ou

Acho que nessa época do ano todo mundo fica mais ligado em dinheiro porque recebe o décimo terceiro, está se planejando para o Ano Novo e tem também uma época de grande consumo, que é o Natal. É inevitável ver a reação da maioria das crianças com o “compra compra compra” para os presentes de Natal, então como podemos ensinar aos nossos filhos a não serem consumistas? É uma construção, claro, mas aqui vão algumas dicas para ajudar nesse processo:

  1. Para começar, dê o exemplo. De nada adianta falar para o filho que não pode gastar com um brinquedo se você vive fazendo compras ou volta do shopping cheio(a) de sacolas. Mais do que dar o exemplo, é ser coerente com o que ensina. Nada de hipocrisia dentro de casa!
  2. Seja sempre sincero(a) com seus filhos. Não tem nada de mais dizer “mamãe não tem dinheiro agora” ou “não vale a pena pagar tão caro por isso” ou até mesmo “estamos guardando dinheiro para viajarmos juntos”. Você pode ir além com “papai não pode gastar porque precisa pagar algumas dívidas” ou “não precisamos disso, melhor não gastar esse dinheiro”. As crianças entendem mais do que você imagina.
  3. Peça ajuda nas compras do mercado. Façam uma lista juntos. Peça ao seu filho para ajudar a verificar o que falta em casa e anotar na lista. Façam compras juntos e ensine-o a comparar os preços, ver o tamanho das embalagens etc. Faça das compras um jogo para eles, explicando as regras.
  4. A partir dos 6 anos (ano de entrada no Ensino Fundamental e aprendizado de conceitos básicos de matemática), comece a dar mesada. Nessa idade, separe a mesada do dinheiro usado na cantina escolar. Vale a pena dar 1 real por idade da criança por semana. Ou seja, uma criança de 6 anos ganharia 36 reais de mesada por mês, o que acaba sendo suficiente para comprar balões no shopping, um brinquedo mais barato ou guardar para comprar algo mais caro depois. A partir dos 11 anos, você pode dar a “mesada” por semana. Ensine seu filho que, para o dinheiro durar todo o mês, ele precisa aprender a distribuir os gastos. E, se quiser algo mais caro, precisa guardar uma parte.
  5. Doe brinquedos, livros e roupas e envolva seus filhos nesse processo. É importante ensinar que outras pessoas precisam mais do que nós e que somos privilegiados pela abundância. Assim, eles podem aprender o valor das coisas e a fazer compras conscientes mais tarde – produtos de qualidade que durarão mais e a comprar aquilo que realmente querem ou precisam.

E você, como costuma ensinar seus filhos a não consumirem nem quererem consumir? Poste nos comentários.

Thais Godinho
08/12/2015
Veja mais sobre:
8
Organizar também é cuidar de si mesmo
Como fazer a revisão semanal do GTD
Linkagem de domingo {53}