ou

“Qual seu resultado desejado?”

Foi o que perguntei a um participante de um curso de GTD que estava ministrando. “Passar mais tempo com o meu filho”, ele respondeu.

“Mais tempo quanto? 15 minutos”, provoquei.

“Na verdade não”, ele continuou. “Trabalho tanto que, quando chego de noite em casa, ele já está dormindo. Saio tão cedo que ele ainda não acordou. Aos finais de semana, acabamos tendo tantos eventos como visitar os avós, ir ao mercado, ir ao cabeleleiro… que eu não consigo ter, semana a semana, tempo para fazer nada com ele, ou jogar bola, ir ao cinema… E isso me deixa com um sentimento de derrota que nem consigo descrever. Vejo a minha vida passando, o meu filho crescendo, e eu não faço parte disso. O que eu realmente queria era chegar mais cedo em casa durante a semana e, aos finais de semana, fazer pelo menos um passeio só com ele.”

“E o que você precisa fazer para ter mais tempo durante a semana?”

“Me organizar. Terminar tudo o que eu preciso fazer no dia antes das 18 horas e, quando der meu horário, ir embora. E só vou conseguir isso se estiver tranquilo, se as prioridades estiverem claras, se eu tiver clareza do que pode ser feito apenas no dia seguinte. E, para o fim de semana, vou conversar com a minha esposa para vermos como organizar nossas atividades de maneira melhor também.”

“Então você já tem duas ações bem específicas. Uma é conversar com a sua esposa sobre os finais de semana, e a outra é estabelecer um horário para sair do trabalho durante a semana.”

“Você falando assim parece fácil.”

“Não é para ser difícil. As prioridades na sua vida já estão claras. Você só precisa se permitir vivê-las.”

Sempre que nos vemos em uma situação que nos incomoda, ou que não nos atende, ou nos insatisfaz de qualquer maneira, pode ser útil refletir um pouco sobre qual o resultado desejado para aquilo. Nossa vida é uma construção que fazemos todos os dias. Hoje eu coloco algumas pedras aqui, a argamassa ali. Amanhã posso querer destruir uma parte para executá-la de maneira melhor, ou porque preciso investir os recursos do outro lado. Mas refletir sobre o que precisa ser feito, o que eu quero que aconteça, é parte essencial dessa jornada.

Uma saúde instável, a alimentação negligenciada, o pouco tempo para os filhos, o estresse, os prazos em atraso – tudo isso são os frutos que geramos diariamente, semanalmente, mensalmente… Se queremos frutos diferentes, precisamos começar a plantar sementes diferentes. E essas sementes precisam ser regadas, cuidadas… para que germinem e, em algum tempo, gerem os resultados que você queira colher em determinado momento da sua vida.

Ninguém planta uma semente e tem uma árvore no dia seguinte. O mesmo vale para a sua vida, todos os seus projetos, iniciativas, habilidades – sua organização de maneira geral. Uma frase que você fala hoje para uma pessoa no trabalho está plantando algo nesse seu relacionamento com ela. E assim acontece com todas as coisas. Por isso hábitos são importantes. Hábitos são a rega diária.

Se você tem pouco tempo para os seus filhos, como no exemplo acima, pergunte-se quais são as pequenas sementes que vêm plantando. Porque você já deve ter percebido que uma área da vida influencia na outra. Está tudo integrado. O que você planta aqui, você colhe não apenas aqui, mas ali, lá e em outros lugares. Você pode plantar sementes para ser bem sucedido no trabalho, mas que outros frutos você está colhendo disso? O segredo aqui é estar consciente e tranquilo sobre as sementes que você vem plantando.

E é aos poucos, dia a dia, semente a semente, que você vai construindo o estilo de vida que quer ter, o projeto que quer concluir, a educação do seu filho, os seus relacionamentos, o seu condicionamento físico, ou até mesmo um hobby que você tenha ou gostaria de ter.

A fertilidade é um privilégio, e ela se expressa em todas as coisas.

Seja bem-vindo, maio.

Thais Godinho
01/05/2017
Veja mais sobre:
Carta da editora
20
Linkagem: Dia da Mulher
Achados do Mês – Maio 2016
Linkagem de domingo

 

  1. Kesia 01/05/2017

    É, moço, mas não demora muito, porque o crescimento do seu filho não espera. Seja um pouco radical com sua mudança.

  2. Daniela 01/05/2017

    Lindo, leve e comovente texto!! Obrigada por compartilhar : )

  3. Nayara 01/05/2017

    Mais um post-inspiração! Adorei a associação com o ato de semear, plantar e colher, aos poucos. É isso aí!

  4. Fran 01/05/2017

    Ei, Thaís; Com esse post senti-me à vontade de expor as minhas angústias atuais. Estou no mestrado, tenho que defender minha dissertação nos próximos quatro meses e concluí-la nos próximos três meses. Foco até então nunca havia sido um problema em minha vida, porém agora me vejo procrastinando dia a dia a escrita do meu texto e sofrido ao mesmo tempo com o apertar dos prazos. Acesso seu blog diariamente e busco soluções através dele para vencer esse desafio. Tenho a compreensão desenvolvida por você aqui de que o desenrolar da vida, depende muito das sementes que plantamos, mas sabe quando você sabe o que deve fazer (como o cara desse post acima), mas a inércia te invade e você não consegue fazer nada à respeito e não consegue fazer o que deve ser feito?

    • Carol respondeu Fran 02/05/2017

      Oi Fran! Não sou a Thais, mas me identifiquei com o q vc está passando, pois me ocorreu exatamente a mesma coisa no mestrado, e não somente comigo, mas com vários dos meus amigos. Antes nenhum de nós tinha problemas, mas na pós começamos a procrastinar e a ansiedade só fazia crescer. No meu caso acho que sempre batia uma insegurança, uma sensação de que eu não era boa o suficiente pra escrever algo que considerava sério. E aí eu sempre adiava. Consegui terminar a tempo, mas foi sofrido e hoje penso que poderia ter sido uma experiência bem mais agradável pra mim. Talvez, se vc tentar dividir o que precisa escrever em partes menores, o que faz o desafio parecer menor, funcione! No meu caso, estou tentando me cobrar menos e curtir estudar, como eu fazia antes! Boa sorte e boa escrita!

      • Fran respondeu Carol 03/05/2017

        Ah, Carol; Muitíssimo obrigada mesmo pelo seu retorno! No mestrado definitivamente precisamos falar e ouvir as experiências dos outros, caso contrário, ficamos meios crazy, doida mesmo (rsrsrs). Ao ler sua experiência eu fico mais tranquila, pois o que estou sentindo e passando nesse momento vejo ser comum ou partilhável. Sério, suas palavras muito me ajudam. Eu já lancei mão de muitas estratégias para buscar acabar com a procrastinação e ainda não obtive muito sucesso, mas vou seguir seu conselho e dividir esse grande projeto que é a dissertação em subprojetos bem pequeninos a fim de não “usar desculpas” e fazer o que deve ser feito. Gratidão por seu grande incentivo. Grande abraço. Nos próximos três/quatro meses terei notícias boas para contar: assim será!

  5. Paula Schiavo 01/05/2017

    Obra de arte esse texto, Thais! Obrigada!

  6. Ingrid Vitória 02/05/2017

    Thaís, eu te quero como minha mentora <3 Li seu livro várias vezes e quero muuuito investir em um curso contigo! Por favor vem pra cidade de Novo Hamburgo na região do Vale dos Sinos no Rio Grande do Sul, por favor! Te suploro hahaha

  7. Patty 02/05/2017

    Que lindo… e ótimo texto ♥
    #BemVindoMaio

  8. Lindo texto!
    Continue a irrigar seus leitores, Thais! As semente que vêm plantando já estão dando bons frutos!
    Obrigado!

  9. Kesia 02/05/2017

    Fran, o GTD me ajuda na Pós. Eu anoto na aula, reviso no ônibus e distribuo em casa. Tenho no Todoist escrito “Pós”, dentro um projeto pra cada professor e o que mais eu achar necessário como “Monografia”. Assim, boto no calendário o que for prazo e, toda idéia incubo ali. Hoje mesmo, pretendo sentar e por minhas anotações no Word pra remanejar as idéias e assim, começar a desenvolver de forma melhor. Respira e vai passo a passo.

    • Fran respondeu Kesia 03/05/2017

      Ei, Kesia; Agradeço demais por compartilhar comigo sua experiência na pós. Muito valiosas suas considerações, quando ouço você já fico matutando alternativas para responder as questões da minha própria vida e do mestrado, especificamente. Exatamente isso que preciso: seguir dando um passo de cada vez, degrau por degrau até alcançar o meu objetivo de ser mestre. Grande abraço e gratidão!!! Terei notícias boas em breve, creio nisso!

  10. Paulo Roberto 02/05/2017

    Thais, grato por mais esse post inspirador, a imagem do plantio e da colheita clareou um bocado de coisas prá mim

  11. […] E é aos poucos, dia a dia, semente a semente, que você vai construindo o estilo de vida que quer ter, o projeto que quer concluir, a educação do seu filho, os seus relacionamentos, o seu condicionamento físico, ou até mesmo um hobby que você tenha ou gostaria de ter. (Os frutos que geramos) […]

  12. Mônica 03/05/2017

    Melhor post do ano!!!! Tudo é questão de prioridades. Beijão

  13. […] editorial do mês de maio fala sobre os frutos que nós geramos. Quando paro para pensar nas diversas áreas da nossa vida, […]

  14. Alexandre Paravani 04/05/2017

    Vendo esta pessoa, descrever seu dia, parecia que eu o estava fazendo.

    Tenho evoluído muito, na organização, mas em relação ao horário de trabalho, sinto a mesma coisa.

    Me atolo tanto no trabalho, que minha casa se tornou extensão do escritório.

    Preciso é vou.mudar.

  15. Alessandra Emerick 04/05/2017

    Olá Thaís, seu texto é de total importância para que as pessoas de fato possam entender o quão é maravilhoso fazermos terapia, cuidar da alma. Entendo que somos um ser trino, cuidamos muito do corpo e do espírito (nem todos), mas na grande maioria esquece de cuidar da alma. Há alguns anos identifiquei uma dificuldade em meus relacionamentos amorosos e me sugeriram fazer terapia. Confesso que tinha uma resistência em “gastar dinheiro” com isso, mas como estava muito mal, decidi ir. Foi curador entender o porquê de buscar relacionamentos daquele tipo e de certa forma me sabotar na busca de um realcionamento saudável. Portanto, não era gastar dinheiro e sim investir em mim mesma. De lá para cá fui buscando mais esse universo e hoje sou estudante de Psicologia, me especializando em terapia sistêmica. Decidi utilizar essa ferramenta fantástica para ajudar outras pessoas a se conhecerem e terem uma ótica diferente delas mesmas. Embora saiba que não é mágica, entendo que é uma ferramenta de grande ajuda. Parabéns pelo post.
    Bjs com carinho,
    Alessandra Emerick

  16. Ana Paula Torres 05/05/2017

    Que saudades do Vida Organizada! Fazia tempo que não lia.
    O site tá lindo! Parabéns!

    Amei o texto! Foi bom para relembrar que é no dia-a-dia que construímos nosso castelo! 🙂

  17. […] ♥ Os frutos que nós geramos […]