ou

Muitas vezes, ao final de um curso que eu ministro ou palestra que realizo em algum evento, os leitores do blog vem conversar comigo. É sempre um momento muito bacana e eu consigo perceber algumas ideias que podem ser abordadas em formato de textos aqui no blog. Por exemplo, algo que eu ouço muito (e leio nos comentários) é: “Thais, sinceramente, eu amo o seu blog. Adoro as suas dicas – você faz parecer tão fácil… Eu já entendi como é legal ter uma vida organizada, e já sei o que isso significa. Mas eu realmente não sei como fazer. Como começar. O primeiro passo.”

Se você acompanha o Vida Organizada, lê livros e outros blogs sobre organização e sente que nada mudou, que precisa de um empurrão, este texto é para você.

A recomendação que eu costumo dar é sempre essa: em primeiro lugar, não se cobre tanto. Sua vida não ficou como está da noite para o dia e nem mudará completamente do dia para a noite. Não existe um ponto zero onde começamos a nos organizar e um ponto final onde dizemos: “ufa, agora sim sou uma pessoa organizada!”. A vida muda a todo momento. Quando nos consideramos organizados, acontece uma mudança e nos tira dos eixos novamente. Então a primeira coisa a se ter em mente é que não existe um ponto final na organização. Ela é uma habilidade para a vida.

Em segundo lugar, leia os textos do blog, todos os dias. Implemente uma coisa que achou legal e viável. Acostume-se com ela. Depois, implemente outra coisa. E assim por diante. A organização resulta da consistência – não de um extreme makeover feito em um único final de semana.

E, por mais que você leia e goste do blog (o que eu agradeço), o que vai fazer realmente diferença na sua vida é colocar a mão na massa. É ver o post sobre planejamento do dia, abrir sua agenda e começar a testar. É ler sobre menu semanal, pegar uma folha de papel e começar a montar o seu. Com erros, com acertos. É uma construção. Mas você precisa começar.

Ler os posts, fazer cursos, participar de workshops são ações maravilhosas que nos trazem conhecimento, troca de experiências e dão motivação. É ótimo participar deles. Mas o que você aprendeu no dia não pode morrer ali. Ler sobre destralhar não é a mesma coisa que pegar um saco preto de plástico na mão e ir colocando roupas e objetos dentro para doar. E, quando você fizer isso, vai entender a diferença. Também vai ver como dá vontade de continuar, de fazer mais. Aí eu volto para a questão de não se cobrar tanto. Destralhar a casa hoje por 15 minutos é melhor do que não ter dado um passo sequer no seu caminho da organização pessoal.

Navegar no Pinterest, ver aquelas ideias maravilhosas de artesanato e faça-você-mesmo, ler revistas de decoração, podem nos colocar na mente que existe um ideal a ser atingido. Não há. E eu mesma sou péssima com artesanato. Mas me chame para organizar um projeto. 🙂

Aqui no blog você encontra mais de 1800 posts – e isso porque fiz uma limpa recentemente. Ler todos os textos não é o suficiente para você transformar a sua realidade, apesar de eu saber que a mudança do estado mental e a motivação são fundamentais nesse processo. Só quero dizer que isso não é suficiente. Ler, trocar ideias, postar dúvidas no grupo no Facebook, comentar aqui, ler depoimentos – tudo isso é realmente maravilhoso. E mudar a mente muda todo o resto. Então, liberte a sua mente. Se ficou empolgada com um artigo, tente experimentar o que ele indica! Não tenha medo de fazer errado! Tente!

Como diz um velho provérbio chinês: “um bom discurso não cozinha o arroz”. A água na panela já está fervendo. Não perca a oportunidade de lidar com ela agora.

Thais Godinho
20/04/2016
Veja mais sobre:
15 minutos, Em casa, Organizar
31
Seja uma mãe organizada agora!
Sugestão de cardápio para a semana de 13 a 19 de agosto
Checklist para o Natal 2013