas cores tem sido um dos focos nessa estação então. O bom das roupas de malha é que elas são mais flexíveis para quem está perdendo peso. Porém, são menos nobres e mais informais. Eu uso bastante por baixo das blusas da foto anterior.

  • Camiseta verde musgo listrada – Forever 21
  • Camiseta verde folha – Marisa
  • Blusa de linho azul – Besni
  • Blusa de viscose azul com peixinhos – Luigi Bertolli
  • Camiseta azul marinho listrada – Forever 21
  • Camiseta preta listrada – C&A
  • Camiseta preta de manga comprida – Renner
  • Camiseta do Evernote – ganhei de presente
  • Camiseta da Apple – comprei em um camelô na Paulista

  • Camisa bege floral – Zara
  • Camisa verde militar – C&A
  • Camisa preta de manga curta – Besni

  • Casaco “quebra vento” e impermeável bege – Quechua, comprado na Decathlon
  • Parca cáqui – C&A, comprada na Holanda
  • Blusão de lã azul marinho – Marisa ou C&A
  • Trench coat bege – Zara (está lavando)

Os casacos pretos merecem uma foto só para eles. rs

  • Blusão de lã com estampa de leopardo – Zara
  • Blazer preto – Renner
  • Blusão de lã preto – Zara
  • Sobretudo de lã preto – Renner

Indo para as partes de baixo, os vestidos:

  • Vestido azul com estampa étnica/geométrica – Besni
  • Vestido azul com gola branca – Target, comprado nos EUA
  • Vestido preto de malha – Besni

Essas são algumas partes de baixo:

  • Calça de sarja roxo uva – Marisa
  • Calça de alfaiataria de lã marrom – C&A, comprada na Holanda
  • Calça de alfaiataria preta – Renner
  • Saia lápis preta – Marisa
  • Calça jeans – C&A (está lavando)
  • Calça de sarja preta – C&A, comprada nos EUA (está lavando)

Sapatos, não tenho tantos. Acabo usando sempre os mesmos no inverno, porque sinto muito frio nos pés:

  • Bota preta de cano alto – sem marca, comprada em uma loja de artigos de couro na Lapa
  • Ankle boot marrom de camurça – Piccadilly
  • Ankle boot preta de couro – Arezzo
  • Sapato marrom de couro com salto anabela – Piccadilly
  • Sapato oxford preto – Moleca
  • Sapato preto de camurça com salto de madeira – Arezzo
  • Tênis cinza – New Balance

O que não entra na cápsula: roupas de academia, pijamas, acessórios (lenços, pashminas, cachecóis) e bolsas (não uso no dia a dia, e sim mochilas e pastas de trabalho).

Total de peças: 43.

Eu estou lentamente migrando de um armário comum (do meu ponto de vista) para um armário um pouco mais refinado, a partir das novas compras que venho fazendo, e que dependem também da estabilidade do meu peso. Tenho pensado melhor sobre que acessórios comprar – comprando menos, com qualidade e versatilidade melhores. Não saio comprando qualquer sapato. Peças de roupa, penso no custo benefício e em quanto tempo vou usar, de acordo com a durabilidade do tecido e corte também.

Para a próxima estação, por exemplo, é provável que eu já não esteja vestindo bem muitas das peças acima e, muito provavelmente, no inverno que vem muitas delas também não me servirão mais. Por isso, qualquer investimento que eu faça hoje precisa levar isso em consideração – não adianta eu comprar um sobretudo ou um blazer que vou perder logo à frente. Essa restrição me deixa com liberdade de escolha para itens que eu posso efetivamente investir, como lenços, óculos e roupas mais maleáveis, como blusões de lã e camisetinhas de malha. Também tenho aproveitado para investir em peças que não entram na cápsula, como roupas de academia e pijaminhas.

Ou seja, qual o propósito de todo esse movimento? Focar mais no essencial e repensar nosso consumo, a caminho de um mercado mais sustentável, sem perder de vista a valorização da nossa auto-estima.

Eu montei esse armário no último final de semana e pretendo, ao longo dos próximos três meses, usar apenas as peças elencadas, além das possíveis compras relacionadas que posso vir a fazer, conforme comentei no post.

COMPARTILHAR
Artigo anterior4 dicas práticas para dormir melhor
Próximo artigoProjetos / Objetivos concluídos no segundo trimestre (2017)
Meu nome é Thais Godinho e meu guarda-chuva profissional engloba três temas: produtividade, organização pessoal e criatividade. As formas de operacionalizar esse trabalho que eu amo são essas: escrevendo no blog, publicando livros, estudando, ministrando cursos e fazendo atendimentos individuais, ajudando as pessoas a se organizarem. Você pode acompanhar minha trajetória pessoal e profissional neste blog, que existe desde 2006.

22 Comentários

  1. Eu adoro esse tipo de post. Gosto muito dessas reflexões de estilo.
    Acho que me identifico quando você fala do desejo de querer usar algumas cores, mas no fim se ver mais básica mesmo, clássica. Eu fico pensando as vezes se não preciso implementar mais cores no guarda roupa, pois atualmente está tudo preto/branco/cinza. Mas a verdade é que me sinto mais confortável e de acordo comigo mesma nessa paleta. Dai acabo por manter.

    Aos poucos estou implementando umas cores de acordo com a estação. Tipo usar pontos de cores vibrantes no verão e cores gélidas no inverno. Para mim tem sido meio divertido. Ainda que as usa apenas em acessórios e coisas adicionais. na verdade acho que talvez esse seja o ponto. Como preciso ter pouca coisa por questão de espaço, sempre fico insegura de ter roupas coloridas, porque o custo beneficio não vale. Eu quase nunca uso e acumulam espaço. Mas as vezes tbm penso que minhas roupas são muito deprimentes, sempre na mesma paleta meio “morta” sabe? hehehe

    Enfim, é uma reflexão que precisa ainda ser muito maturada.
    Obrigada por compartilhar <3

    • Minha visão é muito parecida com a sua. Eu só não sei ainda se eu penso assim por realmente não saber explorar tanto outras cores ou porque realmente prefiro cores mais neutras. Eu me dou bem com os neutros coloridos (um verde musgo, um roxo bem escuro), mas ainda é algo a explorar, algo mais avançado do que o que tenho hoje de capacidade criativa mesmo.

      Eu acho que o legal de seguir uma cartela é a versatilidade das peças. Isso dá uma certa segurança. Por ex, se eu comprar uma calça roxa, eu posso combinar com várias peças coloridas do meu armário, caso combinem entre si.

      Eu que agradeço você por comentar. 🙂

      • Talvez seja, apenas, falta de costume. Sou inverno puro, uma paleta de cores vivas, intensas e com alto contraste. V. consegue ser clássica ainda que use vermelho, azul mais escuro porém intenso, verde esmeralda e por aí vai. Vai adicionando intensidade nos acessórios. Mas… que problema, hein? V. saiu de uma paleta quente e migrou para uma fria…

      • A propósito, disse que era um problema a mudança de paleta, pois são cores/tonalidades bem diferentes.

  2. Oi Thais!
    Você não usa saia no inverno (sem ser vestido)?
    Eu tento em todos os invernos e verões fazer um armário cápsula, mas não consigo, quando vejo estou usando outras roupas nada a ver com o que tinha planejado. Vou tentar novamente essa estação.

  3. Muito legal o post! Gosto muito da ideia do armário cápsula e estou pensando em fazer um nesse inverno, porque sempre demoro muito para escolher a roupa que vou usar no dia seguinte…talvez isso me ajude nesse sentido. E vendo as fotos das suas peças me deu um bom incentivo! =D

    Fiquei com algumas dúvidas…o armário cápsula é para os finais de semana também (levando em conta o bom senso, claro!)? Qual sua sugestão para quantidade de peças? E como você organiza seu armário cápsula dentro do armário?

    Muito obrigada pelas suas dicas Thais, sempre ótimas e muito úteis!

    Ah! Estou lendo o livro do David Allen, quando começar a implementar o GTD venho aqui te contar!
    😉

    • Oi Manu!

      O armário-cápsula é para todas as ocasiões da vida, trabalho, final de semana etc.

      Dentro do armário só ficam as roupas do armário-cápsula. As outras que não estão sendo usadas ficam em uma mala de viagem.

      Obrigada por comentar! Me conte sim sobre o livro.

  4. Quando compro uma roupa eu penso muito se vou poder aproveitar com outras peças do meu guarda-roupa. As condições financeiras estão cada dia mais difíceis então prefiro não arriscar com algo muito diferente. Mas percebo que tenho muitas roupas florais no meu armário sabe, blusas principalmente, são bem fáceis de combinar mas acabava ficando um pouco limitada. Eu era do tipo que usava a mesma blusa com a mesma calça pra sempre.

    O armário cápsula está me ensinando a ter mais peças básicas para poder aproveitar melhor essas peças florais. Novas combinações, arriscar mais, confiar mais. Depois de muitos anos da minha vida consegui descobrir o meu próprio estilo. Pra mim já valeu a pena. . Estou me libertando!!

    Adorei o post..amo assuntos assim que ajudam a encontrar nosso próprio estilo. Parabéns!!

  5. O complicadode morar numa cidade como o Rio de Janeiro é que armário-cápsula de inverno não faz muito sentido aqui (eu ia achar o máximo montar um). A realidade é que não dá para descartar quase nenhuma roupa do verão (só as mais curtas/coloridas). O calor se faz presente quase todos os dias, o frio aparece também, às vezes no meio do dia.

    Desembalei minhas roupas de inverno, mas agora o guarda-roupa está lotado, porque na verdade acabo usando mais as roupas “de verão”, enquanto as de inverno fico olhando pra elas e torcendo para a temperatura cair um pouco pra aproveitar e usar.

  6. Amei sua paleta!!! Que cores lindas, principalmente as mais claras!
    Já pensou em investir em acessórios, como lenços cor de uva, pra ir se acostumando a usar cores diferentes?

    Estou trocando o guarda-roupa (literalmente) e pretendo aproveitar a oportunidade para rever minhas roupas e só manter aquilo que realmente mostra que eu sou, só o que gosto de usar e me faz feliz.

    Também quero emagrecer e estarei aguardando seu post sobre a mudança na rotina.

    Grande abraço,

    Ana Paula

  7. Aqui em Salvador não tem as estações definidas e dificilmente faz frio, então dá pra usar roupa de verão no “inverno”… Com isso, meu guarda roupas é bem colorido, kkkk Confesso que também pq gosto. Mas gostei da sua proposta pq dá uma visão objetiva, favorecendo escolhas, combinações e auxiliando na hora de novas aquisições de acordo com o q já se tem! Um cheiro!

  8. Que legal! Estou passando pelo mesmo processo no meu guarda-roupa, e nosso gosto e paleta são parecidíssimos! E as marcas também (como não amar fast fashion?). Ri muito com a foto das jaquetas pretas porque acabo de comprar mais uma e ops…tudo preto por aqui. Achei que vc fosse mostrar os looks, poxa vida! Obrigadas pelas dicas, você sempre ajuda quando lembrar que os processos lentos e contínuos. Estou lendo seu livro!

    • Pretendo fotografar os looks ao longo da estação para fazer uma análise ao final dela! Por hora ainda não usei muito rs

      Obrigada por comentar!

  9. já pensei muitas vezes em fazer um armário capsula mas sempre deixo pra depois. tenho tentado ter um armário mais enxuto e consumir de forma mais consciente, mas de 2014 pra cá eu engravidei, ganhei 13kg, tive neném, emagreci 20kg, meu corpo mudou completamente de formato, meu estilo mudou e quando estava começando a me redescobrir engravidei de novo. então agora tenho uma noção do meu novo estilo (pós-maternidade) e até fiz um workshop de estilo para mães que ajudou muito, mas ainda estou grávida e só Deus sabe o que vai acontecer com meu corpo depois (pode acontecer o mesmo que na primeira gestação, ou não), então entendo perfeitamente suas colocações de ficar um pouco limitada na hora de comprar roupas. mas o exercício de refletir a respeito já é bem válido.

  10. Oi Thaís, aderi ao armário cápsula neste inverno também. Sou bem minimalista no quesito roupas, então separar por estação, observar as cores, o que gosto e fica bem em mim tem sido um processo bem interessante. Tão interessante, que resolvi fazer um armário cápsula para minha filha também . Estava ficando sobrecarregada com a montanha de roupinhas de todas as cores, foi legal fazer uma faxina e ter somente as peças (e cores) que realmente gosto de vestí-la no armário.
    Abraço,

  11. Que post mais legal sobre o assunto <3 Thais, você tá super no caminho, minha amiga! Já vejo uma diferença boa em relação ao seu primeiro AC, adorei os verdes e as camisetas estampadas. Acho que o que pode ajudar são os acessórios (que independem do manequim), um colar mais colorido, aquele seu lenço estampado lindo, esses detalhes vão te ajudar a deixar tudo mais elegante aos poucos e mais colorido <3

    • Obrigada por vir aqui e comentar. <3 Eu estou tentando explorar mais nas partes de cima (perto do rosto) e os acessórios mesmo!

  12. Muito bem escolhidas as suas peças. Uso essa mesma paleta de cores mas, por gosto pessoal, não uso os tons do canto esquerdo inferior, esses mais rosados. Adorei ver suas escolhas!

DEIXE UMA RESPOSTA