ou

Nunca se falou tanto sobre depressão entre adolescentes. E nunca se destilou tanto preconceito e circularam informações equivocadas sobre o que tem de fato acontecido com as pessoas. Eu quis escrever este post porque acredito que organização tenha a ver com engajamento e, uma vez que você se preocupe com seus filhos (ou outras pessoas que estejam passando por isso), é importante organizar como você vai lidar com isso.

Se você não conhece nenhum dos termos citados no título desse post, recomendo jogar no Google antes de continuar a leitura. Não me atrevo a explicar detalhadamente do que se trata, mesmo porque não tenho formação em psiquiatria para falar a respeito. Mas quero passar um pouco da minha opinião e experiência.

Em primeiro lugar, dizendo que depressão não é uma brincadeira. É uma doença. E que tampouco é modismo – nosso mundo está cada vez mais doente e isso tem impactado cada vez mais as pessoas, então por isso o aumento considerável de casos de alguns tempos para cá. Some tudo isso ao fato de termos pais e mães com cada vez menos tempo, e teremos filhos tristes. Seres humanos tristes que depois crescem e continuam nessa mesma condição, mesmo aqueles que têm a oportunidade de fazer algum tipo de tratamento.

Este post não traz respostas. Traz apenas sugestões.

Se você tiver dúvidas sobre o assunto, ou se tiver filhos, ou se tiver alguém sua sua família ou círculo de amigos que esteja passando por um quadro de depressão, e se você quiser ajudar, busque informações. Leia a respeito, converse com um psiquiatra ou psicólogo para perguntar como pode ajudar efetivamente.

A depressão é uma doença que não vai embora. Ela pode ser domada. Mas, quando não está controlada, ela engole a pessoa, que não consegue ver saída para nada. Se você estiver bem, você pode ajudar.

Algumas coisas práticas que eu tenho feito por aqui:

  • Comecei a fazer um trabalho de terapia para me entender melhor como ser humano e, nas sessões, faço perguntas sobre como ajudar, pois me preocupo. E recomendo a todas as pessoas que tenham condições que façam terapia. Todos ao seu redor se beneficiam.
  • Estou lendo um livro fantástico sobre o assunto chamado O Demônio do Meio-Dia.
  • Demonstro carinho sempre que possível para aqueles que não convivo diariamente.
  • Incentivo a pessoa a sempre procurar ajuda.
  • Procuro conscientizar as pessoas ao redor que tenham uma ideia equivocada sobre depressão.
  • Converso com o filhote para que ele entenda quando alguém não está legal e o que é isso.
  • Procuro ser uma pessoa melhor a cada dia para poder ajudar quem precisa de mim bem.

Você tem alguma experiência a compartilhar sobre o assunto? Deixe um comentário. Seria muito rico trocar ideias.

Thais Godinho
26/04/2017
Veja mais sobre:
Depressão
15
Inspiração do dia: estante de livros para os filhos
Como decorar o quarto do bebê
Mais 7 dicas de organização para mães