ou

Uma maneira legal de acompanhar os resultados dos seus cuidados com a saúde é criando uma nota no Evernote para registrar essas informações sobre sono, alimentação, atividade física e outras que você queira monitorar. Eu insiro meditação também, por exemplo, além de estado emocional, pois considero pontos importantes a serem analisados dentro do que chamo de saúde.

Vale lembrar que, antes de qualquer coisa, você precisa estabelecer um plano para você mesma(o). O que quero dizer? Se você não tem nenhuma rotina de atividade física estabelecida, por exemplo, vai querer monitorar o que, exatamente? O registro não vai fazer milagres – só vai te dar um cutucão e uma consciência maior daquilo que você está fazendo (ou deixando de fazer), mas por si só não serve como agente estimulador da coisa toda. Portanto, antes de criar a nota para registro, dê uma refletida sobre como está sua rotina de saúde hoje em dia para ver se antes de mais nada você não tem alguns projetos que precisa dar andamento.

Exemplos de projetos:

  • Implementar uma rotina diária de atividades físicas (inclui se matricular nas aulas de tênis, por exemplo)
  • Implementar uma nova dieta (inclui ir a um nutricionista, por exemplo)
  • Implementar um menu semanal na minha casa
  • Concluir curso online de meditação
  • E por aí vai

A ideia é que você possa criar uma nota com o checklist diário do seu “plano” de saúde, por assim dizer. Eu recomendo fortemente que você leia nosso texto sobre checklists para entender o conceito. Não se tratam de ações, mas de informações de referência que você usa apenas para verificar se está fazendo aquilo que normalmente deveria estar fazendo.

Depende muito de como você estrutura a sua organização no Evernote para inserir essa nota. Eu tenho uma pilha de cadernos de checklists. Dentro do caderno mais apropriado, tenho a nota “Checklist diária de saúde”.

[ ] Ao acordar: meditar 20 minutos [ ] Beber água morna com limão [ ] Tomar café-da-manhã [ ] Tomar vitamina [ ] Caminhar [ ] Lanche da manhã [ ] Até a hora do almoço: pelo menos 4 copos de água [ ] Almoço saudável [ ] Caminhar [ ] Lanche da tarde [ ] Até o final da tarde: pelo menos 4 copos de água [ ] Estado emocional ao final do dia: avaliar [ ] Estar na cama às 23h

O modelo acima é apenas um exemplo, ok? A ideia é que você personalize de acordo com o que, para você, são padrões legais de saúde diários.

Aí que entra a parte interessante da coisa toda. Se a checklist para você não bastar e você quiser registrar diariamente, use a sua checklist como template e, diariamente, copie e cole os itens em outra nota para ir “tickando”. Uma ideia é criar uma nota com um nome como “Registro mensal de saúde – Mês/Ano” e atualizar diariamente.

A imagem mostra a mesma checklist copiada em uma nota diferente, dia após dia. Por exemplo: Dia 1 de maio e a checklist embaixo, para que você possa marcar o que fez nesse dia. Depois, Dia 2, com o mesmo procedimento.

“Ai Thais, dá trabalho!”. Oras, basta não fazer. A sugestão fica para quem está sentindo necessidade nesse momento de fazer um acompanhamento mais de perto da sua saúde, o que nem todas as pessoas têm. Para mim, a checklist basta. Acho legal o registro em períodos específicos, especialmente quando estou implementando uma rotina nova, porque isso me deixa ligada.

Eu tenho uma etiqueta chamada “Log” no Evernote que utilizo para todos os tipos de registros que faço dessa maneira, desde saúde até outros, como trabalho. Como disse, não faço sempre, mas de tempos em tempos acho interessante dar essa monitorada e também gosto de ver como era antes.

E você, faz algo parecido? Acredito que a dica tenha sido útil? Por favor, deixe um comentário. Obrigada!

Thais Godinho
08/05/2017
Veja mais sobre:
Evernote
17
Kit caseiro de primeiros socorros
Como organizar: Remédios
Por onde começar quando está tudo um caos?

 

  1. Bárbara 08/05/2017

    Olá Thais
    O assunto é off topic, então não precisa aceitar o comentário.

    Li seus dois livros e gostaria de dizer que fiquei um pouco decepcionada. Boa parte do conteúdo no 2º livro é retirado do 1º livro. Podia, então, ter algum aviso, aí a pessoa de repente nem compra o 2º livro.
    Além disso, tem trechos inteiros retirados do blog, como a parte que fala que homem não deve ajudar, mas dividir as tarefas (assunto bastante pertinente, aliás). Mas então deveria ter algum aviso sobre isso também, que o livro contém trechos do blog. Ou você avisasse que o livro é um grande resumo do que tem no blog.
    O que eu quero dizer é que esperava por conteúdo novo, e não foi bem o que encontrei.

    De todo modo, gostei das dicas.
    E agradeço pelo conteúdo do blog, que você nos proporciona.
    Um abraço!

    Bárbara

    • Thais Godinho respondeu Bárbara 08/05/2017

      Oi Bárbara, tudo bem?

      Obrigada pelo rico feedback.

      O conteúdo em si do Vida Organizada tem uma linha de raciocínio que vem sendo construída ao longo dos últimos quase 11 anos. É natural que esse conteúdo seja trabalhado em diversos formatos.

      Os livros não possuem cópias dos textos. Abordo sim os mesmos assuntos (não poderia ser diferente), mas o conteúdo foi inteiramente reescrito e adaptado ao formato livro.

      O livro “Casa” aborda com mais profundidade algo que só foi pincelado no livro “Vida”. A ideia é ter um livro com foco apenas em casa, e não em objetivos de vida, trabalho e outros setores de uma vida organizada.

      Agradeço demais que você tenha tirado um tempinho para me escrever isso, e sinto muito por você ter se decepcionado.

      Beijo.

      • Bárbara respondeu Thais Godinho 10/05/2017

        Oi Thais
        Obrigada por responder meu comentário.
        Mas vou ter que discordar de você.

        No livro Casa, na pg 25, o texto que fala das mulheres é praticamente uma cópia do blog, do post de conceito de mulher multi tarefa, incluindo a lista de “pare de…”.
        No início do livro, pg 16, você fala sobre Martha Stewart e o “dá trabalho”. O texto, novamente, é o mesmo do blog, de 2012.
        Pg 55, dicas de como destralhar todos os dias, idêntico ao post de 2012.
        Pg 58, desculpas para não destralhar, post de 2012.
        Pg 62, tralha emocional, post de 2011.

        No livro Vida, pg 194, sobre a tralha da escrivaninha, os 4 itens exatamente como no blog.

        Por isso minha decepção. Esperava conteúdo novo.
        Desculpe qualquer coisa.
        Um abraço

        • Thais Godinho respondeu Bárbara 10/05/2017

          Oi Bárbara,

          Não se preocupe, você não discorda. O texto todo foi trabalhado e reescrito, e certamente alguns trechos que achei bem escritos (e que não precisavam ser reescritos) foram mantidos.

          A proposta da editora é trazer o conteúdo em outro formato, em um todo coerente. O processo de produção de um livro é trabalhoso e leva bastante tempo (anos), e tenho uma preocupação muito grande em manter a coerência da metodologia de organização do Vida Organizada, o que pode sim demandar trazer um ou outro texto já publicados no blog.

          Agradeço por ter adquirido os livros e ter ajudado o blog a continuar com seu conteúdo gratuito.

          Obrigada.

          • Bárbara respondeu Thais Godinho 10/05/2017

            Obrigada você. O conteúdo aqui é riquíssimo e ajuda demais as pessoas.
            Muito obrigada!

            • Gabi respondeu Bárbara 11/05/2017

              Olá Barbara!

              Embora não concorde com sua colocação, tenho que dizer que vc foi muito educada e objetiva nos seus apontamentos, e isso é muito legal de ver! Seu comentário contribui pra ampliar as visões de tds, e “obriga” a gente a fazer um exercício de auto-releitura… Se os debates fossem assim, sempre fudamentados e abertos, a gente estaria num mundo mais evoluído. Obrigada de verdade por me tirar da caixinha!

              Eu acompanho a Thais há anos, e adquiri os dois livros. Sabe o que eu acho importante ressaltar? Quem tem muitas formas da gente apreender conteúdos. Tem gente que não tem condições ideiais (de tempo, de tecnologia, de cognição) para fazer uma leitura corrida/hiperlinkada do blog. E aí o “formato” livro entra pra conversar com essa pessoa.

              O oposto também acontece: tem gente que se alfabetizou num mundo de hiperlinks naturalmente não linear, e tem dificuldades com a leitura de um livro…. É a realidade de muita, muita gente. Aí o blog entra e oferta uma experiência de contato que é diferente da do livro.

              Há simililaridades nos conteúdos ( e não cópia, isso tenho que discordar, pois a Thais não copiou nada de ngm, é tudo dela mesma) porque todos eles são desenvolvidos pela Thais, escritos sob uma filosofia que vem sendo amadurecida por ela há anos (e quem acompanha a Thais sabe que ela não tem medo de mudar quando é necessário).

              Naturalmente há redundância, pq a redundância (positiva) é uma forma reconhecida de aprendizado. A gente muda o tempo todo, às vezes se deparar com um mesmo conteúdo, mas em outra época da nossa vida, dá um click que vira um ponto de virada!

              Enfim, é só uma contribuição para sua colocação 😉

              Um abraço!

              • Thais Godinho respondeu Gabi 11/05/2017

                Obrigada. <3

              • Bárbara respondeu Gabi 11/05/2017

                Oi Gabi
                Obrigada pelo feedback.
                Eu adoro o conteúdo do blog, acho o máximo a Thais fazer isso pra nós, então não tem motivo pra eu ser mal educada hehehe
                Queria apenas falar da minha decepção. E para isso não preciso brigar, né? Também acho uma pena que muitos não pensem assim, que acham que precisam “esculhambar” pra falar de algo que não gostam.

                Gostei da sua colocação sobre a diferença de formas que as pessoas acessam os conteúdos. Concordo com isso. Realmente, isso ajuda de formas diferentes.
                E quanto a cópia, obviamente ela não copiou de ninguém. O que eu quis dizer é que esperava conteúdo novo, inédito, e tem muita coisa que foi apenas retirada do blog. Pode ser que outras pessoas não se incomodem com isso, que eu seja “chata”, mas me incomodou. Só isso. Hehehe

                Em nada isso desmerece o conteúdo. Já dei os livros de presente, e estou sempre indicando os livros e o blog da Thais.
                Obrigada novamente.
                Um abraço

  2. Sybylla 08/05/2017

    No meu Control Journal eu tenho uma área destinada à saúde, onde anoto datas de consultas, o que foi conversado, datas de exames, medicamentos tomados, data de retorno, se segui às recomendações do médico, se melhorei, quando comprei remédio, quando tem que comprar de novo. Não é um lugar onde anoto uma rotina de saúde, apesar de eu ter algumas, mas é um registro sobre consultas e o que foi conversado. 🙂

  3. Thaís 08/05/2017

    Oi, xará! Hehe
    Gostei do teu post e quero saber se tu tem alguma sugestão pra controlar também os exames já feitos e os que precisam ser feitos, se isso pode ser feito também no próprio Evernote. Da mesma forma, quero saber se é possível controlar não só o próprio registro de saúde, mas os de familiares, como os pais, por exemplo.
    Muito obrigada!
    Um abraço,

    • Thais Godinho respondeu Thaís 10/05/2017

      Copiando a resposta que dei mais acima para um comentário semelhante:

      De modo geral a ideia é criar um caderno por pessoa (eu tenho um chamado “Prontuário médico – Nome”) para mim, meu marido e filho.

      O que vale questionar é se, para pessoas mais velhas, terá acessibilidade. Muitas vezes vale a pena manter um arquivo físico assim, no caso deles.

      Obrigada por comentar!

  4. Elyana 08/05/2017

    Oi Thais!
    Comecei a assinar sua newsletter recentemente e gosto bastante do conteúdo.
    Mas a formatação me incomoda bastante, pq costumo ler em meu celular é as letras ficam muito pequenas.
    Será que tem alguma forma de melhorar isso?
    Grata.

    • Thais Godinho respondeu Elyana 10/05/2017

      Obrigada, Elyana. Como o serviço de newsletter é terceirizado e não permite customização, não sei o que pode ser feito. Vou pesquisar.

  5. Sandra Regina Alves 10/05/2017

    Thais, bom dia.
    Você ja fez algum post de como organizar e ter acesso fácil a informações de saúde, tais como idas ao médico, resultados de exames, medicação receitada?
    Gostaria de manter no evernote, mas ainda estou me familiarizando com ele e não sei como fazer.
    Minha idéia é ter esse controle para meus medicos e dos meus filhos.
    Agradeço desde já pela sua atenção.
    Amo seu trabalho.
    Beijos.
    Sandra Alves.

    • Thais Godinho respondeu Sandra Regina Alves 10/05/2017

      De modo geral a ideia é criar um caderno por pessoa (eu tenho um chamado “Prontuário médico – Nome”) para mim, meu marido e filho.

      O que vale questionar é se, para pessoas mais velhas, terá acessibilidade. Muitas vezes vale a pena manter um arquivo físico assim, no caso deles.

      Obrigada por comentar!

      • Sandra Regina Alves respondeu Thais Godinho 10/05/2017

        No meu caso, já tentei um arquivo fisico e não funciona muito, porque diversas vezes preciso da informação e ela esta no arquivo no meu escritorio ou em casa. Por isso creio que o Evernote vai ser uma boa ferramenta.
        E não tenho pessoas mais velhas, sou eu e meus filhos pequenos.
        Crio um caderno e dentro deles etiquetas com a especialidade médica … você acredita que esse é o melhor caminho ou tem alguma outra sugestão?
        Beijos.

        • Thais Godinho respondeu Sandra Regina Alves 10/05/2017

          Acredito que para VOCÊ funcione bem ter as infos no Evernote. Eu faço assim também. Mas o que gostaria de sugerir é que, de alguma maneira, outras pessoas também possam ter acesso a esse material. Por exemplo, se você passar e só você tiver acesso ao Evernote, essas informações poderão não ser úteis.

          Pode valer a pena manter tudo duplicado.