ou

Este post talvez tenha a ver com simplicidade voluntária. Ou não. Talvez seja sobre mente plena. Ou viver com significado. Não sei, mas quis escrever sobre algumas coisas simples que tenho feito e que têm deixado minha vida mais legal ultimamente. Só para compartilhar.

  • Conversar mais com as minhas melhores amigas, estar mais presente. Perguntar como estão, trocar ideias sobre trabalho, família. Não precisa sair para jantar, fazer nenhum evento juntas – apenas mandar uma mensagem, telefonar para conversar, encontrar para dar um abraço.
  • Estudar o Lamrim, que é o caminho budista para a iluminação dentro da NKT, escola budista que sigo. Isso me ajuda a focar nas meditações e a viver uma vida mais significativa.
  • Respeitar os ritmos do meu corpo, descansando quando me sinto cansada, não ficando acordada até tarde, não comendo coisas que sei que me fazem mal. Descansar a mente e ficar sem fazer nada quando sinto que passei o dia todo lendo, estudando, escrevendo ou trabalhando concentrada em projetos.
  • Andar a pé pelo bairro.
  • Usar checklists.
  • Dormir sempre oito horas. No máximo seis, quando acordo muito cedo (5h) para fazer algum treinamento e não consigo dormir antes das 23h, mas é exceção. Eu compenso no dia seguinte, se conseguir. A verdade é que estou tão habituada a uma rotina de acordar no mesmo horário que mesmo quando posso acordar mais tarde, meu corpo desperta no horário de costume.
  • Fazer o mundo esperar porque só eu conheço meu ritmo e não vou ficar doente por causa de nada ou ninguém.
  • Beber mais água. Ir mais ao banheiro, sem ficar segurando xixi, sabem? Sempre faço mais pausas durante um dia de trabalho.
  • Ver mais o mar. Ficar mais em contato com a natureza.
  • Viajar mais. A cada três meses, fazer uma viagem curta para desligar do mundo, desconectar, descansar.
  • Parar de discutir sobre coisas aleatórias que não fazem qualquer diferença na minha vida.
  • Deletar comentários ofensivos no meu perfil no Facebook, no blog e outros, simplesmente porque eu não sou obrigada.
  • Desapegar emocionalmente de algumas coisas. Não me achar “dona” de nada.
  • Ficar mais ao ar livre.
  • Não tirar fotos nem postar sobre momentos bons do meu dia a dia. Não preciso de exposição. Uso a Internet para divulgar o meu trabalho e não preciso provar nada para ninguém.
  • Voltar a beber café – uma xícara por dia.
  • Consumir menos, especialmente roupas. A análise de cores, os workshops com a Ana, o armário-cápsula e todo um processo rolando me deixaram mais consciente e a fim de pensar nas compras que eu faço.
  • Doar meus livros e substituir muitos deles por e-books. Ainda mantenho os que prefiro manusear em papel.
  • Focar mais naquilo que realmente precisa ser feito, uma coisa de cada vez.
  • Parar de investir tempo e energia em pessoas e iniciativas que não compensam.
  • Aceitar meu corpo como ele é e gostar muito dele assim.
Thais Godinho
11/12/2015
Veja mais sobre:
16
Minimalismo, armário-cápsula e cuidado com o desperdício
Meus projetos para outubro
O problema da lista diária de tarefas