ou

Como o método GTD pode nos ajudar a gerenciar os nossos relacionamentos? Como todo o resto. Neste post, vou mostrar algumas opções e como eu faço.

O GTD trabalha com horizontes de foco e, se pensarmos em relacionamentos, podemos vê-los em todos esses níveis:

Por exemplo, no nível Térreo, eu posso ter reuniões, almoços, compromissos agendados com pessoas diversas, assim como posso ter uma lista de Assuntos a tratar com pessoas ou em reuniões específicas ou uma lista com tudo o que estou Aguardando resposta dos outros. Tudo isso tem a ver com gestão de relacionamentos, mas em um nível mais mundano – ou seja, coisas que entram efetivamente em listas.

No Horizonte 1 podemos ter projetos relacionados a relacionamentos. “Organizar viagem de final de semana com o meu irmão” ou “Organizar festa de casamento” são exemplos de projetos. Você pode expandir mais essa visão de projetos à medida que explora os horizontes mais elevados.

No Horizonte 2, temos as Áreas de Foco, que são as responsabilidades e áreas da nossa vida. É muito provável ter uma área só dedicada a relacionamentos. Eu tenho! Tenho um mapa com as minhas áreas de foco pessoal e, dentro desse mapa, um dos desmembramentos é “relacionamentos”. Dentro dele, listo os diversos relacionamentos que tenho: família, parentes, amigos, colegas de trabalho, animais de estimação, vizinhança etc. A ideia é você personalizar para a sua própria vida. E a análise dessas diversas áreas pode me permitir identificar coisas como: “hum, será que eu estou apropriadamente engajada com a pessoa tal? qual meu nível de engajamento desejado com ela?”. Pode ser seu chefe, seu filho, sua namorada, seu vizinho. Muitas vezes, só de fazer essa reflexão, você pode identificar uma ação (“chamar fulano para ir ao cinema”) ou um projeto (“garantir que meu filho esteja alfabetizado”).

Nos horizontes mais elevados, podemos trabalhar essa ideia igualmente. Você pode ter metas e objetivos, como “casar” (ou “divorciar”… acontece). Isso é um horizonte de hoje até dois anos. Você pode querer construir com seu parceiro ou parceira uma visão de vida juntos – “o que queremos para a nossa vida para daqui a 10, 20 anos?”. Você pode pensar na visão que tem da vida dos seus filhos. Pode explorar qualquer relacionamento em termos de visão. E, é claro, pode refletir sobre o propósito dos seus relacionamentos. Isso inclusive pode te ajudar a perceber que, talvez, aquela pessoa chata e tóxica não precise fazer parte da sua vida. Ou pode perceber que, infelizmente, por um propósito X, ela tem que fazer parte, mas isso direciona seu foco para esse propósito e faz você ver as coisas com mais perspectiva.

Eu também tenho checklists (listas de referência) para apoiar relacionamentos. São as seguintes:

  • Quando eu termino meu trabalho e vou encontrar a minha família: reviso diariamente essa checklist para garantir que vou chegar com um astral legal no ambiente em que eles estão.
  • Essencial diário em casa: pode parecer não ter a ver com relacionamento, mas tem – é uma lista de coisas essenciais para fazer em casa todos os dias. Se eu não fizer, isso pode fazer com que meu marido e eu nos irritemos com bobagens. Ou posso fazer com que meu filho vá sem lanche para a escola ou com o uniforme sujo. Ninguém quer isso!
  • Atividades para fazer com o filhote: reviso semanalmente para programar atividades, desde montar um quebra-cabeça até treinar inglês ou o capricho na letra.
  • Cronograma de avaliações do filhote: reviso semanalmente para verificar como posso apoiá-lo.
  • Pessoas que eu gosto de me encontrar regularmente para conversar: reviso mensalmente para ver se consigo agendar um chá, um cineminha, um almoço ou algo do tipo.
  • Ideias de presentes: reviso quando vem chegando algum feriado (que convencionalmente se dê presente) ou aniversário. Quando estou conversando com alguém e essa pessoa comenta algo que gosta ou quer muito, eu gosto de anotar nessa lista para ter como ideia posteriormente.

De modo geral, essas são checklists que uso que tenham mais a ver com relacionamentos. Usei apenas um exemplo de checklists de cuidados com a casa para exemplificar mesmo, mas qualquer checklist (semanal, mensal) também funciona com o mesmo propósito. O mesmo vale para finanças, viagens… se eu organizo finanças ou viagens que impactem na minha família, por exemplo, não estou deixando de falar sobre relacionamentos. Na verdade, está tudo integrado.

Para mim, é muito útil e prático manter uma lista de “Assuntos a tratar” com as pessoas com as quais convivo, porque me ajuda a aproveitar da melhor forma possível o meu tempo com elas. Eu não quero deixar de perguntar para a minha melhor amiga como foi a prova importante que ela fez na pós-graduação, então coloco esse lembrete na lista. Quando for me encontrar com ela, reviso a lista antes, então isso fica presente para mim. Em encontros de trabalho é mais natural abrir a lista e ir tratando os assuntos diversos.

Enfim, o GTD é um método de gerenciamento integrado da vida, mas pode apoiar muito os relacionamentos. Este post poderia ser muito maior (até infinito), mas acredito que eu tenha passado as principais orientações a respeito de como usar o método para gerenciar relacionamentos. Qualquer dúvida, por favor, deixe um comentário.

Thais Godinho
03/06/2017
Veja mais sobre:
13
Como está meu GTD atualmente – Julho 2015
GTD (Getting Things Done) – ou a melhor metodologia de produtividade que existe
Aprenda GTD: Passo 3 – Organizar