ou

Semana passada acordei com esse tema na cabeça e decidi que ele seria o post para abrir o mês de abril. É outono, minha estação preferida e, apesar de ser uma época de recolhimento da natureza, é quando me sinto mais viva. Quando começa a chegar a época de frio (ou menos calor), eu tenho mais disposição, acordo mais cedo, quero fazer mais coisas.

Um dia desses, levantando muito cedo, no frio, com chuva, depois de dormir até menos horas do que costumo dormir, mas acordando naturalmente e com muita vontade de acordar e começar o dia, pensei que seria uma boa escrever sobre esse sentimento.

Sabe, ele é raro. Acho que pra todo mundo. Eu, pelo menos, adoro dormir. Mas então eu percebi, nos últimos anos, que acordar cedo, sem despertador, tem um gatilho. E, no meu caso, é o gatilho dos sonhos que eu estou correndo atrás. “Ai Thais, que piegas esse texto, já vi tudo…” – tentarei fazer com que não seja, juro!

Gosto de falar que sonho organizado vira objetivo. E eu tenho me sentido bastante focada e engajada com a minha vida como um todo, em um estado que nunca senti tanto e com tanta constância. Se é isso o que o David chama de mente como água, estou chegando lá. E tenho tornado esses dias menos raros e mais frequentes.

Ultimamente tenho ido dormir com um propósito e acordado com uma motivação diferente. Algumas coisas que tenho feito que têm influenciado demais no meu estado de espírito, para o bem:

  1. Primeiro, escolher um tema agradável e que me inspire para eu ficar pensando enquanto estou adormecendo. Pode ser qualquer coisa que não deixe minha mente a mil e gerando demandas. Geralmente penso, por exemplo, eu um dia feliz que tive com a minha família – relembrando em detalhes. Ou com alguém da minha família, no passado recente ou anos atrás. Ou mesmo a consolidação de projetos que estejam em andamento – me imaginando no resultado, sendo feliz e vendo o impacto deles no final. Tudo isso são cenários que crio dentro da minha cabeça e me fazem dormir inspirada e ter sonhos bons.
  2. Segundo, que me permito ir dormir em um horário adequado. Não vou mentir – às vezes estou inspirada à noite 9especialmente escrevendo) e gosto de ir dormir mais tarde. Mas, na maior parte dos dias, gosto de ir para a cama em um horário razoável, que me permita dormir minhas sete horas e meia diárias bem. Isso significa deitar na cama pelo menos nove horas antes do meu primeiro compromisso ou da hora que pretendo acordar, pois demoro um tempo para dormir e gosto de dormir com a tranquilidade de que acordarei depois de ter dormido o suficiente, mas sem ser muito tarde.
  3. Terceiro, é me programar para fazer algo realmente inspirador e significativo quando acordar. Algo que vai mover algum projeto ou objetivo importante adiante. Minha nossa, eu acordo motivadíssima. Sei que o clima influencia no meu humor, mas ter algo que eu realmente queira fazer pela manhã me anima muito. E me dá grande satisfação pessoal ter concluído isso antes da metade da manhã. Eu me sinto como se já tivesse começado o dia adiantada com relação ao resto do mundo ou, mais do que isso, ao meu eu que poderia ainda estar dormindo. Fico muito feliz.

Por isso, um roteiro dos meus dias tem sido mais ou menos assim:

Acordar, meditar, preparar um café ou chá, olhar o tickler, colocar meu fone de ouvido, ouvir uma música calma no Spotify e ler o NY Times (geralmente as partes de cultura, viagem e bem-estar). Fico muito bem quando faço isso. É uma espécie de ritual que já tenho há algum tempo.

Trabalhar na coisa mais significativa possível para aquele dia. De preferência terminando até o meio da manhã. Vejam, eu não abro e-mail, respondo mensagem, me estresso com nada disso. Foco em coisas maiores antes.

Trabalhar nos prazos que estão na minha agenda do Google (com exceção dos compromissos que correm ao longo do dia) antes do almoço. Sei que o que está lá deve ser feito no dia, e geralmente são coisas mais rápidas, como vencimento de contas ou outras parecidas. Finalizar o que está ali me deixa com uma sensação ótima de dever cumprido.

Esclarecer meus e-mails antes de parar para almoçar. Esvazio minha caixa de entrada diariamente, a não ser quando passo o dia inteiro em eventos externos. Aí deixo uma resposta automática e esvazio a caixa assim que estiver de volta.

Almoçar com o meu filho. Esse intervalo que faço serve para recarregar as minhas energias.

Fazer uma pausa razoável para o almoço, geralmente de uma hora e meia. Aproveito para ver alguma série de tv, ler uma revista ou simplesmente ficar deitada descansando a mente. Faz muita diferença mas, se eu estiver bem disposta, prefiro voltar a trabalhar mais cedo.

Na parte da tarde, realizar as tarefas de rotina. Geralmente depois do almoço eu demoro para retomar o ritmo e respeito isso. Aproveito para cuidar das finanças, responder mensagens e outras ações relacionadas.

Antes do fim do dia, trabalhar nos prazos do Todoist relacionados ao computador. Ou seja, procuro focar no trabalho online nesse período para poder desligar o computador com tranquilidade no início da noite.

Esclarecer minha caixa de entrada física antes de o dia acabar. Ter uma visão geral dos próximos três dias. Terminar o dia com a caixa de entrada vazia e os próximos dias em vista são duas coisas que me dão bastante clareza e controle sobre a situação.

Responder alguns últimos e-mails antes de encerrar meu expediente.

Passear com os cachorros ou ir caminhar. Alterno entre esse horário e depois do almoço.

Fazer a rotina noturna com o filhote, que inclui conversar sobre a escola, dar banho, jantar, ficar junto.

Aproveitar a noite para alguma leitura ou estudo leve, sem dispositivos eletrônicos. Leio livros relacionados ao trabalho, estudo minhas apostilas de cursos, faço mapas mentais, planejamentos, tudo no papel. É um pouco terapêutico. Muitas vezes, fico ao lado do meu filho enquanto ele lê também antes de dormir.

Fazer minha rotina noturna básica: conferir a previsão do tempo, separar a roupa para amanhã, escovar os dentes etc. Especialmente quando trabalho em casa, percebi que faz muita diferença já deixar a roupa que vou usar separada.

Estar na cama em um horário razoável para ler algum livro de ficção leve (estou relendo o Senhor dos Anéis) antes de dormir.

Dividir meu dia dessa maneira (manhã de compromisso, tarde de rotina e noite offline) tem sido muito bom. Não cumpro 100% das vezes, mas é um guia que procuro seguir todos os dias e, quando consigo, é muito bom.

O que me tira da cama é essa vontade mesmo de aproveitar o dia, porque o que posso escolher fazer está claro e definido. Reviso sempre o que precisa ser feito e recalibro minha vida constantemente.

Organização traz liberdade.

Thais Godinho
01/04/2017
Veja mais sobre:
Carta da editora
23
Mês organizado
Você tem alguma dica de organização? Compartilhe!
Achados do Mês – Junho 2016

 

  1. Ju 02/04/2017

    E só queria ver o domingo passar devagar…
    Geralmente fico angustiada, tenho tanto o que fazer…estou sempre cansada na segunda 😩

  2. Misleine 02/04/2017

    Thaís, bom dia. Estou sempre aprendendo com você. E gosto muito quando você coloca sua rotina pessoal. Essa sua forma de se motivar para acordar bem me fez bem só de ler. Vou tentar plagiar! Fique com Deus.

  3. Gabriela 02/04/2017

    WhatsApp entra na sua rotina? Vejo que é algo que rouba muito o meu tempo! Desde que acordo!….

    • Thais Godinho respondeu Gabriela 02/04/2017

      Acesso só nos intervalos. Trato como trato os e-mails e outras caixas de recebimento de mensagens.

  4. Caroline 02/04/2017

    Que texto inspirador Thais!!! Obrigada por nos ajudar a ter motivação!

  5. Bel Godinho 02/04/2017

    Quando eu usava o rádio relógio para acordar eu sempre despertava 5 minutos antes. O rádio relógio pifou e todo dia acordo certinho as 6 da manhã…sem despertador….rsrsrs

  6. Cleiane 02/04/2017

    Oi Thais! Ja te acompanho ha algum tempo e amo teus posts. Estou iniciante no gtd mas ja me ajuda muito em deixar a mente livre. Sou mae de primeira viagem e vou voktar a trabalhar em breve. A pergunta: quando seu filho era pequeno vc conseguia ter toda essa organização na casa e no trabalho? Ja estou ansiosa de nao conseguir conciliar tudo.

    • Thais Godinho respondeu Cleiane 03/04/2017

      Não, era diferente. A grande habilidade que o GTD nos proporciona é justamente essa de recalibrar tudo à medida que a vida muda.

  7. Ana luiza 03/04/2017

    Thais, amo seus textos e adorei a sua rotina, mas, como fica as tarefas domésticas?

    • Thais Godinho respondeu Ana luiza 03/04/2017

      Mas quem disse que atividades significativas, de rotina ou offline não incluem as tarefas domésticas?

  8. Ana luiza 03/04/2017

    Entendi Thais, obrigada por responder!!!
    É que lendo sua rotina, parece td muito leve e apesar de gostar das atividades domésticas e ter um cronograma para elas (acompanho seus textos a muito tempo,rs ), mesmo assim, acho que me tomam um tempo imenso. Gostaria de olhar para minha rotina com mais leveza tbm!!!

    • Thais Godinho respondeu Ana luiza 03/04/2017

      Eu respondi em formato de provocação para levantar uma questão importante, que é: as pessoas não encaram as tarefas domésticas como parte do seu trabalho, mas sim como algo separado. É claro, você pode dizer, que trabalhar em casa facilita o processo, e eu digo que facilita muito. Mas eu encaro dessa maneira desde quando eu trabalhava fora de casa e, até hoje, muitos dias eu trabalho fora.A questão é que, quando a gente joga tudo no mesmo baldinho, aprende que tudo são demandas que precisam ser esclarecidas e organizadas da maneira mais adequada para tornar o nosso dia a dia mais tranquilo e com o que precisa ser feito sendo efetivamente feito, seja trocar a roupa de cama ou redigir um relatório. Obrigada por me dar a oportunidade de comentar isso, acho importante.

  9. Mariana 03/04/2017

    Post muito bom <3

  10. Ede 03/04/2017

    Sua rotina é muito legal, pena que não dá para “plagiar” como está em outro comentário. Minha agenda exige sair da cama às 5 da manhã e de casa às 5h45, sendo que nesse tempo entram várias tarefas domésticas. Se eu fosse dormir sete horas e meia, teria de ir para a cama às 9h30, ou seja, meia hora após terminar de arrumar a cozinha e teria de cancelar o Pilates que faço um esforço para manter na rotina com aulas das 21h às 22h. E tenho apenas uma hora de almoço.

    • Thais Godinho respondeu Ede 03/04/2017

      Já passei por essa rotina durante muitos anos e sei como é. Minha estrutura também era diferente. Sugiro que você personalize para desenhar o seu próprio dia ideal. Obrigada por compartilhar e, qualquer dúvida no processo, estou por aqui.

  11. MichelleZ 03/04/2017

    Thais, só passei para dizer que faz tempo que acompanho seu blog, os posts estão ainda melhores (é possível?). Não sei, eles passam o quanto você está bem, focada e feliz. Obrigada por compartilhar isso conosco.

    • Thais Godinho respondeu MichelleZ 04/04/2017

      Obrigada. <3

  12. Douglas 04/04/2017

    Olá Thais!

    Me desculpe pelo comentário que não tem haver diretamente com o post, mas queria saber sua opinião sobre a nova politica de privacidade do Spotfi. Sei que não é sua área, mas pelo seu nivel de organização deve ter procurado se informar antes de continuar com a conta.

    Abs,

  13. Cris 09/04/2017

    Thais, acompanho o VO há dois anos. Aqui ouvi falar do GTD pela primeira vez, comecei a implementar, e logo me apaixonei pelo método. Hoje, depois de muita leitura, de muitas tentativas, sinto que cheguei à melhor versão do meu sistema (até agora). Tudo está fluindo lindamente, e acordo aos domingos cedinho, empolgada para fazer minha revisão semanal. Assumi o controle da minha vida, consegui controlar minha ansiedade, e hoje sou muito mais feliz 🙂 Te desejo todo o sucesso do mundo, e espero que o seu trabalho continue fazendo a diferença na vida de muitas pessoas, como fez na minha!

    • Thais Godinho respondeu Cris 11/04/2017

      Que feliz. Obrigada por compartilhar.

  14. Cristina 26/04/2017

    Eu amo acordar , e acordo animada e com propósitos. Adorei o post, sempre inspirador. <3