ou

Propósito e princípios

Gosto de revisitar com regularidade meu Horizonte 5, que traz tudo aquilo que remete aos meus valores, minha missão pessoal, princípios e outros relacionados. Ao final de um ano, gosto de fazer essa revisão pensando assim: Será que eles se refletiram em meus projetos? Nas minhas atitudes? Na pessoas que eu quero ser? E, para o ano seguinte, eles realmente me direcionam para todo o resto. Aliás, é para isso que esse Horizonte 5 serve – direcionar quando preciso tomar decisões. E, justamente quando quero decidir como será o ano novo, não faz sentido revisitar isto aqui?

Ler a minha missão pessoal me inspira muito. Ela foi descoberta há pouco tempo, quando fiz o curso de coaching, em julho. Ler a missão do Vida Organizada me ajuda com todas as decisões que preciso tomar com relação ao meu trabalho. É a missão da minha empresa, certo? Mas, mais do que uma empresa, algo que quero no sentido de legado. É maior do que eu. A missão do VO eu descobri entre 2012 e 2013 e foi um processo muito inspirador para mim, como toda missão deve ser.

Eu também gosto de, com o tempo, registrar princípios de vida que fui descobrindo à medida que as coisas aconteciam. Esses princípios também guiam decisões. Outra coisa importante aqui são os meus valores. Tenho os meus pessoais e os do Vida Organizada. Foi um exercício muito interessante chegar a poucos valores para ambos, para reduzir àqueles que eu achava que realmente diziam tudo sobre mim. E esse é um conselho que eu gosto sempre de dar: se você pudesse escolher três ou cinco valores, quais você escolheria? Quais seriam tão intrinsicamente seus que, ao mostrá-los, você se sentiria mais exposto(a) que ao tirar suas roupas?

Toda vez que leia minha missão, meus princípios, meus valores, eu consigo sentir como isso é algo importante, que me guia mesmo. Então, começar essa revisão por eles me ajuda a definir o que vem por aí.

Visão

Visão é tudo aquilo que quero a longo prazo. A visão que eu tenho para a minha vida, seja daqui a 3, 5, 10 anos ou mais. No geral, ficar entre 3 a 5 anos já é o suficiente para a maioria das pessoas, mas o exercício pode ir além.

Aqui é onde eu vejo que realmente estou na direção certa da vida que quero ter, tanto para mim, quanto para a minha família e a minha empresa.

Uma vez fiz um exercício de visão para imaginar como seria um dia ideal de trabalho daqui a 15 anos, e ele foi tão surpreendente! Vi que não queria, em termos de atividades, coisas tão diferentes, mas a estrutura, a logística da coisa, estava mais correta para mim. Isso me ajuda no ajuste de foco. Se quero chegar lá, como posso trabalhar rumo àquilo agora?

Gosto de pensar em quantos anos eu terei, nosso filho terá, meu marido terá, daqui a 3, 5, 10 anos. Pensar em nossos parentes e amigos. Isso influencia muito no planejamento. Por exemplo: se daqui a cinco anos quero morar em outro lugar, o que posso fazer no momento para chegar a esse resultado? Isso aqui é bem interessante, pois nos permite planejar mesmo a vida, guardar dinheiro, parar de investir tempo em coisas que não têm nada a ver. Gosto de ver uma vez por ano, mas sempre que me sinto um pouco chateada e achando que as coisas não estão andando, revisito a minha Visão. E frequentemente preciso fazer ajustes, porque no dia a dia é comum a gente ir dizendo “sim” a muitas coisas.

A coerência da coisa toda é: se eu quero que isso aconteça daqui a 5 anos, o que tenho que alcançar entre 1 e 2 anos para chegar lá? E é aí que entra o horizonte abaixo, relacionado a metas e objetivos.

Metas e objetivos

O que eu quero que seja verdade na minha vida até o final de 2018? (ou seja, daqui a dois anos). Esse “prazo” é variável, e pode mudar para “janeiro 2019” assim que virar o ano para “janeiro 2017”. E a ideia não é que demorará dois anos, mas até dois anos. Pode ser antes. O que eu quero alcançar?

Por exemplo: se eu tenho um objetivo de médio a longo prazo que seja comprar um apartamento, o que quero que seja verdade com relação a isso em até 2 anos? Poderiam ser coisas como “ter 1/3 do valor do imóvel guardado para dar como entrada”. Isso é uma meta. Percebeu?

E você pode ir além aqui, não apenas explorando o horizonte acima (visão), como o horizonte abaixo (áreas de foco). Ao analisar cada área da sua vida, pergunte-se: o que eu quero que seja verdade nessa área em até 2 anos? Putz, certamente várias coisas. O gingado aqui é aprender a diferenciar o que é objetivo do que é projeto, que está em outro horizonte. No final das contas, são todos resultados desejados. Mas pensar que projetos são coisas que você conclui, e objetivos estados que você alcança, pode ajudar. Além do que, o horizonte de projetos é de até um ano.

Aqui, eu gosto de ver meus objetivos pessoais e os objetivos da minha empresa. Adoro fazer esse exercício, porque ele é uma construção. Já aconteceu (este ano, inclusive), de descobrir que eu tinha uma meta que não queria muito bem dizer em voz alta mas, uma vez que eu tenha aceitado essa minha vontade, um monte de outros objetivos caíram por terra. É bem dinâmico. Não servem para engessar, mas para te ajudar a pensar, planejar e chegar lá, fazendo as mudanças que achar necessárias.

Eu reviso os meus objetivos de curto prazo sempre que eu quiser garantir que esteja no caminho certo para conseguir o que eu quero (às vezes bate essa insegurança). Mas, em termos de tempo, geralmente a cada 3 ou 4 meses. Não é algo que fica ali, no meu dia a dia, porque no dia a dia eu olho outras coisas, especialmente relacionadas a eles, mas que efetivamente me colocam no campo da ação.

Gosto de ver os objetivos que concluí no ano que está acabando também. Este foi um ano legal, em que alcancei objetivos bacanas, como lançar meu segundo livro e tirar a minha certificação em coaching.

Os objetivos da empresa foram definitivamente sendo construídos aos poucos, com toda essa análise anterior, e culminados em uma reunião de planejamento 2017 que eu fiz com a Carol. Depois disso, ainda há o trabalho de refinamento, que é para identificar projetos. Afinal, se eu quero alcançar esse estado entre 1 a 2 anos, o que preciso concluir antes disso para chegar lá?

Áreas de foco

As áreas de foco são as áreas da nossa vida que queremos “cuidar”, garantir um padrão X de qualidade esperada. No geral, são duas abordagens: suas áreas de foco pessoal e suas áreas de foco profissional, que trazem suas responsabilidades atuais no trabalho. Como já mostrei aqui no blog, gosto de gerenciá-las através de mapas mentais, especialmente porque acho que o conceito de “mapa” aqui se encaixa perfeitamente. Elas são como um mapa da minha vida.

Reviso minhas áreas de foco sempre que me sinto sobrecarregada ou com a necessidade de fazer mudanças – ou mesmo quando houve alguma mudança significativa (quando mudei de trabalho, por exemplo). E a pergunta-chave aqui é: essa área está com o padrão de qualidade que eu gostaria que ela estivesse? Se não, o que precisa acontecer? Fatalmente, isso me mostrará projetos. E é simples assim.

Para o ano novo, uma abordagem de revisão legal é fazer a mesma pergunta com foco diferente: essa área está com o padrão de qualidade que eu gostaria que ela estivesse nesse ano novo? Se não, eu aguentaria passar mais um ano inteiro desse jeito? Então, o que preciso fazer? E lá vêm projetos.

Claro que nem todos os projetos precisam ser colocados em andamento imediatamente. Isso a gente vai ver a seguir.

Projetos

Os projetos são coisas muito mais no nível tático da coisa que no nível estratégico. De maneira geral, eles são a forma de você colocar em ação aquilo que quer alcançar. São apenas resultados que você quer concluir em até um ano (podem ser semanas…) e que, para isso, certamente haverá mais de um passo para chegar a essa conclusão. No geral, uma pessoa tem entre 30 e 100 projetos em andamento – ela só não sabe disso.

Se você efetivamente parar para pensar em tudo o que gostaria de concluir em sua vida, em todas as áreas, vai identificar muito mais do que 100 projetos. Lembre-se que projeto, para o GTD, vai desde “Implementar um novo sistema de intranet” até “Trocar os pneus do carro”. Por isso são tantos. Vai valer uma análise semanal da sua parte para definir o que deve estar em andamento e o que não deve, que irá para uma lista chamada Algum dia / talvez, que será reavaliada na semana seguinte.

Eu já gostei muito de ver toooodos os projetos que já concluí em um ano, mas hoje vejo apenas os mais significativos. Isso me deixa com um sentimento de realização muito grande, porque eu realmente faço MUITA coisa, graças ao GTD™.

Essa revisão de todos os projetos é semanal, e eu gosto de ver que muitos deles estão contribuindo para que eu alcance objetivos ou aquele padrão de qualidade que acho importante nas diversas áreas da minha vida. E muitas vezes são coisas simples, como “Reformar a cozinha”. Digo simples no sentido de que não há complexidade em definir próximas ações. É diferente de um projeto como “Definir linha de estudo a ser explorada no mestrado”, que demanda raciocínio e ações que demandam mais esforço intelectual.

Após a revisão dos objetivos, eu gosto muito de já definir os projetos imediatos. Muita coisa pode ser concluída em até um ano, mas muitas outras também podem esperar. Então essa revisão é fundamental, porque traz clareza.

Calendário e ações

O dia a dia de forma geral. Como utilizo um calendário eletrônico (agenda do Google), aniversários, vencimentos de contas e outras recorrências já estão lá listadas. O que gosto de fazer, em um ano novo, e fiz para o próximo, é repensar um pouco como gostaria de viver o meu dia a dia, de modo a não deixá-lo tão sobrecarregado.

Sabem, um dia eu pensei que seria ideal trabalhar em home-office. Isso não é algo que simplesmente acontece – eu esclareci melhor o que queria e o que deveria fazer. E hoje estou aqui, podendo reagrupar minhas atividades de acordo com esse modelo de trabalho. Por isso, quando digo que o GTD™ te coloca na cadeira do motorista da sua vida, é por isso mesmo. Ele te tira desse estado de “oh vida, oh azar”, “não tenho tempo pra nada”, “ninguém me ajuda”, para efetivamente tomar providências. E sim, já tive alunos e alunas que, ao fazerem essa análise do dia a dia, identificaram que queriam se divorciar, casar, mudar de emprego, ficar no emprego, mas em outra área. É um processo muito interessante.

Para o ano que vem, eu tomei decisões bem restritas para conseguir abrigar meu trabalho com mais tranquilidade. Isso impactou na minha agenda diretamente, e tenho achado ótimo. Comuniquei as pessoas que agendam compromissos comigo, expliquei como estou fazendo. Há perdas e ganhos, mas a sensação de estar no comando da própria vida é um ganho maior.

As ações em si são revisadas e executadas diariamente, e elas apenas refletem as próximas ações de projetos ou outros resultados. Elas são apenas a parte do “como” fazer – a operacionalização de tudo o que quero, passo a passo.

A grosso modo, a ideia é você saber que a ação que você executa hoje tem a ver com o seu propósito de vida. Que os seus projetos caminham em direção aos seus objetivos e toda essa coerência exista para te fazer aproveitar a vida de maneira melhor e mais feliz. Não é complexo – na verdade, a complexidade já existe. Sua vida já tem todos esses horizontes. O que o GTD™ faz é nos ajudar a gerenciar tudo.

Será que seu ano que vem está coerente com seus valores, princípios e propósito? O que te falta para chegar lá? Qual sua próxima ação?

Thais Godinho
25/12/2016
Veja mais sobre:
30
Aprendizados de um mês de auto-conhecimento
Guia definitivo do Vida Organizada para usar o GTD no Evernote – Parte 5 – Áreas de foco
Lançamento do novo livro do David Allen

 

  1. Marcelo 25/12/2016

    Mais um ótimo post. Você conhece/recomenda algum exercício que ajude a identificar nossos valores/propósito (horizonte 5)?

    • Thais Godinho respondeu Marcelo 25/12/2016

      No geral, só de você perguntar o “por quê” de estar fazendo qualquer coisa você já consegue chegar nessas respostas.

  2. Thaís Ruiz 25/12/2016

    Acho extremamente interessante as formas como você ilustra o GTD, o dinamismo que você utiliza seus métodos. Porém ainda sou recente aqui m sua página, e ainda não consegui compreender por um todo, como colocar em prática. Estou em um momento de minha vida da qual necessito muito de um norte para me organizar, em todos os âmbitos de vida: social, familiar, saúde, financeiro e estudos. Acabo de concluir minha graduação,e juntamente deixarei de exercer meu cargo como estagiaria em uma Superintendência de Saúde, local onde foi um grande estímulo para minha vida profissional e pessoal, visto que durante toda minha vida acadêmica me dediquei exaustivamente às funções de estudante e estagiária, no entanto, agora me sinto perdia e diante de um completo vazio, e parece que todas minhas perspectivas se foram, e já não sei mais por onde me organizar. Desculpe o desabafo, mas é que diante tantos artigos que li aqui em sua página, tenho a impressão de que de alguma forma você possa ser uma luz no fim do túnel, adoraria receber alguma indicação sua de como lidar com tantos sentimentos,caso tenha algum livro ou outros artigos, seria muito bem vindo. Obrigada!

    • Thais Godinho respondeu Thaís Ruiz 26/12/2016

      Oi Thaís, tudo bem? Aqui no blog você encontra muitos artigos sobre GTD, mas considero complementares. A melhor maneira de aprender é ir implementando uma coisa de cada vez, ou fazer um curso: http://www.calldaniel.com.br/convite-para-turmas-abertas
      Boa sorte!

    • Thiago respondeu Thaís Ruiz 03/01/2017

      Se eu puder te ajudar: se case e tenha filhos.

      • Gabi respondeu Thiago 08/01/2017

        Isso é sério, Thiago? Pq se for (de boa,ok?) vc precisa reler o texto da Thais.

      • Monique respondeu Thiago 18/07/2017

        Thiago nasceu no século errado

      • Thais Godinho respondeu Thiago 18/07/2017

        Posso estar errada, mas acredito que o que o Thiago quis dizer é que, uma vez que se tenha filhos, as prioridades mudam e ficam mais claras.

  3. Kátia 25/12/2016

    Post inspirador como todos os demais. Porém morro de saudades dos vídeos! Bjs

  4. Pati Pinheiro 26/12/2016

    Bom dia Thais, como sempre nos ajudando a evoluir. Tenho uma duvidazinha ou melhor, curiosidade de saber onde onde vc organiza, registra os itens Missão, objetivos, valores,…E no Todoist? Em uma agenda? No Excel? Muitas vezes tenho dificuldades de começar algo por não saber a ferramenta que devo usar, sei que vai me dizer q é a melhor q eu me encaixar, só q para as pessoas q são perfeccionistas situações simples assim nos impedem de iniciar as coisas e acabamos procrastinando. Principalmente qdo temos várias opções possíveis que dependem dá nossa escolha. Um exemplo prático seu, de como faz exatamente, tenho certeza q não só me ajudaria como tb a outras pessoas. conheci seu blog em 2015, qdo elegi a palavra organização como mantra para aquele ano e desde estão esse mantra se perpetua, a organização continuará em 2017 como um farol na minha vida. Conheçi o GTD atravéz de vc, e confesso q não abracei com unhas e dentes desde o início, estou indo aos poucos, deixando cair a ficha, se é q me entende, desta forma as coisas q vou implementando criam raízes e realmente as entendo de fato. Posso dizer q somente hj faço o controle de projetos e próximas ações, é fácil começar as coisas, o difícil é criar o hábito, e é isso que quero. Não quero iniciar algo por empolgação e depois de um tempo cair no esquecimento. Quero realmente entrar de cabeça no GTD, que faça parte dá minha vida. Acho q demorou um pouco para acontecer comigo, mas estou vendo resultados e isso q importa. Agora chegou o momento de me aprofundar mais, por isso a minha dúvida q escrevi no início deste monólogo, rsrs. Thaís, muito obrigada pelo bem q faz em minha vida, vc faz a diferença. Bjos no coração.

  5. Demóstene Marinho 26/12/2016

    Obrigado Thais pelo seu trabalho, tenho me beneficiado muito dele. Excelente post. Deseja a você e sua Família um 2017 maravilhoso. Espero em breve conhece-la pessoalmente em um de seus cursos. Gratidão! 🙂

  6. Rodrigo Cristiano Silva 26/12/2016

    É indescritivelmente realizador ler este post. Acompanho o blog desde 2014 e já li aqui muitos posts principalmente sobre gtd. A forma como você desenvolve a estrutura, alterna aplicativos e muda a forma de utilizar o gtd é inspirador. Ainda assim, nada é mais brilhante do que aprender como se aprende a aplicar o seu propósito de vida com esta ferramenta maravilhosa. Parabéns. Todo o sucesso do mundo em 2017 e que vc continue nos inspirando.

    • Thais Godinho respondeu Rodrigo Cristiano Silva 26/12/2016

      Obrigada <3

  7. Camilla Souza 26/12/2016

    Oi, Thais, tudo bem? Tenho uma dúvida sobre os projetos, como você organiza a realização deles? Um projeto por dia, por semana…? Tem um horário fixo pra realizar determinada ação daquele projeto? Sei de algumas coisas, mas vejo você sempre finalizando projetos com facilidade e gostaria de entender como encaixa a realização das ações de um projeto na sua agenda! Obrigada!

    • Thais Godinho respondeu Camilla Souza 03/01/2017

      Oi Camila, tudo bem?

      Os projetos não são executados – nós executamos as ações dos projetos, e essas ações podem ser tanto próximas ações quanto ações no calendário.

      Com o GTD e essa abordagem, a ideia é que você avance semanalmente em todos os seus projetos, pois está sempre aproveitando o tempo executando ações relacionadas.

      Recomendo a aplicação do método como um todo: http://vidaorganizada.com/gtd

      Obrigada por comentar!

  8. Regiane Barbosa 26/12/2016

    Percebi que estou no caminho certo. Análises são perfeitas. Conheci seu blog por outra blogueira que indicou e vou começar a ler seus livros. Deus te abençoe.

    • Thais Godinho respondeu Regiane Barbosa 27/12/2016

      Obrigada.

  9. DALVA 26/12/2016

    Thais, estou num grupo de Bullet Journal (acho q vc tb está nele!) e sempre tem alguém perguntando “como organizar o BuJo pra isso”, “como organizar o BuJo praquilo” e até fiz um post lá pq percebo q as pessoas acham q o papel ou o sistema por si só resolve algo quando, na minha opinião, o q elas precisam é do GTD para se situarem no que pretendem alcançar… Não é o BuJo q vai te ajudar; é o GTD! Tenho inserido alguns amigos nesse mundo maravilhoso de David Allen, indicando seu blog e o grupo GTD no facebook, além do livro, óbvio, e todo mundo fica “espantado” como as coisas começam a fluir depois q entendem os conceitos básicos do método. Muito obrigada por toda a sua disponibilidade e q 2017 seja um ano de mto mais sucesso e mta coisa boa na sua vida!

    • Thais Godinho respondeu DALVA 03/01/2017

      Amei, Dalva. Penso igual. Obrigada. <3

  10. Nayara 26/12/2016

    Sair do modo “oh vida, oh céus” é uma das maiores libertações que o GTD pode proporcionar! E eu já experimentei isso, graças ao seu trabalho, Thais!

    Este post está para lá de supimpa! <3

    Obrigada, obrigada!!!

    • Thais Godinho respondeu Nayara 27/12/2016

      Eu que agradeço. <3

  11. Juliana 28/12/2016

    Muito legal essa ilustração. Me fez lembrar da pirâmide dos níveis de planejamentos estratégico, tático e operacional.

  12. Luciana 29/12/2016

    Sigo seu blog desde 2011 e me sinto burra demais…
    Não entendo esse método GTD, nem consigo colocar em prática de jeito nenhum.
    Será que eu tenhoq ue ter algum conhecimento prévio de outras coisas?
    Frustração enorme comigo mesma.

  13. Rodrigo Roncolato 31/12/2016

    É de fato um desafio muito gratificante poder executar tudo isso. É fácil??? se fosse todo mundo faria… Mas assumir essa direção da própria vida, e saber o que cada coisa é interligada e essencial para a “roda girar” e evitar desgastes emocionais e profissionais isso é o mais genial de tudo. Sou mais que um amante de tudo por aqui, sou um praticante e fissurado pelo GTD a cada dia mais que passa… uso na pratica uns 2anos tem sido a melhor forma de mesmo tantas dificuldades ver a evolução como empresário… E as áreas de foco é algo muito interessante em repensarmos… os valores para mim faz total sentido.

    Mais uma vez obrigado pelo belíssimo conteúdo apresentado.
    Que venha novo ano!

  14. Douglas 02/01/2017

    Qual a diferença para você entre princípios e valores? Feliz ano novo
    😆

    • Thais Godinho respondeu Douglas 02/01/2017

      Para criar um blog, preciso usar o WordPress e me dispôr a escrever semanalmente. Isso são dois princípios para que eu possa ter um blog.

      Compaixão é o que me move a escrever e compartilhar conhecimento. Isso é um valor. 😉

  15. Ana 10/01/2017

    Uau! Acabei de ler pela segunda vez o livro GTD e esse post resume perfeitamente o sistema. Inspirador. Adorei!!!!

  16. Leandro 18/01/2017

    Interessante ver como você mesmo sendo muito organizada desde que acompanho esse site , está ficando mais clean também, mais leve. Sempre achava que tinha algo muito pesado nos sistemas que você usava e que eu não aguentaria lidar com algo do tipo. Mas achava ser uma questão pessoal, de gosto . Mas vejo que tem sido um ponto de evolução pra você , de crescimento. É bom ver isso acontecer. Tenho muito a melhorar também , tomara que me organizando melhor também consiga ver algo parecido acontecer comigo. Parabéns.