ou

Minha vida hoje em dia é muito diferente de como era há alguns anos, quando eu tinha um emprego convencional de segunda a sexta. Mesmo naquele meu último emprego, eu costumava viajar bastante, então já lidava com esse tipo de configuração, mas agora as coisas estão bastante diferentes.

Para vocês entenderem o cenário: eu tenho basicamente duas frentes de trabalho, que é o meu trabalho com o Vida Organizada, e o meu trabalho com a Call Daniel (GTD). Com o Vida Organizada, especialmente agora, em época de lançamento de livro novo, eu realizo muitos eventos – palestras, cursos, visitas a livrarias, reuniões. Com a Call Daniel, eu realizo cursos de GTD e viajo pelo Brasil. Justamente por já viajar tanto fazendo os cursos, eu procuro não viajar tanto com o Vida Organizada, que é algo que posso controlar mais.

fortaleza

Junto a tudo isso, tenho a minha casa, meu filho (hoje com seis anos) e meu marido. Eu sei que, quando nosso filho for maior, ficarei mais tranquila para viajar e ele até poderá me acompanhar, se quiser. Mas, por enquanto, não dá para eu me ausentar muito, então procuro reduzir a quantidade de viagens para tudo ficar numa boa.

Uma maneira que encontramos de passar esses anos da infância dele com menos impacto com esse lance das viagens foi morar perto dos meus sogros. Eles nos ajudam bastante com o filhote e eu também tenho duas cunhadas que apoiam e estão sempre por perto, o que me deixa super tranquila quando preciso viajar. Meu filho nem sente mais as viagens porque ele sabe que, quando a mamãe viaja, ele vai “fazer festinha” na casa das avós e com as tias.

É a situação ideal? Sabe-se lá. Cansei de buscar situações ideais na vida. Quando nos mudamos para Campinas, eu imaginei que teríamos uma vida “normal”, com trabalho de segunda a sexta, mas nunca tivemos uma rotina comum porque meu marido trabalhava aos finais de semana como músico. Eu sempre viajei muito a trabalho. Acho que, por sempre termos uma rotina dinâmica assim, nosso filho nunca teve qualquer tipo de trauma ou chateação quando isso acontecia, porque sempre fez parte da nossa rotina.

Hoje, para mim, o principal é pensar em soluções que facilitem o máximo possível essas situações do dia a dia. Se eu percebo que algo não está dando certo, já começo a pesquisar maneiras de facilitar aquela logística toda. Morar perto dos avós dele foi acertado, mas sei que é provisório. Acho que ter perspectiva ajuda bastante também.

Outra coisa que é fundamental é manter a rotina quando estamos todos em casa. Manter as regras, tudo certinho. Isso traz segurança ao nosso filho e eu aprendi lá atrás, quando ele ainda era bebê, graças à Tracy Hogg (A Encantadora de Bebês). Temos muita coisa para melhorar aqui ainda, mas estamos melhorando todos os dias, e é isso o que importa.

Penso que o principal, de tudo, seja não ter medo da mudança. A vida é dinâmica e, se algo não está legal, a gente precisa colocar as engrenagens para funcionar e mudar sem medo, sem neuras, sem esperar muito a situação se complicar ainda mais.

Claro que ser uma pessoa organizada ajuda em tudo também. Planejar a semana, organizar as viagens, ter a malinha sempre pronta com os produtos reabastecidos, colocar as roupas para lavar assim que chego e outras coisas assim facilitam demais a vida.

Ter uma equipe de suporte, do meu marido à nossa família, é fundamental. Mas quem não tem isso pode buscar alternativas. Tendo um objetivo, a gente tem que se virar para chegar lá, e cada um tem os seus.

Também ajuda deixar de perder tempo com o que não tem sentido e aproveitar ao máximo o tempo que estou em casa, com a minha família. Estar realmente presente, e não mexendo no celular enquanto estamos juntos.

Penso que todas as mulheres que tenham um trabalho assim acabem passando por essas reflexões, então postar sobre isso aqui é uma forma de registrar como tem sido essa construção para mim. Espero que de alguma maneira ajude quem estiver passando por algo parecido ou, mesmo que não esteja, inspire a se organizar mais de qualquer maneira.

Enfim, foi um resumão de dicas de organização este post, né? 🙂

Thais Godinho
11/07/2016
Veja mais sobre:
8
Seminário Crescer, mães sem tempo e famílias geek
Aplicativos para iPhone que tenho usado para me organizar
E chega agosto

 

  1. Regiane 11/07/2016

    Thaís, que delícia de post! Eu também estou muuuuito cansada de procurar soluções ideais para a minha vida. Já sei que essa história de IDEAL só existe pra fazer a gente sofrer por buscar eternamente algo que simplesmente não existe! Já entendo isso, mas ainda estou em processo de mudança…ainda estou engatinhando pra me livrar do peso que essa busca traz. Não poderia ter lido em melhor momento essas palavras. Ainda sinto medo da mudança, mas sinto que ela é necessária. O 8º parágrafo foi o que eu precisava ler agora…ele acabou sendo a resposta de uma e-mail que te enviei há um tempo e para o qual eu aguardava ansiosamente por uma resposta.
    Obrigada!
    Sejamos felizes!

  2. Tatiane 11/07/2016

    Thais, que legal que seu filho não se chateia com a sua ausência. Eu lembro que quando era criança chorava bastante quando minha mãe ia dar plantão de 72h seguidas. Rsrs :/
    Preciso dizer, mais uma vez, o quanto sou fã do seu blog! Thais, você me inspira! Que Deus abençoe você e sua família!

  3. Sofia 11/07/2016

    Olá Thaís,
    Post inspirador.
    Também tenho que me virar como dá… Viajo muito e não consigo estar muito tempo com os meus filhos. A de oito anos não sente tanto, mas o de três é mais complicado… As vezes bate a culpa de passar tão pouco tempo com eles, mas é o que dá. Quando estou, tento estar realmente presente e isso faz toda a diferença.
    Obrigada por esse Post maravilhoso.
    Bjos

  4. Letícia 12/07/2016

    Muito legal , é verdade mesmo , situações ideais não existem , amei !
    Gostei muito também quando você disse :” Penso que o principal, de tudo, seja não ter medo da mudança” , não tenho conseguido fazer isso na prática , você pode falar um pouquinho mais sobre isso? Principalmente sobre mudança de emprego? obrigada.
    Parabéns pelo trabalho e pelo talento!

    • Thais Godinho respondeu Letícia 13/07/2016

      O que me ajudou muito foi o curso de coaching. É um mindset, não tem muito jeito. Você tem que alimentar diariamente.

  5. Mariana Alauk 12/07/2016

    Olá Thais, muito legal!!! Obrigada por sempre compartilhar suas experiências conosco!!!!

    Abraços

  6. Roberta 20/07/2016

    E essa foto do curso aqui em Fortaleza…. Foi ótimo Thais. Amei!!!! E o post nem se fala, excelente.

  7. Pacotes de viagens 02/08/2016

    Realmente manter a rotina nos dias de hoje não é nada fácil, valeu pelas dicas.