ou

“Qual seu resultado desejado?”

Foi o que perguntei a um participante de um curso de GTD que estava ministrando. “Passar mais tempo com o meu filho”, ele respondeu.

“Mais tempo quanto? 15 minutos”, provoquei.

“Na verdade não”, ele continuou. “Trabalho tanto que, quando chego de noite em casa, ele já está dormindo. Saio tão cedo que ele ainda não acordou. Aos finais de semana, acabamos tendo tantos eventos como visitar os avós, ir ao mercado, ir ao cabeleleiro… que eu não consigo ter, semana a semana, tempo para fazer nada com ele, ou jogar bola, ir ao cinema… E isso me deixa com um sentimento de derrota que nem consigo descrever. Vejo a minha vida passando, o meu filho crescendo, e eu não faço parte disso. O que eu realmente queria era chegar mais cedo em casa durante a semana e, aos finais de semana, fazer pelo menos um passeio só com ele.”

“E o que você precisa fazer para ter mais tempo durante a semana?”

“Me organizar. Terminar tudo o que eu preciso fazer no dia antes das 18 horas e, quando der meu horário, ir embora. E só vou conseguir isso se estiver tranquilo, se as prioridades estiverem claras, se eu tiver clareza do que pode ser feito apenas no dia seguinte. E, para o fim de semana, vou conversar com a minha esposa para vermos como organizar nossas atividades de maneira melhor também.”

“Então você já tem duas ações bem específicas. Uma é conversar com a sua esposa sobre os finais de semana, e a outra é estabelecer um horário para sair do trabalho durante a semana.”

“Você falando assim parece fácil.”

“Não é para ser difícil. As prioridades na sua vida já estão claras. Você só precisa se permitir vivê-las.”

Sempre que nos vemos em uma situação que nos incomoda, ou que não nos atende, ou nos insatisfaz de qualquer maneira, pode ser útil refletir um pouco sobre qual o resultado desejado para aquilo. Nossa vida é uma construção que fazemos todos os dias. Hoje eu coloco algumas pedras aqui, a argamassa ali. Amanhã posso querer destruir uma parte para executá-la de maneira melhor, ou porque preciso investir os recursos do outro lado. Mas refletir sobre o que precisa ser feito, o que eu quero que aconteça, é parte essencial dessa jornada.

Uma saúde instável, a alimentação negligenciada, o pouco tempo para os filhos, o estresse, os prazos em atraso – tudo isso são os frutos que geramos diariamente, semanalmente, mensalmente… Se queremos frutos diferentes, precisamos começar a plantar sementes diferentes. E essas sementes precisam ser regadas, cuidadas… para que germinem e, em algum tempo, gerem os resultados que você queira colher em determinado momento da sua vida.

Ninguém planta uma semente e tem uma árvore no dia seguinte. O mesmo vale para a sua vida, todos os seus projetos, iniciativas, habilidades – sua organização de maneira geral. Uma frase que você fala hoje para uma pessoa no trabalho está plantando algo nesse seu relacionamento com ela. E assim acontece com todas as coisas. Por isso hábitos são importantes. Hábitos são a rega diária.

Se você tem pouco tempo para os seus filhos, como no exemplo acima, pergunte-se quais são as pequenas sementes que vêm plantando. Porque você já deve ter percebido que uma área da vida influencia na outra. Está tudo integrado. O que você planta aqui, você colhe não apenas aqui, mas ali, lá e em outros lugares. Você pode plantar sementes para ser bem sucedido no trabalho, mas que outros frutos você está colhendo disso? O segredo aqui é estar consciente e tranquilo sobre as sementes que você vem plantando.

E é aos poucos, dia a dia, semente a semente, que você vai construindo o estilo de vida que quer ter, o projeto que quer concluir, a educação do seu filho, os seus relacionamentos, o seu condicionamento físico, ou até mesmo um hobby que você tenha ou gostaria de ter.

A fertilidade é um privilégio, e ela se expressa em todas as coisas.

Seja bem-vindo, maio.

Thais Godinho
01/05/2017
Veja mais sobre:
Carta da editora
20
Achados do Mês – Julho 2016
Linkagem de domingo {11}
Checklist de agosto